Fotos de la novela la esclava isaura

Date: 05.11.2018, 07:28 / Views: 65395

Закрыть ... [X]

Organizador

Obra revisada, Corrigida e Ampliada

Pesquisadores:

Antonia de Lourdes dos Santos Kabengele Munanga

São Paulo 2002

Ficha Técnica

Título:

Cem Anos e Mais de Bibliografia sobre o Negro no Brasil
(Obra revisada, corrigida e ampliada – classificação por assunto) Organizador: Kabengele Munanga Pesquisadores: Antonia de Lourdes dos Santos Kabengele Munanga

Equipe Técnica (Digitação e Preparação): Antonia de Lourdes dos Santos Josselito Batista de Jesus Revisão: Capa: Apoio: Antonia de Lourdes dos Santos

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CENTRO DE ESTUDOS AFRICANOS FUNDAÇÃO CULTURAL PALMARES

APRESENTAÇÃO

A primeira edição desta obra data do ano 2000 e coincidiu-se com as comemorações dos 500 Anos do Descobrimento do Brasil pelos portugueses. Uma mera coincidência pois, os realizadores da pesquisa e organizadores da obra, visavam somente oferecer aos pesquisadores e estudiosos do assunto, um importante instrumento de trabalho, necessário desde “L’animisme fétichiste des nègres de Bahia” de Nina Rodrigues, publicado em Paris em 1900, e que constitui o marco histórico de uma pesquisa acadêmica consolidada em Ciências Sociais sobre a presença do negro no Brasil. Apesar da lentidão e da falta de interesse que caracterizou a primeira fase do processo de pesquisa sobre o negro no Brasil pois – após a morte de Nina Rodrigues veio também um outro momento de silêncio, que foi rompido por seu discípulo Arthur Ramos –, os estudos sobre o negro diversificaram-se principalmente nos anos 50. Do negro visto historiograficamente através do tráfico, da escravatura e da abolição, ou apenas biologicamente através das diferenças físicas e como produtor de uma cultura diferenciada, passou-se a encará-lo como um problema social sujeito a uma análise sociológica dentro do discurso antiracista da época. A partir dos anos 70, com o crescimento da consciência negra através de seus movimentos sociais, viu-se nascer novas áreas de pesquisa, enriquecidas entre outros pela discussão sobre o resgate da identidade e sobre as estratégias de inclusão e de participação na sociedade. Lenta e arduamente alguns raros negros começaram a penetrar no espaço conceitual das ciências humanas, fomentando novas linhas de pesquisa na problemática da educação, do multiculturalismo e das políticas públicas dentro do contexto de

“afirmative action” inspirado nos Estados Unidos e na África do Sul pósapartheid. De 1900, a partir dos trabalhadores pioneiros de Nina Rodrigues e de seus discípulos, até hoje, diversificou-se a produção do conhecimento provocando um volume de bibliografias capaz de facilitar cada vez mais o trabalho do pesquisador isolado. Infelizmente, essas bibliografias se encontram dispersas e esfaceladamente apresentadas nas diversas universidades e instituições de pesquisa do país. Falta uma visão do conjunto e, sobretudo a memória dos trabalhos mais antigos. Foi com base na consciência dessa lacuna que tentamos, a partir das bibliografias parciais existentes e de novos levantamentos atualizadores, iniciar um esforço visando a apresentação aos presentes e futuros pesquisadores e estudiosos de um conjunto bibliográfico que possa refletir os 500 anos de descobrimento e os 100 anos de pesquisa sobre o negro no Brasil. Um ano depois do lançamento, esta obra originalmente publicada em dois volumes: por autores (vol. I) e por assuntos (vol. II) somando 1.257 páginas esgotou-se perante a grande demanda das instituições, bibliotecas, centros de pesquisa, pesquisadores e estudiosos isolados. Convidados pela atual presidência da Fundação Cultural Palmares para examinar as possibilidades de uma nova edição, decidimos por uma 2ª edição visando apenas o vol. II – classificação por assuntos. Essa edição, além de oferecer uma obra revisada e corrigida, foi ampliada por cerca de mais de mil novos títulos, tendo em vista o número considerável de novas publicações sobre o negro a partir do ano 2000. Assim, um novo problema se colocou: o título, pois não se tratava mais de 100 anos de bibliografia, daí a idéia de um novo título para a obra: “100 ANOS E MAIS DE BIBLIOGRAFIA SOBRE O NEGRO NO BRASIL”, que oferece as possibilidades de ser mantido até o final do século XXI. Uma obra sobre a produção bibliográfica exige uma atualização constante que, neste caso, será facilitada nas edições ulteriores a partir

2

da primeira edição da obra e desta. Esperamos que a Fundação Cultural Palmares possa, em suas futuras administrações, oferecer condições de continuidade de uma obra que facilita o trabalho do pesquisador, dispensando-o do fastigioso e cansativo exercício de levantamento bibliográfico. Na primeira edição publicada, a tarefa de compilação dos dados mobilizou quatro anos de pesquisas, realizadas com o apoio do Centro de Estudos Africanos da USP, do CNPq, da FAPESP e da Fundação Cultural Palmares. Para a entrega desta segunda edição, realizamos mais um ano de pesquisas para possibilitar a ampliação, correção e revisão da obra e contamos novamente com a valiosa contribuição do Centro de Estudos Africanos da USP e Fundação Cultural Palmares.

Kabengele Munanga Outubro de 2002

3

SUMÁRIO

1.ÁFRICA ........................................................................................................................ 1 1.1. C ULTURAS.......................................................................................................................................................1 1.2. HISTÓRIA........................................................................................................................................................14 1.3. LITERATURA ..................................................................................................................................................25 1.4. RELAÇÕES SUL -S UL / BRASIL-ÁFRICA ...............................................................................................30 1.5. OUTROS..........................................................................................................................................................44 2. BIBLIOGRAFIAS ......................................................................................................... 52 3. C ONGRESSOS/SEMINÁRIOS ....................................................................................... 58 4. C ULTURAS NEGRAS NO BRASIL ................................................................................... 61 4.1. RELIGIÕES.....................................................................................................................................................61 4.1.1. Candomblé ..............................................................................................................................................61 4.1.2. Macumba...............................................................................................................................................105 4.1.3. Umbanda ...............................................................................................................................................107 4.1.4. Irmandades ...........................................................................................................................................121 4.1.5. Sincretismo ...........................................................................................................................................127 4.1.6. Catolicismo ...........................................................................................................................................134 4.1.7. Vodum....................................................................................................................................................139 4.1.8. Outros.....................................................................................................................................................142 4.2. DANÇA /MÚSICA /ESPORTE.................................................................................. 178 4.2.1. Carnaval ................................................................................................................................................194 4.2.2. Samba.....................................................................................................................................................201 4.2.3. Bumba-meu-boi ...................................................................................................................................206 4.2.4. Capoeira ................................................................................................................................................209 4.2.5. Outros ...................................................................................................................................................213 4.3. ARTE/LITERATURA /MEDICINA .............................................................................. 221 4.4. LÍNGUA ............................................................................................................... 255 4.5. C ULINÁRIA ........................................................................................................... 260 4.6. OUTROS .............................................................................................................. 263 5. DEMOGRAFIA .......................................................................................................... 289 6. DICIONÁRIOS........................................................................................................... 303 8. RELAÇÕES RACIAIS/INTERÉTNICAS.............................................................................306 8.1. RAÇA , CLASSE, PRECONCEITO, DISCRIMINAÇÃO, RACISMO , SEGREGAÇÃO E APARTHEID 306 8.2. MERCADO DE TRABALHO , POLÍTICA , LAZER, SAÚDE ....................................................................421 8.3. EDUCAÇÃO................................................................................................................................................448 8.4. MULHER NEGRA, RELAÇÕES DE GÊNERO........................................................................................482 8.5. DIVERSIDADE, ETNICIDADE, NEGRITUDE, IDENTIDADE, HOMOSSEXUALISMO, MULTICULTURALISMO.......................................................................................................................................504 8.6. POLÍTICAS PÚBLICAS, AÇÃO AFIRMATIVA .........................................................................................549 8.7. MESTIÇAGEM , MISCIGENAÇÃO.............................................................................................................556 8.8. LEGISLAÇÃO..............................................................................................................................................566 8.9. OUTROS......................................................................................................................................................574 9. BOLETINS, C ADERNOS, REVISTAS...............................................................................587

1. 1. ÁFRICA
1.1. CULTURAS
ABIODUR, L. The concept of woman in the tradicional yoruba religion and art. Ibadan Unive rsity, 1976. ADESOJI, Michel A. Demola. Nigéria. História, costumes. Cultura do povo yoruba e a origem dos seus Orixás. Salvador: Gráfica Central Ltda., 1990, 67p. APPIAH, Kwame Anthony. In my Father’s House: Africa in the Philosophy of Culture. New York: Oxford University Press, 1992. APPIAH, Kwame Anthony. Na casa de meu pai. A África na filosofia da cultura. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997. BACCEGA, Maria Aparecida. Mayombe: ficção e história (uma leitura em movimento). São Paulo, 1985. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. BALANDIER, Georges et MAQUET, J. (eds.). Dictionnaire des civilisations africaines. Paris: s.ed., 1968. BALANDIER, Georges. Afrique ambigüe. Paris: Plon, 1957. BARBOSA, Maria Helena de Oliveira. Namíbia: histórico de uma crise e o imperativo da independência. In: Estudos Afro-Asiáticos. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes - Centro de Estudos AfroAsiáticos, (5):55-84, 1981. BARBOSA, Rogério Andrade. Bichos da África I, II, III, e IV. São Paulo: Melhoramentos, 1987. BARBOSA, Rogério Andrade. La-Le-Li-Lo-Luta : um professor brasileiro na Guiné Bissau. Rio de Janeiro: Achiamé, 1984. BASTIDE, Roger. Deuses e máscaras da África. In: Anhembi, São Paulo, 16(48):577-579, 1954. BASTIDE, Roger. L’Home africain à travers sa religion traditionelle. In: Présence Africaine. Paris, (40)32-42. BASTIDE, Roger. Le principe d’individuation: contribution à une philosophie africaine. In: Coloques Internationaux du Centre National de La Recherche Scientifique. La notion de personne en Afrique noire, Paris, (544):33-43, 11-17 oct., 1971.

1

BASTIDE, Roger. Mythologies africaines. In: Mythologies des Montagnes, des Forêts et des Iles. Paris: Larousse, p. 263-67, 1963. BASTIDE, Roger. Note complémenta ire sur le prophétisme en Côte d’Ivoire et Ghana. 5p. dat. (Texto inédito), s.d., s.c.p. BASTIDE, Roger. Une secte dahoméenne à Porto Novo: Le Yehoviesme. In: Mélanges d’histoire des Religions: offerte à Henri Charles Puech. Vendôme, Paris: PUF, 1974, 585-589. BITTENCOURT, Marcelo. A questão étnica e racial nas eleições angolanas. In: Estudos Afro-Asiáticos. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes. Centro de Estudos Afro-Asiáticos. (25):225-50, 1993. BITTENCOURT, Marcelo. As linhas que formam o EME . Um estudo sobre a criação do movimento popular de libertação de Angola. São Paulo, 1996. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. BITTENCOURT, Marcelo. Dos jornais às armas. Trajectórias da Contestação Angolana. Lisboa: Veja, 1999. 229p. BOLOGUN, Ola e outros. Introdução à cultura Africana. Lisboa: Edições 70, 1997. BOLOGUN, Ola. A escultura dos signos. In: Imágens da África. Correio da UNESCO. Rio de Janeiro: FGV, (7), 1977. BORGES, Edson. A política cultural em Moçambique após a Independência (1975-1982). In: FRY, Peter (org.). Moçambique: ensaios. Rio de Janeiro: Editora Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2001, 225-247. CHAVES, Rita de Cássia Natal. José Craveirinha, da Matalala, de Moçambique, do mundo. In: Via Atlântica, São Paulo: Departamento de Letras clássicas e Vernáculas, FFLCH/USP, (3):140-168, 1999. CHAVES, Rita de Cássia Natal. Mayombe: a reinvenção de Ogum – o prometeu africano. Niterói/RJ, 1984. 183p. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal Fluminense. CIVILIZAÇÃO Bantu. Salvador: Associação Cultural Bloco Carnavalesco do Ilê Aiyê, 1996. 35p. COLAÇO, João Carlos. Trabalho como política em Moçambique: do período colonial ao regime socialista. In: FRY, Peter (org.). Moçambique: ensaios. Rio de Janeiro, Editora Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2001, 91-108.

2

COSTA E SILVA, Alberto da. A enxada e a lança: a África antes dos Portugueses. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; São Paulo: EDUSP, 1992. DIERTERLEN, Germaine. Essai sur la religion Bambara. In: Anhembi, São Paulo, nov., 1951, 4(12):518-520. DIOP, Cheick Anta. L’Afrique Noire pré-coloniale: étude comparée des systèmes politiques et sociaux de l’Europe et de l’Afrique Noire, de l’antiquité à la formation des Etats modernes. Paris: Présence Africaine, 1960. 114p. DIOP, Cheick Anta. Nations nègres et culture. Paris: Editions Africaines, 1985. 390p. DIOP, Cheikh Anta. Civilisation ou Barbarie. Paris: Présence Africaine, 1981 DIOP, Cheikh Anta. The African Origin of Civilization: Myth or Reality. Wesport Lawrence Hill Company. New York, 1974 DOUGLAS, M. Pureza e perigo. São Paulo: Perspectiva, 1976. FARIAS, P. F. de Moraes. Enquanto isso, do outro lado do mar...: os Arókin e a identidade iorubá. In: Afro-Ásia. Salvador: Centro de Estudos Afro-Orientais da Universidade Federal da Bahia, (17):139-58, 1996. FLORENTINO, Manolo Garcia. Tratado ocidental de los eslavos y las sociedades agrárias del Africa Ocidental; ensay sobre las consecuencias del tráfico negrero en la agricultura del oeste Africano (1450 -1800). Mexico: Colégio del Mexico/Centro de Estudios de Asia y Africa, 1985. 193p. FONTINHA, Mário. Desenhos na areia dos quiocos do nordeste de Angola. Lisboa: Instituto de Investigação Tropical, 1983. FORD, Clyde W. O herói com rosto africano: mitos da África. São Paulo: Summus, 1999. 308p. FU-KIAU, Kimbwandende Kiiakiabunseki. Medicina Tradicional Africana: o poder e a terapia da auto cura. Curitiba: CENTHRU/Faculdade Espírita, (Tradução- no prelo), s/d. GERDES, Paulus. Desenhos da África. Série Vivendo a Matemática . São Paulo: Scipione, 1990. GONZÁLEZ, Lélia. Griot e Guerreiro. In: NASCIMENTO, Elisa Larkin (Org). Sankofa: Resgate da Cultura Afro-Brasileira. Rio de Janeiro: SEAFRO, 1:165-69, 1994.

3

GROMIKO, A. A. (org.). As Religiões da África. Moscou: Edições Progresso, 1987. GURAN, Milton. Agudás, os brasileiros do Benin. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999. HAVIK, Philip J. Matronas e mandonas: parentesco e poder feminino nos rios de Guiné (século XVIII). In: PANTOJA, Selma (Org.). Entre Áfricas e Brasis. Brasília: Paralelo 15; São Paulo: Marco Zero, 2001, 13-34. HERSKOVITS, Melville Jean. African Gods catholic saint in New World negro belief. In: American Anthropologist, Menasha, (39):635-643, 1933. JANHEINZ, Jahn. Muntu, l’homme africain et la culture néo-africaine. In: Revue Année Sociologique, Paris, (12)337-338, 1961. KAGAME, Alexis. La philosophie bantu comparée. Paris: Présence Africaine, 1976. KALENGA, Muleka Ditoka wa. Kisolo: modelo africano de máquina para predição e processamento de informações. São Paulo, 1989. Tese (Doutorado) – Escola de Comunicação e Arte da Universidade de São Paulo. KING, Joyce E. e COLLEGE, Medgar Evers. Usando o pensamento africano e o conhecimento nativo da comunidade. In: GOMES, Nilma Lino e SILVA, Petronilha B. Gonçalves (orgs.). Experiências étnico-culturais para a formação de professores. Belo Horizonte: Autêntica, 2002, p. 79-93. KUBIK, Gerhard. Angolan traits in black music, games and dances of Brazil; a study of African cultural exte nsions overseas. Lisboa, Junta de Investigações Científicas do Ultramar, 1979. 55p. (Estudos de Antropologia Cultural, 10) LEITE, Fábio. A questão ancestral. Notas sobre ancestrais e instituições ancestrais em sociedades africanas: Iuroba, Agni e Senufo. I : n África: revista do Centro de Estudos Africanos da USP, (7):133135, São Paulo, 1984 (Resumo de tese de doutoramento) LEITE, Fábio. África Negra. São Paulo: Empresa das Artes, Projetos e Edições Artísticas Ltda/SENAC, 1993. LEITE, Fábio. Bruxos e magos. In: África, revista do Centro de Estudos Africanos da USP, (14/15):69-80. São Paulo, 1991/1992. LEITE, Fábio. Notas sobre o pensamento africano. In: África: revista do Centro de Estudos Africanos da USP, (2):5-11, São Paulo, 1979.

4

LEITE, Fábio. O Poro. In: Dédalo, Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia da USP, nº 26, São Paulo, 1988. LEITE, Fábio. Os (eternos) valores culturais da África. Salve 13 de maio? São Paulo: Publicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, 1988. LEITE, Fábio. Penyakaha. In: África, revista do Centro de Estudos Africanos da USP, (9):19-33, São Paulo, 1988. LEITE, Fábio. Sizanga. In: Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia da USP. São Paulo, 1995 (Editado em 1996) LEITE, Fábio. Valores civilizatórios em sociedades negro-africanas. In: África: Revista do Centro de Estudos Africanos da USP, (18/19):103-118. São Paulo, 1995/1996 (Editada em 1997). LÉPINE, Claude. Os dois Reis do Danxome – varíola e monarquia na África Ocidental 1650-1800. Marília: UNESP; São Paulo: FAPESP, 2000. LOZOYA, Arturo Valledor. Conos y Himbas. In: AREIA, M. L. Rodrigues e MIRANDA, M. A. (orgs.). Perspectivas sobre Angola. Coimbra: Departamento de Antropologia da Universidade de Coimbra, 2001, p. 115-125. MACAGNO, Lorenzo. O discurso colonial e a fabricação dos usos e costumes: Antonio Enes e a ‘Geração de 95’. In: FRY, Peter (org.). Moçambique: ensaios. Rio de Janeiro, Editora Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2001, 61-90. MACAGNO, Lorenzo. Os paradoxos do assimilacionismo: usos e costumes do colonialismo português em Moçambique. Rio de Janeiro, 1996. Dissertação (Mestrado) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal do Rio de Janeiro. MACIA, Manuel. Moçambique: terra, poder e os processos de legitimação. In: FRY, Peter (org.). Moçambique: ensaios. Rio de Janeiro, Editora Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2001, 277-284. MACIA, Manuel. Visões do poder em Moçambique: estudo sobre o tradicional e o moderno numa vila rural do Sul do país. Rio de Janeiro, 1997. Dissertação (Mestrado) – Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro. MAIGA, Hassimi O. Nossa herança africana: reflexões de um educador do Mali em uma universidade historicamente negra. In: GOMES, Nilma Lino e SILVA, Petronilha B. Gonçalves (orgs.). Experiências étnico-culturais para a formação de professores. Belo Horizonte: Autêntica, 2002, 71-78.

5

Laura. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia da USP. In: Dédalo. Fertilidade da terra e fecundidade da mulher: símbolos e suportes materiais nas sociedades negro-africanas. Lisboa: IICT. La capitale de l’Empire Lunda un urbanisme politique. MOUTINHO. una tentative de redefinition méthodologique. (25):23-38. Lagos: s. Símbolos. (18):100-11. (4 vol. Razão. outubro. Kabengele. 1993. MARTINS.. 1993. Educação e cultura e ideologia em Moçambique. Afinal./ago. CERÁVOLO. São Paulo. afetividade e desejos nos relacionamentos afetivo-sexuais entre brancos e negros na Cidade de Cabo (África do Sul) e Rio de Janeiro (Brasil). MUNANGA. 19751985. Revista do Centro de Estudos Africanos da USP. Fernando Augusto Albuquerque. Brazão. In: Revista Brio. (em busca de fundamentos filosófico-antropológicos). Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. São Paulo: Coordenadoria de Comunicação Social da USP. Tese (Livre-Docência) – Faculdade de Filosofia. (2):34. 1987.ed. MUNANGA.). o que é a África? Coluna. 1987. jun. XXII Encontro Anual da ANPOCS. In: Revista USP .. 1995. (1). MOURÃO. adivinhação e medicina tradicionais dos Tutchokwe do Nordeste de Angola. 1999. MANZOCHI. Crenças. Continuidades e Descontinuidades de um processo colonial através de uma Leitura de Luanda. Fernando Augusto Albuquerque. 1977. Kabengele. Alfredo. 1988. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Kaduna. São Paulo: MAE/USP. Kabengele. (3):1-7. 1970. MOURÃO. MUNANGA. poder e autoridade nas sociedades negro-africanas. 1993. MUNANGA. juillet-aout. In: Annales. Caxambu. Suely. Kabengele. São Paulo: MAE/USP. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia da USP. (25):7-21. MAZULA. Lagos. Nigéria. 6 . MOURÃO. João Vicente.Dossiê Brasil/África. 25(4).MARGARIDO. La contribution de l’Afrique Bantouse a la formation de la societé brésilienne. In: Dédalo. São Paulo. Helmy Mansur. Fernando Augusto Albuquerque. In: Word Black and African Festival of Arts and Culture. São Paulo. The cultural presence of Africa and dynamics of the socio-cultural process in Brazil. In: África. 1980. São Paulo. África: trinta anos de processo de independência.

MUSSÁ. 1988. MUNANGA. p. Entre modernidade e tradição : a comunidade islâmica de Maputo. In: Fundação João Pinheiros. Brasília: Gabinete do Senador Abdias do Nascimento. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes. 1986. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Fátima Nordine. Kabengele. (23):163-70. São Paulo: Ed. New York: Simon & Schuster Macmillan. In: Dédalo. NASCIMENTO. MUNANGA. John (Ed. MUNANGA. 1977. MUSSÁ. Abdias do. Kabengele. In: Estudos Afro-Asiáticos. Niterói. 1997. 7 . Thoth. In: MIDDLETON. Escriba dos Deuses. 1973. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia da USP. ritos e práticas relativos à morte entre os Basanga de Shaba (Zaire). Pensamento dos povos africanos e afrodescendentes. In: FRY. 211-20.). 1998. 79:543-56. Kabengele. 1997. 2001. 1984. L'enfant Musanga du Shaba. Kabengele. Peter (org. São Paulo. São Paulo: Faculdade de Filosofia. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia e Ciência Política da UFF. São Paulo: MAE/USP. 111-133. Moçambique: ensaios. Vasco. 1983. Rio de Janeiro: Editora Universidade Federal do Rio de Janeiro. pratiques et croyances relatifs à l'enfance chez les Basanga du Shaba. Encyclopedia of Africa South of The Saara. Os Basanga de Shaba (Zaire): aspectos sócioeconômicos e políticos religiosos. (15):105-15. MUNIZ. Rites. African Studies Outside Africa: Latin America. Kabengele. Fátima Nordine. MUNANGA. MUNANGA. MUNANGA. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. 80:607-624./abr.. Entre modernidade e a tradição: a comunidade islâmica de Maputo. In: Zaire-Afrique.). Belo Horizonte. Kabengele. (7-10):64-78.MUNANGA. Kabengele. Aspectos do casamento africano. O Universo Cultural Africano. 1984. Kabengele. um grupo étnico do Zaire: Ensaio de Antropologia Geral. In: Zaire-Afrique. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia. A morte e os mortos na sociedade brasileira. Hucitec. Centro de Estudos Afro-Asiáticos. In: MARTINS. 448-50. José de Souza (Org. jan. (1):285p. MUNANGA. Crenças. p. Os Basanga de Shaba.). 1973. A contribuição africana para a música brasileira.

F. NASCIMENTO. 1940. Perspectivas sobre Angola. (4):239p. NASCIMENTO. 1:35-48. In: Afro-Ásia./abr. 1997. Pensamento dos povos africanos e afrodescendentes. Dança dos Ibo.). Rio de Janeiro. 1998. Nova Minerva. Coimbra: Departamento de Antropologia da Universidade de Coimbra. Elisa Larkin (Org). OLIVEIRA. João Dantas. Abdias do. Rio de Janeiro: Odebrecht. Sankofa: Resgate da Cultura Afro-Brasileira. Lisboa: Typ. Abdias do. Rio de Janeiro: SEAFRO. Georges. In: Cadernos Brasileiros. Escriba dos Deuses. (orgs. 1998. 101-113. Bahia 1940. EPHE. Manoel Bernardino da. Salvador: Centro de Estudos Afro-Orientais e do Programa de Pós-Graduação em História da UFBA. Escriba dos Deuses. José Carlos de. M. p.. (3):267p. (Mémoire. As Árvores Sagradas do Kongo. Thoth. Thoth. OLIVEIRA. 2001. Escriba dos Deuses. O negro no Brasil . Escriba dos Deuses. 1994 NICOLAU. jan./dez. Ligeira explicação sobre a nação congo.NASCIMENTO. (25-26):177-213. 6è section) NZETWA. Onuora. Pensamento dos povos africanos e afrodescendentes. Luis. 1962. Maranhão e Bahia. Tese de Doutorado apresentada ao Departamento de Sociologia da 8 . Abdias do. Brasília: Gabinete do Senador Abdias do Nascimento. Pontas e Ponteiros na Guiné-Bissau. Thoth. p. 349-56. Angola e a expressão de sua cultura material. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 1970. nº especialÁfrica. Elisa Larkin. In: II Congresso Afro-Brasileiro. O triângulo dos Tobosi – uma figura no Benin. Introdução às Civilizações Africanas. 88. maio/ago. 1997. set. maio/ago. Usos e costumes de alguns povos gentílicos do interior de Mossamedes e as colônias portuguesas. Brasília: Gabinete do Senador Abdias do Nascimento. Diplôme de l’Ecole Pratique des Hautes Etudes. PAIXÃO.. Pensamento dos povos africanos e afrodescendentes. A. M. Pensamento dos povos africanos e afrodescendentes. NOGUEIRA. (2):292p. NASCIMENTO. Ana Maria de. (5):305p. In: NASCIMENTO. 151p. In: AREIA. NASCIMENTO. PEREIRA. 1980.. Paris. A. Rodrigues e MIRANDA. Abdias do. Thoth. Brasília: Gabinete do Senador Abdias do Nascimento. La culture vodu au Sud-Togo à Aneho. 1991. A raça negra sob o ponto de vista da civilização da África. NYATEPE-COO. Brasília: Gabinete do Senador Abdias do Nascimento. L. p.

1966. jan. QUERINO. Coimbra: Instituto de Antropologia. 2001. Notas sobre os ritos de iniciação em Malanje (1970). PINTO. Etnossociologia do Nordeste de Angola. Folcl. Salvador: Livraria Progresso. A raça africana e seus costumes na Bahia. (Ver: BITTENCOURT. Raimundo Nina. Economies.. Recife: Massangana. 1999. Coimbra: Departamento de Antropologia da Universidade de Coimbra. Nacional. 9 . p. In: Boletim Com. jan 1956. 1971. 1927. (orgs. Luis. out. 1999. M. 1927. POLLAK-ELTZ. Cat. Os Africanos no Brasil. Usos e costumes angolanos. 172p. 2ª ed. In: Revista Academia Brasileira de Letras. M. set. mai/ago 1968. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. Rodrigues e MIRANDA.. Luena Nascimento Nunes. 1988 REDINHA. RODRIGUES. 25-57. Rio de Janeiro. QUERINO. 1938. Rio de Janeiro. Perspectivas sobre Angola. Dissertação de Mestrado apresentada no Departamento de Antropologia da Faculdade de Filosofia. Letras e Ciências Universidade de São Paulo. São Paulo. In: Revista Brasileira do Folclore. 25(9):126-8.). Marcelo) POLANAH. 1977. 25(70):131-199. In: Annales. L. Manuel Raimundo. Marcelo Bittencourt Ivair. RIBAS. 1984. Civilisations. Oscar. José. In: AREIA. 22:91-94. REDINHA. A raça africana e seus costumes na Bahia. Maria de Lourdes Borges. 1956. Costumes africanos no Brasil. RIBAS. Florianópolis. José. A. Manuel Raimundo. A influência da cultura angolense no Vale do Paraíba. Instrumentos musicais de Angola. 1964. 8(3): 243-44.Faculdade de Filosofia. São Paulo. RIBEIRO. fev. Manuel Raimundo. São Paulo: Cia Ed. Angelina. Humanas da PEREIRA... Oscar. O congo angolano. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Salvador: Centro de Estudos Afro-Orientais. 8(21): 155-172. El culto de los gemelos en África occidental y en las Américas. 351p. QUERINO. Os regressados na cidade de Luanda: um estudo sobre a identidade étnica e nacional de Angola. Sociétés. Paris. Braga: Editora PAX.

127-139. Coimbra: Departamento de Antropologia da Universidade de Coimbra. In: Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia. Notas discursivas diante das máscaras africanas. SANTILLI. São Paulo: Cia. Rodrigues e MIRANDA. A globalização societal contemporânea e o espaço lusófono: mitideologias. 1985.). In: AREIA. 409p. 1990. Entre os Bosquímanos. M. Considerações sobre as madeiras que os Basonge escolheram para esculpir algumas de suas estátuas. realidades e potencialidades.). São Paulo: MAE/USP. culturas e sociedades. Marta Heloisa Leuba. Breve contribuição para uma reflexão sobre a idéia de identidade e cidadania em Moçambique. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia da USP. SALUM. 203-208. Guia temático para professores: África. Perspectivas sobre Angola. 2000. Milton. Critérios para o tratamento museológico de peças africanas em coleções: uma proposta de museologia aplicada (documentação e exposição) para o Museu AfroBrasileiro de Salvador. 2001. (Guia temático para professores: Formas de Humanidade). Considerações sobre o perfil da coleção Africana e Afro-brasileira no MAE-USP. Martha Heloísa Leuba. Na Quinta de J. Ceravolo. SCHATZ. 1999. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes. SALUM. ROMANO. Lourenço do. SANTOS. SALUM. L. (3):167-85. São Paulo: Ática. p. In: NEVES. 1993. Rio de Janeiro: Minerva Press do Brasil. São Paulo: Museu de Arqueologia e Etnologia – Universidade de São Paulo. Lisboa: Edições Univesitárias Lusófonas. 2000. 1996. Maria Aparecida de Campos Brando. Centro de Estudos Afro-Asiáticos. 1984. São Paulo: MAE/USP. C. (28):207-26. [1999]: 1 -27 + leg. Kabverd: Civilização e cultura. Fernando Santos (org. A. In: Dédalo. Ilse. 10 . São Paulo: MAE/USP. SALUM. SALUM. África. (7):71-86. SALUM. 1935. Africanidade: contornos literários. (orgs. Suely. Raimundo Nina.RODRIGUES. culturas e sociedades. In: Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia. As desigualdades regionais na Guiné-Bissau. Otjiguinas (Namíbia). (10):73-94. Marta Heloisa Leuba. In: Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia. M. Os africanos no Brasil. São Paulo: MAE/USP. ROSÁRIO. Marta Heloísa Leuba. In: Estudos Afro-Asiáticos. p. Ed. Nacional. Marta Heloisa Leuba. 1997. São Paulo: MAE/USP. Luis. (6):233-53. Marta Heloisa Leuba.

dez/fev. Carlos Moreira Henriques. M. Rodrigues e MIRANDA. Francisco Carlos. Carlos Moreira Henriques. Madrid: Casa de África. A emergência do reino Ngoyo segundo a tradição oral. Aspectos das culturas bantu nas religiões afro-brasileiras . Carlos Moreira Henriques. Ginga. 1979. In: AREIA. SERRANO. Carlos Moreira Henriques. SERRANO. junho de 1991. In: Para conhecer melhor Angola. SERRANO. Dossiê Povo Negro . O imaginário e o sentido do antropaico no simbolismo da arte africana.). Carlos Moreira Henriques. Perugia. p. 1999. São Paulo: Ed. Angola: os homens de Deus ou a Etnografia Missionária . p. In: Vida e Cultura. Suplemento do Jornal de Angola. Perugia. julho de 1991. Carlos Moreira Henriques e GNACCARINI. XIX ao primeiro quartel do 11 . São Paulo. In: Revista America Negra. Revista Italiana si Studi Americanistici. Os ‘Homens do Comércio’ e a etnografia empírica em Angola (do séc. José César A. Carlos Moreira Henriques.300 anos. SERRANO. 169-173. SERRANO. 1995/6. O trajeto de homens. 2001. SERRANO. Carlos Moreira Henriques. Ginga. 26 de maio de 1985. A Rainha Quilombola de Matamba e Angola. FUNDAP: São Paulo. São Paulo: Coordenadoria de Comunicação Social da USP. In: África hacia el siglo XXI: Actas del II Congreso de Estudios Africanos en el Mundo Ibérico. In: Quaderni Di Thule. Perspectivas sobre Angola. (orgs. SERRANO. O poder político do reino Ngoyo: um estudo sociológico. (11). SERRANO. Angola: os homens e suas fronteiras. la reina quilomba de Matamba y Angola. 1500/2000: Trajetórias. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. plantas e saberes no Altântico Sul. In: Revista USP. Bogota/Colombia. Carlos Moreira Henriques. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia. p. Escola de Comunicações e Artes. O Processo de Constituição dos Estados Nacionais: as questões culturais (Padrão de Organização Social e o Aparelho Estatal). M. Carlos Moreira Henriques. 1996. (Actas do XXII Convegno Internazionale di Americanistica. Coimbra: Departamento de Antropologia da Universidade de Coimbra. 327-329. ECA/USP. 2001. 19-24. A.SERRANO. (28):136-141. In: COSENTINO. 2001. 4/5/6 maggio 2001). 33-41. L. Carlos Moreira Henriques. SERRANO. SERRANO. Belo Horizonte: Centro Universitário Newton Paiva / Curso de História.

Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. CEA-USP/SDG-Marinha/CAPES. 1997. Carlos Moreira Henriques. Conflito familiar e reconciliação entre os Hungana de Kizefu. os símbolos do poder tradicional. São Paulo. Zaire. Ibrahin. 197-205. In: II Congresso Afro-Brasileiro. A concepção de deus entre os negros yorubas. Les Sages dépossédés: univers magiques d’Afrique Noire. SERRANO./abr. jan. SOUSA. Cadernos Cândido Mendes. p. Rio de Janeiro. SUNDIATA. Lapido. 1971. 1977. São Paulo: EDUSP/Estação Ciência. p. SOLANKÊ. Poder. Laffont. Ervas: raízes africanas. 1996 THOMAS. Poder. Lisboa: Memórias da Juventude de Investigação do Ultramar. (32):97-108. Ornato José da. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. 12 . Universidade de Coimbra. TURNER. Estratégias e políticas de combate à discriminação racial. Carlos Moreira Henriques. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia. Djalma Antonio da. 175p.séc. Kabengele (org. nº 60. 1997. Rio de Janeiro: Centro de Estudos Afro-Asiáticos. In: Anais. In: Estudos Afro-Asiáticos. Jerry Michael. SERRANO. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. XX). O negro no Brasil . um perfil. maio de 1983. In: Anais. Repensando o africanismo da Diáspora. SILVA. XIX). In: Angola. Carlos Moreira Henriques. 1997. (1):19-25. São Paulo.. simbolos e imaginário social. Carlos Moreira Henriques. René. 123-29. Luís Augusto de. SERRANO. 239-46. 1988.). 306p. Sobre a mulher Lunda-Quioca (Angola). Tráfico e Mudança do Poder Tradicional no Reino Ngoyo (Cabinda no séc. In: MUNANGA. 1996 (impresso em 1997) SERRANO. LUNEAU. Louis Vincent. 1983. Napoli. Congresso Internazionale Il Portogallo e I Mare: Un Incontro tra Culture. 1940. Paris: R. 1978. p. Bahia 1940. Coimbra: Instituto de Antropologia. II Reunião Internacional de História de África. In: Estudos Afro-Asiáticos. Cultura afro-brasileira na costa ocidental da África. São Paulo: Faculdade de Filosofia. Os senhores da terra e os homens do mar: antropologia política de um reino africano. produção e circulação no Ngoyo. Rio de Janeiro: Rabaço. SILVA.

A África do Sul e a Estratégia do Oceano Índico. 1995. Os paradoxos da gemelaridade no ritual Ndembo. ZIEGLER. 1972. Notas sobre o culto dos Orixás e Voduns na Bahia de Todos os Santos. In: Estudos Afro-Asiáticos. 314p. na Nigéria. Jean. 3ª reimpressão. Os vivos e a morte. O poder africano. jan/mars. Lagos: Ministério das Relações Exteriores. La mort à gomeia. VERGER. VERGER. Une sortie de Iyawô dans un village nagô au Dahomey. (2):5-15. 1978. Jerry Michael. éléments d’une théorie de la mort dans les théocraties de la diaspora africaine du Brésil. Ministério da Educação e Cultura. ZIEGLER. 296p VERGER. São Paulo: DIFEL. In: Estudos Afro-Asiáticos. 1977.l. In: Etudes de l’ Homme. VOCKERODT. 1974. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes. Le pouvoir africain. ZIEGLER. Victor. 228p. 1957]. (23):153-65.. São Paulo: EDUSP. 320p. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. 1972. VALLADARES. Rio de Janeiro: Zahar. s. 254p. Paris: Le Seuil. Jean. O uso das plantas na sociedade iorubá. (6):11-26. Paris. Les vivants et la mort. e na Antiga Costa dos Escravos. VERGER. Petrópolis: Vozes. Jean. no Togo e em Gana nos séculos XIX e XX. The impact of African Culture on Brazil. Clarival do Prado. African cultural survivals in the New World: the example of Brazil and Cuba. ZIEGLER. Jean. TURNER. Lagos. Pierre. Victor A. 1999. (28):85-100. Pierre. ZIEGLER. 13 . Centro de Estudos AfroAsiáticos. Tarikh. na África. 1979. 1977. Identidade étnica na África Ocidental: o caso especial dos Afro-Brasileiros no Benin. 1975. Pierre Fatumbi. Paris: Le Seuil. elementos de uma sociologia política da África negra e de sua diáspora nas Américas. no Brasil. 2001. 5(4). Jean. Ewé. 1978. In: L’homme et la Societé . 1951. São Paulo: Companhia das Letras. uma sociologia da morte no ocidente e na diáspora africana no Brasil e seus mecanismos culturais. Pierre Fatumbi.TURNER. [1ª ed. In: O Processo Ritual.

In: Construindo o passado angolano: as fontes e a sua interpretação. Dissertação (Mestrado) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade de Campinas. ANGEL. In: Estudos Afro-Asiáticos. 125p. Sol na tarde: perspectivas otimistas para a literatura guineense. 1998. Moçambique e Angola retalhados em 1898. In: Estudos Afro-Asiáticos. dez. 1999. Senegâmbia: O desafio da história regional. Amsterdan/Rio de Janeiro: SEPHIS/CEAA. Actas da III Reunião Internacional de História da África (1999). Paris: Librairie Larose. BITTENCOURT. 1942. 1997. 2000. Etudes sur la traite des noirs au Golfe de Guinée: le comptoir français de Juda (Ouidah) au XVIII siècle. Rio de Janeiro: UCAM/Centro de Estudos Afro-Asiáticos. 655-671. (3):24-47. In: Via Atlântica. In: Diário de Notícias. 2000. 161-185. Francisco Manuel César Correia de. ALMEIDA. Marcelo. A Questão Étnica e Racial nas Eleições Angolanas. 1885 – c. 2000. Os fundos europeus como sempre. Simone.2. Marcelo. Marcelo A História Contemporânea de Angola: seus achados e suas armadilhas . ÁFRICA 1. 1998. 30 de Agosto. dez. p. A criação do MPLA. Marcelo. BITTENCOURT. Lisboa: IICT / Centro de Estudos de História e Cartografia Antiga. Campinas/SP. H ISTÓRIA ALBINO. BITTENCOURT. Boubacar. São Paulo: Departamento de Letras Clássicas e Vernáculos. Actas do II Seminário Internacional sobre a História de Angola (4 a 9 de agosto de 1997). Ano 134.276. Carlos. (32):185-208. (25):225-250. nº 47. Luanda: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses. Moema P arente. BITTENCOURT.1. BERBAIN. p. BARRY. 14 . Considerações em torno do nacionalismo angolano. A resposta dos ‘Crioulos Luandenses’ ao intensificar do processo colonial em finais do século XIX. FFLCH-USP.. 1930). 1993. Rio de Janeiro: UCAM/Centro de Estudos Afro-Asiáticos. In: A África e a instalação do siste ma colonial (c.

1999. Kabengele (org). In: MUNANGA. A guerra civil em Angola. BLAJBERG. BITTENCOURT. Edson. Nacional. Estamos juntos – O MPLA e a luta anticolonial (1961-1971). Marcelo. Tese (Doutorado) – Universidade Federal Fluminense. Lisboa: Vega. O legado do apartheid formal e os desafios enfrentados na reconstrução e desenvolvimento da África do Sul (1994-1995). 236-305. São Paulo: EDUSP/Estação Ciência. 1996. Estratégias e políticas de combate à discriminação racial. (2):91-110. Charles Ralph. São Paulo: CEA-USP/SDG-Marinha/CAPES. 1999. In: A Dimensão Atlântica da África. BITTENCOURT. Ed. Revista Nação Brasil. 1990. 1997. Marcelo. 1973.. Salomon. p. 1999. Lisboa: Publicações Dom Quixote. BITTENCOURT. Kabengele (org. 1997. set. São Paulo: Nova Cultural. BITTENCOURT. São Paulo: Comp. In: MUNANGA. Trajectórias da Contestação Angolana. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. 1999. Revisitando a crise angolana. São Paulo. BUTSON. A partilha da África Negra. p. 1996. Estado e cultura: praxis cultural da frente de libertação de Moçambique (1962-1982). Rio de Janeiro. Niteroi/RJ. Dos Jornais às Armas. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de História Oral. Memórias da Guerrilha: a disputa de um valioso capital. In: História Oral. Angola – A mãe-preta. BOXER. Marcelo. Mandela. George. In: Conjuntura Internacional. 1974. 17-28. Morte da dignidade. BRITTAIN. As relações internas de luta pelo poder. BORGES. Estratégias e Políticas de Combate à Discriminação Racial. 2002. 15 . (115):43-47. Victoria. Anais da II Reunião Internacional de História de África. As idiossincrasias raciais brasileiras na formulação das políticas públicas em vista da eliminação do apartheid formal na África do Sul. BRUNSCHIWING. São Paulo: Perspectiva.BITTENCOURT.). 147-151. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia. Jennifer Dunjuwa. Thomas. In: Salvador de Sá e a Luta Pelo Brasil e Angola 1602-1686. p. Marcelo. São Paulo: EDUSP/EstaçãoCiência. Marcelo. BLAJBERG.

Moacir Werneck de. Angola: Estado-Nação. p. 1980. 2002. CASTRO. Mário Bastos Fernando. Carlos. Raça como retórica – a construção da diferença. 1962. Moçambique. In: MAGGIE. Gerard.CABAÇO. 351-408. Rio de Janeiro: Codecri. 1982. As duas guerras de Moçambique. 1991. Fernando Jorge. CHATWIN. Rio de Janeiro. In: CASTRO. CAITA. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Estudos Afro-Asiáticos. Selma (Org. COMITINI. 1988. CARDOSO. CASTRO. O vice-rei de Uidá.). Formação do Império Colonial Anglo-Francês na África. Entre Áfricas e Brasis. 65-114. In: Revista Humanidades. CASTRO. Rio de Janeiro. 2000. 1987. Moacir Werneck de. Yvonne e REZENDE. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. CHALIAND. Brasília: Paralelo 15. Mario de Andrade: a luta pela independência de Angola. A Descolonização da Ásia e da África. nº especial. CASTRO. Dois caminhos da revolução africana. África arde. p. São Paulo: Marco Zero. O novo sangue (Angola. África descoberta. (17). CANEDO. Angola e a afirmação cotidiana da liberdade (Entrevista: embaixador Francisco Romão). 1985. Guiné-Bissau) . In: PANTOJA. Cláudia Barcellos (orgs. São Paulo: Série Discutindo a História Atual. COELHO. 16 . 1962. São Paulo: Brasiliense. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Estudos Afro-Asiáticos. CARDOSO. Políticas de identidade no Moçambique colonial . 2001. 1962. São Paulo: Ed. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro. A Luta pela África: estratégia das potências. Yedda Pessoa de. Brasília: UnB. José Ariel. Letícia B. 1980. 75-90. p.). (23):135-40. 37. João Paulo Borges. (20):61-84. SADCC e Interdependência econômica na África Austral: realidades e perspectivas. In: COMITINI. movimentos sociais e disputas territoriais. Edson Lopes.África. o caso da província de Ngongola. 95-101. Rio de Janeiro: Caderno Cândido Mendes . Moacir Werneck de. Companhia das Letras. In: Cadernos Brasileiros.Centro de Estudos Afro-Asiáticos. uma história recontada. Dois caminhos da revolução africana. São Paulo. Carlos. Bruce. In: Revista de Antropologia. José Luís. In: Estudos AfroAsiáticos.

E. In: Ivan C. História da África: anterior aos descobrimentos. Perspectiva. o povo. 1986. 2 vol. A História Africana e os elementos básicos para o seu ensino. 1988. (Série pensamento Negro em Educação). história. Nzinga: Resistência africana português. Roy. São Paulo. África arde: luta dos povos africanos pela liberdade. DARCI. 17 . (2). 1997. CORRÊA. 2ªed. Moçambique: primeiros machambas. São Paulo. 1984. Documento. Idade Moderna I. In: CUNHA. Negro e Currículo. Maria Manuela Carneiro da. 1982.COMITINI. CUNHA. p. Rio de Janeiro: Achiamé. São Paulo: Companhia das Letras. In: Religião e Sociedade. 1992. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro.Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Henrique. GLASGOW. GUIA BRASILEIRO de Fontes para a história da África. Carlos. Antropologia do Brasil: mito. Religião. Introdução aos estudos africanos. Florianópolis: NEN. comércio e etnicidade. CUNHA JÚNIOR. COMITINI. Religião. de escravidão Negra e do Negro na sociedade atual. Lima e Jeruse Romão (org. Carlos. uma interpretação preliminar do catolicismo brasileiro em Lagos no século XIX. Sonia e HOMEM. Mário Curtis. In: Estudos Afro-Asiáticos. São Paulo: Brasiliense/EDUSP. GIORDANI. Philip. 1980. Gostaríamos de informá-lo que amanhã seremos mortos com nossas famílias: histórias de Ruanda. Independência africana: mito e realidade. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes . ao colonialismo GOUREVITCH. 14(7-10). Salvador: Secretaria de Educação e Cultura. 1993. (23)213-27.). 1977. 1986. Maria Manuela Carneiro da. comércio e etnicidade: uma interpretação preliminar do catolicismo brasileiro em Lagos no século XIX. 1977. CUNHA. 1(1): 5159. Jacques. 2000. Brasília: Arquivo NacionalDepartamento da Imprensa Nacional. 85-96. Rio de Janeiro: Margem Editora. Colina. Maria Manuela Carneiro da. etnicidade. A guerra e as mudanças sociais recentes em Moçambique (1986-1992): cenários para o futuro. 183p. . Rio de Janeiro: Codecri. GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA. África. Petrópoli(RJ): Vozes. D’ADESKY. 1982.

Joseph (Coord. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.). Lorenzo. Joseph (Coord. 1996. 18 .). História da África Negra Pré-Colonial. Movimentos de Resistência na África. Porto Alegre: Mercado Aberto. Joseph (Coord.. 1980. São Paulo. KI-ZERBO. os brasileiros do Benin. Histoire générale de l’Afrique. São Paulo: Humanitas/FFLCH. Mônica Tovo Soares. Marco Antonio. 893p. UNESCO.GURAN. KI-ZERBO. 1999.l. Paris: UNESCO. São Paulo: Ática. In: Revista de História. In: FRY.). Joseph (Coord. Milton. Metodologia e préhistória da África. Amadou. 61-90. Os paradoxos do assimilacionismo: usos e costumes do colonialismo português em Moçambique. 2001. 1999. MAESTRI FILHO. 2º semestre 1999. In: História geral da África. Rio de Janeiro. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Sociologia do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Histoire de l’Afrique Noire d’hier à demain. 1988. A guerra civil em Angola: dimensões históricas e contemporâneas. Hatier. MACAGNO. 731p. Agudás. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Peter (org. 1982. A tradição viva. I. HERNANDEZ. HAMPATE BA. Lorenzo. Jeune Afrique. História Geral da África.) História Geral da África I. Moçambique: ensaios. MACHADO. terceira série. São Paulo. MACAGNO. São Paulo: Ática. Editora Universidade Federal do Rio de Janeiro. Departamento de História. Angola no período pombalino: o governo de Dom Francisco Inocência de Sousa Coutinho – 19641772. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia. Paris: Librarie A. KI-ZERBO. s. Stock. 1998. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia. O discurso colonial e a fabricação dos usos e costumes: Antonio Enes e a ‘Geração de 95’. Faculdade de Filosofia. 1981. (141):141150. LIBERATTI. Mário José. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. 1972. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1978.). Leila Leite. I Methodologi et Pré-Histoire Africaine. Paris: UNESCO. KI-ZERBO. vol.

2v. Kabengele. MARTELO. Gonçalves (orgs. Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa : reflexões sobre a história. MAIGA. MOKHAHTAR. Administrações coloniais francesa. Demétrio.. 71-78. (21). 1978. Hassimi O. 1941-1991. synthèse. São Paulo: CEBRAP. Mem Martins. São Paulo. MOURÃO. Paris: UNESCO.). nov. A Antropologia e a colonização da África. Experiências étnico-culturais para a formação de professores. Cucujões: Secretariado Nacional da Comissão 5 Séculos de Evangelização e Encontro de Culturas. História Geral da África II – A África Antiga. 4ª edição. Reprise da África no Brasil. 2002. Fernando Augusto Albuquerque. p. In: África. In: GOMES. David. 40-57. 1978. In: Novos Estudos Cebrap. Esboço de Angola. Nize Izabel de.). 1982. Rodrigues. 1961. Actas da III 19 . (Coord. MOURÃO. O português esse desconhecido. Fernando Augusto Albuquerque. África do Sul: capitalismo e apartheid. In: Estudos Af ro-Asiáticos. (63):77-78. MUACA. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. 1974. 1976.MAGNOLI. In: Cadernos de Pesquisa . Nilma Lino e SILVA. Paris: Université de Paris. MANNING. MOURA. portuguesa e belga e a política de assimiliação e as suas conseqüências no processo de conscientização anticolonial. Patrick. Revista do Centro de Estudos Africanos da USP. Contribuition a l 'histoire de la petite côte (Senegal ) au XVII siècle. MATIAS. Belo Horizonte: Autêntica. 1983. (1):44-48. Cessar-Fogo em Publicações Europa-América. 1991. MORAIS. África. Eduardo André. 1(1):3-12.1885-c. São Paulo: Ática. jul. In: FUNDAP. Kabengele. São Paulo. Nossa herança africana: reflexões de um educador do Mali em uma universidade historicamente negra. 1998. Petronilha B. Breve História da Evangelização de Angola. In: A África e a Instalação do Sistema Colonial (c. 1988. Carlos.1930). São Paulo: FUNDAP. MUNANGA. São Paulo: Contexto. Rio de Janeiro: Movimento dos Portugueses do Brasil.1987. O colonialismo português na África . Escravidão e mudança social na África. 2001. G. desenvolvimento e administração. Curso de Introdução à História da África para professores de 1º e 2º graus. MUNANGA.

Selma Alves. Brasília: Paralelo 15. Selma (Org. In: MOURA. São Paulo: Marco Zero. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. 1996. Nzinga Mbandi: comércio e escravidão no litoral angolano no século XVII. História das Campanhas de Angola – Resistência e Revoltas 1845-1941. O porque das guerras africanas. 37p. Samuel de. Kabengele. Do trabalho de campo à exposição do império: a viagem bosquimana/khanako pela África do Sul . 2 volumes. O africano como colonizador. René. (29):143-62. 35-49. p. Marcelo Bittencort Ivair. Selma Alves. 2000. 367-375. 1987. Rio de Janeiro: Ed. 99-115. (14):22-31. Paralelo. Yvonne e REZENDE. (Ver: BITTERNCOURT. 1974. 1987. Pio. PANTOJA. O processo de descolonização em Moçambique. Salvador: Imprensa Oficial do Estado.c. QUERINO. In: Estudos Afro-Asiáticos. PENNA FILHO. Conflito e busca pela estabilidade no continente africano da década de 1990 . Maceió: EDUFAL. Lisboa: CEHCA.p. São Paulo: Marco Zero. Manuel Raimundo. Os quilombos na dinâmica social do Brasil. Salvador: s. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes. PELISSIER. 20 . Patrícia. Entre Áfricas e Brasis. Clóvis. Brasília: Paralelo 15. 1986. RASSOOL. Raça como retórica – a construção da diferença. PINTO. In: MAGGIE. 1918. Aberturas e limites da administração pombalina na África: os autos da devassa sobre o negro Manoel de Salvador. 2001. Donas de ‘arrimos’: um negócio feminino no abastecimento de gêneros alimentícios em Luanda (séculos XVIII e XIX). Centro de Estudos Afro-Asiáticos. O colono preto como fator da civilização brasileira. Selma.). Manuel Raimundo. In: PANTOJA.d. Entre Áfricas e Brasis. Lisboa: Editorial Estampa. Dissertação de Mestrado apresentada na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Selma (Org. p. Ciraj e HAYES. p. Cláudia Barcellos (orgs. s.). MUNANGA. PANTOJA. Origem e histórico dos quilombos em África. Elimar.. Marcelo) QUERINO. 2002. 311-349. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.). 2001. NASCIMENTO. Rio de Janeiro. In: Estudos Afro-Asiáticos.Reunião Internacional de História de África. PANTOJA. 21-31. In: PANTOJA. PAULA. 2001.

1990. SALUM. Marta Heloisa. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. A madeira e seu emprego na arte africana: um exercício de interpretação a partir da estatuária tradicional Bantu. Centro de Estudos Afro-Asiáticos. SERRANO. (Separata). 1930). Marta Heloísa Leuba. Kabengele. 2000.REIS. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia. 5:135-46. Angola: os homens do estado ou a antropologia aplicada. Jornal Sem Terra. RIBEIRO. In: A África e a instalação do sistema colonial (c. Os iorubás. 1995. In: NEVES. Ronilda. Carlos Moreira Henriques.c. jul. Actas da III Reunião Internacional de História de África. SERRANO. realidades e potencialidades.). In: Annales Sciences Economiques. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia. Marta Heloísa Leuba. Carlos Moreira Henriques e MUNANGA. São Paulo: Editora Oduduwa. Jõao Carlos. Fernando Santos (org. SALUM. 1997. SERRANO. Carlos Moreira Henriques. 1987. Carlos Moreira Henriques. Notas sobre a escravidão na África pré-colonial. RODRIGUES. SARAIVA. 1987. A grande estatuária Songye do Zaire. 21 . Terruren. In: Estudos Afro-Asiáticos. Alma africana no Brasil. Formação da África contemporânea. 1990. José Flávio Sombra. A Revolta dos Colonizados. Histórias de ontem e de hoje: Lutas anti-coloniais estão na origem dos movimentos africanos . p. 1885. 280p. São Paulo: Globo. Pequena história da África Negra. Lisboa: CEHCA/IICT. São Paulo. mobilização e recrutamento da luta de libertação de Angola . De l’anatomie du bois à l’anthropologie par le biais de la Statuaire bantoue. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes. (14):5-21. Bélgique. SERRANO. 1996. São Paulo: Atual Editora. Etinicidade. A globalização societal contemporânea e o espaço lusófono: mitideologias. João José. Musée Royal de L’Afrique Centrale. 2000. Lisboa: Edições Univesitárias Lusófonas. p. São Paulo. 169-182. SALUM. 1996. 295-299. O Processo de Descolonização e as independências da África e da Ásia. São Paulo: Atual Editora. 1999. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.

Alberto da Costa e. Carlos Moreira Henriques. Internacional. Ruanda. Carlos Moreira Henriques. In: África. SILVA. Revista do Centro de Estudos Africanos da USP. SERRANO. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. A enxada e a lança. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1994. de 1500 a 1700. No baixo Zaire e nos planaltos de Angola. 1992. 19 de jun. Carlos Moreira Henriques. O Fim das Ditaduras em Portugal e Espanha. 1993. 1962-1982. Angola: nasce uma nação. Carlos Moreira Henriques. 1984. In: Estudos Afro-Asiáticos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira: Fundação Biblioteca Nacional. USP. p. um estudo sobre a construção da identidade nacional. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo. p. In: África: Revista do Centro de Estudos Africanos. p. Alberto da Costa e. Cadernos Cândido Mendes. James Derrick. Angola: o discurso do colonialismo e a antropologia aplicada. o Príncipe do Povo. SIDAWAY. A fronteira sul de Angola (um estudo de caso). Rio de Janeiro: Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. 1991/1992. 1984 SERRANO. Os estudos em Ciências Humanas sobre a África Lusófona no exterior. 1997. 1988. O Estado de São Paulo. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia. A manilha e o Libambo: a África e a escravidão. Vida. Estado. Dom Obá II D’África. SILVA. 2002. 22 . artigo escrito para uma coletânea de estudos africanos (Introdução aos estudos sobre a África contemporânea).SERRANO. São Paulo. 98-105 SERRANO. Alberto da Costa e. In: COGGIOLA. Centro de Estudos Africanos/USP. tempo e pensamento de um homem livre de cor. 1992. A-18. História/Faculdade de Filosofia. a África antes dos portugueses. sociedade e espaço. 1983) SERRANO. Carlos Moreira Henriques. 14-15 (1):15-36. (24):121-42. Editora Xamã/Dep. (Comunicação feita ao III Congresso da ALADAA. São Paulo. SILVA. São Paulo: Companhia das Letras. jul. Carlos Moreira Henriques. São Paulo. 477-494. 1995. SERRANO. A Luta de Libertação na África de Língua Portuguesa e a crise do Fascismo Português. Guerra Civil tem origens no passado colonialista. In: SILVA. Alberto da Costa e. A enxada e a lança. Moçambique: desestabilização. a África antes dos portugueses. SILVA. Osvaldo. Eduardo. (7).

3(6):95-118. São Paulo. Santiago de Cuba. SOUZA. Rio de Janeiro: Editora Universidade Federal do Rio de Janeiro/REVAN. 1956. 2001. Formação de uma sociedade brasileira no Golfo do Benim no século XIX. 1977. São Paulo: UNESCO/Ática. burocracia colonial e a formação de Moçambique (notas de uma pesquisa em andamento).). YSÁBAL. África: as raízes da revolta. François (ed. In: Tempo. 1996. Jan. TURNER. 1969. Omar Ribeiro. (33):32-41. Ronaldo. Ronaldo. Afro-Brazilians and europeans. 19th century politics on the Benin Gulf. 1982. Metodologia e Préhistória da África. Antonio García. 135-153. 10) WESSELING. José Carlos. Contextos cosmopolitas: missões católicas. Dakar: Universidade de Dakar. Marina de Mello e & VAINFAS. VENÂNCIO. VERGER. Joseph (Coord. A economia de Luanda e hinterland no século XVIII. In: África. Jack. Africans. TENREIRO. Um estudo de Sociologia histórica. 1981.). In: CROUZET. séculos XV-XVIII. Francisco José. Catholicisme lusoafricain: le royaume du Congo entre la conversion du roi et l’antoinisme (XVè-XVIIIè siècles) . VANSINA. Praia: Imprensa Nacional. História Geral da África. 18801914. L. 65p. Paris: Presse de la Fondation Nationale des Sciences Politiques. Moçambique: ensaios. Marina de Mello e & VAINFAS. (4):3-31. Peter (org. 1998. dez. Jerry Michael. In: Del Caribe. Pierre. 1961. THOMAZ. vol. Revista do Departamento de História da UFF. I. WODDIS. Rio de Janeiro: Zahar Editores. 2000. Paris: L’Hamarttan.). Revista do Centro de Estudos Africanos da USP. Cabo Verde e São Tomé e Príncipe: esquema de uma evolução conjunta. 2000. (Centro de Hautes Études Afro-Ibero Américaines da Universidade de Dakar. Pour l’histoire du Brésil. Lisboa: Estampa. Tribalisme et parti unique en Afrique Noire.SOUZA. 1998. SYLLA. Catolização e poder do tráfico: o reino do Congo da conversão coroada ao movimento antoniano. Ensayo para un corpus de la poesía anónima de África. Dividir para dominar: a partilha da África. 23 . Rio de Janeiro: Sette Letras. In: FRY. Rio de Janeiro: Editora Universidade Federal do Rio de Janeiro. H. A tradição oral e sua metodologia. Lancine. In: KI-ZERBO.

24 .

2001. Sílvio de Almeida. A identidade literária na Literatura Angolana (1975-1985).Centro de Estudos Afro-Asiáticos. 1993. António. AUGEL. Rio de Janeiro: Codecri. 91p. CESPUC.. abr.. CASCUDO. Companhia das Letras. Rio de Janeiro. 25 . Sílvio de Almeida. O escritor angolano e a sua literatura: um ‘approach’ ao seu papel político (1975-1985). In: Revista USP . São Paulo: Ed. Benjamin. Belo Horizonte: PUC Minas. A moderna poesia africana. (18):122-133. Ulle./ago. 1999. CHATWIN. 6(29-33). CARVALHO FILHO. 1991. Poemas de Angola. Salvador: Centro de Estudos AfroOrientais e do Programa de Pós-Graduação em História da UFBA. jun. In: Cadernos CESPUC de Pesquisa.. 1997(19/20):183-199. 1999. ficção e história: a literatura angolana. São Paulo. BEIER. In: Cadernos Brasileiros nº especial-África. BACCEGA. 1976. A imagem da África na poesia afro-brasileira contemporânea. CESPUC. In: Afro-Ásia. L ITERATURA ABDALA JÚNIOR. O erótico ir e vir na literatura de Cabo Verde. BACCEGA.Dossiê Brasil/África. O vice-rei de Uidá. Bruce. Maria Aparecida. Iris Maria da Costa Amância. (18):134-143. (25):207-224. Moema Parente. 1993. Maria Aparecida. 1993. In: Cadernos CESPUC de Pesquisa. Câmara./ago. História e arte: reflexão sobre a literatura Angolana. In: Estudos Afro-Asiáticos. Utopia e dualidade no contato de culturas: o nascimento da literatura cabo-verdiana. In: Revista USP Dossiê Brasil/África. Comunicação.3. 1987. 1961. ÁFRICA 1. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes . Made in Áf rica. Belo Horizonte: PUC Minas. Tese (Livre-Docência) – Escola de Comunicação e Arte da Universidade de São Paulo.1. jun. AGOSTINHO NETO. São Paulo: Graal. CAETANA. São Paulo: Coordenadoria de Comunicação Social da USP. São Paulo: Coordenadoria de Comunicação Social da USP. abr. 6(68-77). CARVALHO FILHO.

1999. Manuel. No reino de Caliban. Editora. GuinéBissau. CESPUC. Textos de Apoio (1947-1963). Porto. Antologia panorâmica da poesia africana de expressão portuguesa. Lourenço do (orgs. Lisboa: MEIC. 1978. Belo Horizonte: PUC Minas. Cabo Verde. FERREIRA. FERREIRA. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia. 6(15-20). Ezequiel Manoel. (2):44-47. In: Boletim Bibliográfico da Biblioteca Mário de Andrade. Angola. CHAVES. abr. São Paulo. São Paulo. Agostinho Neto e Manuel Bandeira: de ‘Vou-me embora prá Pasárgada’ a ‘A renúncia impossível – negação’: um caso de intertextualidade. 1977. São Tomé e Príncipe. Entre intenção e gestos: a formação do romance angolano. 1988. In: Via Atlântica. 1999. LARANJEIRA. ELISALVA. In: Letras & Letras. A formação do romance angolano. ano V(70).). Manuel. Manuel.). José Luís Pires. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. FERREIRA. 1990. GODINHO. Rita de Cássia Natal. 1976. CHAVES. Tânia Celestino de. 1998. Angola e Brasil: um diálogo de diferenças. João Pessoa: Editora Universitária/UFPb. 1994. 2001. Nas trilhas da descoberta : (repercussão do modernismo brasileiro na literatura angolana). In: Cadernos CESPUC de Pesquisa. 49(1-4). Negritude Africana de Língua Portuguesa . Seara Nova. maio de 1992.. Braga e Coimbra: Angelus Novus. jan/dez. O conto moçambicano da oralidade à escrita . Rita de Cássia Natal. MACEDO. Literaturas Africanas de expressão portuguesa . Pires (org. Rio de Janeiro: Te Corá Editora. A inovação na literatura angolana. Moçambique. Tese (Doutorado) – Faculdade 26 . FFLCH-USP. mai. Maria Luísa e ROSÁRIO. 1993. Madruga.CHAVES. In: Estudos Afro-Asiáticos. FERREIRA. LARANJEIRA. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Rita de Cássia Natal. A propósito da novíssima poética angolana. Da fronteira do asfalto aos caminhos da liberdade: imagens do musseque na literatura angolana contemporânea. Lisboa. (1)./ago. São Paulo: Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas. São Paulo.

1999. Terezinha Taborda. p. REGO. romance. 6(82-90). RIFIOTIS. 1983. MORAIS. As aventuras de Ngunga. Literatura infantil angolana e construção da identidade. 1980. 1994. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia. 1999. Dumba Nengue. CESPUC. Tania Celestino de. 1986-1988. Francisco. Yaka. Leina. In: SILVA. Aldeias de Jovens: a passagem do mundo de parentesco ao universo da política em sociedades Banto-falantes. CESPUC. nº 3. PEPETELA (Athur Maurício Pestana dos Santos). Belo Horizonte: PUC Minas. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Bandeira e a poesia africana de língua portuguesa: trajetória de um encontro. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. In: Via Atlântica. 58-68. In: Cadernos CESPUC de Pesquisa. PADILHA. João M. Homenagem a Manuel Bandeira. In: Cadernos CESPUC de Pesquisa. MOREIRA. 1999. Laura Cavalcante. 1999. Luzia Garcia. Autores Africanos). Theophilos. MAGAIA. 27 . 1962. MOREIRA. São Paulo: Ática. São Paulo. abr. 1989. Angola através dos textos. FFLCH-USP. Terezinha Taborda. São Paulo: Ática. (Col. Belo Horizonte: PUC Minas. NO-A. In: Via Atlântica. Maximiano de Carvalho e. Literatura infantil angolana e construção da identidade. Abordagem sócio-antropológica da dinâmica dos grupos etários através de estudo da literatura oral. NASCIMENTO.de Filosofia. São Paulo. 383-393. São Paulo: Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas. Victor da Cunha. Estórias do Musseque. Manuel Ferreira: ficção caboverdiana em causa. abr. São Paulo: Felman-Rego. Literatura colonial em Moçambique: o paradigma submerso. 6(82-90). Jofre. p. Visões do mar na literatura angolana contemporânea. ROCHA. São Paulo: Ática. PEPETELA (Athur Maurício Pestana dos Santos).). 1980. (3):48-57. MACEDO. 1984. 1996. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Niterói/RJ: Sociedade Sousa da Silveira. FFLCH-USP. São Paulo: Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas. Tito de (orgs. Rio de Janeiro: Presença Edições. São Paulo: Ática.

2001. São Paulo.) Abrindo Caminhos. Léopold Sédar. África: Poemas de viagens. Estórias africanas. CESPUC. 1999. do escritor Mia Couto. Francisco. Homenagem a Maria Aparecida Santilli. e ed. SECCO. 1999. In: Via Atlântica. SENGHOR. Manoel de Souza e. como disciplina obrigatória: dificuldades e prazeres. 1990. Angola: a geração de 50. 2002. Belo Horizonte: PUC Minas. 6(78-81). contos SECCO. 1948. abr. 6(21-28). p. uma literatura do romance Vinte Zinco. SOARES. abr. FFLCH-USP. SERRANO. 1999. As mãos dos pretos (Antologia de moçambicanos). 28 . Terezinha Juraci Machado da. São Paulo: Departamento de Letras Clássicas e Vernáculos. Carmen Lúcia Tindó Ribeiro (coord. Lisboa: IN/CM.ROVERE. SILVA. Noticia de Literatura Angolana. Florentina da S. Anthopologie de la nouvelle poésie nègre et Malgache de langue française.). São Paulo. In: Cadernos CESPUC de Pesquisa. Luanda: Editorial Kilombelombe. Carmen Lúcia Tindó Ribeiro (coord. SOUZA. 1997. 2) SILVA. Nélson. In: Cadernos CESPUC de Pesquisa. 2001. Maria Aparecida. 1985. Alegorias em abril: Moçambique e o sonho de um outro vinte e cinco. 57-63. (Coleção Via Atlântica. Paris: PUF. Antologia do mar na poesia africana de língua portuguesa do século XX – Angola. SECCO. 2000. Do alheio ao próprio: a poesia em Moçambique. A recepção das Literaturas Africanas de Língua Portuguesa no curso de Letras das Faculdades Integradas no Instituto Ritter dos Reis de Porto Alegre/RS. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia. os jovens intelectuais e a raiz das coisas.). São Paulo: Ática. SAÚTE. (3):110-123. Belo Horizonte: PUC Minas. Carlos Moreira Henriques. Italo. São Paulo: FFLCH. SANTILLI. Luanda: Editorial Kilombelombe. Elza. história e antologia. In: CANIATO. CESPUC. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Antologia do mar na poesia africana de língua portuguesa do século XX – Angola. Carmem Lucia Tindó Ribeiro. (coord. A construção de auto-imagens em textos de literatura africana de língua portuguesa. 2000. Benilde Justo e MINÉ. Lisboa: Publicações Dom Quixote.

Mestre Tomoda e Kahitu . (orgs. (3):124-30. 1999. Seleção de Provérbios e Adivinhas em Umbundu. São Paulo: Ática. VIEIRA.TAVARES. Lisboa: Junta de Investigação do Ultramar. Brasília. M. In: Del Caribe. YSÁBAL. José Francisco (Pe. (33):32-41. Aspectos particulares da influência de culturas nigerianas no Brasil em literatura. L. contos./dez. (Romance). A vida verdadeira de Domingos Xavier. A. 1984. In: AREIA. O Brasil e a autonomização das literaturas cabo-verdiana e angolana. José Carlos. 1964. out. In: Via Atlântica. FFLCH-USP. São Paulo: Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas. folclore e linguagem. Rio de Janeiro: Editora Record. 6(23):94-100. Santiago de Cuba. Antonio García. A região como factor literário. Ana Paula. VALENTE.). São Paulo: Ática: 1961. Coimbra: Departamento de Antropologia da Universidade de Coimbra. Olibiyi Babaola. p. M. In: Cultura. 2000. Jean. VIEIRA. Ensayo para un corpus de la poesía anónima de África.). 1976. Rodrigues e MIRANDA. VENÂNCIO. José Luandino. 29 . Cinqüenta anos de literatura angolana. José Luandino. 59-81. 2001. 2000. ZIEGLER. YAI. O ouro do Maniéma. Perspectivas sobre Angola.

(67):71-4. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes . ANDRADE. As relações Argentina-África no marco dos vínculos afro-latino-americanos. (67):34-5. Sessão: A Questão do Diálogo Norte-Sul e as Perspectivas das Relações Sul-Sul) In: Estudos Afro-Asiáticos. In: Estudos Afro-Asiáticos. ALVARÉZ. São Paulo: Contexto.Centro de Estudos Afro-Asiáticos. 1982.Rio de Janeiro. Gladys Lechini de. A. 1982. 1982. (2ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981 . Sessão: A Cooperação técnica entre países em desenvolvimento . (6-7):82-84. 1991. (1ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981. (3ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981Rio de Janeiro. R. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes . Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. ÁFRICA 1. (7ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981. O Brasil e a África.1. Sessão: As Relações Políticas Brasil-África) In: Estudos Afro-Asiáticos. Alocução. (2ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981Rio de Janeiro. AMOUZOUVI. 1982.Rio de Janeiro. (67):65-7. Sessão: A cooperação técnica entre países em desenvolvimento . Akakpo. Sessão: A Cooperação Cultural América Latina. 2ª edição.CTPD: novo mecanismo de ajuda mútua na área internacional) . ALBERTAL. Alocução. Adotevi. AKUE.Centro de Estudos Afro-Asiáticos. (11):82-94. África) In: Estudos Afro-Asiáticos. Alocução. In: Estudos Afro-Asiáticos. Eduardo. R ELAÇÕES SUL-SUL / BRASIL-ÁFRICA ABDENUR. 1985. 1982. In: Estudos Afro-Asiáticos.CTPD: novo mecanismo de ajuda mútua na área internacional). 30 . Rio de Janeiro.Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes . Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes .Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Alocução. (6-7):205. Maria Izabel E. Manuel Correia de. AKINDELE.4. Alocução.Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes .

Emanuel.Rio de Janeiro) In: Estudos Afro-Asiáticos. Dissertação de Mestrado apresentada na PUC/SP.4. África. (7ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981 . 1987 BRANDÃO. 1982. A propos d’un livre brésilien sur l’Afrique. Nelson de.2. In: Universitas. A dialética do anti -colonialismo (Economia Política da Política Exterior Brasileira). O Estado De São Paulo. setembro de 1963 (UNESCO/IBECC). ARAÚJO. São Paulo. ano 6(14):177-204. Brasil. c. 1997(19/20):183-199. BELTRÁN. Brasil. 17 ago. Colóquio sobre as Relações entre os Países da América Latina e a África. ANJOS. 8(21): 129-42. Influências africanas no folclore brasileiro. In: Présence Africaine. A imagem da África na poesia afro-brasileira contemporânea. São Paulo. Porto Alegre: PPGAS novembro. BRIGAGÃO. Rio de Janeiro. Theo. (4ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981. BASTIDE. VERGER.Rio de Janeiro) In: Estudos AfroAsiáticos. In: Revista Brasileira do Folclore. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. 1986. Théo. avr. Pierre. A industrialização da África e o Brasil. Roger. REGO. Cabo Verde e a importação do ideologema brasileiro da mestiçagem. 31 . Rio de Janeiro. (41):123-28. mai/ago 1968. (28):3-12. Nilda Beatriz e KERZ. 1992. ARAÚJO. Influências Africanas no Folclore Brasileiro. 1982. 1962. Roger. 1950. Mercedes María Guadalupe. Luis. José Carlos dos. (6-7):142-145. Paris. Waldeloir et al. Moema Parente. O Africanismo Brasileiro. Recife: Pool. p. A Política externa Brasileira para a América Latina e a África. BAVA JÚNIOR. In: Horizontes Antropológicos. AUGEL. Salvador: Centro de Estudos AfroOrientais e do Programa de Pós-Graduação em História da UFBA. Salvador. São Paulo: Secretaria de Estado da Cultura.Centro de Estudos Afro-Asiáticos. set/dez 1981. In: Afro-Ásia. A percepção da realidade africana no Brasil. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes . BASTIDE. Clóvis. 28p. (6-7):224-39./juin.ANGLARILL. BRANDÃO. Augusto Caccia. 2000. As questões políticas nas relações América Latina África.

In: Boletim Bibliográfico da Biblioteca Mário de Andrade.Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Cooperação e desenvolvimento na África. Rita de Cássia Natal angola e Brasil: um diálogo de diferenças . 9(16): 187-219. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes . Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. In: História: Questões & Debates. Yeda Pessoa. 1982.Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Sessão: A Cooperação Cultural América Latina África) In: Estudos Afro-Asiáticos.. Sueli. Alocução. jun. (3ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes .CTPD: novo mecanismo de ajuda mútua na área internacional) In: Estudos Afro-Asiáticos. Jornal Correio Brasiliense. jan/dez. CAPELA. Renato. Rio de Janeiro: 32 . CHAVES. Rio de Janeiro: Caderno Cândido Mendes Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Gilberto. Guilherme Souza. Sessão: A cooperação técnica entre países em desenvolvimento . (6-7):269-70. O tráfico da escravatura nas relações MoçambiqueBrasil.Rio de Janeiro. CLARK. 2000. Yeda Pessoa. 21/07/2000. Alocução. (2ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981.. Alocução. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. In: Estudos Afro-Asiáticos. 1985. Brasil. O relacionamento econômico Brasil-África: corda-bamba entre cooperação econômica e a nova dependência Sul-Sul. Sessão: As relações Históricas Brasil-África) In: Estudos Afro-Asiáticos. 1982. CARNEIRO. CEPAL – Cimissión Económica para América Latina y el Caribe. EUA e África do Sul. (5ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981Rio de Janeiro. (6-7):85-6. (6-7):166-67. 1989. CASTRO. CASTRO. Alocução. In: Estudos Afro-Asiáticos. 1988. Etinicidad. Sessão: Influência da escravidão negra na estrutura e comportamento da sociedade brasileira). 1988. In: Estudos Afro-Asiáticos. CASTRO. raza y Equidad en América Latina y el Caribe. 49(1-4). (17):94-116. CARDOSO. Curitiba. (11):71-81. São Paulo. William.CALCAGNOTTO. nº 11.l. José. (8ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981Rio de Janeiro. s. Coluna Opinião. 1982. 57p.

Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos.. São Paulo. um estudo de caso: O CEAA (19731986). COSTA E SILVA. CONCEIÇÃO. D’ADESKY. 75-90.Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Brasília: Paralelo 15. tab. Catharina. Manipulação e construção da identidade da África Negra na imprensa brasileira. 1982. (3):5-34. (6-7):79. 1979. COUCEIRO. Estado-nação e pluralidade étnica na África negra. 1988. Tokyo: Instituto Iberoamericano. Sílvio Humberto Passos. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos AfroAsiáticos. CUYUGAN. José Maria Nunes Pereira da. (52). Revista do Centro de Estudos Africanos da USP.. 1994 (separata). 2001. Sessão: A Cooperação Cultural América Latina. XIV(2). São Paulo: Faculdade de Filosofia. 1992. Dissertação de Mestrado apresentada ao Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia. In: PANTOJA. Dissertação de Mestrado apresentada na UFBa. Maria Aparecida. Estudos Africanos no Brasil e As Relações com a África.Rio de Janeiro. Jacques. 1991. (16/17):157-164. Santos. Solange e BACCEGA. Manipulation and building of black Africa identity in the brazilian press. In: África. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. COELHO. 1982. África) In: Estudos Afro-Asiáticos. Entre Áfricas e Brasis. In: STVDIA. São Paulo. CUNHA. (3ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981. Solange e BACCEGA. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes . A África no Instituto de Estudos Brasileiros. Salvador. (67):74-76. Análise das trocas comerciais Brasil-África 19581977: problemas e perspectivas. O Brasil. In: Estudos Afro-Asiaticos. 248p.). CRISTOFORO. (28):157-85. il. Lisboa. As duas guerras de moçambique. In: Revista do Instituto de Estudos Brasileiros. 1988. In: Estudos Afro-Asiáticos. Jacques. D’ADESKY. Universidad Sofia. 33 .Cadernos Cândido Mendes . In: Revista Iberoamericana. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo: Marco Zero. Alocução. Selma (Org. As relações econômicas Brasil-Angola 1975-1988: (um estudo de caso sobre as relações sul-sul). Alberto. João Paulo Borges. (13). COUCEIRO. Maria Aparecida. 1991.Centro de Estudos Afro-Asiáticos. a África e o Atlântico no século XIX. 1993/4.

DANTAS. 1984. (18). 1982.Rio de Janeiro. Dakar. Jacques. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos AfroAsiáticos. Encontro Nacional Afro-Brasileiro . Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes . Alocução. (6ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981. (6ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981Rio de Janeiro) In: Estudos Afro-Asiáticos. D’ADESKY. (10):95-106. D’ADESKY. A questão das dividas e do financiamento nas relações econômicas Brasil-África. (6-7):189-91. Raimundo Souza. Jacques. DANTAS. 1982. IX(1). (5ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981 . jun. 1993. In: Estudos Afro-Asiáticos. In: Revue Afrique et Développement. 1982. As relações econômicas Brasil-África no contexto das relações internacionais. Sessão: As Relações Econômicas Brasil-África) In: Estudos Afro-Asiáticos.Centro de Estudos Afro-Asiáticos. 1982. Raimundo Souza. (6-7):163-66.Centro de Estudos Afro-Asiáticos. O Negro nas Relações Brasil-África (Comunicação). Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes . 1983. 1984. Raimundo Souza. Sessão: A Cooperação Cultural América Latina África) In: Estudos Afro-Asiáticos. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes . Penetração Brasileira na África Austral: Perspectivas Políticas e Entraves Econômicos. (3ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981Rio de Janeiro. In: Estudos AfroAsiáticos. 1985.Rio de Janeiro) In: Estudos Afro-Asiáticos. 11:63-70.Centro de Estudos AfroAsiáticos. (67):178-89. São Paulo: Coordenadoria de Comunicação Social da USP. Jacques. Alocução. (6-7):85. D’ADESKY. (8-9):179-81. DOSSIÊ BRASIL-ÁFRICA. Les relations économiques Brésil-Afrique dans le contexte des rapports internationaux .D’ADESKY. Jacques.Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes . Makhtar. DANTAS.Centro de Estudos Afro-Asiáticos.Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Notas sobre as relações Brasil-África no início dos anos 60. 34 . Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes . In: Estudos Afro-Asiáticos. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. 29/07 a 1º/08/82. DIOUF.

1970. 279-303. In: DE PRINS. 1982. FERREIRA. Brasil – Cultures et Economies de Quatre Continents. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes .DZIDZIENYO. Sessão: Influência da escravidão negra na estrutura e comportamento da sociedade brasileira) In: Estudos AfroAsiáticos. België: Acco Leuven/Leusden. In: Afro-Ásia. (8ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981Rio de Janeiro.Centro de Estudos Afro-Asiáticos. (2ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981Rio de Janeiro. CESPUC. Sessão: As Relações Políticas Brasil-África) In: Estudos Afro-Asiáticos. África e Bahia: itinerário de cores e sabores . Sessão: A Cooperação Técnica entre Países em Desenvolvimento . Anani. FERREIRA. Maria Laura de Oliveira. 35 . Salvador. Alocução.). p. Alocução. 1977.Centro de Estudos Afro-Asiáticos.Rio de Janeiro. Belo Horizonte: PUC Minas. 1999. (6-7):267-68. Alocução. Eddy e VERBERCKMOES. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes . Ilhéus: EDITUS. 2001. FERREIRA FILHO. Johan (Eds. FRAGINALS. ‘De l’Afrique au Brésil. (8ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981. Zana Aziza. 6(15-20). (67):67-8. Manuel Moreno (rel. 1982. STOLS. ETAMBALA. Alocução. FERREIRA. 2001. Universidade Estadual de Santa Cruz do Sul. Sílvio José. aller-retour’ Les communautés brésiliennes de l’Afrique de l’Ouest . México: Siglo Veintiuno Editores. África en América Latina.CTPD: Novo mecanismo de Ajuda Mútua na Área Internacional) In: Estudos Afro-Asiáticos. Gerson Edson. 1982. GOMES. Lélia. GONZÁLEZ. (6-7):258-59.). Ezequiel Manoel. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes . Agostinho Neto e Manuel Bandeira: de ‘Vou-me embora prá Pasárgada’ a ‘A renúncia impossível – negação’: um caso de intertextualidade. 1982. In: Cadernos CESPUC de Pesquisa. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. (7ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981Rio de Janeiro. Sílvio José. 213-239. (10/1):79-97. abr. In: Revista Kawé. (2):31-36. A África vista do Brasil. Sessão: Influência da escravidão negra na estrutura e comportamento da sociedade brasileira) In: Estudos Afro-Asiáticos.Centro de Estudos Afro-Asiáticos. (6-7):211. p. Bart.

Ahmed Amine. Hélio. In: Estudos Afro-Asiáticos. 1982.Rio de Janeiro. (1ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981 .). Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Alocução. Brésil Brasil Afro-Brasileiro. 1982. J. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos AfroAsiáticos. Os Obstáculos internos e externos para a Cooperação Sul-Sul. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos AfroAsiáticos. nº 22. Linda M. Hélio. (67):20-6.Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. 2001. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. In: Revue Noire. Alocução. JAGUARIBE. JOLLY.CTPD: Novo mecanismo de Ajuda Mútua na Área Internacional). (67):133-36. (dir.Rio de Janeiro) In: Estudos Afro-Asiáticos. (6-7):26-32. JOHNSON. KOENZ. 36 . Tema: A Questão do Diálogo Norte-Sul e as Perspectivas das Relações Sul-Sul) In: Estudos Afro-Asiáticos. 1986.Rio de Janeiro. São Paulo: Marco Zero.Rio de Janeiro) In: Estudos AfroAsiáticos.GRANGUILLOME. 1982. Jesus Contreras. Para a adoção de um programa mínimo de reordenação econômica internacional (Notas introdutórias). Rio de Janeiro. (2ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981 . 1982. (1ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981. Alocução. (4ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981Rio de Janeiro) In: Estudos Afro-Asiáticos. Selma (Org. (6-7):35-7. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. (1ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981 . A. 51-71. (6-7):63-5. 1982. Tema: A Cooperação Técnica entre Países em Desenvolvimento . O Clube da África e o desenvolvimento. In: PANTOJA. 1982.). As conexões culturais angolano-luso-brasileiras . Ampah. HEYWOOD. Peter. Tema: A Questão do Diálogo Norte-Sul e as Perspectivas das Relações Sul-Sul) In: Estudos Afro-Asiáticos. (6-7):38-42. JAGUARIBE. (1ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981. Entre Áfricas e Brasis. KHERBI. Brasília: Paralelo 15.

LOPES. Hevor. 1982. Cândido. 2000. In: O Mundo Português.). O vermelho e o negro. 1982. Em busca da Afro-Latinidade (Sessão de Abertura do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de 37 . Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. (6-7):239-44. Tema: A Cooperação Cultural América Latina . Wulf. A invenção do carioca. 264p. 1962.Rio de Janeiro. São Paulo. São Paulo: Fulgor. Ellen. Vestígios de África no Brasil. Notas sobre as relações Brasil-África no contexto da política externa Brasileira recente. 1992. Luiz Gonzaga de Souza. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia. Tema: O papel dos Estados Unidos na década de 80 nas relações entre a América Latina e a África Negra: fatores político-estratégicos.) In: Estudos Afro-Asiáticos. Alocução. Fernando Pinto.Rio de Janeiro) In: Estudos Afro-Asiáticos. (6ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981 . As relações Brasil-África no contexto da política externa brasileira. Córinna.Rio de Janeiro. (et al. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. LOPES. LIMA. nº 18 (junho-agosto). Rio de Janeiro: Edições Casa de Rui Barbosa. (4ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981 . Entre Europa e África. Afrika in America.Rio de Janeiro. In: Revista USP . Jarbas. (6-7):81-2.).África) In: Estudos Afro-Asiáticos. MADUREIRA. MENDES. MARANHÃO. 1982. Maria Regina Soares de. (3ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981. 1939. LERER. (6-7):191-95. 1982. (67):128-32. 1997. Alocução.Dossiê Brasil/África. VERMEULEN. KOPKE. (7ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981. 61p. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Hamburgisches: Museum fur Volkerkund. Antonio Herculano (org. Alocução. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos AfroAsiáticos. LIMA. Edmundo Corrêa. LIMA. David. 1993. Tema: As Relações Econômicas Brasil-África) In: Estudos Afro-Asiáticos. Paulo Tarso Flexa de. 70-9. p. 6(63):109-29. Brasil-África: um mesmo caminho. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo: Coordenadoria de Comunicação Social da USP. RADDATZ.KOFFI.

1982. MOREIRA. Cândido. (6-7):43-49. Influência da escravidão negra na estrutura comportamento da sociedade brasileira. (6-7):212.Centro de Estudos Afro-Asiáticos. (4ª Sessão do 1º Seminário Internacional BrasilÁfrica no período de 4 a 7 de agosto de 1981. O papel dos Estados Unidos na década de 80 nas relações entre a América Latina e a África Negra: fatores políticoestratégicos. Neiva. 1982. (67):175-78. MENDES. MGBOKWERE. (6-7):125-28. MONETA. Alocução. 1982. Tema: O papel dos Estados Unidos na década de 80 nas relações entre a América Latina e a África Negra: fatores políticoestratégicos) In: Estudos Afro-Asiáticos. (7ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981 . Tema: As Relações Econômicas Brasil-África) In: Estudos Afro-Asiáticos. (8ª Sessão do Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 agosto de 1981. Cadernos Cândido Mendes – Rio de Janeiro: Centro de Estudos Afro-Asiáticos. (6ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981 .Rio de Janeiro) In: Estudos Afro-Asiáticos.Rio de Janeiro. 1982. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes . Alocução.agosto de 1981. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos AfroAsiáticos.Rio de Janeiro) In: Estudos Afro-Asiáticos. 1982. Alocução. Clóvis. Carlos J. (6-7):210. MOURA. Rio e 1º de de 38 .Rio de Janeiro. MONTSERRAT FILHO. MOREIRA.Rio de Janeiro) In: Estudos Afro-Asiáticos. O diálogo Norte-Sul: para além do álibi e do estereótipo. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos.Rio de Janeiro. (6-7):89-125. (7ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981 . Tema: As Relações Políticas Brasil-África) In: Estudos Afro-Asiáticos. 1982.Rio de Janeiro) In: Estudos Afro-Asiáticos. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Neiva.Rio de Janeiro. (6-7):11-14. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes –Centro de Estudos Afro-Asiáticos. (1ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981. Rio de Janeiro. Timothy A. J. Tema: As Relações Políticas Brasil-África) In: Estudos Afro-Asiáticos.. Alocução. (4ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981 .

(4ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981 . In: Afro-Ásia. (5):121-23.Rio de Janeiro) In: Estudos AfroAsiáticos. Antônio. 1982. África. Tema: A Cooperação Cultural América Latina África) In: Estudos Afro-Asiáticos. A Nigéria e a América Latina: problemas e perspectivas. Joy. (6-7):249-58. Fernando Augusto Albuquerque. MUNANGA. U. Política externa brasileira. 1988. Salvador: Centro de Estudos Afro-Orientais e do Programa de Pós-Graduação em História da UFBA. O triângulo dos Tobosi – uma figura no Benin.África no contexto da política externa brasileira. In: África. Maranhão e Bahia.Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos AfroAsiáticos.Rio de Janeiro. MUNANGA. Kabengele. Kabengele. Henrique Altemani de. MOURÃO. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. 1964. OLINTO. A cooperação cultural América Latina. In: MIDDLETON. (3ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981Rio de Janeiro. Encyclopedia Of Africa South Of The Saara. Rio de Janeiro: Edições GRD. MUNANGA. (8-9):67-73. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. African Studies Outside Africa: Latin America. In: Estudos Afro-Asiáticos. OLIVEIRA. (25-26):177-213. OGWU. A informação científica no plano das relações entre o Brasil e a África como fator de desenvolvimento dos Estudos Africanos. (20):51-60. OLIVEIRA.). 1982. Henrique Altemani de. 1991. 1982. (6-7):136-42. O Eixo atlântico Sul e os novos vetores do sistema Internacional. 1997. Revista do Centro de Estudos Africanos da USP. Fernando Augusto Albuquerque. New York: Simon & Schuster Macmillan. 1983. Luis. MOURÃO. Rio de Janeiro: Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. In: Estudos AfroAsiáticos. São Paulo: CEA/USP. NICOLAU. 29/07 a 1º/08/82. Kabengele. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia. p. 1982. Relações Comerciais Brasil . (6ª Sessão do 1º Seminário 39 . Alocução. Cadernos Cândido Mendes. Encontro Nacional AfroBrasileiro . Rio de Janeiro: Caderno Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. São Paulo. (6-7):80-1. Brasileiros na África. 448-50. Relações Comerciais Brasil-África. John (Ed.

O dilema cultural da África e o Brasil. nº especial – África. João Dantas. São Paulo: Marco Zero. In: Cadernos Brasileiros. 1998. (7ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981Rio de Janeiro) In: Estudos Afro-Asiáticos. (67):198-201. Brasília: Instituto Brasileiro de Relações Internacionais. Lusofonia a 7 vozes: o papel da imprensa na construção de espaços comuns. PORTELA. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Relações Brasil-África: problemas e perspectivas. Brasília: Paralelo 15. José Vicente de Sá. 1985. 2002. 1989. Nélida Beatriz. CONCEIÇÃO. PANTOJA. Entre Áfricas e Brasis. Rio de Janeiro. (67):212-24. Os convênios de Lomé e sua influência no comércio entre América Latina e África. In: Revista Brasileira de Política Internacional. São Paulo.Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (ONUDI).. PENHA. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia. PIMENTEL. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. p. 1984. Rio de Janeiro. ORTET. (11):30-37. Tese de Doutoramento apresentada ao Departamento de Jornalismo da ECA/USP. Eduardo. Eli Alves.Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981Rio de Janeiro) In: Estudos Afro-Asiáticos. PROMOÇÃO da Cooperação Industrial entre Países e Organizações Latino-Americanas e Africanas (relatório e recomendações) Documento . Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. 40 . In: Estudos Afro-Asiáticos. 32. Relações entre o Brasil e a África subsaárica. Relações Brasil-Guiné e Cabo Verde no contexto das comunicações nos países do Terceiro Mundo: 1963-1974. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. 1962. 2000. Selma (Org. Relações Brasil-África e Geopolítica do Atlântico Sul.). PEREIRA. Fernando. In: Estudos Afro-Asiáticos. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. PERONA. São Paulo. Tese (Doutorado) – Instituto de Geociências da Universidade Federal do Rio de Janeiro. 1982. 1982. ano 43(1): 5-23. 2001. (10):115-24. jun. José Maria Nunes Pereira da.

(5ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981 . (6-7):195-98.p. Tema: A questão do diálogo Norte-Sul e as perspectivas das relações Sul-Sul) In: Estudos Afro-Asiáticos.Rio de Janeiro. 1976.. RISÉRIO. nº 18 (junho-agosto). 2 vol. p. 1959.132-71. In: KILSON. nº especial. RUIZ. 1991 RODRIGUES. In: Cadernos Brasileiros. RUSSEL-WOOD.RELAÇÕES entre negros brasileiros e africanos. (6ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981 . José Honório. R. In: Tempo. RODRIGUES.Rio de Janeiro. 1999. (21):199-233 dez. São Paulo: Coordenadoria de Comunicação Social da USP.Rio de Janeiro. The African in colonial Brazil.) The African Dispora. Manuel. Leslie B. Porto Alegre. Rio de Janeiro. Alocução. Contribuição para o estudo das relações entre Moçambique e o Brasil no século XIX (tráfico de escravos e relações políticas e culturais). 41 . ROUT JÚNIOR. 1993. 1982. 2001. dez. Manoel Augusto.Dossiê Brasil/África. J. SANSONE. London: Cambridge Mass. 1982. In: Estudos Afro-Asiáticos. Tema: As relações Históricas Brasil-África ) In: Estudos Afro-Asiáti cos. A. A política internacional brasileira e a África.África. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Lívio. (1ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981 .. In: Revista USP . SANCHEZ. (67):32-4. José Honório. ROCHA. RODRIGUES. Tema: As Relações Econômicas Brasil-África) In: Estudos Afro-Asiáticos. Brasil e África: outro horizonte. Robert I. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos AfroAsiáticos. p. Antônio. Alocução. (6-7):159-163. Interpretative essays. José Honório. (Eds. Aurélio. 6(12):11-50. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. Alocução. 1982.65. 1982. 17(1-3). & ROTBERG. 112-21. 1962. Através de um prisma africano: uma nova abordagem no estudo da diáspora africana no Brasil colonial. Amsterdan/Dakar: SEPHIS/CODESRI. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Black out à exclusão do texto africano. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. From Africa to Afro: use and abuse of Africa in Brasil. Intercâmbio. Martin L.

(5ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981Rio de Janeiro. SANTOS. Alocução. 1983. Carlos Moreira Henriques. (8ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981 . Anna Lúcia F. Wayne A.SANTOS. África. Alocução. (7ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981. (67):68-71. (6-7):206-10. Alocução. Encontro Nacional Afro-Brasileiro . Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. 1984. Carlos Moreira Henriques. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. nº especial. SANTOS. SERRANO. Tema: Influência da escravidão negra na estrutura e comportamento da sociedade brasileira) In: Estudos Afro-Asiáticos. In: Informe: Informativo da Faculdade de Filosofia. 29/07 a 1º/08/82. In: Estudos Afro-Asiáticos. (10):55-72. (6-7):265-67. 9. (2ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981.Rio de Janeiro. 1999. 97p. 1982. Relações de Angola com o Rio de Janeiro (1736-1808) In: Estudos Históricos. nov. letras e Ciências Humanas – USP. In: Cadernos Brasileiros.Rio de Janeiro. SANTOS. Tema: As Relações Políticas Brasil-África) In: Estudos Afro-Asiáticos. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos AfroAsiáticos. O Negro nas Relações Brasil-África (Comunicação). dos. 1982.Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. 1982. SELCHER.Rio de Janeiro. (5ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de 42 . (6-7):167-69. Timor Leste: nasce um novo país de língua portuguesa . In: Estudos Afro-Asiáticos. Juana Elbein dos. 1982. Tema: A Cooperação Técnica entre Países em Desenvolvimento . SENGHOR. Tema: As relações Históricas Brasil-África) In: Estudos Afro-Asiáticos. Marília. SELCHER. (8-9):181-82. Dilemas políticos nas relações Brasil-África: Comentários sobre alguns obstáculos políticso nas relações SulSul. Alocução. Wayne. Milton. Corcino Medeiros de. Joel Rufino dos. Alocução. SERRANO. Brasil e Senegal. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. SANTOS. Léopold Sédar. 1973. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. 1962.CTPD: Novo mecanismo de Ajuda Mútua na Área Internacional) In: Estudos Afro-Asiáticos. África. (12):7-68.

no Brasil. K. L. p. Alocução. VERGER. Pierre Fatumbi. A região como factos literário. Coimbra: Departamento de Antropologia da Universidade de Coimbra. 363-77. In: AREIA. 1982. (Memoire IFAN.agosto de 1981. In: FRAGINALS.). Manuel Moreno (Rel. Lubumbashi: CERDAC/Université de Lubumbashi. Dakar: IFAN. José Carlos. 1977. na África.Rio de Janeiro. TURNER. M. 27). 1999. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Pierre. 1957]. Influence du Brésil au Golf du Benin. América Latina en África.). ZULBAL. 11. M. México: Siglo Veintiuno Editores. [1ª ed. Khang. In: Les AfroAméricans. São Paulo: EDUSP. e na Antiga Costa dos Escravos. VERGER. Tema: As relações históricas Brasil-África) In: Estudos Afro-Asiáticos. (6-7):157-59. p. BATUMANIZA. 1953. p. 2001. Pierre. Perspectivas sobre Angola. Rodrigues e MIRANDA. Notas sobre o culto dos Orixás e Voduns na Bahia de Todos os Santos. O Brasil e a autonomização das literaturas cabo-verdiana e angolana . Makwanza. África en América Latina. 43 . 59-81. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. VERGER. (orgs. 90p. (6-7):169-71. Tema: As relações Históricas Brasil-África) In: Estudos Afro-Asiáticos. Recherches sur les civilizations africaines au Brésil. Jerry Michael. VENÂNCIO. A. (5ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981Rio de Janeiro. 1982. 1982.

). In: Revista Humanidades. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia. Editora Universidade Federal do Rio de Janeiro. Manuel de Azevedo. (22). A. Lisboa: Junta de Investigações do Ultramar. 2000. Itinerários de uma dor emissária: loucura em territórios Dogon (África do Oeste). Peter (org. A globalização societal contemporânea e o espaço lusófono: mitideologias. In: KOSMOS. dez. 1993.5.Centro de Estudos Afro-Asiáticos.1.). 1904. 6:220-28. In: NEVES. 157-179. OUTROS ALVARÉZ. Lisboa: Edições Univesitárias Lusófonas. realidades e potencialidades. Política de Ensino em África. Obras Completas. (orgs. Sérgio. 2001. Oswald de. p. ANJOS. Gabinete do Secretário. In: Estudos AfroAsiáticos. Denise Dias. Gladys Lechini de. Maria Fernanda de. População e desenvolvimento em Moçambique. BARRETO. Coimbra: Departamento de Antropologia da Universidade de Coimbra. O ‘apartheid’ e a política externa sulafricana: uma percepção a partir da Argentina. 2001. O natal dos africanos. Moçambique: ensaios. Brasília: UNB. BAHIA. São Paulo. 1998. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.). Guiné-Bissau: Inserção Internacional no Contexto da Ordem Mundial da Última Década do Século XX. BARROS. M. AREIA. Introdução aos estudos africanos: documentos. Rio de Janeiro. (25):251-74. BARROS. BALEIRA. ANDRADE. 1970. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes . A utilização dos recursos da cartografia conduzida para uma África desmistificada. M. Rodrigues e MIRANDA. Nações concorrentes: estratégias de construção de identidade. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. AZEVEDO. Fernando Santos (org. Rafael Sanzio Araújo dos. Descoberta da África. ANTUNES. In: FRY. 183-202. 1(12). Salvador: SEC. L. São 44 . Rio de Janeiro. ÁFRICA 1. João dos Santos. 1958. 1986. Perspectivas sobre Angola. 1989. Ávila. Secretaria da Educação e Cultura.

Pierre. Faculdade de Direito da BASTIDE. 1987. Les étudiants africains en France. Roger.Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Júlio Santana. 223p. 21-58.Paulo. O Estado de São Paulo. 1956. Nelson Mandela: o homem e o movimento. 1962. BEICHMANN.2. São Paulo. Editora Universidade Federal do Rio de Janeiro. p. 1958. Roger. Rio de Janeiro. (95):33-65. econômica e política. CARVALHO. Carta de África. BASTIDE. Roger. (11):38-52. BIKO. Moçambique: ensaios. Stive. São Paulo. Mary. 1995. CHECOLE. 1959. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes .)./juin. In: Anhembi. A industrialização da África e o Brasil. Destino político da África negra. Roger & VERGER. 100. avr. Delgado de. 1950. In: Estudos Afro-Asiáticos. Arnold. 1955. 19(56):225-31. jul. Paris: UNESCO. 1976. In: Cahiers de L’institut de Science Economique Appliqueé. In: Bulletin International des Sciences Sociales. Roger. África: geografia social. 1985. BASTIDE. Peter (org. São Paulo: Brasiliense. A propos d’un livre brésilien sur l’Afrique. 1962. Rio de Janeiro: Conselho Nacional de Geografia. Humanités: Economie. Salvador (12):167-75. nov. Escrevo o que quero. Nova confederação sindical africana. In: Anhembi. In: Cadernos Brasileiros nº especial – África. BASTIDE. In: Présence Africaine. In: Afro-Ásia. As condições do FMI e seu impacto na produção industrial e transferência de tecnologia na África. Tradução Grupo solidário São Domingos. Kassahun. 1990. Roger. São Paulo: Editora Ática.4. Rio de Janeiro. Sociologie. 32(95): 33538. p. BASTIDE. 1963. BASTIDE. 17 ago. CACCIA-BAVA. out. 45 . BRAGA. BENSON. São Paulo. (41): 123-28. c. Em torno de um documento em que se dá notícia de uma investida política dos ex-escravos brasileiros no Daomé. Emiliano de Castro e. 1985. Tese (Doutorado) Universidade de São Paulo. Moçambique em movi mento: dados quantitativos. Ethnologie. Contribution à l’étude sociologique des marchés Nago du Bas Dahomey. 2001. Paris. In: FRY. Paris.. 8(3): 496-99.

Carlos (Pe. FREUDENTHAL. São Paulo. África difícil: missão condenada. Raimundo de Souza. José Maria Nunes Pereira da. 1992. Rio de Janeiro. Ainda. África: os anos de provação.. Exposição do Museu Dapper. 123p. 2001. 1978. L. FAIK-NZUJI. 1993. Ano 23(1):99-133. In: Boletim Laboratório de Pesquisa Social. Rio de Janeiro. African Traditional Architeture. FRY.. FONSECA.COLAÇO. 1961. Clémentine. Mãe Negra. Lisboa: Edições 70.. 1992. Formas e cores: estruturas da África negra. diário. CONCEIÇÃO. António./set. abr. Rio de Janeiro: Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro. São Paulo. Angola: uma política externa em contexto de crise (1975-1994). Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. FURTADO. A transformação das estruturas agrárias numa sociedade em mudança: Santiago de Cabo Verde. Gênese e (re)produção da classe dirigente em Cabo Verde: uma contribuição para o seu estudo. 1978 DENYER. Paris. 1965. In: Estudos Afro-Asiáticos. 1996. José Rodrigues (Tata Nitamba Tarangue). Paris: Karthala-Ciltade. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia. Cláudio Alves. 2001. ESTERMANN. Symboles graphiques en Afrique Noire. DAVIDSON. FALGAYRETTES-LEVEAU. C. Nação Kassanje. Candomblé de Angola. Basil. COSTA. Revisão da literatura.). Lisboa: Livraria Sá da Costa Editora. 1999. Sobre os Kikongos de Angola. Editora Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: UCAM/Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Lisboa: Memórias da Juventude de Investigação do Ultramar. London: Heinemann. Claudio Alves.). Rio de Janeiro: Pallas. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia. nº 30. São Paulo. Peter (org. Susan. A organização dos trabalhadores moçambicanos. 1988. 1985. 46 . Moçambique: ensaios. e STEPHAN. Rio de Janeiro: Leitura. jan/jun. DANTAS. FURTADO. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. João Carlos. Etnografia do Sudoeste de Angola. Voz de Angola em Tempo de Ultimato.

Cremilda (org. 1962. p. A África na Ordem Mundial. 1953. In: MEDINA.Rio de Janeiro) In: Estudos Afro-Asiáticos. 1997. In: Estudos Afro-Asiáticos. Walton R. IBAZEBO. In: Estudos Afro-Asiáticos. 1996. Dissertação (Mestrado) – da Faculdade de Filosofia.1994.. Elisa Larkin (Org). Randolph C. 1994. 1996 (São Paulo de Perfil: 16). Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes. 1:81-101. São Paulo: Ática. 1982. dez. In: Estudos AfroAsiáticos. In: CADERNOS BRASILEIROS. In: NASCIMENTO. Alguns aspectos da política externa do Estado de Cabo Verde na primeira República (1975-1990). São Paulo. GUIBERT. (17):64-76. São Paulo: CJE/ECA/USP. Léopold Sédar Senghor. 1989. Paulo de Martino. O Clube da África e o desenvolvimento. Lúcia. Apartheid urbano: o new look das cidades sulafricanas. Explorando a África. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Movimentos reivindicatórios na África do Sul: estrutura para uma análise comparativa. Centro de Estudos AfroAsiáticos. Armand. Ampah. A DUI de De Klerk. Sankofa: Resgate da Cultura Afro-Brasileira. (6-7):38-42. (27):187-202. Fecundidade atual na Nigéria: algumas considerações explicativas para seu estado ainda pré-transicional. poeta da África. JOHNSON. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes . Axé. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Camilo Querido Leitão da. Rio de Janeiro: SEAFRO. 1990. 1995. In: Estudos Afro-Asiáticos.África. HAMENOO. Centro de Estudos AfroAsiáticos. John. Isimene. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia. Rep. Com a idade de Moçambique. (1ª Sessão do 1º Seminário Internacional Brasil-África no período de 4 a 7 de agosto de 1981. Luanda: Ed.). 103 GUROVITZ. JOHNSON. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes. 1992. (23):201-12. Centro de Serviço Agrícola de Angola.Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Michel. Hélio e SANTOS. GRAÇA. GOSSWEILER. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. 47 . JOHNSON. Walton R. (19):125-48. Agronomia Angolana. Rio de Janeiro. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. HORN. JANNUZZI. nº especial.

Nelson. (35):81-96. MARTINEZ-ECHAZÁBAL. São Paulo: Martin Claret. New York: Davide Mckay. 1998. MAIATO. Reformas econômicas em Moçambique: atores. In: Estudos Afro-Asiáticos.). Brazão. Rio de Janeiro: Globo. A construção da democracia em África: o caso moçambicano. Lourdes. As formas africanas de auto-inscrição . MARKOV. Rio de Janeiro. In: Estudos Afro-Asiáticos. Herausgeber: Karl Marx Universitat Leipzig. 1961. São Paulo.). 2001. 2000. Cláudia Barcellos (orgs. 2001. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. MANDELA. MBEMBE. 1986. 2001. 1988. Dissertação (Mestrado) – Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. Rio de Janeiro: UCAM/Centro de Estudos AfroAsiáticos. p. Por ele mesmo. Cristiano. África do Sul: apartheid e resistência. Yvonne e REZENDE. 1967. Parte de minha alma. 181-223. 116p. MANDELA. MATSINHE. UFSM. Beatrice. 2002. São Paulo: Cortez. Editora Universidade Federal do Rio de Janeiro. Winnie.269-309. Klass de. Guy. IDAF. Biografias e heróis no imaginário nacionalista moçambicano . Echoes of Afrika in folk songs of the Americas. Rio de Janeiro: Rocco. MANDELA.). In: MAGGIE. 1999. 148p. 1991. 1991. Peter (org. Ano 23(1):171-209. Raça como retórica – a construção da diferença. A Luta é minha vida. MACUENE. João. Nelson. Viajantes profissionais e estrangeiros cabo-verdianos no Rio de Janeiro . A Representação psico-social da doença mental em conseqüência da guerra em Angola. jan/jun. Moçambique: ensaios. Peter (org. Moçambique. Asien Afrika Lateinamerika 1967: Bilanz Berichte Crhonik Zeitraum 1966. Moçambiques: Itinerário de um povo afrobrasileiro. Achille. Santa Maria Edições. Editora Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos AfroAsiáticos. 1988. 468p. 48 . estratégias e coordenação . LUPI. Walter. Rio de Janeiro. In: FRY. LANDECK. José Jaime. Moçambique: ensaios. In: FRY. MASSART. Maputo: Sociedade Editorial Nadjira. Hibridismo e diasporização em Black Atlantic: o caso de Chombo. 251-276.JONGE. Eufrazia Tereza da Costa Lopes Gomes. MAZULA.

Difícil África Negra. NEME. Joseph C. Kwame. In: Revue Française D’Histoire D’outre-Mer. África: fatores internos e externos da crise. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. MONTSERRAT FILHO. nº 5. MENEZES. Mamma Angola: sociedade e economia de um país nascente. Iolanda (Org. 1983. 26:151-160. 1966.MENDES. 1967. São Paulo: EDUSP/FAPESP. p. 122p.Dossiê Brasil/África. MUNANGA. último estágio do imperialismo. Irene. Os grupos de diamante . Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. São Paulo: Coordenadoria de Comunicação Social da USP. Thomas. Legal Portuguese slaving from Angola: some preliminary indications of volume and direction. Goudjinou Pierre. Paris. In: OLIVEIRA. São Paulo: Departamento de Antropologia – FFLCH/USP. 2000. In: Estudos Afro-Asiáticos. violências e direitos humanos em África . p. Beauchesne. São Paulo: Coliseu. 22-25 octobre 1988. 2000 MÊTINHOUÊ. 85-94. J. In: Église et Histoire de l’Eglise en Afrique. O estado do léxico no português de Moçambique.). p. nº 3). In: NEVES. 209-214. RJ: EdUFF. A globalização societal contemporânea e o espaço lusófono: mitideologias. Kwame. 62(226/227):13576. Lisboa: Edições Univesitárias Lusófonas. P. 1975. 2001. MILLER. zonas francas de comércio e a transferência de tecnologia na África: algumas notas introdutórias. ACTES du Colloque de Bologne. realidades e potencialidades. Solival. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. nº 18 (junho-agosto). Kabengele. NKRUMAH. A militarização da África do Sul. 60-9. In: NKRUMAH. Fernando Santos (org. L’importance du passé dans l’histoire de l’Eglise en Afrique. Relações raciais e educação: a produção de saberes e práticas pedagógicas. Neo-colonialismo. In: Revista USP . In: Estudos Afro-Asiáticos. In: Estudos Afro-Asiáticos. Etnicidade. Mário. ANYANG. Paris. A África do Sul e seus vizinhos: estratégias regionais em confrontação. OHISON. Kabengele. 31-44. (11):53-62. MOURÃO. 1985. Niterói. 1760-1830.). 1993. NYONG’O. p. A. 1981. Antropologia Africana: mito ou realidade? In: Revista de Antropologia. Fernando A. Industrialização. (Cadernos PENESB. 1988. MUNANGA. Rio de Janeiro: 49 . il.

1961. O marxismo na África. RIBAS. Cadernos Cândido Mendes. dez. Mara Guadalupe Moog. 50 . PORTELLA. ALEXANDRE. 1962. In: Estudos Afro-Asiáticos. Luanda. São Paulo. 1941. Angola: Estudos Janeiro: 1990. Cadernos Cândido Mendes. João Matos de. 85-100. RIBEIRO. SANTOS. OLIVIER. Rio de Janeiro: Editorial Prado. Eleições na África do Sul: uma visão de primeira mão. 2001. Roland. Rodolfo. In: Revista Arquivo Municipal. In: Estudos Afro-Asiáticos. SANTOS. 1994. África. Rio de Janeiro. (19):181-204. Misoso. A história dos Malês. the relevance of lexical data. John T. 147p. Economia. Etíope – empenhado. Ieda Machado Ribeiro dos. Rio de Janeiro: Zahar. (26):159-66. RODRIGUES.. Ano 23(1):8597. Salvador: CEAO-UFBa/ CDCN. Vozes. Rio de Janeiro: Centro de Estudos Afro-Asiáticos.. SARRACINO. Sub-Saharan cultural extensions in Brazil. 1904. Lisboa: s.. Rio de Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Fernando Rosa. 16(2):223-34. As relações Estados Unidosestudo do processo decisório na crise angolana. aug. jan/jun. 7(78):39-64. nº especial. PIERSON. Contribuição para o estudo da região de Cabinda. Cuba-Brasil: os que voltaram à África. África: colonos e cúmplices. instruído e libertado. Rio de Janeiro: UCAM/Centro de Estudos Afro-Asiáticos.e. 1995. P. nº 20. In: Cadernos Brasileiros. 1992. 1º vol. Oscar. p. Rio de Janeiro: Caderno Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Os africanos da Bahia. Donald. In: Studies In African Linguistics. SCHNEIDER. Eduardo. ROCHA. 12p. set. (19):149-80. 1979. Democracia e Justiça em Angola: o Efêmero e o Permanrnte . 1994. A Experiência Africana: da pré-história aos dias atuais. SILVA. Manuel Ribeiro da. In: Afro-Asiáticos. Daniel dos. 1991.Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. 1990. 1985. sustentado. In: Estudos Afro-Asiáticos. Petrópolis/RJ: Ed.

Valdemir. Niterói/RJ. Dossiê Brasil/África. Grupo de Moçambique S. Antologia de textos do jornal O Africano (1908-1919). (2):48-52. 2000. como requisito parcial para obtenção de grau de bacharel em Biblioteconomia e Documentação. 83-115. (22):127-78. 1995. In: Boletim Bibliográfico. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos AfroAsiáticos. Adozinda de Fátima Marques Henriques da. Saúde Escolar em Angola: do idealizado ao necessário e possível. 1948. São Paulo.BPC (Convenção dos Povos Negros da África do Sul) . In: Estudos Afro-Asiáticos. Desenvolvimento de coleções em bibliotecas universitárias: uma proposta para o sistema de bibliotecas da Universidade Eduardo Mondlane. VERGER. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. jun. In: Estudos Afro-Asiáticos. São Paulo: Coordenadoria de Comunicação Social da USP.Documento./ago. Benedito de Jacareí: uma pequena introdução sobre folclore e Moçambique. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo. 1970. THE BLACK PEOPLES’ CONVENTION .SILVEIRA. Maria José Nunes. SIQUEIRA. TEMBE. São Paulo. Paulo e ZAMPARONI. (18):30-39. Olga Eduardo. nº especial. p. 1992. Pierre. 51 . In: Revista USP. 1993. Monografia apresentada ao Curso de Graduação de Biblioteconomia e Documentação da Universidade Federal Fluminense. SOARES. As múltiplas atividades de Roger Bastide na África.

(Edição Centenária da Abolição). BERRIEL. 40(189):51-61. p. 1979 / Brasília: INL. 1945. 1) ARQUIVO PÚBLICO ESTADUAL. 1 (Série Ordens Régias. ARQUIVO NACIONAL. BASTIDE. ARQUIVOS. Henrique Losinskas. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional. Rio de Janeiro. 2v. 212-32. ALVES. Vitória: APEO/IO. 1976. 1988. Fontes para a história da escravidão negra no Espírito Santo . Pesquisa: guia brasileiro de fontes Brasil-África. In: Revista de Antropologia. 1988. Guia Brasileiro de Fontes para a história do negro na sociedade atual. Arquivo & Administração. In: Revista de L‘Institut Français du Portugal. Bulletin d’Études portugaises. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional/Arquivo Público da Cidade do Rio de Janeiro. Guia de fontes para a história da escravidão negra na Bahia. Études afro-brésiliennes: études bibliographiques. v. In: Revista do Arquivo Histórico Municipal. (29):175-83. Semana de estudos sobre a contribuição do negro na formação social brasileira. 2ª ed.2. ASSOCIAÇÃO dos Arquivistas Brasileiros (org. Bibliografia específica sobre literatura negra no Brasil. Maria Maia de Oliveira. Rio de Janeiro: Ed. BIBLIOGRAFIAS ALVES. Cátedra. ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA. 1988. Bibliografia Afro-brasileira: estudos sobre o negro. 1977. Brasília: Ministério da Justiça/Fundação Petrônio Portela. São Paulo. ARQUIVO NACIONAL. BERND. Salvador: APEB.). Fontes para a história da escravidão negra no Espírito Santo . Edição Especial.. Lisboa. Rio de Janeiro: FUNARTE. Guia brasileiro de fontes para a história da África. 1988. Público Estadual/ES. In: GRUPO de Trabalhos André Rebouças (org. Roger. 1988. Taunay e o levantamento histórico do negro no Brasil. jan/jun 1977. ARQUIVO.). da escravidão negra e do negro na sociedade atual. 1988. Zilá. 52 . jul. 41(172). BIBLIOGRAFIA folclórica. 1939-1944. Uma bibliografia sobre o negro. Vitória: Arquivo Público Estadual. 45-9. 181p. 130p. Henrique Losinskas. fontes arquivísticas. p. Niterói/RJ: Universidade Federal Fluminense. 1999. São Paulo. 1986. 1988.

1979. Ludolf de (Coord. Centro de Estudos Afro-Orientais/UFBa. (Série Referência). 1990. 1984. 20 anos de independência de Angola . Rio de Janeiro: Ministério de Educação e Cultura. 1988. 2ª edição revisada e atualizada. Bibliografia da cultura negra. Bibliografia afro-brasileira. BLOCKSON. Amsterdam: A Gerit & Sons. 1984. Climério Joaquim.. BIBLIOTECA AMADEU AMARAL. Blockson AfroAmerican collection. n. O negro na sociedade atual: levantamento bibliográfico preliminar do material existente na biblioteca. COELHO. 1. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura. 1995. FERREIRA. CENTRO DE ESTUDOS AFRICANOS. 74p. Catalogue of the Charles L.d. 1988. BOLETIM BIBLIOGRÁFICO DO CEAO. Escravidão negra e assuntos correlatos: levantamento do material bibliográfico existente na biblioteca. s. São Paulo: FUNDAP. BIBlLIOGRAFIA da Cultura Negra. 1991. BLOCKSON. 53 . s. 74p. BIBLIOGRAFIA sobre África Lusófona. Ministério das Relações Exteriores. 1989. Philadelphia: Temple University.BIBLIOGRAFIA sobre África Lusófona. Bibliografia sobre a escravidão negra no Brasil. Salvador: Centro de Estudos Afro-Orientais/Universidade Federal da Bahia. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa. 1988. São Paulo: Conselho Estadual de Artes e Ciências Humanas. Salvador. 1962.p.).. Rio de Janeiro: FUNARTE/INF. 56p. Beatriz A. São Paulo: FUNDAP. Rio de Janeiro: Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro. Departamento de Antropologia da Universidade de Coimbra: Coimbra. de Salles & MELLO. 71p. H. 1998. Rio de Janeiro. 1981. COLONELLI. Boletim Bibliográfico: assuntos afrobrasileiros II. Charles L. BRASIL. Rio de Janeiro. nº 2. Ministério das Relações Exteriores. Bibliografia do folclore brasileiro.d. BIBLIOTECA CENTRAL. vol. nov. Maria L. 4p. DEPARTAMENTO GERAL DE CULTURA. Angola – Bibliografia Antropológica. A commented bibliography of one hundred and one influencial books by and about People of African descent. 417p. Cristina Argenton. 770p. BRASIL. Bibliografia Afro-Asiática. Aracajú: UFSE. Levantamento bibliográfico: negro. Charles L. BIBLIOTECA NACIONAL (Brasil).

Bibliografia sobre o negro brasileiro. O negro no Brasil: uma contribuição bibliográfica. Bibliografia. Florianópolis: UFSC. 1990. 13p. (23):7. 1979. Joseph C. (Acervo da Biblioteca da Fundação Joaquim Nabuco). LUCIANO. 6(1):59-92. Raul. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Ed. FUNDAÇÃO Casa Rui Barbosa. GOVERNO DA BAHIA. Solange Martins Couceiro de. 53p. São Paulo: UNESP/Centro de Estudos Latino-Americanos.. 1987. Campina Grande: Universidade da Paraíba. LODY. 1995. 71p. Bibliografia da literatura afro-brasileira contemporânea. 7(1):165-76. LIMA. Bibliografia sobre a escravidão negra no Brasil. (Série Papéis Avulsos. (15):218-37.). Massangana. FLEISCHER. INSTITUTO Joaquim Nabuco de Pesquisa Social (Org. Os sentidos da cor e as impurezas do nome: os termos africanos atribuídos à população de origem africana. 1978. 19p. 64p. In: Ciência & Trópico. bibliografia básica. MONTEIRO. 9(2):59. o negro no Brasil. MILLER. (Série Bibliografias Básicas. John M. James V. América Latina colonial. In: Slavery & Abolition: A Journal of Comparative Studies.1995). São Luís: Fundação Cultural do Maranhão. Centro de Estudos Afro-Asiáticos. LEITE. 6) FUNDAÇÃO Cultural do Maranhão. 183p./jun. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes. & GUTIÉRRES. Uma bibliografia sobre cultura material afro-brasileira em tempo de devolução. Bibliografia. London. KENNEDY. Edyr Resende (Coord. 1988. 1994. Horácio (comps). 1971. jun. Ilka Boaventura. Brasília: Fundação Nacional Pró-Memória. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: FCRB. Trabalho de pesquisa em curso. (Notas em comunicado aberto. Salvador: Secretaria da Cultura/Departamento de Bibliotecas. In: Caderno de Ciências Sociais. 1988. Recife.1982. jan. Lúcia (org. 238p. 1985. In: Estudos Afro-Asiáticos. Bibliografia analítica do negro brasileiro. São Paulo: Escola de Comunicações e Artes da USP. Bibliografia sobre o Negro Brasileiro.). may. mar. 1) 54 . 1983. Slavery: annual bibliographical supplement (1984).). Bibliografia sobre o negro. 1984. O negro no Maranhão. Bibliografia. & SKALNIK. James H. Benedito. GASPAR.

1998. Rio de Janeiro: Associação dos Arquivistas Brasileiros. a working bibliography. Divisão de Apoio ao Usuário. Biblioteca Central. ROQUETE-PINTO. Brasília: Fundação Cultural Palmares/MinC. Rio 55 . Dorothy B. 1988. Dependente. escritos sobre a religião dos orixás. Irene. Meu sinal está no teu corpo. Dissertação de Mestrado apresentada na ECA/USP. vol. K. SALLES. O Que Você Pode Ler Sobre o Negro. II. 294p. Levantamento bibliográfico da produção científica sobre a infância pobre no Brasil 1970-1988. NÚCLEO de Estudos Negros. Brasília: Fundação Cultural Palmares/MinC. In: MOURA. RIZZINI. Bibliografia Complementar. Haiti. 1989. Guia de Referências Bibliográficas. A religião dos orixás. PESQUISA guia brasileiro de fontes Brasil África. Cuba. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura. 2000. Sonia. MUNANGA. Estados Unidos. vol.). Florianópolis. João do Rio: catálogo bibliográfico 18991921. Edgard. HALL. Rio de Janeiro: Universidade Santa Úrsula.MOURA. 1994. 1989. MOURÃO. Contribuição a uma bio-bibliografia sobre Fernando Monteiro de Castro Soromenho. Walter. São Paulo. 1977. MUNANGA. 242-69. 48p. Afro-Braziliana. 1988. Angola. Granada. In: G. Kabengele (Org. Trinidad-Tobago. 1934. 125p. il (Bibliografia retrospectiva. São Paulo: EDICON/EDUSP. Teologia Negra. 107p. 230p. p. 39p. Bibliografia. Cem anos de bibliografia sobre o negro no Brasil. Cem anos de bibliografia sobre o negro no Brasil. PASSOS. QUEMEL. 1995. 1). 1983. Benin e Nigéria. Recife. Boston. Bibliografia crítica do folclore brasileiro: bumba-meu-boi. Cruz e Souza: do estudo bibliométrico ao estudo bibliográfico. Fernando Augusto Albuquerque e QUEMEL. Salvador: Ed. Vicente e SAMPAIO. São Paulo: Centro de Estudos Africanos. In: DIARIO DE PERNAMBUCO. I (. João Carlos. In: Revista Brasileira do Folclore. il. Kabengele (Org. PORTER.). RODRIGUES. Carlos Eugênio Marcondes de. República Dominicana. Recife: UFPE. NEGRO: levantamento bibliográfico. Carlos Eugênio Marcondes de. 16 nov. voduns e inquices no Brasil. Maria Angélica Rodrigues. O congresso afro-brasileiro do Recife. Maria Angélica Rodrigues. 2000.

(48) jul. 1985.de Janeiro. 1979. 219p. Ensaio bibliográfico sobre a coletânea Raça. SERRANO. SANTOS. co-autoria. s. 1973. ciência e sociedade.p. Porto Alegre: Conselho de participação e desenvolvimento da comunidade negra do Rio Grande do Sul. Centro de Estudos Africanos e Instituto de Antropologia da Universidade de Coimbra. Obras sobre África: Ciências Humanas existentes. Bibliografia sobre o negro: livros do acervo das bibliotecas do DEPAD. 1987. TAVARES. 247 p. 1996. Hadjine. Bibliografia de Jorge de Lima. 7(1). 12p. 1989. SERRANO. 1997. Maceió: UFAL. SERRANO. Ribeiro. SILVESTRE.IA) SERRANO. Carlos Moreira Henriques. Regina H e LISBOA. Maceió: Secretaria de Comunicação Social.p. Moacir Medeiros de. 1977. In: Ciência & Trópico. SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA. São Luís: Biblioteca Central UFMA. Portugal. ( nº 16 das publicações do CEA . Salvador. Lilia Katri Moritz. 1989. São Paulo: Centro de Estudos Africanos da USP. set/dez 1968. SCHWARCZ. Negro. Levantamento bibliográfico negro & religião. São Paulo. Carlos Moreira Henriques. Da cor da raça. Carlos Moreira Henriques. SECRETARIA de Cultura.. Recife. Rio de Janeiro: Centro- 56 . Inalda. Moacir Medeiros de. Angola: bibliografia antropológica. il. Célia Maria B. DEPAD. Guarani. 8(21):209-226. SANT’ANNA. São Paulo: Centro de Estudos Africanos da USP. Guia de Referência para estudos e pesquisas nº1. 8(20):93-99. jan/abr 1968. SANT’ANA. 1980. Angola (1961-1976): bibliografia. 8(22):325-340. 1992. Bibliografia: o negro no Brasil. Casa Rui Barbosa. Estudos sobre o negro no Brasil. Carlos Moreira Henriques. SANT’ANA. 1994. São Paulo. Bibliografia preliminar sobre Angola publicada no exterior (1961-1974). jan/jun. mai/ago 1968. Rio Grande do Sul: Ed. s. O que ler sobre o negro no Rio Grande do Sul: fontes para pesquisa histórica. 1974. São Paulo: Centro de Estudos Africanos da USP. s. Moacir Medeiros de. Influências africanas en la America Latina (bibliografia preliminar). 10p.p. In: Novos Estudos CEBRAP. Bibliografia sobre o negro. SIMÕES.

20). 99p UNIVERSITY OF AMSTERDAM. VERÍSSIMO. 1963. João Evangelista Martins. In: Revista de Cultura Bíblica. Campinas: Centro de Memória / Grupo de Estudos AfroBrasileiros. 1939. TERRA.Publication Series: Occasional Papers. Olympio. Vários papers encadernados. 1991. 267p. 28(7):11-96. Inacio José.Latino-Americano de Pesquisa em Ciências Sociais. Ethnic integration and emancipation. Centre for Race and Ethnic Studies. 13). Bibliografia. através de sua auto biografia. André Rebouças. São Paulo. 57 . Referências bibliográficas sobre a questão do negro. (CRES . 94p. (Documento brasileiro. Amsterdam. Bibliografia sobre o negro brasileiro. 1983. 88p. Rio de Janeiro: J. 1988. UNICAMP.

CONGRESSO AFRO-BRASILEIRO II. Apresentação Fernando de Mello Freyre.3. Samuel Pinheiro (org. Mírian de Albuquerque. 2000.) et al. A História Contemporânea de Angola: seus achados e suas armadilhas. pref. Notas sobre os desafios do Brasil. Anais do Seminário Multiculturalismo e Racismo: o papel da ação afirmativa nos estados democráticos contemporâneos. 1940.). In: Construindo o passado angolano: as fontes e a sua interpretação. Samuel Pinheiro (org. 2001. 161-185. CALLIGARIS. ARAÚJO. 1997. CONGRESSO AFRO-BRASILEIRO. Actas do II Seminário Internacional sobre a História de Angola (4 a 9 de agosto de 1997). Tecnologia da informação e racismo: combatendo monstros com arma suave. discriminação racial. 1935. Rio de Janeiro: Ed. Brasília: Ministério da Justiça/Secretaria de Estado dos Direitos Humanos. Reparação moral. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. Gilberto Vergne e GUIMARÃES. 367p. Ed. 58 . xenofobia e intolerância correlata . Coordenação de Roberto Motta. Ministério da Justiça/Secretaria Nacional dos Direitos Humanos. 379-402. CONGRESSO AFRO-BRASILEIRO I – Novos estudos afro-brasileiros. Anais de Seminários Regionais Preparatórios para Conferência Mundial contra racismo. Sebastião Vila Nova. Anais. xenofobia e intolerância correlata . Florianópolis: UFSC. responsabilidade pública e direito à igualdade do cidadão negro no Brasil. Brasília: Ministério da Justiça/Secretaria de Estado dos Direitos Humanos. 367p.). 1988. Anais. discriminação racial. In: SABOIA. Luanda: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses. BITTENCOURT. In: SABOIA. Recife: FUNDAJ. p. Anais de Seminários Regionais Preparatórios para Conferência Mundial contra racismo. de 22 a 26/08/1988. 275p. Jessé (org. Anais. AQUINO. III – Os afro-brasileiro: Anais. Massangana. C ONGRESSOS/SEMINÁRIOS ANAIS DO II ENCONTRO ESTADUAL DE HISTÓRIA. Gilberto Vergne e GUIMARÃES. Ubiratan Castro de. Bahia. Ariel. 1937. 1985. In: SOUZA. 315-323. 159p. 2001. CONGRESSO AFRO-BRASILEIRO – Estudos afro-brasileiros. O Negro no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. Marcelo. 1940. Contardo.

CONGRESSO AFRO-BRASILEIRO. RELAÇÕES RACIAIS E MERCADO DE TRABALHO: dilemas e perspectivas da população negra. In: Estudos Afro-Asiáticos. CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (IIº 1997:BH). Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: MEC. 1936.d LIMA. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Ed. maio de 1994.). SEMINÁRIO O NEGRO NO RIO DE JANEIRO. IV. CONGRESSO NACIONAL DO SAMBA. 29/07 a 1º/08/1982.. 1997. Belo Horizonte. 1997. Tânia (org. I. s. In: Recife: Diario de Pernambuco. Anais do Seminário: Relações raciais e mercado de trabalho – dilemas e perspectivas da população negra. 1983. Rio de Janeiro. Declaração de Durban e Plano de Ação. 10 nov.. 1911. Sincretismo Religioso: o ritual afro. 16 nov. (8-9):263. Anais. 1934. 31p. Belo Horizonte: PUC/MG. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Massangana. Recife: Diario de Pernambuco. Belo Horizonte: PUC/MG. CONGRESSO UNIVERSAL DAS RAÇAS. 4. Plano Nacional de Educação: Proposta da Sociedade Brasileira. 1962. III CONFERÊNCIA MUNDIAL de Combate ao Racismo. 4v. Massangana.. ENCERRAMENTO do 1º Congresso Afro-Brasileiro. 1988. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes. jun. (15):251. Paris: Imprimerie Devouge. SEMINÁRIO DO LIVRO DIDÁTICO: a discriminação em questão. 16p. Xenofobia e Intolerância Correlata. 1962. Brasília: Fundação Cultural Palmares. Centro de Estudos Afro-Asiáticos. vol. Recife: Secretaria da Educação de Pernambuco. de 1º a 6/03/1988. ENCONTRO NACIONAL AFRO-BRASILEIRO. 103p. EM TORNO do 2º Congresso Afro-Brasileiro. 1996. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Carta do Samba. Anais do IV Congresso Afro-Brasileiro realizado em Recife. Discriminação Racial. Anais. 1989. 1995. In: Estudos Afro-Asiáticos. 2. Anais. dez. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS. 1997. 59 . Sur les métis au Brésil.

Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Anais. Brasília: Câmara dos Deputados: Coordenação de Publicação.. 1986. Rio de Janeiro: Cardernos Cândido Mendes. SIMPÓSIO RELAÇÕES BRASIL-ÁFRICA: uma nova perspectiva 1976. ago. 60 . (12):7-38. Centro de Estudos Afro-Asiáticos. 1981.SEMINÁRIO O PENSAMENTO DE ESQUERDA E A QUESTÃO RACIAL. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes. (5):108-10. 1986. In: Estudos AfroAsiáticos. SEMINÁRIO PARA A CRIAÇÃO DO PARQUE HISTÓRICO NACIONAL DE ZUMBI (Memorial de Zumbi): resoluções. 157p. In: Estudos Afro-Asiáticos.

Bahia de tous les Saints: traduit du brésilien par Michel Berveiller et Pierre Hourcade. Bahia de Todos os Santos: guia de ruas e mistérios. José Luís Hernandez. Paris: Gallimard. Jorge.1. Os Donos das Encruzilhadas. Fred. World Black and African Festival of Arts and Culture. Candomblé: uma visão de mundo. dez. AMARAL. Vagner Gonçalves da. AHOUANSOU. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes. 1966. 1994. Jorge. Carlos 61 . Rio de Janeiro : Record. R ELIGIÕES 4. 106p. Brancos e negros no candomblé de São Paulo. 322p. Nigéria. Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Elogio de um chefe de seita. São Paulo: Editora São Paulo. Jorge. In: MOURA. Ed. I). Candomblé AFLALO. Mandarim. Martinien. 1993. 149p. 306p. Lagos. 12ª ed. 1938. p. 7ªed. 1977. Jorge. 27ªed. Kaduma-15th january-12th Feb. Oneyda. Jorge. C ULTURAS NEGRAS NO BRASIL 4. Paris: EHESS. Dissertação de Mestrado apresentada no PROLAM-Programa de Integração da América Latina. Rita de Cássia Mello Peixoto e SILVA. (25):99-124. 1940. Bahia de tous les Saints: 9ª ed. 31p. Jorge.1.. The trance state in the candomblé . (Registros sonoros de folclore musical brasileiro. Bahia de todos os santos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. AMADO. 265p. 325-30. São Paulo. 1940.4. Mythologies et traditions religieuses africaines: les Voudoun et les Orixás dans les sociétés béninienses et leur réinterprétation à Haïti et au Brésil. Paris: Gallimard. Awon xirê! A festa de candomblé como elemento estruturante da religião. 372p. L’Etat de transe dans le candomblé.. de Cultura. AMADO. AMADO. Xangô. Rita de Cássia Mello Peixoto. A cor do axé. 1977. AMADO. AMARAL. São Paulo: Dep. AMADO.1. In: Estudos Afro-Asiáticos. ALAKIJA. 2nd. In: O Negro no Brasil: Trabalhos apresentados ao 2º Congresso Afro-Brasileiro (Bahia). ALFONSO. ALVARENGA. 1948. 1997. 265p. Rio de Janeiro.

As festas da cidade . 4.41. Rita. VI. O exemplo do povo-de-santo . 334p. em Londrina. 40(172). In: Estudos Afro-Brasileiro. Tânia (Org. Geraldo de. Rio de Janeiro. AMARAL.Trabalhos de Antropologia e Etnologia . Povo de festa: estudo antropológico do estilo de vida dos adeptos do candomblé paulista.). Rita. AMARAL. 1996. Recife: Editora Produções Alternativas. Massangana. BOLETIM DA ABA. 1998.Eugênio Marcondes de (org. AMARAL.1. A morte do pai-de-santo. São Vicente: Ed. ANDRADE. 2001. p. Leopardo dos olhos de fogo: escritos sobre a religião dos orixás.notas sobre o processo transformativo da cultura material dos cultos afro-brasileiros . 85-97. Portugal.REVISTA INTER E TRANSDISCIPLINAR DE CIÊNCIAS SOCIAIS. In: TAE . maio de 1994. A trama do sagrado: origem e análise do Candomblé. ANDRADE. Portugal. p. 41(3-4):103-110. 2000. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Ed. (Icone tema para CD-ROM ESOTÉRICA ). 265-8. Coisas de Orixás . Implicaçoes e dificuldades para a continuidade dos terreiros de candomblé .revivendo e inventando identidades culturais. Toadas de Xangô. Porto. vol. São Paulo: Ateliê Editorial. TAE Trabalhos de Antropologia e Etnologia . ANDREÍ. Rio de Janeiro: Ed. I Congresso Afro-Brasileiro. Rita de Cássia Mello Peixoto. AMARAL. 2001. 1935. Rita. O tombamento de um terreiro de candomblé em Sao Paulo . São Paulo. Rita. Sincretismo Religioso: o ritual afro. 1992. São Paulo. Dissertação de Mestrado apresentada ao Departamento de Antropologia da Faculdade de Filosofia. 1991. p. AMARAL. Anais do IV Congresso Afro-Brasileiro realizado em Recife. 1995 AMARAL. v. Candomblé. In: LIMA. In: Comunicações do ISER. AMARAL. 2001. 1989. Mitos dos Orixás do Candomblé Paulista . Inaldete Pinheiro de. Recife 1934. São Paulo: Ciclo Graphics. Ariel. Florianópolis. Povo de Santo. Elena Maria. Rita de Cássia. Rita.). Porto.REVISTA INTER E TRANSDISCIPLINAR DE CIÊNCIAS SOCIAIS. Rita. 1994. 85118. AMARAL. mLopes eBooks. A festa de candomblé e suas relevâncias para o estudo do candomblé e do estilo de vida do povo-de-santo . Pai Adão era nagô. Tese (Doutorado) – 62 . v.

Candomblé: religião do corpo e da alma: tipos psicológicos nas religiões afro-brasileiras. p. O assento dos deuses: um aspecto da construção da identidade mítica no candomblé. In: ARQUIVOS BRASILEIROS DE PSICOLOGIA. Coelho de. vol. p. In: MOURA.). In: Comunicações do ISER. O transe: a resposta do Xangô e do Pentecostalismo. 37 (7):1070-5. transgressão. 31(1)37-52. 1979. Carlos Eugênio Marcondes de (org. Monique. 4.. 2000. J. Monique. 14-35. escritos sobre a religião dos orixás. Anais do IV Congresso Afro-Brasileiro realizado em Recife. Letras Universidade de São Paulo. maio de 1994. Carlos Eugênio Marcondes de (org. In: LIMA. AUGRAS. Carlos Eugênio 63 . Monique e GUIMARÃES. Monique. 1986. Marcos Antônio. AUGRAS. São Paulo. jul. 1996. De Iyá a mi a pomba-gira: transformações e símbolos da libido. In: MOURA. Sincretismo Religioso: o ritual afro. Rio de Janeiro. Marco Antônio. Meu sinal está no teu corpo. e Ciências Humanas da ARAUJO.Faculdade de Filosofia. São Paulo: EDICON/EDUSP. Massangana. Tânia (Org.). 1977. Waldenir C.). In: Ciência e Cultura. De Yiá Mi a Pomba-Gira: transformações e símbolos da libido. Cura mágica e psicanalítica: semelhanças. Rio de Janeiro: Pallas. O duplo e a metamorfose: a identidade mítica em comunidade nagô. jan/mar. Petrópolis: Vozes. reparação e organização dinâmica do mundo: In: MOURA. 1983. 1989. 17-44. Monique. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Ed. 209p. Marion. AUGRAS. O objeto de desejo: a identificação do dono da cabeça no Candomblé. 5(20):52-5. AUGRAS. Quizilas e preceitos. 1985. AUBREE. 1990. In: DÉDALO. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro. AUGRAS.. Rio de Janeiro. 1985. A Cozinha Sagrada . AUGRAS. Parentesco religioso afro-brasileiro no grande Recife.l. Uma casa de xangô no Rio de Janeiro. Monique e GUIMARÃES. Rio de Janeiro. Monique. Monique e SANTOS. Monique. AUGRAS. p. AUGRAS. AUGRAS. 15(2/3):12235. João Batista dos. 33-43. (24):43-62. In: Religião e Sociedade.. s.

BARRETO. José Flávio Pessoa de. Salvador: Axé Opô Afonjá. 369p. Elisa Larkin (org. p. novos escritos sobre a religião dos orixás. (47):25-39. Anaíza Vergolino. Mitos e ritos nos grupos de culto afrobrasileiros. Rio de Janeiro: Pallas/UERJ. Maria Amália Pereira. BARRETO. BARROS. 1988. Rio de Janeiro. 2(3):191-200. BARBOSA. In: Comunicações do ISER. Barbara. Cahiers du Monde Hispanique et Luso-Brésilien. E daí aconteceu o encanto. Monique. BACELLAR. In: Encontro de Nações de Candomblé. José Flávio Pessoa de & LAVERGNE. BARROS. AUGRAS. desvendando identidades. Transe e construção de identidade no Candomblé. Candomblé. AZEVEDO. 1971. AZEVEDO. Dunia Ossaim: os AfroDescendentes e o Meio Ambiente. José Wilson. In: PSICOLOGIA: Teoria e Pesquisa. . 1987. FREITAS. A casa de fanti-ashanti em São Luís do Maranhão.n. O Segredo das Folhas: sistema de classificação de vegetais no candomblé jêje-nagô do Brasil. 17p. Maria Amália Pereira. Recife: Instituto de Ciência Políticas e Sociais.). A casa de fanti -ashanti: uma das variações/combinações próprias da organização social brasileira. 1993. 13p. Os alfaiates ou o banquete dos orixás.). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. p. Marília: UNESP. Luís Sérgio.Marcondes de (org. Carlos Alberto. Juvenal Maranhão. 1986. Rio de Janeiro: Secretaria 64 . Eduardo. 1988. BARBOSA. 1987. 1986. José Flávio de. 1982. Antropologia. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro. Stella e MARTINS. O Verde no Candomblé . 7(28):79-83. Brasília. A Federação Bahiana de Culto Afro-Brasileiro. São Paulo: EMW.]. 39.. BARROS. 1999. Ewé Orixá. 1971. Orixás das águas. Salvador: CEAO/Universidade Federal da Bahia. In: CARAVELLE. mimeo. Cléo. 2) BARROS. 1981. (Publicação avulsa. 53-86. Salvador: [s. Chants sacrés et plantes liturgiques dans le candomblé brésilien. In: NASCIMENTO. Toulouse. Abílio Xavier de e HENRY. 69-72. 102p. Rio de Janeiro. 55p.. José Flávio Pessoa & NAPOLEÃO.

33-37. In: Religião e Sociedade. 1994. 103-38.. BASCOM. 1994. BARROS. O código do corpo: inscrições e marcas dos orixás. BARROS. TEIXEIRA. p. Meu sinal está em teu corpo. p. 14(2):4-17. BARROS. mar. William. Uma introdução à música sacra afro-brasileira. 1983. In: MOURA. VOGEL. 2000.. José Flávio Pessoa de. 33-37. Elisa Larkin (Org). Maria Lina Leão. Ifa divination: communication between gods and men in West Africa. Rio de Janeiro: Secretaria Extraordinária de Defesa e Promoção das Populações AfroBrasileiras (SEAFRO). BARROS. Carlos Eugênio Marcondes de (org. Candomblé: religião do corpo e da alma: tipos psicológicos nas religiões afro-brasileiras. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico. 1989. Maria Lina Leão. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. BARROS. Dunia Ossaim: Os AfroAmericanos e o Meio Ambiente. Ewe Osanyin: Sistema de Classificação de Vegetais nas casas de Santo Jeje Nagô de Salvador-Bahia. 1994. 193p. TEIXEIRA. 65 . BARROS.Extraordinária de Defesa e Promoção das Populações AfroBrasileiras (SEAFRO). Dunia Ossaim: os AfroDescendentes e o Meio Ambiente. 2000. 1991. o banquete do rei. Arno. Rio de Janeiro: Pallas. José Flávio Pessoa de. Xangô no Brasil: a música sacra e suas relações com Mito. MELLO. O Verde no Candomblé. Marco Antonio da Silva. Rio de Janeiro: IPEAFRO. O banquete do Rei. Rio de Janeiro: Novo Milênio. 2000. A moeda dos orixás. 2000. O Verde no Candomblé . BARROS. Olubajé. Olubajé.). 36-62. Carlos Eugênio Marcondes de (org. 33-8. José Flávio Pessoa de. In: NASCIMENTO. José Flávio Pessoa de. Elisa Larkin (org. BARROS. José Flávio Pessoa de. 1987. Rio de Janeiro.). In: NASCIMENTO. José Flávio Pessoa de. José Flávio. Memória e História . José Flávio Pessoa de. José Flávio Pessoa de. escritos sobre a religião dos orixás. O código do corpo: inscrições e marcas dos orixás. In: MOURA. São Paulo. BARROS. p. Indianapolis: Indiana University. In: Revista de Cultura Vozes. 94(5):95-112 Petrópolis: Editora Vozes. São Paulo: EDICON/EDUSP. Ano 94.).

Paris: Manton & Co. dat. São Paulo. Le candomblé da Bahia et l’homme africain à travers la Religion Traditionnelle. 1949. BASTIDE. In: PROCEDINGS OFFICE INTERNATIONAL CONGRESS OF AMERICANISTS. 15 sept. 1979. BASTIDE. Contribuição ao estudo da adivinhação na Bahia. Rio de Janeiro: SAPS. Sociologia I. Roger. Alimentação e Candomblé. Roger.. Roger. 1952. Rio de Janeiro. p. Rio de Janeiro. 2ª parte: O transe. Disciplina e espontaneidade nos transes afroamericanos. 29º. In: BOLETIM DA FFCL/USP. BASTIDE. (27):10510. Paris: Preses Universitaires de France. Le batuque de Porto Alegre. Roger. 1946. A. BASTIDE.. p. L’axêxê. 1958.. BASTIDE.S. La divination chez les afro-americains. Mémoires de L’Institut Français D’Afrique Noire. Le candomblé de Bahia (rite nagô). Roger. Pierre. Art e religion: le culte des Jumeaux. (edt. In: HABITATREVISTA DAS ARTES NO BRASIL. Revista do Museu Paulista . 3p. 1953. Roger. mai. Roger. Roger. M. Paris. Chicago. BASTIDE. BASTIDE.BASTIDE. Candomblé. Roger. A cozinha dos deuses. 1952. O sonho. Algumas considerações em torno de uma lavagem de contas . Roger. 1952. BASTIDE. Roger. Paris. São Paulo. & LEIBOVICI. Lúcia Coelho. La divination. In: BASTIDE. 1:30-31. 66 . (40). In: A CIGARRA. Roger. 1(59):44-50. 1952. 2-8. mar. Sociologia I. Le culte de Yemanjá au Brésil.. 7:357-380. 1966. A cadeira de Ogán e o poste central. 59(1):44-45. BASTIDE. N. 1946. o transe e a loucura Trad. 113-23. Instituto de Estudos Brasileiros. 1952. BASTIDE. Dakar: IFAN. In: Présence Africaine. 393-428. 1952. (6):32-33. BASTIDE. 27p. In: BOLETIM DA FFCL/USP. BASTIDE. São Paulo. Roger. The University of Chicago Press. s. 2:195-206. 1962. 1950. In: CULTURA ALIMENTAÇÃO. São Paulo: USP.c. 260p. A cozinha dos deuses.p. In: CAQUOT. Roger e VERGE. E BASTIDE.1824. São Paulo.). In: Les Afro-Américaines. Roger. 1968.

O ritual angolano do Axexê. BASTIDE. O segredo das ervas. Trance und geistbesessenheit im candomblé von Bahia (Brasilien). 1995. BASTIDE. p. 7-34. BEATA DE IEMONJA. 124-30. Dieux d’Afrique. Jogo de Búzio. O candomblé da Bahia (Rito Nagô). In: DIÁRIO DE SÃO PAULO. São Paulo. BECKER. BASTIDE. Roger. Pierre. In: CADERNO DA BAHIA-Revista de Cultura E DIVULGAÇÃO. In: VERGER. In: Afro-Ásia. 233p. Os cultos mágico-religiosos no Brasil. Prefácio. 154 (3):75-104. Roger. 1950. p. BASTIDE. 2ª parte: O transe. José. jan. BASTIDE. Correntes regionais e nacionais na música do candomblé baiano. In BASTIDE.BASTIDE. Roger. (12):129-40. 1983. 1976. p. Caroço de dendê: a sabedoria dos terreiros como ialorixás e babalorixás passam seus conhecimentos a seus filhos. Abguar. Munster: Lit. Trad. 1979. p.2. Paris. Rio de Janeiro: Pallas. Paris: Paul Hartman Ed. Roger.2-4. 1978. São Paulo: Cia Editora Nacional. BASTIDE. BENISTE. IN: BOLETIM BIBLIOGRÁFICO: Separata. Medicina e magia nos candomblés. Um encontro com o desconhecido. Religiões africanas e estruturas de civilização. Roger. Lúcia Coelho. Roger. (6-7):5-16. 7-8. São Paulo. 1950. Prolegômenos ao estudo dos cultos de possessão. 100-12. BASTIDE. 1953. Roger. Roger. c. Estudos Afro-Brasileiros. 375p. São Paulo. Instituto de Estudos Brasileiros. o transe e a loucura. 370p. Roger. Oferenda a Yemanjá. 1954. O candomblé da Bahia (Rito Nagô) 3a ed. s. p. 1979. 2000. BASTOS.l. Salvador. O sonho. Salvador. O mundo dos candomblés. BASTIDE. 1961. Mãe. Roger. São Paulo: Companhia Editora Nacional. São Paulo: Perspectiva. jun/dez. Roger. p. In: BOLETIN DA FFCL DA USP. Les filles des Dieux de Bahia. 1968. BEHAGUE. São Paulo. 67 . abr. (5): 1-2. In: REVUE DE PARIS. Gerard.. BASTIDE. 1953. 11 fev. In:AfroÁsia. Roger. Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil. Ralph M. Sociologia I. 1944.. 1977.122p. 249-91. São Paulo: HUCITEC. BASTIDE.

In: AMERICAS.BENISTE. BERNABÓ. Orun/Aiyé. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. il. Turista. Salvador: Progresso. 1980. Salvador: Liv. BERNABÓ. il. 352p. 1951. Pierre. Hector (Carybê). 1955. Orun Aiyé. BERNABÓ. Hector (Carybê).. 300p. Odorico. BENISTE. BERNABÓ. Turista. 11(1):16-19. Turista. (6):105-106. Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil. s. São Paulo. Aníbal Gonçalves. 1951. Salvador: Liv. 335p. Xangôs do Nordeste . il. 1997. 1994. Festa de Iemanjá . BERNARDES. Objetos de Axé: um estudo antropológico que vai da construção do objeto à manutenção da vida nos grupos de Candomblé de São Paulo. 1997. Hector (Carybê) e PEREIRA. Axé: ruptura – continuidade. Orixás. São Paulo: Raízes. José. 1959. Hector (Carybê). Conceição da Praia: 26 desenhos de Carybé. Iconografia dos deuses africanos no candomblé da Bahia: Aquarelas. Revisitando o Brasil. BERNABÓ. BERNABÓ. BERNARDO. Turista. Hector (Carybê) e VERGER. 68 . Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. BERNARDES. In: MARGEM. Hector (Carybê) e TAVARES. Festa do Bonfim. Recife. BERNABÓ. BERNABÓ. Temas de candomblé. Terezinha. 1935. (não paginada). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. Rosa Maria Costa. Salvador: Livr. José. 1997. 5(1-2):87-135. Candomblés of Bahia. (não paginada). O Encontro de dois mundos: o sistema de relacionamento Nagô-Yorubá entre o céu e a terra. BERNARDES. O encontro de dois mundos. Dissertação de Mestrado apresentada ao Departamento de Antropologia da Faculdade de Filosofia. 1951. Salvador: Liv. 1955. Salvador: Progresso. José. 1937. Hector (Carybê). Washington. 1951. Investigações sobre cultos negro fetichistas do Recife. Aníbal Gonçalves. Festa do Bonfim: 27 desenhos de Carybé. ilus.l. Hector (Carybê). In: ARQUIVO DA ASSISTÊNCIA A PSICOPATAS DE PERNAMBUCO.

José Maria. Olodumaré: God in Yoruba belief. 1970. Idowo E. BEZERRA. ago. Felte. s. São Paulo. nº 28. T.d. 1970. Petrópolis (RJ): Vozes. 3:46-54. 20(25):72-84. BEZERRA. São Paulo: 69 . BINON-COSSARD. Os ministros de xangô. Extr. Paulo. 1948. 2v. Paris. BEZERRA. Contribution à l’étude des candomblés du Brésil: le candomblé Angola. 1985 BITTERNCOURT. BOTAS. BINON-COSSARD. Carlos Eugênio Marcondes de (org. In: Religião e Sociedade. BINON-COSSARD.). Martiniano do. Xangô de Zeca. No reino dos exus: estudo cuidadoso sobre todas as entidades que baixam no terreiro. BOTAS. 159-207. BOLAJI. BIRMAN. Paulo. Longmas. In: Sociologia. 1981. London. Tese (Doutorado) – Universidade de Paris. (12). p.. São Paulo: Ágora. Xangô de Zeca. 1960. mar. Gisèle. Correntes regionais e nacionais na música do Candomblé baiano . Rio de Janeiro. Ollorisá. 159p. 1976. 127-51. In: O Negro no Brasil: Trabalhos apresentados ao 2º Congresso Afro-Brasileiro (Bahia). In: Revista do Instituto Histórico e Geográfico. 1984. Eco. Aracajú. 12(1):2-21. BIRMAN. 15/6/1948.BERRAGUE. 1940. 222p. out. Felte. dos encantados. Xirê: a ciranda KOINONIA/Ave Maria. Rio de Janeiro: IBECC/CNFI/doc. p. Patrícia. Edun Ara: devaneios sobre a espiritualidade dos Orixás. Um xangô de Aracajú. Patrícia. 1962. A filha de santo. G. de: La musique dans la vie. In: Afro-Ásia. Comentários a propósito da II Conferência Mundial da Tradição dos Orixás . Rio de Janeiro. Identidade social e homossexualismo no candomblé. La musique dans le candomblé.. 1. 1997. Gisèle. 1996. Carne do Sagrado. In: MOURA. BONFIM.. Salvador: Centro de Estudos Afro-Orientais da UFBa. 3p. 10(4):266-71. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. Felte. Gisèle. escritos sobre a religião dos orixás. Rio de Janeiro: Ed. In: Comunicações do ISER.

Rio de Janeiro. Ifá au Brésil. In: ANNALES DE L’UNIVERSITÉ D’ABIDJAN: série D./ago. . Júlio Santana. Júlio Santana. jun. (40):45-54. BRAGA. Salvador: Fundação Cultural do Estado da Bahia/EGBA.l. 1993. O culto de egum em Ponta de Areia. Júlio Santana. Escravidão e invenção da liberdade. Júlio Santana.). BRAGA. São Paulo: Coordenadoria de Comunicação Social da USP. 70 . In: Revista USP . 11:323-35. 1980. Um mito africano sobre Iansã e sua variante brasileira.). In: REVISTA BRASILEIRA DO Folclore. Júlio Santana. BRAGA. Júlio Santana. In: BRAGA. ed. (separata) BRAGA. In: Afro-Ásia. Salvador: CEAO/EDUFBA. 1988.BRAGA. Trad. Ancestralidade Afro-Brasileira. BRAGA.. Na Gamela do Feitiço: repressão e resistência no Candomblé da Bahia. Júlio Santana.Dossiê Brasil/África. p. São Paulo: Brasiliense. João José (org. 1995. estudo sobre o negro no Brasil. Salvador: EDUFBA/Anamá. Religião e Cidadania. Ancestralidade afro abrasileira: o culto de Babá Egun. 1995. Julio Santana. 1974. Contos afro-brasileiros. Salvador: EGBA/UFBa. 234p. Littérature. Júlio Santana. Sciences Humaines.. Salvador. 2a. Abidjan. Júlio Santana. 1989. BRAGA. 198214. Itaparica. 1990. Candomblé da Bahia: repressão e resistência.d. In: REVISTA DE CIÊNCIAS HUMANAS. São Paulo: Brasiliense. set/dez. BRAGA. BRAGA. Júlio Santana (org. In: REIS. de Margarida Bastos. 1(1):113-22. p. Ancestralidade Afro-Brasileira: o culto de Baba Egun. s. 11-28. 1999. s. Ifá no Brasil. Júlio (org. 1978. 1988. (13):67-74. Júlio Santana. (18):52-9. BRAGA. BRAGA. Salvador: Editora CEAO/Ianamá. Rio de Janeiro: Pallas. O Jogo de búzios: um estudo da adivinhação no candomblé. Prática divinatória e exercício do poder (o jogo de búzios nos candomblés da Bahia). Júlio Santana. BRAGA. A Cadeira de Oga e outros ensaios.). BRAGA. 1992.

Édison de Souza. A cerimônia do bori no candomblé da Bahia. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Rio de Janeiro: Editorial Andes. Salvador: Reunião Brasileira de Antropologia. 1988. BRUMANA. Maria do Carmo Tinoco. São Paulo: Cia. REVISTA DE PESQUISA HISTÓRICA. Maria do Carmo Tinoco. México. 1989. Rio de Janeiro. Recife. 265-68. Trabalhos apresentados ao 1º Congresso Afro-Brasileiro (Recife. BRANDÃO. Salvador: SEIVA. UFPE. In: AMÉRICA INDÍGENA. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia. p. p. Ariel. São Paulo: Brasiliense. In: Estudos Afro-Brasileiros. 1988. La comida de santo en el candomblé. 84p. CAPRARA. Candomblés da Bahia (com 14 desenhos de Carybé). Nacional. vida e morte. 96p. A comida de santo no candomblé. CAPONE. 2(7). Recife. O panteismo dos negros do Recife. 8(34):40-9. Forma e razão das trocas nos xangôs tradicionais do Recife: um estudo exploratório. CANTIGAS de Obaluae: Omolú. Maria do Carmo Tinoco. C. In: Cidade do Salvador. 204p. CARMO. 71 . O que é candomblé. Rio de Janeiro. 239p. 1934). Rio de Janeiro: Crença. Caminho dos Orixás. Dissertação de Mestrado apresentada ao Departamento de Ciências Sociais. Rio de Janeiro: Ed. A localização de xangôs na cidade do Recife. São Paulo. Paris.BRAGA. Xangôs tradicionais xangôs umbandizados do Recife: organização econômica. abril de 1996. 200) CARNEIRO. In: CLIO. Èsùmásemío. 1980. 2ª ed.124p. Thèse présentée en vue du grade de Docteur de l’Université de Paris X. Le pouvoir de la tradition dans le candomblé brésilien. 48(3):605-18. Lourenço. CAPONE. 1935. BRANDÃO. (Coleção Primeiros Passos. 1954. Fernando Giobellina. 1940.. 1987. 8(34):59-66. Ed. BRANDÃO. Toadas de Xangô. João C. 1989. CAMARÃO. 55-65. O médico ferido: Omolu e o labirinto das doenças. Stefania. In: Comunicações do ISER. 1958.d. BRANDÃO. Andrea. (11):117-34. In: COMNICAÇÕES DO ISER.. Stefania. 1997 (2 tomes). s. BRUMANA. 1986. Darwin e MOTA e SILVA. Fernando Giobellina.

1940. 1959. E COM. 1943.. 1948. Candomblés da Bahia. 11:51-53. Rio de Janeiro. Bahia: Secretaria de Educação e Saúde. São Paulo. In: Revista do Arquivo Municipal. Édison de Souza. CARNEIRO. Condição social das filhas de santo . O médico dos pobres. São Paulo. 1959. Mães de Santo. desenhos de Paulo Flores e transcrições musicais de Marshall Levins. Vocabulário do negro na Bahia (vocabulário de termos usados nos candomblés da Bahia). In: PROBLEMAS. out. 140p. 1940. Os cultos de origem africana no Brasil. Candomblés da Bahia. Candomblés da Bahia. Édison de Souza. Édison de Souza. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional. Édison de Souza. In: PROVÍNCIA DE S. Édison de Souza. CARNEIRO. Édison de Souza. 6(121):129-40. São Paulo: Editora Companhia Nacional. Édison de Souza.. Rio de Janeiro: Conquista. CARNEIRO. CARNEIRO. Salvador: Editora Ediouro. 10(99):45-62. São Paulo. ago. 1935. CARNEIRO. 1961. Rio de Janeiro: MEC. Édison de Souza. In: Revista do Arquivo Municipal. CARNEIRO. Linhas gerais da casa de candomblé. In: BOLETIM MIN. 506p. Édison de Souza. Candomblés da Bahia. TRAB. CARNEIRO.CARNEIRO. Édison de Souza. 72 . CARNEIRO. In: Revista Arquivo Municipal. 1938. Rio de Janeiro. 7(134):127-38. São Paulo. 2(13):9-21. Porto Alegre. CARNEIRO. CARNEIRO. CARNEIRO. Candomblés da Bahia (com ilustrações fotográficas. CARNEIRO. Omulu. jul/ago 1942. Édison de Souza. (7):210. 189p. In: BOLETIM ARIEL. 1948. 20p. 9(108)269-82. 1937. In: O Negro no Brasil: Trabalhos apresentados ao 2º Congresso Afro-Brasileiro (Bahia). Os cultos de origem africana no Brasil (Decimalia). nov/dez 1944. Édison de Souza. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. Os mitos africanos no Brasil. CARNEIRO. 1937. Édison de Souza. PEDRO. Édison de Souza. IND.

O candomblé de caboclos no litoral norte da Bahia: a virada para a banda das esquerdas . José Jorge de. Sueli e CURY. Shango cult in Recife. Elisa Larkin (Org). I. In: MOURA. José Jorge de. 64p. 1994. CARNEIRO. 2(3):67-8. CARNEIRO. 1992. 1990. Sinais dos tempos: diversidade religiosa no Brasil. 84(2):157-79. José Jorge de. São Paulo. Rio de Janeiro: Ed. 118-39. Sankofa: Resgate da Cultura Afro-Brasileira. 71p. Brasil. El culto shangó en Recife. Sueli e CURY. Édison de Souza. Bahiana de Cincinato Meichiades. p. 1983.). José Jorge de e SEGATO. Tradições e milagres do Bonfim. 1990. In: Revista de Cultura Vozes. In: LANDIM. CAROSO. Petrópolis. nº 23) 73 .). O Candomblé. 1989. Leilah (org. Rita Laura. Caracas: Centro para las Culturas Populares y Tradicionales. nº 23) CARVALHO. escritos sobre a religião dos orixás. CARNEIRO. Carlos & RODRIGUES. Rita Laura. (Série Antropologia. (Cadernos do ISER. Nietzsch e Xangô: dois mitos do ceticismo e do desmascaramento.CARNEIRO. p. 1:176-93. In: LANDIM.131-38. Brazil. Cristiane Abdon. Meu sinal está no teu corpo. Brasília: UnB. (23)139-45. São Paulo: Fundação Carlos Chagas. Caracas: FUNDEF/CONAC/OAS. Estudos Afro-Brasileiros. 1934). CARVALHO. 164p. mar/abr 1990. 22 a 25 de Setembro de 1998. Rio de Janeiro: ISER. Carlos Eugênio Marcondes de (org. Rio de Janeiro: ISER. CARVALHO. Cristiane Abdon. Xangô. Ariel. José Jorge de. Trabalhos apresentados ao 1º Congresso Afro-Brasileiro (Recife. Jurema. Sueli e CURY. 1989. Xangô. Cristiane Abdon. 1987. A África na diáspora. Carlos Alberto de. Sinais dos tempos: diversidade religiosa no Brasil. 139-145. Rio de Janeiro: SEAFRO. O Candomblé.). 1935. O poder feminino no culto aos orixás. José Jorge de e SEGATO. 80) CARVALHO. Nietzsch e Xangô: dois mitos do ceticismo e do desmascaramento. 1915. São Paulo: EDICON/EDUSP. (Cadernos do ISER. Bahia: Typ. (23). CARVALHO. CARVALHO. CARVALHO. Núbia. In: NASCIMENTO. Leilah (org. VIII Jornada sobre as Alternativas Religiosas na América Latina.

1976.: o desafio brasileiro. Descrição de uma tipologia mística: os orixás do candomblé. 1992. s. CORREA.CARVALHO. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Eco. Lídia & RODRIGUES. Tânia (Org. Plantando o Axé: as religiões afro-brasileiras e o movimento negro.l. 1988. CORRÊA. 1993. Dissertação de Mestrado apresentada ao Departamento de Psicologia da PUC/Rio de Janeiro. Os vivos. quadros. CORREA. maio de 1994. Sincretismo Religioso: o ritual afro. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Ed. Anais do IV Congresso Afro-Brasileiro realizado em Recife. out/nov. 475p. COSTA. Nação Kassanje. 1985. Porto Alegre. São Paulo: Paulinas. COSTA. s. vol. 93p. A prática do candomblé no Brasil. 1974. Manoel do Nascimento. Histórias do sítio do Pai Adão e o culto a Orumilá . Presença de Mulher. Renes. o rei de muitas faces. Rio de Janeiro: Ed. Maria de Lourdes. 1983. Paris.. José Jorge. 1163-168. 1959. Massangana. São Paulo: Companhia das Letras. 84(2):226-8. il. CINTRA. Belém: CEDENPA. In: LIMA. Elisabeth. Babaô. 4.. Quando falam as Yabás. 1997. Porto Alegre: Editora Universidade / UFRGS. 74 . Norton F. os mortos e os deuses: (um estudo antropológico sobre o batuque do Rio Grande do Sul). Le candomblé da Bahia. CONGUÊ. 2001. In: REVUE D’HISTOIRE DE PHILOSOPHIE RELIGIEUSE. CHAIB. Rio de Janeiro: Pallas. Norton F. p. Ogun. Rio de Janeiro: Ed. Fernando. 1996. CARYBÉ (vide: BERNABÓ. 1996. Candomblé de Angola. Raimundo. CEDENPA. 210p. Pontos de candomblé. Ângela Maria. Batuque do Rio Grande do Sul: Antropologia de uma religião afro-riograndense. Candomblé e umbanda.d. Brasília: MINC/Fundação Palmares. Cultos Sagrados ao Xangô do Recife. Hector) CASTRO. COSTA.). CAZENEUVE. José Rodrigues (Tata Nitamba Tarangue).

Flowers to the ocean: a study of everyday practices. 1990.). COSTA. 1984. CUNHA. ritual and identity in Candonblé. Caetana Maria. Ritual e conflito quando se canta para subir. Maria Brito. Rio de Janeiro: ISER. Les religions de l’Afrique. São Paulo: Edições Paulinas. São Paulo: Dédalo/EDUSP. CRIOLA.1986. O misticismo na experiência religiosa no candomblé. (18):45-61. Roberto (org. Anais do III Congresso Afro-Brasileiro. 1997.. 23(1):16. Marlene de Oliveira. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes. São Paulo. DAMASCENO. CUESTA.. Rio de Janeiro. Caetana. p. 1989. 18). Ritual e conflito quando se canta para subir. 270p. Identidade étnica e religiosa. 227p. Marta. p. Paris: Payot. A feitiçaria nagô/yoruba. DAMASCENO. 222p.COSTA. CUNHA. COSTA. Massangana. Caetana Maria. Centro de Estudos Afro-Asiáticos. In: MOTTA. Salvador. 94-120. DAMMAN. Em busca de Um Espaço: a linguagem gestual no Candomblé de Angola. 25 de ago. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro/ECO/CIEC. Sacrifício de animais e distribuição da carne no ritual afro-pernambucano. 75 . Manuel Nascimento da. Recife: Instituto Joaquim Nabuco de Pesquisas Sociais. 1986. Candomblé à serviço da Comunidade. 2. São Paulo. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro. Oro Obinrin. Fundação Joaquim Nabuco. Candomblé nagô em Pernambuco. Caetana Maria. In: Estudos Afro-Asiáticos. santo no peji. 1977. 32p (Papéis Avulsos. 1994. Rio de Janeiro: CIOLA. Mariano Carneiro da. Lund: Lund University. Correio da Bahia. Cantando para subir: orixá no altar. 5(21)out. 176p. Ernest. In: Religiosidade popular e misticismo no Brasil. 1990 DAMASCENO. 1998. DAMASCENO. 1985. Os afro-brasileiros. mai. 1964. Neusa Meirelles. Recife: Ed. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia. Comunicações do ISER. Manoel Nascimento da. CUNHA. 1984.

Caracas. Rio de Janeiro. DANTAS. Sobrevivências do culto da Serpente (Dãnh-Gbi) nas Alagoas. P. Antonio. São Paulo: ADUDUWA. Exú: o inimigo invisível do homem. 1987. DANTAS. São Paulo. p. 255p. DUARTE. (22):137-45. 1974. Práticas Religiosas nos Terreiros de Araraquara. Tempo e Presença. DANTAS. Ibadan: Oniboje Press. A organização econômica de um terreiro de xangô. out 1979. 1990. Candomblé. Repensando a pureza nagô. Carlos Eugênio Marcondes de (org. In: Montalban. In: NASCIMENTO. Beatriz Góis. Teoria sobre Ossaim. Dunia Ossaim: Os AfroAmericanos e o Meio Ambiente. Bahía .). A tradição da religião Jêje na Bahia . 121-28. De feiticeiros a comunistas. A. maio de 1994. In: MOURA. (8). desvendando identidades. Teoria sobre Ossaim. Elisa Larkin (Org). Rio de Janeiro: IPEAFRO. 1990. 1994. Beatriz Góis. Dunia Ossaim: os afrodescendentes e o Meio Ambiente. Elisa Larkin (org. novos escritos sobre a religião dos orixás. In: LIMA. vol. In: Del Caribe. Rafael Zamora (Babalawô). 2000. Santiago de Cuba. In: NASCIMENTO. DECOSMO. Olu.). Everaldo.DANTAS.). DÍAZ. Dissertação de Mestrado apresentada na Fundação Escola de Sociologia e Política. DARAMOLA. In: Religião e Sociedade. 76 . In: Dédalo. 4:181-91. Beatriz Góis. 26:60-7. DÍAZ. Pureza e poder no mundo dos candomblés. DELGADO SOBRINHO. Parentesco de sangre y herencia de los santos en el xangó. Awon Asa ati Orisa ile yoruba. Maceió. DOPAMU. Adebayo. 42-3. São Paulo (23):97-115. Janet L. Abelardo. Beatriz Góis. Imágenes de los orichas en Salvador. In: Revista do Instituto Histórico de Alagoas. Beatriz Góis. São Paulo: EMW. In: Religião e Sociedade. 1994. (33):79-89. Anais do IV Congresso Afro-Brasileiro realizado em Recife. Rio de Janeiro: Secretaria Extraordinária de Defesa e Promoção das Populações AfroBrasileiras (SEAFRO). Tânia (Org. 42-43. 1984. 1967. 1948/50. JEJE. DANTAS. 1983. DUARTE. Sincretismo Religioso: o ritual afro. p. Rafael Zamora (Babalawô).

2000. Xangôs do Nordeste. EQUIPE KÀWÉ. 2002. Aníbal Gonçalves. Petrópolis/RJ: Ed. 1999. Universidade Estadual de Santa Cruz do Sul. (1):15-19. São Paulo: Mandarim. Yabas: Mulheres negras. EPEGA. Kiusam Regina. maio de 1994. 93(4):28-41.. etnobotânica e comida. Sandra Medeiros. Itan: histórias do sistema oracular jeje-nagô. Ifé: University of Ifé Press. In: Revista Kawé. Ilhéus: EDITUS. ENCONTRO DE NAÇÕES DE CANDOMBLÉ. Cido de Oxum (Pai). Anais do IV Congresso AfroBrasileiro realizado em Recife. 352p. In: REVISTA KAWÉ. Salvador: Ianamá/Centro Editorial e Didático/Centro de Estudos Afro-Orientais da UFBa. O tocador de atabaque nas casas de culto afro-maranhenses. 50-65. 1996. 1999.4. heroínas e orixás: personalidades sem fronteiras. 1969. Sylvia e OLIVEIRA. In: MOURA. EPEGA. 159-69. outros escritos sobre a religião dos orixás. (1):37-39. p. Rio de Janeiro: Pallas. 89p. p. p. EQUIPE KÀWÉ. 1981. Candomblé: a panela do Segredo. M. In: Cultura Vozes. EGYDIO. Faces da tradição afro-brasileira: religiosidade. Ilhéus: EDITUS. FERNANDES. Sincretismo Religioso: o ritual afro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 2000.). p. Universidade Estadual de Santa Cruz do Sul. 4. Tânia (Org. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Ed. Carlos Eugênio Marcondes de (org. 2000. Medo de Exu? In: Revista Kawé. Comida de Orisa. EYN. Jeferson (orgs. Universidade Estadual de Santa Cruz do Sul. práticas terapêuticas. Salvador: CEAO.). 2000. EQUIPE KÀWÉ. Vozes. São Paulo: Nobel. EYN. Octávio da Costa. deusas. Salvador. Sandra Medeiros. (1):21-31. In: LIMA. 1937. In: CAROSO. 1984. Anais. Carlos & BACELAR. Ife shrines. Ilhéus: EDITUS. Bandeira Alairá. 1996.. FABUNMI. 77 . 137-147. reafricanização. EDUARDO.). Massangana.. vol. 1982. Massangana. onde tudo começou. Acaçá. São Paulo: Editora Arx. 71-7. Cido de Oxum (Pai). A. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Ed. Pai Pedro (Entrevista). A volta à África: na contramão do Orixá.

Napoleão. Renascença.). 109p. s.). Tânia (org. FERREIRA.d. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Ed. In: Revista do Arquivo Municipal. Anais do IV Congresso Afro-Brasileiro realizado em Recife. 1996. 1987. Tânia (Org. 78 . Sincretismo Religioso: o ritual afro. vol. In: LIMA. Napoleão. Almiro M. 1984. 1997. Antonio Urbano. p.. Mundicarmo Maria Rocha. Gráfica Editora Alcântara Ltda.. FIGUEREDO. 127-133. Reavaliação e atualidade dos cultos afro-brasileiros no Maranhão.). 8p. Massangana. O mito do eterno retorno no Xangô do Recife . Massangana.e. São Paulo. 1983. Os caminhos de Exu. Euclides Menezes. Rio de Janeiro: FUNARTE. FERRETTI. FERREIRA. 126p. Walter C. Nova Série. 4. A trajetória da casa fanti-ashanti . 1941. Climério Joaquim. aricás & amacis. Salvador: In: CEAO. Alcântara. 4. FERREIRA. maio de 1994. FERREIRA. 1974. Tânia (Org. A Casa Fanti -Ashanti e seu alaxé. In: Sete Brasileiros e seu universo. 1984. São Luiz: s. Euclides. São Luís: Ed. FERREIRA. Euclides. Candomblé de Caboclo. In: LIMA. Brasília: DAC/PAC. O candomblé no Maranhão. Anais do IV Congresso AfroBrasileiro realizado em Recife. Os Orixás. 33) FONSECA. 76:271-74. Orishas e Voduns em cânticos associados. FERREIRA. In: LIMA. FIGUEIREDO. Euclides. In: ENCONTRO DE NAÇÕES DE CANDOMBLÉ. maio de 1994. maio. 76-84. 1980. Sincretismo Religioso: o ritual afro. FERREIRA. p. Salvador: Ianamá/CEAO/Centro Editorial e Didático da UFBa. Agô-lê: Vamos falar de Orishas? Porto Alegre: Ed. Aydano do Couto. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Ed.FERRAZ. 1984. FERREIRA. São Luís. vol. Anais do IV Congresso Afro-Brasileiro realizado em Recife. Vestígios de um culto dahomeano no Brasil.. (Cadernos de Folclore. Os orixás são anjos ou eguns? Rio de Janeiro: Espiritualista. Uma festa pública de candomblé. 1996. (33):48p.c. Eduardo Pacheco de A. Banhos de cheiro. Sincretismo Religioso: o ritual afro.

Gilberto. FONTENELLE. A construção ritual da pessoa. 1980. In: Religião e Sociedade.. Protasius. O candomblé é a dança da vida: aflição. Reflexões sobre alguns recortes de jornal acerca da II Conferência Mundial da Tradição dos Orixás e Cultura. realizada em Salvador. Aluizio. Recife. GINWAY. GOLDMAN. 4. O universo mágico religioso negro-africano e afrobrasileiro: Bantu e Nàgó. 201p. 28 abr. Massangana. doutrina. Eduardo Pacheco de Aquino. a possessão no candomblé.p. ago.. Exú. São Paulo: EMW. 243p. 1995. 1966. Traços da doutrina Gêge e Nagô sobre a crença na alma. Rio de Janeiro. 1952.maio de 1994. Newton. Aluzio. Ismael. a possessão no candomblé. GIROTO. p. vol. Rio de Janeiro: s. GIROTO. Carlos Eugênio Marcondes de (org. São Paulo. 1996. GOLDMAN. FREITAS. São Paulo. Peter. 6ªed. Xangô Djacutá: magia. 1966. São Paulo: FFLCH/USP. cura e afiliação religiosa ao Palácio de Yemanjá. julho de 1983. 169-178. 1987 79 . De um observador participante. FONTENELLE. Candomblé do rei: estudo etnográfico de um candomblé ketu-bamgbose na cidade de São Paulo. Recife. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Pernambuco. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Ed. Márcio. 87120. Péret no Brasil: suas observações sobre o candomblé e macumba. In: Comunicações do ISER. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia. FRIKEL. Márcio. 12(1):22-54. mar 1984. Diario de Pernambuco. 3ª ed. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.). In: MOURA. liturgia. 1985. ritual. FREYRE. Rio de Janeiro. 272p. 394p. Libby. In: Revista de Antropologia.c. jun/dez 1964. 1999. p. jul 1986. Rio de Janeiro: Espiritualista. Pai Adão. Rio de Janeiro. 1936. 12(12):51-82. 3(8):37-46. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia. desvendando identidades. Candomblé. Ismael. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. A construção ritual da pessoa. 229p. FRY. 13(2):124-52. FONSECA. In: Religião e Sociedade. Exu. Rio de Janeiro: Eco.

Rio de Janeiro. GONÇALVES. B. Belém. R. In: Miscelanea Paul Rivet. Xangôs do Nordeste: investigações sobre os cultos negro-fetichistas do Recife. Márcio. Mendonza: Universidad Nacional de Cuyo.. (23):123-29. Maria Alice Rezende. GONÇALVES. A carreira do pai-de-santo. Anaíza Vergolino. 1958. (17):14-5. mapas. Leilah (org. 3(4):357-73. 2:16-20. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. Candomblé. HENRY. Some economic aspects of the Afrobahian candonblé. In: MEDINA. 1996 (São Paulo de Perfil: 16). In: Revista de Estúdios Musicales. A Brincadeira no terreiro de Oxossi: um estudo sobre a vida lúdica de uma comunidade de candomblé do Rio Grande do Sul. Melville Jean. In: Boletim Inst. Alabama State College. Música de culto afrobahiana. 1936. Martim. 1949. 1(2):65-127. Afro-Brazilian fetish cults in Brazil. nº 23). São Paulo: CJE/ECA/USP. il.). 2000. (Cadernos do ISER. Rio de Janeiro: Iser. (1):67-72. 204p. In: Cadernos do CFCH. 1990. Rio de Janeiro: UFRJ. 1990. Montevallo. GUIMARÃES. GONÇALVES. Fernandes. Dissertação (Mestrado) – Instituto de Filosofia e Ciencias Humanas da Universidade Federal do Rio de Janeiro.c. Melville Jean & WATERMAN. s. 1970. Filhos de Ogara. A indumentária sagrada do candomblé da Bahia. Rio de Janeiro. Cremilda (org. In: LANDIM. In: Journal of Social History. Os aguidás: do Brasil para a África.GOLDMAN. 156p. Maria Laura de Oliveira. diversidade religiosa no Brasil. GOMES. Russel G. HAMILTON JUNIOR. Sinais dos tempos. Estrutura social do candomblé afrobrasileiro. nov 1954 GUIMARÃES. GOLDMAN. 80 . 1962. Recife. 1954. HERSKOVITS. 2:227-47. Pittsburg.p. Joaquim Nabuco de Pesq. Márcio. The present state of African cults in Bahia. Reginaldo. 1980 (Série A) HERSKOVITS. Universidade Estadual de Santa Cruz do Sul. 259p. Axé. Camila P. Melville Jean. Notas sobre o culto de Oxalá. 1984. Sociais. In: Revista Acadêmica. A. Ilhéus: EDITUS. (3):13-34.. Possessão e a construção ritual da pessoa no candomblé. In: Revista de Musica Popular. 1937. In: Revista Kawé. HERSKOVITS.). C.. HEDRICK. México.

1:505-32. Dissertação (Ph. The social organizations of the afrobrazilian candomblé. São Paulo. Ann Arbor: Michigan. LAYTANO. Thomás. JOAQUIM. In: Revue Monchanin. 1956. A Igreja e os Orixás. The social organization of the candomblé. Melville Jean. Dante de.WESER. François Marie de. Porto Alegre: ed. (Publ. Martin Werner. Dakar: IFAN. Candomblé. Cornell. Anhembi. L’ESPINAY. In: Phylon. KOCH. In: Anais do XXXI Congresso de Americanistas. Salvador: CEAO/UFBa. Melville Jean. HERSKOVITS. Igreja e religião africana do candomblé no Brasil. Candomblé au Brésil. Die yoruba . 29) 81 . summer. Montreal. Tese (Doutorado) – Faculdade de Psicologia Social da Pontificia Universidade Católica de São Paulo. O papel da liderança religiosa feminina na construção da identidade negra. IALORIXÁS. 13(4). dez.religion in Brasilien. 233p. The Afro-Brazilian candomblé cult: an anthropological study of cultural performances of good and evil. 17-28. La religion des Orishas: une autre parole du Dieu Unique? Lumiere et Vie. L’ESPINAY. 1987. Rheinische Friedrich. 2001. Bahia.l. 60p. Maria Salete. 1936. Maria Salete. 1974. Cahier 69. The Afro-Brazilian candomble cult: an anthropological study of cultural performance of good and evil. do Axé Opô Afonjá. 133-40. Paris. São Paulo. 1955. 17(2):47-66. Melville Jean. 1989. Maritta Rosmarie Margarethe. L’ESPINAY. 1953. François Marie de. HERSKOVITS. HOREIS. da Com. s. 1976. François Marie de. Gaúcha de Folclore. 1968. p. 1936. 444p.HERSKOVITS.) – Cornell University. 1996. 1980. HOREIS.. São Paulo: EDUC. 242p. KOCMEYER. na afrobahian religious rite of transition. 14(2):123-139.Wilhelms Universitat. JOAQUIM. In: Santo Antonio. The Panan. 1954. 47(188)860-90. Rio de Janeiro: Pallas. p. In: Revista Eclesiástica Brasileira (REB). A Liderança das Mães-de-Santo: Dilemas e Paradoxos na Construção da Identidade Negra. Martin Werner. In: Les Afro-américains. 1974.D. 14(1):2536. 1985.

Claude. 1989. Recife: Impr. São Paulo: Empresa das Artes. Liderança e sucessão. LIMA. um estudo de relações intra-grupais. p.13-70. Lana Lage da Gama. Jornal do Comércio. Os esteriótipos da personalidade no candomblé nagô. 1981. 1937. Salvador: Mami. Bandeira de Alairá. São Paulo: Ágora. Vivaldo Costa. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal da Bahia. 44p. Projetos e Edições Artísticas Ltda. mandingas e mandingueiros da Bahia (contribuição ao estudo do folclore baiano). Carlos Eugênio Marcondes de (org. Carlos Eugênio Marcondes de (org. As metamorfoses de Sakpata.). LIMA. São Luís. A casa Nagô. Transe e possessão no culto dos Orixás. LIMA. Candomblé: religião do corpo e da alma: tipos psicológicos nas religiões afrobrasileiras. (org. 1981. Fábio. Carlos Eugênio Marcondes de (org. Carlos Eugênio Marcondes de. LIMA. In: MOURA. LIMA. 1978. Vivaldo da Costa. Editora da UFMA. LEPINE. 77p. Contribuição ao estudo do sistema de classificação dos tipos psicológicos no candomblé ketu de Salvador. p. p. Família-de-Santo nos Candombles jeje -nagos da Bahia. In: MOURA. Família de Santo nos Candomblés Gêge-Nagôs da Bahia. Salvador. 2v. In: MOURA.). 1998. outros escritos sobre a religião dos orixás. 66p. meizinhas. V. C. Leopardo dos olhos de fogo: escritos sobre a religião dos orixás. LEPINE. LEPINE. VI. José. Carlos Eugênio Marcondes de 82 . Deus da Varíola. A. 44-56. Claude. 1988. São Paulo. Salvador. 208p. 139-63. Claude. 1977. Yemanjá. 73p. São Paulo: Ateliê Editorial.). LEPINE. In: MOURA. LIMA. 1977. LEPINE. Rio de Janeiro: Pallas.). Claude.LEITE. Análise formal do panteão nagô. Vicente. 2000. Vivaldo da Costa. as águas encantadas . 119-43. Olórisa . In: MOURA. São Paulo. coerência e norma no grupo de candomblé. tradição religiosa iorubá no Maranhão. LIMA. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia. Xangôs. p. 1952. Os obá de Xangô . Nobel. A festa de Egum: rezas. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal da Bahia.. Marília: UNESP. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. escritos sobre a religião dos Orixás. 1982. Claude.

VI. Vivaldo da Costa.. Natal: Museu Câmara Cascudo /UFRN. 44-49. p. Salvador: UFBa/UNESCO. p. p. (Notas em comunicado aberto. Bandeira de Alairá: outros escritos sobre a religião dos orixás. Nobel. Raul Giovanni da Motta e Pereira. senioridade e hierarquia. vol. LODY. Introdução ao Xangô. Vivaldo da Costa. 1991. s. In: LIMA.n. Buenos Aires: Artes Gráficas. maio de 1994. Leopardo dos olhos de fogo: escritos sobre a religião dos orixás. 1984. Some Yoruba patterns of social organization in the orisha cult-association in Brazil. Salvador.(org. Nações-de-candomblé.1994). + ill. LIMA. (12):65-90. 5(1):37-47. 33-84. In: Afro-Ásia.). estratificação. 1996.n. 115 p. 1966. Vivaldo da Costa. 1994. Raul Giovanni da Motta. LODY. Organização do grupo de candomblé. 79-122. Uma festa de Xangô no Opô Afonjá . 4. O conceito de nação nos candomblés da Bahia. 1998.. jan. 1976. CEAO/UFBa. Raul Giovanni da Motta. In: XXXVII Congresso Internacional de Americanistas. LIMA. 1982. A arte.). 83 . LODY. Tânia (Org. Salvador: Ianamá/UFBa.). Raul Giovanni da Motta e SÁ. Coleção afro-brasileira do Museu Câmara Cascudo. Rio de Janeiro. (22):7. Mar Del Plata. Encontro de Nações de Candomblé. LODY.].11-26. Leonardo. Alimentação ritual. Carlos Eugênio Marcondes de (org. 1-5 de junho de 1981. p. Sincretismo Religioso: o ritual afro. Tudo come e tudo se come: em torno do conceito de comer nas religiões afro-brasileiras . In: CENTRO DE ESTUDOS AFRO-ORIENTAIS (org. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Folclore/Instituto Nacional de Música. Anais do IV Congresso Afro-Brasileiro realizado em Recife. LIMA. Rio de Janeiro: [s. In: MOURA. 1994. Wani F. A construção mítica de Oxalá na perspectiva afro-brasileira. o sagrado e o candomblé.). Raul Giovanni da Motta. nov. Vivaldo da Costa. São Paulo. Raul Giovanni da Motta. In: Ciência & Trópico. umbanda e mestria da jurema na cidade de Natal (RN). Massangana. São Paulo: Ateliê Editorial. 1989. s. 1977. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Ed./jun. Salvador. LIMA.l. Vivaldo da Costa. LODY. LODY. Anais. 59p. Recife. 10) LIMA. 1959. (Série Estudos/Documentos. O atabaque no candomblé baiano.

LODY. Leopardo dos olhos de fogo: escritos sobre a religião dos orixás. Raul Giovanni da Motta. LODY. Raul Giovanni da Motta. il. 1983. 36p. 1980. Curitiba: Coo Ed. 101p. Roberto (coord. Raul Giovanni da Motta. 97p. 1985. 1975. Raul Giovanni da Motta. São Paulo: Ateliê Editorial. 1998.. Raul Giovanni da Motta. um estudo de caso da cultura material afro-brasileira. (Cadernos de Folclore. 63p. Raul Giovanni da Motta. O rei como quiabo. (14):15-21. il. Maceió: Universidade Federal de Alagoas: Rio de Janeiro: FUNART/Instituto Nacional do Folclore. Oxé de xangô. VI.LODY. 1987. inquices e caboclos. O Povo de Santo : religião.). e a rainha come fogo: temas da culinária sagrada no candomblé. Recife: Instituto Joaquim Nabuco de Pesquisas Sociais/Artnova. Pano da costa . 15) LODY. Rio de Janeiro: s. 1995. Cultura material dos xangôs e candomblés: em torno da etnografia religiosa do nordeste. LODY. In: MOTTA. 1985. Carlos Eugênio Marcondes de (org. história e cultura dos orixás. Nova Série. LODY. Edit. São Paulo: Ática. sociedade: um ensaio de Antropologia visual. Raul Giovanni da Motta. 145-64. Ao som do adjá . Raul Giovanni da Motta. Rio de Janeiro: FUNARTE.In: Afro-Ásia. p. 1976. orixá. Rio de Janeiro: Pallas. 130p. 85p. Raul Giovanni da Motta. Santo também come: um estudo sóciocultural da alimentação cerimonial em terreiros afro-brasileiros. LODY. Salvador. 134p. Massangana. 13p. 84 . Raul Giovanni da Motta. Espaço. Filhos de Olorum. In: MOURA. Raul Giovanni da Motta. Anais do III Congresso Afro-Brasileiro. Sobrevivência islâmicas no candomblé da Bahia. voduns. Raul Giovanni da Motta. 1979. 1984. Rio de Janeiro: FUNART/Instituto Nacional do Folclore.) Os afro-brasileiros. LODY.ed. LODY.. LODY. 1987. Coleção perseverança: um documento do xangô alagoano. LODY. Recife: Fundação Joaquim Nabuco. Candomblé: religião e resistência cultural. Salvador: Secretaria de Cultura. LODY.

46-67. In: A Máscara. Álvaro. A tradição dos Orixás. Angela. 3(20):44-7. etnobotânica e comida. vol.: s. Axé e vida.l. ago. 1996. Sincretismo Religioso: o ritual afro. Faces da tradição afro-brasileira: religiosidade. Candomblé. 12) LOPES. LODY. Conflito social e saúde. Uma missa para Oxóssi: o rei de Ketu visita o Rosário dos Pretos. Rio de Janeiro: Pallas. Anais do IV Congresso Afro-Brasileiro realizado em Recife. continuidade transatlântica . 4. fev. Dossiê Brasil/África.). 85 . p. nº 18 (junho-agosto). reafricanização. In: Medicos e Curandeiros. 5(19):15-29. LOPES. Edmundo Corrêa. (12):4. Tânia (Org. O mundo fantástico dos erês. (12): 39-61. O candomblé da Bahia. p. 1985. 15(1):15-29. Angela. Massangana. Candomblé e samba. Um documento do candomblé na cidade do Salvador. abr 1937 LOPES. 303-18.. Edmundo Corrêa. Ewé: as plantas brasileiras e seus parentes africanos. p. In: LIMA. 1986.). ago 1940. nº 12 Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Raul Giovanni da Motta. 1992. São Paulo: Coordenadoria de Comunicação Social da USP. Carlos & BACELAR. 1999. In: Revista do Brasil. São Paulo: DIFEL. Maria Andréa. Jeferson (orgs. In: Revista USP. LOYOLA. Bahia. s. LOPES. O pessoal Gege. LÜHNING. Salvador: CEAO. Rio de Janeiro: MinC/Funarte/INF. Salvador: Fundação Cultural do Estado da Bahia. 1942. LÜHNING. Edmundo Corrêa. Edmundo Corrêa. mai 1942. 1993. Revista do Brasil.LODY. Rio de Janeiro. 3(26):43-46. 92-9. (Comunicado Aberto. LUZ. Rio de Janeiro. uma lenda medieval e um mito de Iemanjá. In: Estudos Afro-Asiáticos. p. 145 p. Rio de Janeiro. In: CAROSO. Umbanda e candomblé. Branco e negro. Marcos Aurélio. Helena Theodoro. maio de 1994. práticas terapêuticas. In: Revista do Brasil. MACDOWELL.ed. In: Santo Antonio. 1984. Raul Giovanni da Motta. 155-162. Bahia. 1940. LOPES. 5(47):5-7. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Ed.

(5):261-66. Iaô. 1977. p. MARTINS. Candomblé e Umbanda no Espírito Santo : práticas culturais religiosas afro-capixabas. 2000. São Paulo: MAE/USP.).d.. Eua. Arno. Elyette Guimarães. MÃE MENININHA: deusas da negritude. MAIA. 100p. Orixás da Bahia. Candomblé.MACHADO. 60 anos de iniciação. O leque de Oxum. MELLO. Salvador: Coleção do Autor. Cleber. 55:375-382. Helmy Mansur: Axexê: um rito de passagem. 5ª ed. In: Religião e Sociedade. Salvador: s. São Paulo: EMW. 161p. Candomblé. Cléo. Rio de Janeiro.. Cleo e LODY. MACIEL. MEDEIROS.d.l. Vasconcelos. (Edição xerográfica com recortes de jornais) MAGALHÃES. Rio de Janeiro: Espiritualista. 1987. Carlos Roberto. Mãe Stella.ed. O culto aos Orixás entre os yorubás. MELLO... Francisco Xavier.ed. 2001. São Paulo: Edições GRD. set. Carlos Eugênio Marcondes de. 80p. 123p. José Flávio Pessoa de.. José.). O sonho do iaô Afonjá – mitos afro-brasileiros. Marco Antonio da Silva. s. desvendando identidades. São Paulo. Vitória: DEC. Rio de Janeiro: Pallas. Ilê Ifê. P. 1977. 1987. Festa de Ibeji. MAIA. O Cruzeiro. R. algumas notas marginais relativas à sua cosmologia e a seus conceitos de divindade. José Guilherme Cantor. MAGNANI. Vasconcelos. In: MOURA. 1995. ilustrada. 86 . Guardiões religiosos da Bahia: o culto do Senhor do Bonfim. 58p. PINTO. BARROS. Faraimará – O caçador traz alegria. Rio de Janeiro: ed. s. A moeda dos orixás. 1982. Rio de Janeiro: Pallas. Raul (orgs. Tancredo da Silva. Hamilton Valente de. VOGEL. s. 14(2):4-17. s. In: Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia da USP. MARQUES. 1999. mar. In: Revista do Instituto Histórico e Geográfico da Bahia. 1992. MACKENZIE. Vanda Machado e PETROVICH. Folha de São Paulo. 1957. Salvador. Salvador: EDUFBA. MANZOCHI. (org. 1929. 1985. il. novos escritos sobre a religião dos orixás.. 129-48. ABC do candomblé. MARTINS.

). Famílias-de-santo em alguns terreiros de Olinda. Viver e morrer em tempos de AIDS: vida. 1994 MOURA. Bandeira de Alairá: outros escritos sobre a religião dos orixás. dos) MORAIS. Cleonice Pitangui. Ralph Ribeiro.). São Paulo: Agora. In: Ciência & Trópico. MOURA. Maria do Socorro. 1984. Tânia (Org. MOURA. 4. desvendando identidades. São Paulo: EDUSP/Axis Mundi. OBI: Oráculos e oferendas. Dissertação (Mestrado) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade de Campinas. 1(3):41-64. 168p. 1987. Tese (Doutorado) – Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Deoscoredes M. MOURA. São Paulo: Nobel.). MOTTA. UFPe. Rio de Janeiro. Recife: edição do autor. Recife. Roberto. maio de 1994. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Ed. 1996. João Hélio. Candomblé. 87 . 1982. morte e sexualidade em candomblés do Rio de Janeiro. 1975. Anais do IV Congresso Afro-Brasileiro realizado em Recife. vol. MENDONÇA. 102p. São Paulo: EMW. A invenção da África: Roger Bastide. 188p. Campinas/SP. Orixás e Caboclos: Uma introdução ao Mundo do Candomblé. MESTRE DIDI. Massangana. Jorge. (vide: SANTOS. 1981.188p. São Paulo: Ágora. 24-32. In: LIMA. As senhoras do pássaro da noite : escritos sobre a religião dos orixás V. Carlos Eugênio Marcondes de (org). p. O crescimento e a localização dos centros e terreiros de Xangô do Grande Recife. Carlos Eugênio Marcondes de (org. 1993. Edison Carneiro e os conceitos de memória coletiva e pureza Nagô. Recife.MENDONÇA. novos escritos sobre a religião dos orixás.). 191p. Carlos Eugênio Marcondes de (org. MENDONÇA. Olóòrisá: escritos sobre a religião dos orixás. 2002.). Santos . Carlos Eugênio Marcondes de (org. Sincretismo Religioso: o ritual afro. MOURA. MESQUITA. 1981. Bandeira de Alairá: outros escritos sobre a religião dos orixás. 1982. Carlos Eugênio Marcondes de (org.

In: CULTURA. Olga Rodrigues de Moraes von (org.MOURA. desvendando identidades: novos escritos sobre a religião dos orixás. Brasília. a atualidade da obra de Roger Bastide. São Paulo: Ágora. Orixás: os deuses vivos da África. 1998. São Paulo: EDICON/EDUSP. xangô. Axé do sangue e da esperança: orikis. NASCIMENTO. Haydee. 225p. 6(23):102-9. out/dez. 164p. 1981. Candomblé. 123-91. MOURA. do candomblé a umbanda. 2000. bibliografia complementar. VI. A crítica de Douglas Teixeira Monteiro à sociologia da religião de Roger Bastide. Lísias Nogueira. Meu sinal está no teu corpo: escritos sobre a religião dos orixás. p. 109p. Carlos Eugênio Marcondes de (org. 1987.c.). 1989. caboclos. Maria Eugenia Vianna. In: MOURA. Abdias do. batuque.). bibliografia prévia. Salvador. Leopardo dos olhos de fogo: escritos sobre a religião dos orixás. il. In: Folhetim. 29p. p. Carlos Eugênio Marcondes de (org. NABEJI. NASCIMENTO. MOURA. In: SIMSON. 109p. 1949. Bandeira de Alairá. p. 269p. Lísias Nogueira. Carlos Eugênio Marcondes de. In: MOURA.). NERY. Carlos Eugênio Marcondes de (org. inquices. Lísias Nogueira. MOURA. p. MOURA. Pesquisa de umbanda e candomblé na cidade de São Paulo. 88 . 47-63. Candomblé. 1986. outros escritos sobre a religião dos orixás.. 1983. 1979. São Paulo: FFLCH/CERU. encantados e loas. São Paulo: EMW. Candomblé: religião do corpo e da alma: tipos psicológicos nas religiões afro-brasileiras. Rio de Janeiro: s. Psiquiatria folclórica do candomblé. tambor de mina. Roger Bastide. 129-68. 170p. São Paulo: Ateliê Editorial. NEGRÃO. NASCIMENTO. As Tendas dos Milagres. NEGRÃO. 4:31-6. Carlos Eugênio Marcondes de.p. Abdias do. Carlos Eugênio Marcondes de. In: Religião e Sociedade. Xangô.). Rio de Janeiro: Pallas. Rio de Janeiro: Achiamé. Orixás. 1977.). NEGRÃO. Rio de Janeiro. pará e babassuê. Revisitando a terra de contrastes. 1976. 2 de dezembro de 1979 (entrevista). 1995. Ogosse. out. Rio de Janeiro: IPEADRO/Afrodiástica. 13-4. voduns. UFBa. Carlos Eugênio Marcondes de (org.

142p. 1934). Salvador: Progresso. Hugo Emílio. OMARI. Arthur Ramos de Araújo. El candomblé: um aspecto del folklore afrobrasileño. PEREIRA. 2000. s. From the inside to the outside: the art and ritual of Bahian candomblé.p. Arthur Ramos de Araújo. el PAIXÃO. Notas de etnografia afro-brasileña: candomblé. PEREIRA. PEDEMONTE. Universidade Estadual de Santa Cruz do Sul. Edimilson de A. In: Bahia Médica. Festa de Yemanjá : vinte sete desenhos de Carybé. O gestual das lavadeiras e os Orixás . Buenos Aires: Eudeba. OLIVEIRA. Trabalhos apresentados ao 1º Congresso Afro-Brasileiro (Recife. Candomblé: histórico e folclore. (1):55-57. 6(36):310-19. 1984. mar 1952. Candomblé. jul 1932. Calunga: croquis del candomblé. O mito de Iemanjá e suas raízes inconscientes. Washington. Jota Alves de. ago 1932. Juiz de Fora. PEREIRA. Ariel. il. Califórnia: Museum of Cultural History. Arthur Ramos de Araújo. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Juiz de Fora. Nestor Oderico. In: Bahia Médica. Os instrumentos musicais dos candomblés da Bahia.d. 1955. MG. In: Revista Kawé. In: Revista de Cultura Brasileira. Dissertação (Mestrado) – Escola de Comunicação e Arte da Universidade de São Paulo. s. Valter de. Maria de Lurdes Barros da. Os Tambores estão Frios: herança cultural e sincretismo religioso no ritual do candomblé. Madrid. feitiços e orixás: confrontos doutrinários do século XX. 89 . (Coleção recôncavo) PEREIRA. 1935. Rio de Janeiro: Ed. Nestor Oderico. Mara de Sá Martins da Costa. Exu pede passagem. Ilhéus: EDITUS. 2ª ed. ORTIZ..d. Mikelle Smith. 1996. Dissertação (Mestrado) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. 59p. 3(15):191-95. Os mitos de xangô e sua degradação no Brasil. 49-54. Salvador. PEDREIRA. 1999. 1981.. 82p. Salvador. São Paulo. PASSOS.OLIVEIRA. Rio de Janeiro: Ediouro. p. ORTIZ. 5(16):76-9. São Paulo. In: Estudos Afro-Brasileiros. s. 3(16):209-12. il. José. Ciências Sociales. 1969.

Lyon: PUF. Niterói/RJ: UFF. A dança: uma expressão litúrgica das religiões afro-brasileiras. Jeferson (orgs. Sincretismo Religioso: o ritual afro. p. Ruy do Carmo. 2002. Ilhéus: EDITUS. 162p. a mulher e Iansã. Manoel Nunes. práticas terapêuticas. 198-209. Salvador: CEAO. A linguagem do candomblé: níveis sociolinguísticos de integração afro-portuguesa. O fascínio do candomblé paulista: seus clientes e um oluô. In: GRUPO de Trabalhos André Rebouças (org. In: CONGRESSO Internacional de Americanistas (XXXVIII). Maurício. Rio de Janeiro: José Olympio. Guaíra. 1996. 1996. p. 239p. etnobotânica e comida. Yoruba religious believes in Brazil and West Indies. Dissertação (Mestrado) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. 1989. Architecture et nature. In: Revista Kawé. 5. p. Lenda dos orixás para crianças. França. La nature dans l’espace religieux du terreiro de candomblé. 2000. PÓVOAS. Semana de Estudos sobre a Contribuição do Negro na Formação Social Brasileira. 213-37.). Anais do IV Congresso Afro-Brasileiro realizado em Recife. POLLAK-ELTZ. 1995 PORTUGAL. Dentro do Quarto. reafricanização. Ruy do Carmo. PÓVOAS. Curitiba: Ed. Sotto le Acque Abissali Vodu e Candomble: due religione afro-americane. In: Colloque France-Brésil. Brasília: Ministério da Cultura/Fundação Palmares. Ilhéus: Editus. Tânia (Org. Carlos & BACELAR. PÓVOAS. Ismael. 4. 26-8. maio de 1994. O candomblé da Baía .). 1999. 1976.PEREIRA. Exú. Donald. Silvana Elvira Bocchi. PIRES. PESTANA. A adolescente. POLLATO. Casa das Minas de São Luís do Maranhão. 1987. PÓVOAS. vol. Angelina. Faces da tradição afro-brasileira: religiosidade. Firenze: Aracne. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Ed. In: LIMA. Luísa Faldini. São Paulo. PORDEUS. 1. Rio de Janeiro: Pallas. 90 . Fernandes. (1):47-49. 1995. Álvaro Roberto. A fala do santo . Ruy do Carmo. Massangana. 1942. Ruy do Carmo. Rio de Janeiro: Tecnoprint. 1990. Munchen 1968. Universidade Estadual de Santa Cruz do Sul.). In: CAROSO. Rezas – folhas – chás e rituais dos orixás. PIZZORNO. PIERSON.

José Reginaldo. Meu sinal está no teu corpo. José Reginaldo. 220-39. Carlos Eugênio Marcondes de (org. São Paulo: Companhia das Letrinhas. 75-100. PRANDI. 1999. 1º sem.). Axé São Paulo: Notas preliminares de pesquisa sobre as origens e mudanças do candomblé na Região Metropolitana de São Paulo. Dei africani nell'odierno Brasile: introduzione sociologica al candomblé. Ifá. (19/20):109-33. Nas pegadas dos voduns. 1995.). Mitologia dos Orixás. José Reginaldo. 2001. Linhagem e legitimidade no candomblé paulista. outubro de 1990. p. PRANDI. (28):64-83. PRANDI. African Gods in Contemporary Brazil: a Sociological Introduction to Candomblé Today. Porto Alegre. PRANDI. PRANDI. 2001. In: Tempo Social. Conceitos de vida e morte no ritual da axexê: tradição e tendências recentes dos ritos funerários no candomblé. José Reginaldo. PRANDI. José Reginaldo. PRANDI. 1988. São Paulo: EDICON/EDUSP. (3):10-30. 1997 [publicada em 1998] 91 . Raul Giovanni da Motta. 1989. Encantaria brasileira – o livro dos mestres. PRANDI. José Reginaldo. Revista de Sociologia/USP.). Cléo e LODY. 174-84. Rio de Janeiro: Pallas. o caçador traz alegria: Mãe Stella. PRANDI. o adivinho.). José Reginaldo. José Reginaldo e SILVA. p. As religiões negras no Brasil: para uma sociologia dos cultos afro-brasileiros . In: Horizontes Antropológicos. Faraimará. UFRGS. Deuses africanos no Brasil contemporâneo: introdução sociológica ao candomblé de hoje. caboclos e encantados. (14):18-31. 1989 PRANDI. In: IberoAmerikanisches Archiv. In: Afro-Ásia. José Reginaldo (org. In: MARTINS. In: MOURA. Rio de Janeiro. 24(3-4):10-36. Modernidade com feitiçaria: Candomblé e umbanda no Brasil no século XX. PRANDI. Firenze: Aracne. 2002. Salvador. São Paulo. p. José Reginaldo. 1995. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais. José Reginaldo. In: PIAZZORNO. 1995/6. In: Revista USP. (orgs. Vagner Gonçalves da. Rio de Janeiro: Pallas. 1990.PRANDI. José Reginaldo. Luisa Faldini (org. Berlin. Sotto le acque abissali (Vodu e candomblé: due religioni afroamericane). 2(1):49-74. São Paulo: Companhia das Letras. 60 anos de iniciação.

1988. In: Revista Brasileira de História. 1991. Pombagira. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais. Janayna. PRANDI. out. REHBEIN. Devassa contra um terreiro de calundu em Cachoeira. PRANDI. 1(4):60-1. Linhagem e legitimidade no candomblé paulista. 1990. Rio de Janeiro: Eco. RIBEIRO. Recife 1934.). Comida de Santo e oferendas. Novos estudos afro-brasileiros. Cultura planetária o planeta multiculturale. Salvador. In: Religião e Sociedade. RAYMUNDO. Bahia. Ildefonso. Roma: Domograf.. Reginaldo. 351-72. QUERINO. p./ago. In: Revista Brasileira de História. Herdeiras do Axé: Sociologia das religiões brasileiras. João José. Magia jeje na Bahia: a invasão do calumdu do Pasto de Cachoeira. 1996. Nas malhas do poder escravista. out. 1938. In: RIBEIRO. Vagner da Silva. 45:235-258. São Paulo. 4ª edição. REIS. Candomblé. 1939. João José. Pombagira dos candomblés e umbandas e as faces inconfessas do Brasil. In: LOYOLA. Jacques. 1996. José Reginaldo.d. p. In: Euclydes. PRANDI. out. (26):91-102. 13(3):108-27. 5(14):18-31. s. a invasão do candomblé do Accú na Bahia. 15(2):62-70. São Paulo: Curso de Pós-Graduação em Sociologia da FFLCH-USP/Ed. 1785. In: Congresso Afro-Brasileiro (I). a rainha das águas. Cânticos que servem para se louvar os Orixás na Nação de Angola de Exu a Oxalá . Candomblé de caboclo. Rio de Janeiro. 251-258. Ohum êniadúdu. REIS. 1829. In: GIUSTI. João José. Sonia (org. mar. Os Candomblés de São Paulo: a velha magia na metrópole nova. 1994. São Paulo. 1937. São Paulo: HUCITEC/EDUSP. In: Santo Antônio. 1785. Candomblé e salvação na religião nagô à luz da teologia cristã. 199p. 1919. RAFFAUF. Reginaldo e GONÇALVES. São Paulo. mar. Reginaldo. 1988. 1986. HUCITEC. 1985. 16(1):10-19. José. RIBEIRO. 1937. São Paulo. José. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais.PRANDI. 8(16):57-81. Franziska C. nov./ago. Rio de Janeiro. José Reginaldo. In: Revista do Instituto Histórico e Geográfico da Bahia. REIS. Civilização Brasileira. Manuel. 313p. Rio de Janeiro. João Freyre. 92 . PRANDI. 87(16):233-84.

122p. Oriki Orixá. 190p. 205-10. (2):12-13. Agenor Miranda. Comida de santo e oferendas: anexo pontos cantados do candomblé (Angola). Anais. 1986. (2):14-16. A mulher no candomblé e na Umbanda. Espiritualista. ROCHA. da PUC-SP. Gravataí. Orlando e CAPINAM. 1954. 122p. In: Revista Kawé. s. o Odu de Exu. RIBEIRO. ROCHA. 93 . 2. SÀLÁMI. 1964. Recife. In: Revista Kawé. 2001. Editora Perspectiva. RIBEIRO. José. Secretaria Municipal de Educação e Cultura.julho de 1988.RIBEIRO. In: Boletim do Instituto Joaquim Nabuco de Pesquisas Sociais. Maria Bernadete. 1999. 19/11/1949. Pai Resende faz uma ialorixá. RIBEIRO. ROCHA. 2001. 2ª ed. (3):65-79. Antônio. São Paulo. São Paulo: Editora Oduduwa. Ogum.l. 1990. 21:165-71. In: Revista Kawé. José. Ilhéus: EDITUS. Teresinha Bernardo. René. 2000. O Cruzeiro. 1997. In: Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. O Xirê: um espaço do teatro enquanto rito religioso. A coroa de xangô no terreiro da casa grande. Universidade Estadual de Santa Cruz do Sul. Simpósio Estadual sobre a Cultura Gravataiense. RISÉRIO. Candomblé no Brasil: fetichismo religiosos afroameríndio.. História de Oxetuá: o décimo sétimo Odu. Vocabulário gege-nagô-angolano. In: Gravataí: do êxodo à composição étnica. A projeção das lendas e mitos jeje-nagôs no folclore religioso afro-brasileiro. Síkírù. René. 216p. Ilhéus: EDITUS. SACHETTINI. il. Dissertação de Mestrado apresentada ao Departamento de Ciências Socias. 51-54. Paula Simon. (1):51-53. Rio de Janeiro: ed. Universidade Estadual de Santa Cruz do Sul. Caminhos de Odu. RIBEIRO. p. 1986. 1996. RIBEIRO. Ilhéus: EDITUS. ROCHA. 1958. Marlúcia Mendes da. s. Universidade Estadual de Santa Cruz do Sul.l. Xangôs. Rio de Janeiro: ECO. A Mitologia dos Orixás Africanos. Rio de Janeiro: Pallas. Rio de Janeiro. Marlúcia Mendes. Agenor Miranda.

O culto dos ancestrais na Bahia. Boletim do INTECAB – Instituto Nacional de Tradição e Cultura Afro-Brasileira. Deoscoredes Maximiliano dos (MESTRE DIDI) e SANTOS. SANTOS. In: MOURA. Ogum e a Palavra de Dor e de Júbilo entre os Ioruba. o culto dos egun. Deoscoredes Maximiliano dos (MESTRE DIDI). Qual é o terreiro exclusivo de Orixá? . São Paulo.). In: Siwaju . São Paulo. (África do Oeste). In: Revista USP . SANTOS. Deoscoredes Maximiliano dos (MESTRE DIDI). escritos sobre a religião dos orixás. In: Revista de Cultura Vozes. (3):68-70. jul. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia. SANTOS. Síkírù. 9(2):55-62. 1988. Juana Elbein. Olóòrisá . Síkírù. Carlos Eugênio Marcondes de (coord. SANTOS. Juana Elbein dos. Deoscoredes Maximiliano dos (MESTRE DIDI) e SANTOS. Zora (org. Petrópolis/RJ.). Odé Ati awon Orixá ibo . p.Dossiê Brasil/África. A cultura nagô no Brasil: memória e continuidade. p. In SELJAN. do instituto Brasileiro de Estudos Afro-Asiáticos. 153-88. 40-51.SÀLÁMI. nº 18 (junho-agosto). SANTOS. 1979. SANTOS. Axé Opó Afonjá (notícia histórica de um terreiro de santo da Bahia). 1962. Salvador: SECNEB. 1981. São Paulo: Coordenadoria de Comunicação Social da USP. 1981. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. (4):2. representações da doença e práticas de atendimento dos sacerdotes do candomblé jeje-nagô do Brasil . SANTOS. Iemanjá mãe os Orixás. Deoscoredes Maximiliano dos (MESTRE DIDI). Alessandro de Oliveira dos./dez. Juana Elbein dos. 1990. Poemas de Ifá e valores de conduta social entre os yoruba da Nigéria. Rio de Janeiro: ed. 1973.. 1993. In: Negritude e Saúde – Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano da Faculdade de Saúde Pública da USP. Deoscoredes Maximiliano dos (MESTRE DIDI). SÀLÁMI. Saúde e sagrado. 1999. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Ajaká. São Paulo: Ágora. Iemanjá e o culto dos antepassados . Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia. Deoscoredes Maximiliano dos (MESTRE DIDI) e SANTOS. 1999. 109p. Rio de Janeiro: Afro-brasileira. (Número especial: O negro e a abolição). 94 . Salvador. iniciação para a liberdade. SANTOS. 1993.

SANTOS. Identidade negra e educação. 1989. 1963. Deoscoredes Maximiliano dos (MESTRE DIDI). SANTOS. In: REVISTA BRASILEIRA DO Folclore. Deóscoredes Maximiliano dos (MESTRE DIDI). O dono da terra: a presença do caboclo nos candomblés baianos. 113p. 6(14):65-74. O caboclo no candomblé. São Paulo. O candomblé e seus mistérios. Jocélio Teles dos. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia. São Paulo. 182p. Jocelio Telles dos. Rio de Janeiro: GRD. SANTOS. Xangô: el guerrero conquistador y otros cuentos de Bahia. Descoredes Maximiliano dos (MESTRE DIDI). 1995. p. Odé ati awon orisà ibo – O caçador e os orixás do mato.SANTOS. 1985. SANTOS. João Batista dos. Rio de Janeiro. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. SANTOS. jul 1989. SANTOS. 24p. SANTOS. 1987. O dono da terra: o caboclo nos candomblés da Bahia. História de um terreiro nagô. 19-23. Salvador: Sahah Letras. São Paulo: Max Limonad. Deoscoredes Maximiniano dos (Mestre Didi). Contos de nagô. Monique. Jocélio Teles dos. 1988. Marco Aurélio (org. (24):43-62. Buenos Aires: Silvia Dias. SANTOS. Festa da mãe d’água em Ponta Areira. Itaparica (Ba). Contos crioulos da Bahia. 1976. In: PADÊ. Salvador. SANTOS.. Deoscoredes Maximiliano dos (MESTRE DIDI). Contos negros da Bahia. Josenildo Antonio dos.). O culto dos ancestrais na Bahia. 104p. (1):11-21. Deoscoredes Maximiliano dos (MESTRE DIDI). 1992. Eco. Salvador: Cavaleiro da Lua/Fundação Cultural do Estado da Bahia.. SANTOS. In: LUZ. Deoscoredes Maximiliano dos (MESTRE DIDI).d. il. jan/abr 1966. Uma casa de xangô no Rio de Janeiro. SANTOS. In: DEDALO. s. 1966. SANTOS. Juana Elbein dos . AUGRAS. Salvador/BA: Ianamá. Deoscoredes Maximiliano dos (MESTRE DIDI). 1961. SANTOS. Rio de Janeiro. Deoscoredes Maximiliano dos (MESTRE DIDI). SANTOS. 133p. Rio de Janeiro: CRD. o culto dos 95 . Vozes: Petrópolis. Porque Oxalá usa ekodidé.

235-71. Micênio Carlos Lopes dos. Juana Elbein dos. SEGATO. SANTOS.15388. Petrópolis/RJ: Vozes.p. Um perfil etnográfico candomblé. Orlando J. 3(1):43-54. Paris: UNESCO. SANTOS. do SANTOS. Goiânia. Juana Elbein dos e SANTOS. TEIXEIRA. O samba de roda nas rodas de samba dos candomblés. 1975. s. Josildeth Gomes e COSTA. 1985. Ebó no culto dos orixás. Os Nagôs e a morte . São Paulo: Oduduwa. SANTOS. Orlando J. Curitiba: s. São Paulo: EDUC. Projeto CENTRHU/Faculdades Integradas Espíritas. São Paulo. SANTOS. Rio de Janeiro.d. Ágora. SANTOS. Deoscoredes Maximiliano dos (MESTRE DIDI). Marcia Regina da (orgs). Curitiba. São Luís. 1968. 1991. Candomblé: ritual e tradição. E daí aconteceu o encanto. 1995. 1988. Religião. SCHETTINI.egun. Orlando J. Anais . Juana Elbein dos e SANTOS. política e identidade. escritos sobre a religião dos orixás. 1988. In: CONSORTE. Micênio Carlos Lopes dos. 1992. 24-8 de junho de 1985. Salvador: Axé Opô Afonjá.c. A vida privada de Iemanjá e seus filhos: fragmentos de um discurso político para compreender o Brasil.. The iko at Obaluaye’s possession rites in Bahia. 1981.. SANTOS. Teresinha Bernardo. (Série Cadernos PUC nº 33). Deoscoredes Maximiliano dos (MESTRE DIDI). Colloque International sur les Cultes de Possession. out. 2ª ed. Maria Stella de Azevedo. L. Maria Nina Leão. Rio de Janeiro: Pallas. Paris. Maria Stella de Azevedo.). Oloorisá. In: Culturas Africanas. A mulher no candomblé e na macumba. 188p. p. SANTOS. A cultura nagô no Brasil: memória e continuidade . 1983. In: Revista do ICHL. 1993./dez. Maria Stella de Azevedo. Meu tempo é agora. In: Cadernos do Nepes. Orunmilá e Exú. SANTOS. In: MOURA. 1992. (33):75-83. documentos da reunião de peritos: As sobrevivências das tradições religiosas africanas nas Caraíbas e na América Latina. Calos Eugênio Marcondes de (coord. p. Rio de Janeiro: Pallas.. SANTOS. Meu Tempo é Agora. Santos e 96 ... 3:4-56. SANTOS. R.

355-418. São Paulo: Afrobrasileira. 1980. SERRA. p. In: MOURA. etnobotânica e comida. Carlos Eugênio Marconde de (org. (CEB. A etnobotânica no candomblé Nagô da Bahia: cosmologia e estrutura básica do arranjo taxonômico. sexo e gênero no Xangô do Recife. Rita Laura. 3 mulheres de Xangô e outras peças afro-brasileiras. p. Salvador: CEB/UFBA. São Paulo: EDICON/EDUSP. In: Comunicações do ISER. 1999. Rita Laura. O. práticas terapêuticas. SELJAN. Rio de Janeiro: Pallas. p. p. Rio de Janeiro: SERRA. Rio de Janeiro. Rita Laura. São Paulo: IBRASA. il. sexo e gênero no xangô do Recife. In: MOURA. Rio de Janeiro: Record. 1989. Ordep José Trindade. 1995. Inventando a natureza: família. sexo e gênero no xangô do Recife. 179p. 74-115. Inventando a natureza: família. 1978. Brasília: UnB. Iemanjá mãe dos orixás. SEGATO. Zélia Milanéz de Lóssio e. 38p. 1967.). Zora A. 1973. Carlos & BACELAR. 371p. In: Anuário Antropológico. 213p. SEGATO. 1986. O modelo da liturgia. Faces da tradição afro-brasileira: religiosidade. 73. Inventando a natureza: família. SEIBLITZ. Meu sinal está no teu corpo: escritos sobre a religião dos orixás. Jeferson (orgs. O. Rio. Ordep José Trindade.). reafricanização. SEGATO. A vida privada de Iemanjá e seus filhos: fragmentos de um discurso político para compreender o Brasil. de Janeiro. SERRA. O. Águas do Rei. Voto vinculado singular: Ogum e Exu. 1988.Diamones: o politeísmo afro-brasileiro e a tradição arquetipal. 289-302. Zora A. (85):11-54. Brasília: UNB. Iemanjá e suas lendas. 45-102. 1995. 1982. (Série Antropologia.). 2000. Salvador: CEAO. 88). Vozes/Koinonia. SEGATO. Estrofes e antistrofes: o andamento do drama ritual do candomblé da Bahia. SELJAN. Carlos Eugênio Marcondes de (org. dez. Rita Laura. In: CAROSO. 87p.). Zora A. Rio de Janeiro: Pallas. 1(3):51-5. 97 . SELJAN. Candomblé: religião do corpo e da alma: tipos psicológicos nas religiões afro-brasileiras. Ordep José Trindade.

José Amaro Santos da. Vagner Gonçalves da e AMARAL. SILVA.. Rita de Cássia. A cor do axé. In: MOURA. SILVA. Eu/Obaluaiê e o arquétipo do médico-ferido na transferência. São Paulo: EDICON/EDUSP. desvendando identidades: novos escritos sobre a religião dos orixás. 220-39. 124p. Axé São Paulo. 1987. SILVA. Rita de Cássia. Vale dos Orixás: estudo de acusação de demanda entre terreiros.). (orgs. 1978. Culto Omoloko: os filhos de terreiro.SERRA. Negras Imagens: ensaios sobre cultura e escravidão no Brasil. Candomblé: religião do corpo e da alma: tipos psicológicos nas religiões afro-brasileiras. Ornato José da. O fascínio do candomblé. 413p. (Pref.). Vagner Gonçalves da e PRANDI. Ordep José Trindade.. 160p. Brasília/DF. São Paulo: EMW. e REIS. In: Estudos AfroAsiáticos. Rio de Janeiro: Pallas. Meu sinal está no teu corpo. In: MOURA. dez. José Reginaldo. p. brancos e negros no candomblé de São Paulo. 165-196. Campinas/SP. Pedro Ratis. Lília M. Vagner Gonçalves da e AMARAL. Na trilha das crianças: os erês num terreiro Angola. 1977. Rio de Janeiro: Pallas. Rio de Janeiro: ISER. SILVA. Carlos Eugênio Marcondes de (org. 16(12):160-184. SILVA. p. In: SCHWARCZ.um estudo antropológico da música ritual no candomblé paulista. In: Religião e Sociedade. 98 . Dissertação (Mestrado) – Universidade de Brasilia. 1996. SILVA. Cantar para subir . Rita de Cássia. (25):99-124. Dissertação (Mestrado) – Instituto de Filosofia e Ciencias Humanas da Universidade de Campinas. de (org.). SILVA. São Paulo: EDUSP/Estação Ciência. SILVA. 11-32. 1994. 1993. SILVA.d. Ornato José da. Rio de Janeiro: Centro de Estudos Afro-Asiáticos. p. Rio de Janeiro: Rabaço Editora e Impressora. In: MOURA. Vagner Gonçalves da e AMARAL. Letícia Vidor de S. s. Pedro Ratis. 1992. Símbolos da herança africana. Carlos Alberto Borges da. de Leonardo Dantas Silva). Candomblé. 1989. Exú/Obaluaiê e o arquétipo do médico ferido na transferência. (org. 1994. A imagem correta dos orixás. Carlos Eugênio M. Recife: Secretaria de Educação e Cultura. Carlos Eugênio Marcondes de. Por que candomblé?. 60p. 2000. SILVA. Cadernos Cândido Mendes.).

SILVA. Aon Efan. Participação na Mesa: Conversão e participação política: dilemas da expansão religiosa. SILVA. 1992. SILVA. 195p. escritos sobre a religião dos orixás. p. In: Ciência Hoje . In: MAGNANI. José Reginaldo.26-9. Vagner Gonçalves da e PRANDI. SILVA. Axé São Paulo: notas preliminares sobre as origens e mudanças do candomblé na região metropolitana de São Paulo. Processo de constituição do candomblé da Barroquinha – 1764-1851. Wagner Gonçalves da e PRANDI. 1993. Na Metrópole. Vagner Gonçalves da. 88-123. Reginaldo. 1970. (4):79-88. O candomblé e o uso religioso da cidade. Ijexá.SILVA. Candomblé e Política: Os Poderes Invisíveis.15. Revista do Migrante. Jeje-Nagô. Vagner Gonçalves da. In: TRAVESSIA. (6):1108-13. São Paulo: EDUSP. São Paulo. 1989. 10(57): 34-44. caminhos da devoção brasileira. Textos de antropologia urbana. Vagner Gonçalves da. Lilian de Lucca (org. Carlos Eugênio Marcondes de (org. SILVEIRA. CEBRAP. Publicação del Centre D' Studis Africans. Deuses tribais de São Paulo. p.). 1989. In: MOURA. n. As esquinas sagradas. In: 99 . a tradição oral diante do saber escrito. SILVA. Macumbas e candomblés na umbanda. 220-39. mar. SILVA. da Marra e. SILVA. Wagner Gonçalves da e PRANDI. 1989. In: Cadernos de Pesquisa . Vagner Gonçalves da. 149 p. Anais do Seminário Novas faces da cidadania II: religiões e espaço público no Brasil. In: Studia Africana. Meu sinal está no teu corpo. 10(57):35-44. p. Renato da. José Guilherme C. W. Candomblé na Cidade: Tradição e Renovação. O candomblé no Brasil. São Paulo: Ática. Rio de Janeiro: Freitas Bastos. Barcelona. Deuses Tribais em São Paulo In: Ciência Hoje . 1996. SILVA. 1993. SBPC. Vagner Gonçalves da. 1997. janeiro/abril. São Paulo: EDICON/EDUSP. 1994. O Candomblé em São Paulo e a sacralização do espaço urbano. Reginaldo. Vagner Gonçalves da. set. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia. Candomblé e umbanda. São Paulo: Centro Estudos Migratórios. & TORRES.). SILVA. São Paulo. Rio de Janeiro. abr. Ioruba-Tapá.

SILVEIRA. Salvador-Bahia. 1995. 52p. Os Orixás na vida dos que nele acreditam.Revista de Cultura Vozes. SIQUEIRA. 1989. SOMMER. dinâmica cultural e processos de reconstrução da identidade. Cecília Moreira. Rio de Janeiro: Centro de Estudos Afro-Asiáticos. mar. Agô Agô Lonan. Muniz e LIMA. In: Estudos Afro-Asiáticos. 1992. Ritos e Organização em Terreiros de Candomblé na Bahia. Maria de Lourdes. In: Jornal Nacional do Movimento Negro Unificado. Mitos. jun. In: Santo Antônio. 313p. Um Vento Sagrado: história de um adivinho da tradição nagô-kêtu brasileira. Rio Grande do Sul: Mauad. 472p. In: Revista Análise e Dados. Belo Horizonte: Mazza Edições. Dissertação (Mestrado) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. SIQUEIRA. Brasília: ALADAAD/UnB: Linha Gráfica. Renato da./ago. Salvador: Departamento de Antropologia da FFCH/UFBa. Salvador (19). Lulah. 20:24-30. 1986. SOARES. 1998. Cecílio. Maria de Lourdes. (23):199-42. São Paulo. A força que anima. repensando o ser negro em terreiros de candomblé. São Paulo PUC. Ano 94. ritos e organização em terreiros de candomblé da Bahia. Ago Ago Lonan: Mitos. Salvador: Centro de Estatística e Informação. Vitória: Universidade Federal do Espírito Santos/Fundação Ceciliano Abel de Almeida. Belo Horizonte: Mazza Edições. SIQUEIRA. Música e dança no candomblé. SIQUEIRA. 2000. 100 . Bahia. Maria de Lourdes. 94(6):80-100. Iyá Nassô Oká. SIQUEIRA. 1985. Petrópolis: Editora Vozes. 1942. 1996. Maria de Lourdes. Babá Axipá e Bamboxê Obitikô. Luís F. Maria de Lourdes. dez. 1994. 3(4):56-66. 1853. Do bilabong aos Orixás. Resistência negra e religião: a repressão ao candomblé de Paramerim. Repensando o negro em terreiros de candomblé. SIQUEIRA. Maria de Lourdes.) Crise e Reconstrução. 1980. Maria de Lourdes. Cadernos Cândido Mendes. SMALL. SODRÉ. 2000. Candomblé. Ago Ago Lonan. In: Wolfgang (org. 1998. 311p. SIQUEIRA.

In: MOURA. Salvador: UFBa. SOUZA. 2000. Maria Lina Leão. Salvador: UFBa. Rio de Janeiro: UFRJ. nº 12. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia. 289p. Candomblé no Brasil: fetichismo religioso afroamericano. Carlos & BACELAR. 123p. Lorogum. THEODORO. 1977. 1971. Faces da tradição afro-brasileira: religiosidade. Egbe Kerere Iya Oba-Biya. 166p. A dança dos orixás. São Paulo: CJE/ECA-USP. Axé e Vida . Rio de Janeiro: ECO. São Paulo. etnobotânica e comida. Maria Lina Leão. p. SOUZA. Rio de Janeiro: ed. s. Jeferson (orgs. SPARTA. 1986. In: A Garota . São Paulo: Ed. TEIXEIRA. 1947. 131-40. 1996 (São Paulo de Perfil: 16). Gonçalo. 1994. José Ribeiro de. 20 horas de candomblé. Rio de Janeiro: Pallas.).). TEIXEIRA. reafricanização. s. Axé. Maria Lina Leão. Salvador. Cláudio. Carlos Eugênio Marcondes de (org. Helena. 197-225. Cerimônias da umbanda e do candomblé. TELLES. Salvador: CEAO. SOUZA. 101 . 1970. Célia Marques.. José Ribeiro de. Cremilda (org. Transas de um povo de santo. TEIXEIRA. Orixás africanos.SOUSA JUNIOR. 1999. TAVARES. 1961. Candomblé: religião do corpo e da alma: tipos psicológicos nas religiões afro-brasileiras. In: Estudos Afro-Asiáticos. identidades sexuais e poder no candomblé. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. p. Rio de Janeiro: ed. A Encruzilhada do Ser: Representações da (lou)cura em terreiros de Candomblé. José Ribeiro de. Rio de Janeiro: CEAA. 1986.d. SOUZA. Iracema Luiza de.d. TEIXEIRA. 154p. Maria Lina Leão. 225 p. Tentativa de classificação semântica do vocabulário de uma comunidade religiosa de candomblé segundo o sistema conceitual de Rudolf Halling e Walter von Wartburg.). um estudo sobre identidades sexuais. Rio de Janeiro: Pallas. Espiritualista. In: CAROSO. Francisco. Candomblé e [re]Invenção de tradições. In: MEDINA. Cântico ao filho de Oxum. Espiritualista. Herder. 87p. 216p. 1(2):1-23. práticas terapêuticas.

João Sebastião das Chagas. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia. Orixás e obrigações (etnografia religiosa). Liana Maria Salvia. Armando. 4:131-3. CEDI. 182p. il. TRINDADE. Yvonne Maggie Alves. In: CAROSO. 8:29-36. Eduardo. Salvador: CEAO. VARELLA. 1985. Exu. 1999. reinterpretações individualizadas de um mito. Vasconcellos. TOURINHO. Iemanjá : a grande mãe africana do Brasil. In: Religião e Sociedade. VARELLA. Exu. São Paulo: Ágora. 113p. Niterói: Gráf. 1981. Armando. TRINDADE. O Sacerdote em face da renovação do candomblé. In: África. VELHO. 1975. Cozinha de santo : culinária de umbanda e candomblé. s. poder e perigo. 170p. escritos sobre a religião dos orixás. São Paulo: ICONE. (Col. Símbolo e Função. práticas terapêuticas. João Sebastião das Chagas. p. VALLADO. 2). In: Alma e Corpo da Bahia. Liana Maria Salvia. Liana Maria Sálvia. 2002. São Paulo: FFLCH/USP. In: MOURA. In: Tempo e Presença.TORRES. p. Exu. poder e magia. Rio de Janeiro: Espiritualista. Faces da tradição afro-brasileira: religiosidade.). etnobotânica e comida. Jeferson (orgs. São Paulo: Pallas. 1979. Oloorisá . um estudo de ritual e conflito. TRINDADE. TRINDADE. 1-10. Rio de Janeiro: Zahar. Exú: Símbolo e Função.d. (Antropologia Social) 102 . 1953. jul. 1981. 15(271). Carlos e BACELAR. 198[?] TRINDADE. 1972. Guerra de Orixá. Djalma. Candomblé. 1985. reafricanização. Religião e Sociedade. São Paulo. Centro de Estudos da Religião. Rio de Janeiro: Pallas. 1970. Rio de Janeiro. Exu. símbolo e função. 315-20. Exu.). São Paulo. Rio de Janeiro: José Olympio. Liana Maria Sálvia. Evangélicos e candomblé em busca de um relacionamento respeitoso. Carlos Eugênio Marcondes de (coord. VALLADO. Liana Maria Sálvia. TRINDADE. Liana Maria Sálvia. 141-47.

1992. VERGER. 1957]. Paris: UNESCO. Dieux d’Afrique. coord. Corrupio. 24-8 de junho de 1985. Pierre. Salvador: Editora Corrupio Ltda. 272-90. VERGER. 1981. Pierre e SAMPAIO. Pierre Fatumbi.p. Pierre.VERGER.Minha mãe e Feiticeira. na África. VERGER. In: Revista do Museu Paulista . VERGER. il. Salvador: Corrupio/Fundação Cultural do Estado da Bahia. Société des Africanistes. VERGER. Pierre. s. no Brasil. Corrupio/Círculo do Livro. p. São Paulo: Cia. Salvador: Ed. Iyàmi Osorongà . A contribuição especial das mulheres no candomblé do Brasil. In: Culturas Africanas. Bori. Melhoramentos. 1966. 77p. Orixás. 1981. 103 . São Luís. s. Pierre. VERGER. Pierre e REGO. Notas sobre o culto aos orixás e voduns. Pierre e SAMPAIO. Paris: Paul Hartmans Editeur. primeira cerimônia de iniciação ao culto dos orixás nagô na Bahia. la baie de Tous les Saints du Brésil. Lendas dos Orixás. 191p. Grandeur et décadence du culte de Iyami Osoronga. Artigos – Tomo I – Ìyàmi Osorongà – Minha mãe a feiticeira . 9:269-91. Culte des Orishas et Vodouns à l’ancienne côte des esclaves en Afrique et à Bahia. 1954.l. São Paulo. Waldeloir. s. Oxossi o caçador. In: MOURA. Brasil. Pierre. 1981. Pierre Fatumbi.. Salvador: Ed. Maria Aparecida da Nóbrega). 2ª edição. Anais. Enéas Guerra. Enéas Guerra. ilus. (Trad. VERGER. Notas sobre o culto dos Orixás e Voduns na Bahia de Todos os Santos. Pierre. p. 1981. deuses iorubás na África e no novo mundo. Seis deuses negros em festa na Bahia.d. Bahia: Corrupio. 1981. Ágora. VERGER.. VERGER. s. São Paulo: EDUSP. 2000. Pierre. Orixás. 1965.d. Salvador: Corrupio. Carlos Eugênio Marcondes de. escritos sobre a religião dos orixás. Première cérémonie d’initiation au culte des orishas nagô à Bahia au Brésil. Pierre. 1955. VERGER. e na Antiga Costa dos Escravos. São Paulo. Oloorisá . 1999. 33-55. il. documentos da reunião de peritos As sobrevivências das tradições religiosas africanas nas Caraíbas e na América Latina. [1ª ed. São Paulo: EDUSP. Pierre. VERGER. VERGER. VERGER.

Social change in contemporary Brazil. Pierre. Yoruba: Mythes et religion et leurs prolongements afro-américains. 104 . Tânia (Org. D. Petrópolis: Editora Vozes. vol. Massangana. p. Hamilton. Maria Zangô. In: LIMA. In: Encontro de nações de Candomblé. Une théocratie africaine au Brésil: le Candomblé. s. et al. religion et politique au Brésil.). 195-213. p. Ilê Marôialagê. 2001. WELCH. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Ed. p. Kees (eds. VIEIRA. Sincretismo Religioso: o ritual afro. Grégoire De. Geert & KOONINGS. Jean. 95(1):65-68. Salvador: CEAO/UFBa. In: BANCK. 1970.VERGER. Baille. Les candonblés de Salvador: identité. VILLANOVA. 1996. (Ensaios e Pesquisas. Rio de Janeiro: Pallas. Paris. (Latin American Studies. In: Revista de Cultura Vozes. (Dictionnaire des Mythologies) VIEIRA. O ‘Castelo Interior’ do Homem Negro: O transe e seus aspectos estruturantes . Allard Willemier. 1998.) WESTRA. A. 99-118. Exu e a figura do diabo. Paris: Flammarion. 43. Maria do Carmo. 1985. 194p. Paris. 1993. In: Presses Universitaires. 4. 1988. Anais do IV Congresso Afro-Brasileiro realizado em Recife. Um melótipo iorubá-nagô para os cânticos religiosos da diáspora negra. the internal dynamics of popular candomble religion in Alagoinhas. A galinha d’Angola. 17p.). Simbolic paradoxes. 1986. Amsterdam: CEDLA. 4. Cláudio Ribeiro. VOGEL.) ZIEGLER. Salvador: CEAO/UFBa. 73-6.d. VIEIRA. p. Mémoire présenté à l’Institut D’Études Politiques de Paris. Ano 95. 179-187. maio de 1994.

118p. Jorge. In: Religião e Sociedade.6-9. In: MARCHIORI. Paulo. BRAMLY. 1980. BASTIDE. CAVALCANTI. 1988. p. São Paulo. 1994. BARROS. Cabula e macumba. Rio macumba. 1994. Tb: Rio de Janeiro: Rodrigues e Cia. Péret no Brasil. 131p. p. Marco Aurélio.4. In: Síntese. Bulzoni: Roma. Maria Laura Viveiros de Castro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. In: L’homme et la Société .2. BASTIDE. Belo Horizonte. Libby. 1939. Rio de Janeiro: Jornal do Comércio. Roger. Macumba ALFONSO. 105 . Recife. 1949. Trabalhos apresentados ao 2º Congresso Afro-Brasileiro (Bahia). p. R ELIGIÕES 4. p. San Francisco.1. 169-202. set/dez 1987. 6 jun. 1971. Sociologia I. Jacy Rego. GINWAY. LAPASSADE. Curitiba: Guaíra. 1940. Diário de Pernambuco. São Paulo. 1972. (22):147-70. A macumba paulista. In: Boletim da FFCL/USP. Georges. Georges e LUZ. O Estado de S. City Lights Books. Os Donos das Encruzilhadas. LAPASSADE. Paul Claudel e a macumba. Rio de Janeiro: Pró-Memória. Maria Emília Prado et alli. suas observações sobre o candomblé e macumba. Rio de Janeiro. In: O Negro no Brasil. BITTENCOURT. La macumba. São Paulo. c. José Luís Hernandez. C ULTURAS NEGRAS NO BRASIL 4. c. O segredo da macumba. 15(41):65-85. oct. ENTRE os mistérios da macumba. 1946. jul 1986.5. Paris. Senzala e macumba. Macumba. Macumba. une contre-culture en noir et en rouge. COSTA. O jongo e a macumba. Dário de. 29 jul. Quissamã. S. FREITAS./déc. 1945. 13(2):124-52. A liberdade religiosa no Brasil: a macumba e o batuque em face da lei. 17 ago.5. ARCELLA. 1941. Valdeci Carvalho da. 106p. Um francês na macumba. AMADO. Rio de Janeiro: Paz e Terra. Newton. 59(1):59-112. 1939. 129-44.4. Dissertação (Mestrado) – Programa de Integração da América Latina da Universidade de São Paulo. Folha da Manhã.1936.1. Luciano. Roger.

In: Folclore. Rio de Janeiro: Freitas Bastos. PORDEUS. jul/ago 1938. 106p. 1955. Macumbas e candomblés na umbanda. In: Revista do Arquivo Municipal. Macumba e Futebol. A macumba de Vitória. Campinas: UNICAMP. Notas sobre o vocabulário da macumba de Vitória. (3):125-40. Negro. 5(30-31):17. 1:463-72. Anatol. In: Anais do XXXI Congresso Internacional de Americanistas. In: Staden Jahrbuch. A magia do trabalho. 1955. mai/ago 1954. da Marra e. Fortaleza: Secretaria de Cultura e Desporto do Ceará. São Paulo. 1954. São Paulo. Vitória. São Paulo. Paulo: SILVA. 195p. MONTEIRO. Douglas Teixeira. 106 . As macumbas de São Paulo. Dalmo Belford de. ROSENFELD. São Paulo: ed.MATTOS. Anhembi. 1993. ROSENFELD. Anatol. Ismael. 1993. MONTEIRO. Macumba. macumba cearense e festa de possessão. Douglas Teixeira. 5(49):151-60. 1970. W. São EDUSP/Perspectiva.

s. Rio de Janeiro: Gráf. A noite da rainha. Dissertação (Mestrado) – Programa de Integração da América Latina da Universidade de São Paulo. Os Donos das Encruzilhadas. Patrícia. BASTIDE. Ary. Rio de Janeiro. BARRETO. BARCELOS. Os deuses umbandistas. São Paulo. os males do Brasil. Rio de Janeiro (8):21-8.3. família e poder na umbanda. 1970.4. Rio de Janeiro: Eco. etnografia de uma festa umbandista. Patricia. 1981. A celebração do poder: um ritual umbandista. 1987. 1980. Roger. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 106p. Decodificação da umbanda: contribuição à história das religiões.. p. 126-34. p.. 1963. Diana DeGroat. 1983. 2(7): 2733. José Luís Hernandez. Leopoldo. class and context: continuities and discontinuities in Brazilian umbanda.d. 1982. 1955. BIRMAN. Aurora. 403-08. 14(1):73-93. C ULTURAS NEGRAS NO BRASIL 4. A Cavalcanti. (Ciências Sociais Hoje. Roger. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro. L’Umbanda en révision. O batuque na umbanda. 107 . 1994. São Paulo: Lance. dez. In: Religião e Sociedade. 230p. O que é umbanda: ensaio doutrinário. Maria Hermínia Tavares et al. 245p. 1) BIRMAN. ritual. Brasília: ANPOCS. Paris: Éditions Cujas. jul. In: ALMEIDA. In: Études Offertes à Jacques Lambert. BIRMAN. p. Mário & BROWN. Feitiços. In: Comunicações do ISER. s. BICK. Washington. 206p. 156p. 45-52. 1979. BANDEIRA. Trabalho e cultura no Brasil. Tomo I BENTO.1. Aruanda: lindos casos da umbanda narrados por um filho de fé. feb.1. Le spiritisme de Umbanda. Laços que nos unem. Umbanda ALFONSO. 1975. Religion. R ELIGIÕES 4. Patrícia. Dilson. Mário..d. Rio de Janeiro: Eco. Miscelânea de estudos dedicados a t. Patrícia. In: American Ethnologist. La Habana. BIRMAN. BASTIDE. ed. BETTIOL. carrego e olho grande.

Diana. (ed. p. Brazil anthropological perspectives: essays in honor of Charles Wagley. BROWN. BRACKMANN. Maxine L. New York: Columbia University Press. Diana. Diana. ago. In: Revista Brasileira de Folclore. com firma reconhecida.BIRMAN. In: MARGOLIS. 1961. São Paulo. set/dez 1969. Quimbanda Kulte. 1983. (7-8):157-73. F. 406p. 1977. 1982. Rio de Janeiro: Marco Zero. CARTER. Rio de Janeiro. 270-340. Ann Arbor: UMI Research Press. BROWN. Columbia University. In: Umbanda e política. Thése. BRANDÃO. O que é umbanda? São Paulo: Brasiliense. Xangôs tradicionais xangôs umbandizados do Recife: organização econômica. CAMARGO. magia branca e quimbanda. Lourenço. 1963-1964. São Paulo. Confirmação do casamento no ritual umbandista. (1):31-42. (2):pp. magia negra. 1936. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Umbanda: politics of an urban religious movement. BIRMAN. Souza. BRAGA. a mediação política das federações de umbanda. Umbanda e Política.). 1959-60. In: Comunicações do ISER. 1986. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia. Maria do Carmo Tinoco. 11-12:45-60. BIRMAN. Uma história de Umbanda no Rio. 9(25):231-245. Richard W. Registrado em cartório. Umbanda and class relations in Brazil. 125p. Richard W. 1985. Rio de Janeiro. In: Religião e Sociedade. 18:8-121. 9-10:89-102. In: Cadernos do ISER. CAMARGO. Antrhopologie. 1979. Kardecismo e Umbanda. BROWN. 19-20. In: STADEN-JAHRBUCH. de. São Paulo: Pioneira. Der-Umban de Kult in Brazilian. (Cadernos do ISER. São Paulo. Diana DeGroat. In: STADEN-JAHRBUCH. Patrícia. BRACKMANN. Umbanda: religion and politics in Brazil. In: Staden-Jahrbuch. BROWN. Onélia Maria et alli. Cândido P. O papel histórico da classe média na umbanda. Umbanda. 204p. Voto e mediação. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: ed. 18) BROWN. Rio de Janeiro. BRACKMANN. Diana. Patrícia. mai. Willian E. 1961-1962.. 1985. 1974. Afro-fetichitische feste in Brasilien. Richard W. 1986.. São Paulo. Patrícia. 108 .

Márcia & GOLDMAN. COSTA. CONCONE. Origens. 1983. COSTA. Salvador. Caso da Pomba gira: reflexões sobre crime. Maria Hermínia Tavares et alli. umbanda. (Coleção Fé e Realidade. Márcio. CONCONE. (Coleção Religião e Sociedade) CONCONE. Meleagro: depoimentos e pesquisa sobre a magia branca no Brasil. 1) CONTINS. Trabalho e cultura no Brasil. Exús Crianças: Uma Reconstrução do Imaginário Umbamdista Sobre as Crianças Anti-Sociais no Contexto do Rio de Janeiro. 16(21):240-6. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia. Sol quente do Dira. 1951-1954. Aracaju. São Paulo. Ideologia umbandista e integralismo. 1951. CATECISMO do umbandista. Rio de Janeiro. In: AfroÁsia. Valdeci Carvalho da. Luís da Câmara. Candomblé e umbanda: o desafio brasileiro. 1973. 145p. O caso da Pomba-Gira. 1981. Maria Laura Viveiros de Castro. 13(2):84-101. In: ALMEIDA. jul 1986. Livr. Rio de Janeiro. CAVALCANTI. Rio de Janeiro: UFRJ. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe. 379-95. São Paulo: Centro de Estudos da Religião/FFLCH/USP. Maria Helena Villas Boas. Marilú Marcia. José Sebrão. Márcia. 11(1):103-35. 12/3) 109 . São Paulo: Edições Loyola. Flora Olímpia. 1983. religião e violência. (13):87-105.CAMPELO. CONTINS. 2v. 1987. um estudo sobre a fenomenologia do sincretismo umbandístico na perspectiva da teologia católica. Umbanda: uma religião brasileira. 1980. p. In: Religião e Sociedade. 4:155. CARVALHO SOBRINHO. Valdeci Carvalho da. Questões para uma investigação sobre a umbanda. In: Religião e Sociedade. Tese de Doutorado apresentada na PUC/SP. uma análise do jogo discursivo entre umbanda e sociedade. Raimundo. 1996. para que as quero?. Porto Alegre. CINTRA. 1957. possessão e imagem feminina. 171p. CASCUDO. Brasília: ANPOCS. Rio de Janeiro: ISER. a pecadora santa dos umbandistas. São Paulo. Alguns marcos na evolução histórica e situação atual de Exu na umbanda do Rio de Janeiro. 1985. São Paulo: Paulinas. Maria Helena Vilas Boas. (Ciências Sociais Hoje. abr. os seres superiores e os orixás/sa ntos. Umbanda: uma religião brasileira. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. 1984. Maria Helena Vilas Boas.

Exú: o inimigo invisível do homem. DI PAOLO. (17):7-17. 1983. A umbanda em Araraquara: uma contribuição para o estudo da psicoterapia religiosa. (uma investigação social em Belem do Pará). Dissertação (Mestrado) – FESP. 1990. Teresópolis: Jaguary Editores. Umbanda e Integralismo Social. Rio de Janeiro: Eco. Exu. 268p. São Paulo. In: LusoBrazilian Review. (6):37-48. FONTENELLE. sum. The magic of umbanda in Gota d’Água. Pasquale. DELGADO SOBRINHO. 1967. Antonio Talora. alguns indicadores sobre as mudanças ocorridas nos cultos umbandistas a partir da década de 60. São Paulo. Brasília: DAC/PAC. Antonio Talora. Tese (Doutorado) – FESP. magia. (7):81-93. Camba de umbanda. São Paulo: IEB/SP. In: Perspectiva . Aurora.E. A mitologia umbandista. Um terreiro de umbanda em Belém do Pará. 1978.S. 189p. literatura e ideologia. 1983. DELGADO SOBRINHO. 1978. DELGADO SOBRINHO. 1974. DI PAOLO. In: Perspectiva . 1957. Napoleão. 110 . DELGADO SOBRINHO. Beitiage zur kulturgeschichte Brasiliens unter besonderer. O universo simbólico da umbanda. Umbanda: religião. São Paulo. 260p. Rio de Janeiro: Espiritualista. Umbanda e integração social: uma invenção sociológica em Belém do Pará. FIGGER. possessão. In: Revista do Instituto de Estudos Brasileiros. 1978. DINIZ. F. Tancredo da Silva. Antonio Talora. 260p. FIGUEIREDO. São Paulo.DECELSO. São Paulo. Edson Soares. (8):201-10. 243p. Umbanda de caboclos: estudo sócio-religioso. Os caminhos de Exu. A. Horst H. 27(1):1-10. São Paulo. FIGGER. Horst H. Rio de Janeiro: ed. 1966. 1980.. 1975. 164p. DOPAMU. 1983. 1985. Aluízio. 1990. São Paulo: ADUDUWA. Berucksichtigung der umbanda-religion und der west afrikanischen Ewen-Sprache. Pasquale.. 6ªed. DI PUCCIO. Byron e PINTO. Madison. Berlim: Reiner.P. P. São Paulo. FREITAS. In: Perspectiva . Religião. Denise. Antonio Talora. 163p. In: Sete Brasileiros e seu universo. terreiro do rei Taculumi.

In: VELHO. 1988. São Paulo. Dissertação (Mestrado) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas. Rio de Janeiro. Duas respostas à aflição: umbanda e pentecostalismo. reportagens. 1955. Petrópolis(RJ): Vozes. Chestar. Duas respostas à aflição. LAPLATINE. In: REB. O tambor das flores: uma análise da Federação Espírita Umbandista e dos cultos afro-brasileiros do Pará (1965-1975). FREITAS. KIEPPENBURG. Boaventura. 1976. Clodoaldo. HENRY. Desvio e divergência. p. Rio de Janeiro: ed. João de.d. Rio de Janeiro: Tip. João de. (6):75-94. Simoni Lahud. 246p. 1956. In: Comunicações do ISER. a verdade sobre a umbanda. 1974. Umbanda e loucura. 286p. Anaíza Vergolino. 111 . In: Debate e Crítica... Petrópolis/RJ: Vozes. 1942. 141p. 1980. 1975. 1957. 7(30): 52-60. (5). Cultura Afroaborígene. Fundamentos de umbanda. G. Espiritualista. 223p. 1958. GUEDES. KLOPPENBURG. In: Debate & Crítica. São Paulo. 1961. 1984. Umbanda. São Paulo. Peter Henry. GUIMARÃES. GABRIEL. FRY. Byron. Espiritualista.. Rio de Janeiro: Zahar. Oxalá. 102p. Peter & HOWE. Communications of the spirits. Linguagem dos terreiros de umbanda de Brasília. Reação contra a umbanda e o exemplo de Haiti. Gary Nigel & FRY. HOWE.FREITAS. entrevistas. 15(4):969-70. Montreal: McGILL University. regional cults in Manaus and the dynamics of mediumistic trance. uma crítica da patologia social. Rio de Janeiro: ed. Glória. Os sistemas de representação da doença e da saúde na umbanda em Fortaleza. Byron. 1975. 154p.. dez. Doutrina e ritual de umbanda. comentários. Rio de Janeiro: ed. Paulo Antonio. São Paulo. FREITAS. s. Rio de Janeiro: ed.). Souza. HERNANDES. Gilberto (org. 121p. Boaventura. Campinas/SP. umbanda. jul. Umbanda: rituais. F E S P. A umbanda no Brasil. 82-98. umbanda e pentecostalismo. François. FREITAS.

152p. Paris. 92p. Dilson Bento de Faria Ferreira. MAGNO. José Guilherme Cantor. 73p.). mar. São Paulo: Ática. 1951. Oliveira. 241p.d. p. Helena Theodoro. particularmente a umbanda.) – Antrhopology. Fundação Cultural cidade de Aracajú. Rio de Janeiro: Espiritualista. Pontos cantados e riscados de umbanda.c. In: Médicos e Curandeiros. 1992. 357p. 3ª ed. 1986. Alquimia de umbanda: o poder vibratório. SãoP Paulo. Oliveira. LIMA. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. Introdução ao Xangô.. 1984. The Ohio University. Thése (Ph.LEITE. Doença e Cura na Umbanda. 1952. s. MACIEL. 3ª ed. Lúcia de Carvalho (org. 24-8 de junho de 1985. 1979. Rio de Janeiro: s. Anais. 1978.. Contribuição à história das religiões. Vitória: DEC. Antigas canções da umbanda. 1991. Wani F. Patricia Jane Barker. MACIEL. Brazil. MAGNO. (Princípios. Ohio. Raul e Pereira. 34. 1970. Abacás e Centros de Umbanda – guia básico de festejos em Aracajú. 4ª ed. 115 p. José Guilherme Cantor.. In: Culturas Africanas. Conflito social e saúde. LODY.) 2ª ed. 1981. Maria Andrea. Natal: Museu Camara Cascudo /UFRN. Silvio Pereira. LOYOLA. Folha de São Paulo. 1962. UNESCO. Warriors justice: a study of women’s roles in umbanda in Porto Alegre. (Folhetim) MAGNANI. Cleber. Coleção afro-brasileira do Museu Câmara Cascudo. MAGNO. 117p. Oliveira. LOPES. São Paulo: DIFEL. 1994.46-67.p. 218. s. + ill. Rio de Janeiro: Espiritualista. Rio de Janeiro: Espititualista. Umbanda e candomblé.d. Candomblé e Umbanda no Espírito Santo : práticas culturais religiosas afro-capixabas. Oliveira. 112 . A umbanda e o ocultismo. Religiões negras de origem banto. no Rio de Janeiro. A umbanda esotérica e iniciática. Umbanda. Rio de Janeiro: ed. 147p. il. p. MAGNANI. MAGNO.197-235. 1991. 22. Aracajú: Ed. 64p. umbanda e mestria da jurema na cidade de Natal (RN). São Luís. São Paulo: Ática. documentos da reunião de peritos: As sobrevivências das tradições religiosas africanas nas Caraíbas e na América Latina. LERCH. Espiritualista.D. Malungo: decodificação da Umbanda.

A. N. 1961. MOLINA.MAGNO. 1976. 1972. MOLINA. il. 1972.). N. Bouldu. MANDARINO. il. 1972. A. 125p. Saravá seu tranca rua. 28(4):407-16. 85p. A. N. In: Comunicações do ISER. Paula. MOLINA. N. Rio de Janeiro: Espiritualista. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia. 1981. Rio de Janeiro: Espiritualista. Saravá a linha das almas. 156p. Um Estudo das Relações Raciais em Dois Terreiros de Umbanda. In: BRUNEAU. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. il. Saravá Xangô. 1972. Ana Cristina de Souza. A. 95p. MOLINA. Saravá o rei das 7 encruzilhadas. Renato. Rio de Janeiro: Espiritualista. N. MONTERO. Rio de Janeiro: Espiritualista. São Paulo. São Paulo. A. Thomas C. A. MONTERO. A. Rio de Janeiro: Espiritualista. 142p. MOLINA. Rio de Janeiro: Espiritualista. Westview. 113 . A. jul. Saravá Exu. Saravá o povo d’água. 1972. Espiritualista. Saravá Ogum. Saravá Obaluaiê. 1972. il. MOLINA. N. Rio de Janeiro: ed. Saravá Ibejada. N. 155p. In: Ciência e Cultura. A. N. il. 132p. A. Paula & ORTIZ. N. Contribuição para um estudo quantitativo da religião umbandista. Authoritarian capitalism. il. il. The ethic of umbanda and the spirit of messianism: reflection on the Brazillian model. N. Saravá Oxóssi. il. MATTA. 5(20):39-47. 1972. (ed. 1973. Ritual prático da umbanda. N. A. 1972. 123p. Saravá Pomba Gira. 79p. s. Rio de Janeiro: Espiritualista. Rio de Janeiro: Espiritualista.d. MOLINA. MOLINA.Maria ou Jurema?. Oliveira. 79p. 1973. il. Roberto da. il. 108p. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Espiritualista. abr. 1986. A cura mágica na umbanda. il. Rio de Janeiro: Espiritualista. 1995. MOLINA. Rio de Janeiro: Espiritualista. MOLINA. MOLINA. 138p.

Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia. 114 . 1990.). Da doença a desordem: as práticas mágicoterapêuticas na Umbanda. MONTERO. Haydee. São Paulo. In: Ciência e Cultura. 1975. Maria Helena Villas Boas. Dissertação (Mestrado) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas. 1985. Rio de Janeiro: Graal. Caridade e Demanda: Um estudo de Acusação e Conflito na Umbanda em Marílha. a doença e o corpo. Massangana. São Paulo. 1979. 31(1)25-31. 1979. La possession religieuse dans le culte umbandiste . Paula. 4:171-80. Paula. 171p. MOTT. NASCIMENTO. Brasília. São Paulo. Catimbós. 274p. 1976. Lísias Nogueira e CONCONE. Rio de Janeiro. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Edit. Pesquisa de umbanda e candomblé na cidade de São Paulo. Umbanda: da repressão à cooptação: O envolvimento político partidário da Umbanda Paulista nas eleições de 1982. In: Comunicações do ISER. 23) MONTERO. NEGRÃO. Dissertação de Mestrado. In: LANDIM. (Cadernos do ISER. Roberto da e LIMA. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Marco Zero/ISER. Umbanda. Rio de Janeiro: Ed. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. 286p. O segredo do cofre. Anais – III Congresso Afro-Brasileiro. 6(27):49-56. MOTT. 1985. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia. (23):119122. 1987.MONTERO. In: Cultura. Rio de Janeiro. Roberto (coord. In: Umbanda e Política (Coletânea de textos). NEGRÃO. MONTERO. 1976. 6(23):102-9. Sinais dos tempos: diversidade religiosa no Brasil. Paula. Paula. Da doença à desordem: a cura mágica na umbanda. 1983. (18). Leilah (org. MOTTA. Vicente. In: MOTTA. A umbanda como expressão da religiosidade popular. MONTERO. jan. 1985. Yoshiko Tanabe. (Cadernos do ISER 18). out/dez.. MOTT. Segredo do cofre: um estudo da manipulação e comercialização de crenças umbandistas. 1985. Os afro-brasileiros. Yoshiko Tanabe. Umbanda.. set. Campinas/SP. Rio de Janeiro. Lísias Nogueira. xangôs e umbandas na região do Recife. Paula. out.). In: Religião e Sociedade. Yoshiko Tanabe. 164p.

Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo. 164p. São Paulo: Ciências Ocultas. 233p. Revista de Sociologia da USP. Renato e MONTERO. il. OLIVEIRA. estudos.d. Paulo. (Dossiê Magia) NEGRÃO. Átila. Lísias Nogueira. 2º Semestre de 1996. Renato. São Paulo. 173p. Pontos cantados no ritual umbandista . 1984. São Paulo: EDUSP. nov. Oswaldo. Rio de Janeiro.. nº 1. a atu alidade da obra de Roger Bastide. São Paulo: FFLCH/CERU. São Paulo. Jota Alves de. Rio de Janeiro: Espiritualista. ORTIZ. In: Cadernos CERU. Entre a cruz e a Encruzilhada. Maria Denise A. ORTIZ. s. Lísias Nogueira. 115 . Os orixás africanos na umbanda. São Paulo: DBA Artes Gráficas. 377p. Contribuição para um estudo quantitativo da religião umbandista. OLIVEIRA. 1986. Lísias Nogueira. ORTIZ. s. ORTIZ.). In: Ciência e Cultura. OLIVEIRA. 1970. out. de 1994. mai. In: Tempo Social. A morte branca do feiticeiro negro.d. In: Religião e Sociedade. 141p. NEGRÃO. Rego e o imaginário da umbanda. In: Revista da USP. Umbanda: religião desafio.NEGRÃO. Rio de Janeiro: ed. Umbanda: Entre a Cruz e a Encruzilhada.. Rio de Janeiro: Eco. São Paulo. Espiritualista. In: SIMSON. A morte branca do feiticeiro negro. 1970. (1):43-50. São Paulo: Brasiliense. P. 1977. Magia e Religião na Umbanda.. abr. Lísias Nogueira. A nova umbanda: senzala da nova umbanda. O evangelho na umbanda: livro doutrinário baseado em observações. 47-63. (9)119-25. 1995. NEGRÃO. Renato. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia. José Paiva de. 1976. Renato. Oxalá. Formação do Campo Umbandista em São Paulo. 190p. Paula. Olga Rodrigues de Moraes von (org. 28(4):407-16. NUNES FILHO. p. 1976. A Morte branca do feiticeiro negro: umbanda e sociedade brasileira. Roger Bastide. de. OLIVEIRA. OLIVEIRA. São Paulo. 1996. 5(1-2).. do candomblé à umbanda. 1991. Revisitando a terra de contrastes.

1984. 46p. tempo e memória na umbanda luso-afro-brasileira. Olimpia. Revista Manchete . In: Religião e Sociedade. Espiritualista. Ismael. Jeferson (orgs. 1962.). ORTIZ. ORTIZ. Rio de Janeiro. umbanda. In: Religião e Sociedade. Lições de Espiritualista. PEDROSA. Eco. Anais do IV Congresso Afro-Brasileiro realizado em Recife. In: Archives de Sciences Sociales des Religions. Petrópolis/RJ: Vozes. Du syncrétisme a la synthese. Laudemir. umbanda. Massangana. p. In: LIMA. (8):37-44. 11(3):36054. Rio de Janeiro: Espiritualista. Tancredo da Silva.. 47(1):135-46. PECHMAN. Rio de Janeiro. PORDEUS JUNIOR. Breviário de umbanda: coletânia de oferendas e preces. 1982. Allan et all. Renato. vol. Cabala umbandista . Umbanda e política no Rio de Janeiro. Faces da tradição afro-brasileira: religiosidade.d. quinbanda. MATOS. maio de 1994. A morte branca do feiticeiro negro: umbanda. (557):24-27. v. Espaço. 1975. Renato. PINTO. Idalinda de Aguiar. 1970. 1978. magie noir. Umbanda. s. De índio a caboclo: a (Re) Construção da identidade na umbanda . Origens da Umbanda. jul. Rio de Janeiro: ed. Casamento na linha de umbanda. Renato. Samuel. 116 . Laroiê Exu: um estudo sobre a Umbanda e a quimbanda em Cuiabá. PAREDES. dez. Tema. Ética. Tânia (Org. 1 PINTO.ORTIZ. 1971. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Ed. Sincretismo Religioso: o ritual afro. 334p. In: Archive de Sciences Sociales des Religions. 22 dez. 149p. N. Ritual do terreiro umbandista . KARDEC. Paris. Eugenia Coelho. magie blanche. Fernando. 1961. In: CAROSO. 1957. Rio de Janeiro: Ed. Rio de Janeiro. José. poder e política. integração de uma religião numa sociedade de classes. une religion brésilienne. ORTIZ. 1979. Paris.. PESSOA. 128p. umbanda.). São Paulo. Carlos & BACELAR. PORDEUS JÚNIOR. 118p. um mito-ideologia. Ismael. Tese (Doutorado) – Faculade de Ciências Socias da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Rio de Janeiro: Livr. Porto Alegre: Liv. 1996. Tancredo da Silva. (40):8997. Renato. PINTO. 1989. 4. PONZE. 113-126.

– Antrhpology. PRESSEL. London. Umbanda in São Paulo: religious innovation in a developing society. Esther Joan. Rio de Janeiro: ed. etnobotânica e comida. Ismael. Dicionário africano de umbanda (línguas sudanesas). 1977. 264-318. religions inovation in a developing society . Esther Joan. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais. Revista de Sociologia/USP.. In: Tempo Social.). Rio de Janeiro: Pallas. Pombagira dos candomblés e umbandas e as faces inconfessas do Brasil. umbanda background. RIBEIRO. 2(1):49-74. PRANDI. José Reginaldo. José Reginaldo (org. In: CARNEIRO. 1963. 229p. Rio de Janeiro: Pallas. Esther Joan. p. práticas terapêuticas. São Paulo. Alberto Guerreiro. José. out. V. Umbanda trance and possession in São Paulo. In: PRESSEL. PORDEUS. 1950. PRANDI. p. Ismael. Columbus. 1990. Trance. PRESSEL. & GANHSON. Esther Joan. 1974. São Paulo. Modernidade com feitiçaria: Candomblé e umbanda no Brasil no século XX. (31). John Wiley and Sons. Esther Joan. Lisboa de caso com a Umbanda. Columbus. Caboclos e índios na Umbanda: a (re)construção de uma identidade perdida. Univercity Microfilms. Edison (org. London. beliefs and rituals. Erika (ed. Ph. Rio de Janeiro: Globo.) Religion: altered states of consciousness.) Antologia do negro brasileiro. In: Revista USP. 49-67. p. 1º sem. Encantaria brasileira – o livro dos mestres. 32325. D. PRESSEL. John Wiley and Sons. 148p. 2001. In: CRAPANZANO.) Case studies in spirit possession. Esther Joan. Vivian (eds. 1999.. 1994 PORDEUS. 117 . 1996. 223p. Umbanda in São Paulo. Umbanda in São Paulo: religious innovation in a developing society. Linha de Umbanda. 1973. Niterói/RJ. Ohio State University Press. PRANDI. caboclos e encantados. 333-64. healing and allucination: three field studies in religionsa experience. Aurora. Ann Arbor. In: BOURGUIGNON.reafricanização. PRESSEL. José Reginaldo. In: Encontro da ABA. Negative spirit possession in exponenced Brazilian umbanda spirits mediuns. 1994. PRESSEL. 1971. Salvador: CEAO. p. 1974. Ohio State University. RAMOS. (26):91-102.

1957. São Paulo. Itararé dos. Rio de Janeiro. Dentro de um ponto riscado: estudo de um centro espírita na Zona Norte do Rio de Janeiro. In: Afro-Ásia. In: Ciência e Cultura. (25-26):215-256./dez. 33(12):1. 396-402. Firmeza e segurança num terreiro de Santa Rita. A umbanda através dos astros: horóscopo. 105p. Santiago. 1985. Zélia Milanéz de Lóssio e. Zélia Milanéz de Lóssio e. Firmeza e segurança num terreiro de Santa Rita. Brasília. (11). Rio de Janeiro. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro. In: Cadernos do ISER: umbanda e política. Campinas/SP. Rio de Janeiro: ECO. Salvador: Centro de Estudos AfroOrientais e do Programa de Pós-Graduação em História da UFBA. In: América Indígena. Dissertação (Mestrado) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas. México. (2):13-18. Anaiza Vergolino e. A verdade sobre a umbanda. SEIBLITZ. Alvarino. 1985. SERRA. São Paulo. 1. SEIBLITZ. Rio de Janeiro. Umbanda e potencial contestador da religião. dez. Porto Alegre: Livr. Zélia Milanez de Lóssio e. 1986. Zélia Milanéz de Lóssio e. 118 .SANTOS. p. No caminho de Aruanda: a umbanda candanga revisitada. SILVA. 1976. 1981 (Ciências Sociais Hoje.570-3. In: OPCIONES. Zélia Milanéz de Lóssio e. religión de negociación. SCHETTINI. Ordep. A mulher no candomblé e na umbanda.d. SEIBLITZ. Hermínia Tavares et alii. Zélia Milanéz de Lóssio e. In: ALMEIDA. 52p. Salvador. ANPOCS. Trabalho e cultura no Brasil. 1982. (18):122-156. Umbanda. SEIBLITZ. 2001. ago. 45(4):669-90. SEIBLITZ. Sobre alguns umbandistas na política. 1979. 1981. In: Comunicações do ISER. Teresinha Bernardo. SEIBLITZ. 1987. out. SEIBLITZ. 122p. s. 171p.. Olímpia. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Ciências Sociais da Pontifícia Universidae Católica de São Paulo. SEVLA. O Tambor das Flôres: uma análise da Federação Espírita Umbandista e dos Cultos Afro-Brasileiros do Pará (1965-1975). A gira profana. Zélia Milanéz de Lóssio e.).

Antonio Alves. José Ribeiro de. Dicionário africano de umbanda: africano e português e português e africano. 143p. 148p. José Ribeiro de. Aurora.d. 1996. W. 1963. SILVA. 1969. SOUZA. magia e as sete linhas da umbanda. 1963. 1994. Aurora. 366p. Umbandismo. 142p. Inara da Rocha. Rio de Janeiro: Espiritualista. Rio de Janeiro: Freitas Bastos. 1970. Rio de Janeiro: Org. 1992. Vagner Gonçalves da. caminhos da devoção brasileira. 117p. 195p. SILVA. il. 1960. SOUZA. Antonio Alves. TEIXEIRA NETO. Candomblé e umbanda. SOUZA. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia.d. Rio de Janeiro: Freitas Bastos. 133p. José Ribeiro de. O processo de conversão do negro: umbanda e pentecostalismo. José Ribeiro de. Rio de Janeiro: ECO. 390p. 1972. Eco. 1970. São Paulo. Vagner Gonçalves da. 2ª ed. Jogo de búzios e as grandes cerimônias ocultas da umbanda. 149 p. SOUZA. Cerimônias da umbanda e do candomblé. 137p. Ritual da umbanda. SILVA. Despachos e oferendas na umbanda. SIMPLÍCIO. Rio de Janeiro: Ed. Espiritismo.d. SOUZA. SILVA. Rio de Janeiro: ed. José Ribeiro de. W. Umbanda do Brasil. 158p. Rio de Janeiro: Espiritualista. Rio de Janeiro: ed. Campinas/SP. Leal de. Rio de Janeiro: Autora. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual de Campinas. O jogo de búzios e as grandes cerimônias ocultas da umbanda. Dicionário africano de umbanda: africano e português e português e africano. São Paulo: Ática. da Marra e. SOUZA. s. 1925. O jogo de búzios e as grandes cerimônias ocultas da umbanda. José Ribeiro de.SILVA. s. Candomblé na Cidade: Tradição e Renovação. Rio de Janeiro: Ed. Aurora. TEIXEIRA NETO. 154p. Benedito Ramos da. Rio de Janeiro: Mundo Espírita. 119 . s. 1957. Simões. SOUZA.. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. da Matta e. Macumbas e candomblés na umbanda. 4ª ed.

Donald. 1979. Dissertação (Mestrado) – Universidade Fedral de Pernambuco. & CONTINS. Liana Maria Sálvia. Salvador. Espiritualista. O. As Origens da Umbanda: Mitos e Ideologia. Recife. 6 mar. Rio de Janeiro: ed. Emanuel. (6/7):155-63. ZESPO. Olímpia. Ervas sagradas da Umbamda. Gueto cultural ou a umbanda como modo de vida. Rio de Janeiro: Campus. Umbanda e alienação: classe e emprego. 120p. In: VELHO. José Sebastião das Chagas. ZESPO. notas sobre uma experiência de campo na Baixada Fluminense. Espiritualista. Notes on the historical origins of umbanda.d. Emanuel. Leitura. José Carlos Vieira. Emanuel. Gilberto. VARELLA.d.TRINDADE. Porto Alegre: Livr. Jornal D. 1988. Codificação da lei de umbanda. 120 . Márcia. 88p. Um estudo das relações sociais e religiosas no Grande Recife. As sete linhas de umbanda. WARREN JR. s. p. Espiritualista. p. 1970. WANDERLEY.. Yvonne Maggie Alves. São Paulo. O que é umbanda. maio/dez. 77-93. In: Universitas. Rio de Janeiro: ed. s. ZESPO. Rio de Janeiro: Ed. 1980. 1960. VELHO. 13. O desafio da cidade. 163p. 1949.

Maria Conceição Barbosa de. BORGES. 1955. 1992. Vitória. v. São Paulo: Edições Alarico. Salvador: Fundação do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia. Virgínia Maria Almo de. João Pessoa: Editora Universitária/UFBP.1. R. R ELIGIÕES 4. Festa do Rosário do Pombal: história e identidade. Marcos. São Paulo. 1988. R. ÁVILA. Jeferson e SOUZA. Eloisa. BORGES. BORGES. 69-76. 2:29-35. In: Lá e Cá. 1998. Devoção branca de homens negros: as Irmandades do Rosário em Minas Gerais no século XVIII. 1953. Os pretos do Rosário de São Paulo.p.. 6(34-36):3-9. Porto Alegre 22 a 29 de agosto de 1950. Os Devotos do Rosário: devoção e promessa na Festa do Rosário de Santo Antônio do Monte. In: Cadernos de Ciências Sociais. 1988. Coroação do Rei Congo no Brasil: festa de São Benedito de Guaratinguetá. AYALA. jul. M. Célia A. BACELAR. 73-8. Belo Horizonte: PUC/MG. 1974. O rosário dos pretos do Pelourinho. A festa de Nossa Senhora do Rosário. 177p.1. ASSIS. C ULTURAS NEGRAS NO BRASIL 4. ago. nov. p. Tese (Doutorado) – Faculdade de História da Universidade Federal Fluminense. 1997.. . Irmandades AMARAL. Célia A. In: Atas III Semana Nacional de Folclore. In: Revista do Departamento de História. Pretos e brancos a serviço de uma ideologia de dominação: caso das irmandades do Recife. Alceu Maynard de. jan/jun. Recife. 1951 ARAÚJO. 121 . Baile de São Benedito. Rio de Janeiro.4. 194-208. Belo Horizonte. In: Folclore. 65p. Devoção Branca de Homens Negros.o caso da Igreja do Rosário de Ouro Preto. ARAÚJO. Maria do Carmo Andrade. Niterói/RJ. IBECC.6. O negro no barroco mineiro . ARAÚJO.4. Alceu Maynard de. Cristina. Belo Horizonte: FAFICH/UFMG. p. In: Revista do CCHLA 300 Anos Sem Zumbi dos Palmares. de 1995. Dissertação de Mestrado apresentada na Universidade Federal de Pernambuco. Raul Joviano. GOMES. M. Alceu Maynard de. 1954.

julho 1982. São Bernardo do Campo. 1978. As irmandades da antiga Bahia. Brasília. Rio de Janeiro: Campanha de Defesa do Folclore Brasileiro. 1985. 159p. São Paulo: Ática. Carlos Rodrigues. 121p. 122 . (Ensaios. 6(23). In: Religião e Sociedade. 34(136):5-6. o santo e a senhora. 1982. Nossa Senhora do Desterro. (8):61-78. Júlio Santana. 2 vols. Sociedade protetora dos desvalidos. LUNARDELLI. Goiânia: UFGO. CABRAL. Caio César. 1986. Carlos Rodrigues. BRANDÃO. Osvaldo R. Caio César. 5(27-29):5-6. 1986. (7):49-54. abr/jun 1953. CASCUDO. 94p. Congadas e Reinados: rituais de negros católicos. In: Revista de História. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia. In: Relações Humanas. irmandades leigas e política colonizadora em Minas Gerais. XVIII. Estados e Irmandades em Minas Gerais do séc. Florianópolis CARDOZO. Manoel da Silveira. Vitória. Luís da Câmara. jul/set. Salvador: Ianamá. A Sociedade Protetora dos Desvalidos: uma agência de prestígio. 1975. Júlio Santana. In: Folclore. BOSCHI. O mastro de São Benedito e Isis Pelagia. s/d. 116) BRAGA. 1979. 42(95):237-61. BRANDÃO. 83p. Osvaldo R.Dissertação (Mestrado) – Faculade de Psicologia Social da Universidade Federal de Minas Gerais. Carlos Rodrigues. BOSCHI. Carlos Rodrigues. CABRAL. Os leigos e o poder. BRAGA. A festa do santo de preto . Rio de Janeiro: FUNARTE – Instituto Nacional do Folclore. Rio de Janeiro. 1987. In: Cultura. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. BRANDÃO. Salvador. BRANDÃO. São Paulo. José Geraldo Vidigal de. Congos. Irmandade de Nossa Senhora do Rosário de 1950 a 1960. O divino. As irmandades e a escravidão. 1973 CARVALHO. 25p. 327p. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal da Bahia. Florianópolis: Mesa da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário: Florianópolis. São Paulo. SulAmérica. 1976. nov 1953/dez 1954/ Tb. A festa do Espírito Santo na Casa de São José.

6(12):93-112. 353p. 1992. São Paulo: Perspectiva. Tito (ver: MEDEIROS. Katherine Royal. Moacyr (org. 64p. MARTINS. 182-8. p. 1998. s. 6) LODY. In: Tempo. Ruben César. 1945/1951. 1989-1960. Nora H. São Paulo: Brasiliense. (Comunicado Aberto. 1980. Porto Alegre: Escola Superior de Teologia São Lourenço dos Brindes. vol. 4-10(7-20):53-120. MARTINEZ. Socorro Targino. 1955.ed. Afrografia da memória: o Reinado do Rosário no Jatobá. 1990. Salvador: UFBa. Os cavaleiros de Bom Jesus. Leda Maria. Américas. O sincretismo religioso afro-brasileiro. IRMANDADE de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos do Recife. 1982. Mara Regina. 1). ideologia e arquitetura. Elizabeth W. Raul. Moacyr. 1997. A Confraria de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito em Porto Alegre. Belo Horizonte: Mazza Edições. Washington. N. Uma introdução às religiões populares. Mexico. jun. Festa de Nossa Senhora dos Navegantes (estudo de uma tradição das população afro-brasileiras de Porto Alegre). In: Estudos Ibero-Americanos. University of New Mexico. PhD – Latin American Studies. FERNANDES. Porto Alegre. Progresso e religiosidade: Irmandades do Rosário em Minas Gerais. Arquivos Manuscritos. (Coleção Porto dos Casais. Porto Alegre: Ed.). Bartolomeu Figueroa de) FLORES. LAYTANO. Dante de. p. 12(6):14-8. CATE.: s. 2 de julho de 1988. Cultura afro-brasileira. Recife. 128p.CASTANHO. (Publ. 4p.. nº 1/2 Simpósio Gaúcho sobre a escravidão negra. In: FLORES. 16. 2001. 1990. il. KIDDY.. Mara Regina e NEVES. Benedito: uma comemoração popular em Quatipuru. Brazil. Anais Simpósio Estadual A Cultura Gravataense. In: Gravataí: do êxodo à composição étnica. Ordens terceiras. FIGUERÔA. 1961. Brotherhoods of our Laddy of the Rosary of the blacks: comunity and devotion in Minas Gerais. 123 . KIDDY. 189-96. A igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos. 12) MACHADO. Festa de S.l. Uma missa para Oxóssi: o rei de Ketu visita o Rosário dos Pretos. 1979. Elizabeth W. dez. da Com. Gravataí: Secretaria Municipal de Educação e Cultura. Gaúcha de Folclore.

Porto Alegre. Cláudia. MERO. de Antropologia.. CFCH . jornal e Sociedades Negras em Porto Alegre 18891920. New York City. 9(35):30-4. In: Comunicações do ISER. (13):107-18. Washington. Nossa Senhora do Carmo do Recife. Liana Susan. Cláudia. The Americas. Relatórios de Atividades. 124 . Madison.History. Veríssimo. 1990. Recife. As contas do meu rosário são balas de artilharia – Irmandade. University of New York. 1980. 1982. MELO. MONTARI. MULVEY.UFPE. Bartolomeu Figueroa de (FIGUERÔA. José de Souza (org. p. Os homens pretos do desterro – um estudo sobre a Irmandade de Nossa Senhora do Rosário (1841-1860). Dissertação (Mestrado) – Faculdade de História da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Patrícia Ann. 2000. Veríssimo de. MOURA. 1999. A morte e os mortos na sociedade brasileira. mar. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de História da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. 1976. s. winter.MEDEIROS. São Paulo: Hucitec. MULVEY. 1983. Bartolomeu Figueroa de (FIGUERÔA. 17(2):253-79. MORTARI. a brilhante senhora dos muitos rostos e sua festa.D.l. Black brothers and sisters: membership in the black lay brotherhood of colonial Brazil. Ernani. MEDEIROS. 1980. do Inst. Dissertação de Mestrado apresentada ao Departamento de Antropologia. As confrarias de Nossa Senhora do Rosário como reação contra-acumulativa dos negros no Brasil In: Afro-Ásia. MULVEY. Ph. july. 1964. Projeto – Nossa Senhora do Rosário: A dita Irmandade é derivada de Homens Pretos (1841-1860) . Slave confraternities in Brazil: their role in colonial society. 319p. . Patrícia Ann. In: Luso-Brazilian Review. Salvador. 39(1):39-68. In: MARTINS. Nossa Senhora do Carmo do Recife: a brilhante senhora dos muitos rostos e sua festa. MELO.. 349p. 1983. Discriminação racial nas irmandades. 61-75.). Rio de Janeiro. Porto Alegre. Patricia Ann. Margarida Maria. Maceió: Sergasa. 2000. 1(1):7-15. Tito). 109p. 1987. MÜLLER. Festa de Nossa Senhora do Rosário (dos pretos) no Jardim de Seridó. The black lay brotherhoods of colonial Brazil: a history. Tito). Natal: Arq. A morte de um rei do rosário.

O Rosário dos Homens Pretos. NUNES.. nº 6. Irmandades Religiosas no Rio de Janeiro Imperial (1840-1889). Irmandades Negras: outro espaço de luta e resistência. 318p.NASCIMENTO. São Paulo.). PORTO.). Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia. São Paulo. Cachoeira: CESPAC. vol. Corporações religiosas de Ilhéus e São Tomé e Príncipe do liberalismo à República. 1987. In: Estudos Afro-Asiáticos. RODRIGUES. Luiz e ISIDORO. História e significação simbólica da festa do Rosário do Serro. OTT. Augusto. Liliana de M. Márcia Clementino. Belo Horizonte: FAFICH/UFMG. (35):111-27.F. 1870-1890.. História de Nossa Senhora do Rosário de Cachoeira. A Boa Morte em Cachoeira. In: Grupo de Trabalhos André Rebouças (org. In: Cadernos de Pesquisa . Anderson J. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia. Contribuição para o estudo etnológico. As irmandades como forma de organização do negro. 1995. (63): 131-8. 1981. PEREIRA. 3. Carlos. de. Argemiro. A reapropriação da tradição a partir do presente: um estudo sobre a festa de Nossa Senhora do Rosário de Chapada do Norte. Niterói: UFF. Imprensa Oficial.l. Devoção e Caridade. Cristina. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. 1997. p. OLIVEIRA. 1991. Salvador: UFBa/CEB. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. jul. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal Fluminense. s. Dissertação (Mestrado) – Universidade de Brasília. NASCIMENTO. Taynar de Cássia Santos. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. 125 . 1978. 34p. 1976. M. nov. 1988. José Bonifácio. Fábio Wanderley. São Paulo. 17-25. 1988. Antonia Aparecida. Brasília. 1988. In: Revista do Departamento de História. Belo Horizonte. Identidade. QUINTÃO. MG. Semana de Estudos A Contribuição do Negro na Formação Social Brasileira. RODRIGUES. 2001. POEL. Francisco Van Der (O. Igreja do Rosário dos Pretos do Pelourinho: um clamor com axé – identidade nera e inculturação afro-brasileira na Igreja do Rosário dos Pretos. política e teoria da escolha racional In: Revista Brasileira de Ciências Sociais. 182p. (6):151-6. 1999.M. REIS. Niterói/RJ.

1996. In: Revista de História e Arte. Secretaria do Estado da Cultura. Lucilene. 1970. Ciência e Tecnologia. 1977. século XVIII. TICUMBI de S. Acácio Sidinei Almeida e REGINALDO. Júlia Maria Leonor Devoção e escravidão: A Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos no Distrito Diamantino no séc. (10):65-73. Marina de Avellar. Julita. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Ed. Irmandade. 182p. 6p. R. São Paulo. 2000. do Rosário dos Homens Pretos de Gurapiranga. Vitória: Imprensa Oficial. Devoção e Escravidão: a Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos no Distrito de Diamantino no Século XVIII. TRINDADE. SENA. pp. TICUMBI e a banda de congo de Boa Vista nas festas de São Paulo. SANTOS. Aspectos da vida social das irmandades leigas da Bahia no século XVIII. Irmandade de N. set/dez 1954. Identidades Afro-brasileiras: contas e rosários. In: Folclore. Irmãs da Boa Morte. (6/7):189204. Anais do IV Congresso AfroBrasileiro realizado em Recife. (Coleção Brasiliana. Estado do Espírito Santo) participa da representação de grupos folclóricos nas festas do IV Centenário de São Paulo. jul/dez. Belo Horizonte. SOUZA. 98-112. Nacional. SOARES. SCARANO. São Paulo: Cia. senhoras do segredo. Vitória(ES). In: Caderno CRH. maio de 1994. Sra. A. Jailson Bertron.). (1):75-102. Ed.RUSSEL-WOOD. São Paulo. religiosidade e escravidão no Rio de Janeiro. Devotos da cor. vol. In: Universitas. In: Boletim do CEPEHIB . p. Mariza de Carvalho. 3(10):6-10. 2000. Benedito (Conceição da Barra. Sincretismo Religioso: o ritual afro. v. 1978. XVIII. Júlia Maria Leonor. escravidão e mestiçagem. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. 126 . agosto de 1954. Tânia (Org. 357). jul. 1954. XVIII. 2ª ed. 1981. Identidade étnica. Devoção e Escravidão: A Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos no Distrito Diamantino no séc. In: LIMA. maio/dez. São Paulo: Ed. Salvador: Centro de Recursos Humanos da UFBA. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia. 9-10. Nacional. Salvador. 6(32-33):9-10. 1969. Florentina da S. 1975. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. SCARANO. Massangana. SCARANO. 4. J.

AMARAL. R ELIGIÕES 4. 4. BORGES. vol. Contribuição ao estudo do sincretismo católicofetichista. In: Afro-Ásia.. BRANDÃO. 4. Origens lointaines du syncrétisme afrocatholique au Brésil et perspestives d’avenir. 28-09.1. AUGRAS. vol. Massangana. Contribuições etnobotânica para o universo ritual dos cultos afro-brasileiros.4. São Paulo. Carlos Rodrigues. Sincretismo Religioso: o ritual afro. Tânia (Org. 1976. In: Boletim da FFCL/USP – Sociologia I. 4. 159p. Ulysses Paulino de. Enjeu politique des syncrétismes religieux au Brésil. BASTIDE.d. (12):161-6. 85-97. Gisèle. Rio de Janeiro: Campanha de Defesa do Folclore Brasileiro. Sincretismo Religioso: o ritual afro. Roger. 1978. em S. A Cozinha Sagrada. Massangana. Marcos Antônio. o santo e a senhora. BLANQUAR. BINON-COSSARD. Gabriel Gonzaga. C ULTURAS NEGRAS NO BRASIL 4. Sincretismo ALBUQUERQUE. 127 . p. 1986. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Ed. Paul. Sincretismo Religioso: o ritual afro. Anais do IV Congresso Afro-Brasileiro realizado em Recife. Anais do IV Congresso Afro-Brasileiro realizado em Recife.1. 2001. 188-197. Massangana. p. BULE-BULE. Tânia (Org. A festa de candomblé e suas relevâncias para o estudo do candomblé e do estilo de vida do povo-de-santo. maio de 1994. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Ed. 1996. Rita de Cássia.). vol. Tânia (Org. BINA. [Salvador:] Ilê Aiyê. Dia da mãe preta. Mogi das Cruzes/SP: Editora e Gráfica Brasil.). São Paulo: Pulsar. O atabaque na Igreja : a caminho da inculturação litúrgica em meios afro-brasileiros. Paris: Editions La Découverte. maio de 1994. 33-43. p. Axé Madona Achiropita : presença da cultura afrobrasileira nas celebrações da Igreja de Nossa Senhora Achiropita.). 59(1):11-43. Barbosa Onildo. In: LIMA. 2002. 1946. maio de 1994. O divino. Anais do IV Congresso Afro-Brasileiro realizado em Recife. s. L’Etat du Monde. In: LIMA. 1996. Paulo. Rosângela. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Ed.5. 8p. Monique e GUIMARÃES. In: LIMA. Salvador. 1996.

práticas terapêuticas. out. 29/07 a 1º/08/82. John. S. 193. Procissões tradicionais da Bahia. maio de 1994. Rio de Janeiro. 1941.BURDICK. In: LIMA. CONSORTE. São Paulo: Edições Loyola. Sebastião Heber Vieira. Carlos & BACELAR. 4. 71-91. jul. Tânia (Org. 1996. p. Th. CONSORTE. 1983. Recife.). (Coleção Fé e Realidade. 1986. Sincretismo Religioso: o ritual afro. D. Rio de Janeiro.S. 1163-168. In: Comunicações do ISER. A queda do profeta negro. Josildete Gomes. p. 1999. S.). In: Estudos AfroAsiáticos. Pentecostalismo e identidade negra no Brasil: mistura impossível. 5(21):4-11.Rio de Janeiro.).). Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes . 4. Massangana. 2v. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Ed. Caetana Maria. o significado ambivalente de raça no pentecostalismo. CAMPOS. Raça como retórica – a construção da diferença. Anais do IV Congresso Afro-Brasileiro realizado em Recife. J. Sincretismo Religioso: o ritual afro. 8(33):43-63. um estudo sobre a fenomenologia do sincretismo umbandístico na perspectiva da teologia católica. Encontro Nacional AfroBrasileiro . In: Comunicações do ISER. O. (8-9):126-30. p.Centro de Estudos Afro-Asiáticos.). COSTA. João da Silva. (Publicações do Museu da Bahia). Anais do IV Congresso Afro-Brasileiro realizado em Recife.). Salvador: Secretaria de Educação e Saúde./dez. 185-212. umbanda. 1996. Salvador: CEAO. Massangana. Rio de Janeiro: Pallas. Valdeli Carvalho da (Pe. In: LIMA. vol. In: MAGGIE. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Ed. etnobotânica e comida. maio de 1994. 17-23. 128 . Histórias do sítio do Pai Adão e o culto a Orumilá. Reavaliação e atualidade dos cultos afrobrasileiros. vol. In: CAROSO. Yvonne e REZENDE. D. Cláudia Barcellos (orgs. Josildeth Gomes. 12/3) DAMASCENO. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. Th.B. Jeferson (orgs. John. reafricanização. 14(2):123-31. Faces da tradição afro-brasileira: religiosidade.1989. p. BURDICK. Manoel do Nascimento. Recente Diacronia Eclesial entre os Cultos afro-brasileiras. Tânia (Org. COSTA. COSTA. In: Ciência & Trópico. Em torno de um manifesto de Ialorixás Baianas contra o sincretismo. 1986. Sincretismo religioso africano e brasileiro: notas de uma viagem ao Togo e ao Benin. identidade étnica negra e o contexto cristão. Oxalá e Jesus. 2002. J. os seres superiores e os orixás/santos. Valdeli Carvalho da (Pe. COSTA.

In: Les Afro-américains. Repensando o Sincretismo: estudo sobre a Casa das Minas. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Ed. 127-133. Tânia (org. In: LIMA. FERRETTI. In: LIMA. p. Aníbal Gonçalves. (27):125-6. Sandra Medeiros. maio de 1994. O sincretismo religioso no Brasil. Anais do IV Congresso AfroBrasileiro realizado em Recife. maio de 1994. 27). maio de 1994. Aníbal Gonçalves. São Paulo: EDUSP. Curitiba: Guaíra. FERNANDES. FERRETTI. O sincretismo gege-nagô-católico como expressão dinâmica de um sentimento de inferioridade. Mundicarmo Maria Rocha. 50-65. FERNANDES. Euclides. 137-147. 129 . FERNANDES. Writings on the wall.). Curitiba: Guaira. 4. Tese de Doutorado apresentada ao Departamento de Antropologia da Faculdade de Filosofia. Gonçalves.). vol. (Memoire IFAN. Mémoires de L’Institut Français D’Afrique Noire. 1953. Sérgio Figueiredo. jul/dez. Sincretismo Religioso: o ritual afro. Massangana. 4. vol. 4. 1952. 1996. 1991. O sincretismo religioso no Brasil. Graham Michael Stuart. Massangana. Gonçalves. 1996. Sincretismo Religioso: o ritual afro.). In: Les Afro-Américans. 1995. 1941. Sérgio Figueiredo. 1941. Tânia (org. p.). Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Ed. São Paulo. Recife. p. 14(2):133-50. A tradição da religião Jêje na Bahia. religious syncretism through graffiti in Northeast Brazil. FERREIRA. 125-126. São Luís: FAPEMA. 225p. In: LIMA. p. Tânia (Org. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. 76-84. Reavaliação e atualidade dos cultos afro-brasileiros no Maranhão. Anais do IV Congresso AfroBrasileiro realizado em Recife. 1986. vol. In: LIMA. Anais do IV Congresso Afro-Brasileiro realizado em Recife.DANN. 4. FERNANDES. Sincretismo Religioso: o ritual afro. In: Ciência & Trópico. Anais do IV Congresso Afro-Brasileiro realizado em Recife. Repensando o sincretismo: um estudo sobre a casa das minas. Tânia (org. Massangana. Dakar: IFAN. 1996. Massangana. Comida de Orisa. A trajetória da casa fanti-ashanti . 155p. DUARTE. O sincretismo gêge-nagô-católico como expressão dinâmica dum sentimento-de-inferioridade . p. Sincretismo Religioso: o ritual afro. Dakar: IFAN. FERRETTI. EPEGA. Everaldo. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Ed. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Ed. maio de 1994. vol. 1996.

Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. In: Religião e Sociedade. FREYRE. In: Correio Popular. Salvador: CEAO.FERRETTI. HOORNAERT. FRIZOTTI. Sérgio Figueiredo. Deuses africanos e santos católicos nas crenças do negro do Nôvo Mundo. 1940. 1940. Bahia 1940. Rio de Janeiro. p. (orgs. 130 .). 1999. IWASHITA. HERSKOVITS. São Paulo: Paulus. Reinaldo. In: O Negro no Brasil: Trabalhos apresentados ao 2º Congresso Afro-Brasileiro (Bahia). (Coleção de Estudos brasileiros. In: CARNEIRO. Anaíza Vergolino. Deuses africanos e santos católicos nas crenças do Negro no Novo Mundo. práticas terapêuticas. 1959. Pedro Kuniharu. 1987. GUIMARÃES. E. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. Ensaio de método para uma análise religiosa e psicológica do feminino. HERSKOVITS. O negro no Brasil. 625p. Faces da tradição afro-brasileira: religiosidade. 29 mar. Maria no contexto da religiosidade popular brasileira. In: Revista de Cultura Vozes. In: Anais II Congresso AfroBrasileiro. etnobotânica e comida. 21(55):317-31. 14(3):56-71. reafricanização. 71(7):43-52. 1996. Contribuições bantus para o sincretismo fetichista. e FERRAZ. Carlos & BACELAR. A semana santa nos terreiros: um estudo do sincretismo religioso em Belém do Pará. Rio de Janeiro: Pallas. O Negro no Brasil: Trabalhos apresentados ao 2º Congresso Afro-Brasileiro (Bahia). A. Passos no diálogo: igreja católica e religiões afrobrasileiras. 1987. Belo Horizonte. Melville Jean. Universidade de Friburgo. G. na perspectiva de C. HENRY. In: Perspectiva Teológica. GOULART. 1989. 1940. 19-22. Heitor. In: CAROSO. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. Maria e Iemanjá. Friburgo. 1947.). Pressupostos antropológicos para a compreensão do sincretismo. Salvador. Jung.. 129-40. IWASHITA. Pedro Kuniharu. Marajoara. Campinas. Sincretismo afro-brasileiro e resistência cultural. Petrópolis. UFBA. 1977. Sincretismo religioso. p. Dissertação de Mestrado apresentada na. Análise religiosa e psicológica do sincretismo entre Maria e Iemanjá. Melville Jean. il. Jeferson (orgs. Gilberto. Progresso. 113-30. 88p. set. p. Em torno de alguns túmulos afro-cristãos. 302p. Eduardo. fig. José Alipio./dez. 26) .

29) LIMA. encontros e a formação da igreja afro-brasileira . Cahiers du Brésil Contemporain. Anais do IV Congresso Afro-Brasileiro realizado em Recife. A invenção da África: Roger Bastide. In: Estudos Afro-Asiáticos. 60p. (31):124-47. Sudanic. Escola de Sociologia e Política. assimilação e luta de classes (nota prévia para reflexão epistemológica). Juarez (org. SindUte/Sinpro. Arnaldo (Orgs. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Ed. Carlos Eugênio Marcondes de (org. ELETA. Identidade e mudança na religiosidade latino-americana.). Roberto. Paula e NESTI. (5):179-86. Roberto. MOTTA. MULLER. In: Revista do Museu Paulista .). O sincretismo religioso: o ritual afro. 4. 24-32. vol. 1986. A Igreja e os Orixás. 1956. Rio de Janeiro: Centro de Estudos Afro-Asiáticos. 29/07 a 1º/08/82. In: MOURA. Minas Gerais. São Paulo.. Acontudá. Sincretismo. Portuguese syncretism in selected chants from Brazilian umbanda and candomble. Roberto. A modernidade do fetichismo: cientistas sociais. In: CIPRIANI. 1968. Friburg.Rio de Janeiro. Paris. 2000. Massangana. raízes setecentistas do sincretismo religioso afro-brasileiro. Cadernos Cândido Mendes. (Publ. exclusão e sincretismo. Bantu. Múltiplos olhares sobre educação e cultura. Roberto. da Com.). São Paulo: Ed. RJ: Vozes. Brasil. 1996. Diversidade cultural: inclusão.LAYTANO. São Paulo: Nobel. 84(416):363-83. maio de 1994. Anais do IV Congresso Afro-Brasileiro. Antonio Rubbo. p. 1988. 131 . Massangana. Outros escritos sobre a religião dos orixás. Indo-Afro-European syncretic cults in Brazil: their economic and social roots. Paula. reuniões. MEGENEY. MOURA. Tânia (org. Dante de. acomodação. In: ANTHROPOS. Porto Alegre: ed. MOTTA. Clóvis. 1982. Sincretismo Religioso: o ritual afro. Petrópolis.). 1996 MOTT. Bandeira de Alairá. MONTERO. (8-9):98-106. In: DAYRELL. Luiz Roberto de Barros. MOTTA. William W. Bandeira de Alairá: a festa de Xangô-São Jorge de problemas do sincretismo . Ritos caboclos no estado de São Paulo. 1996. In: LIMA. Encontro Nacional Afro-Brasileiro . Tânia (org. Edison Carneiro e os conceitos de memória coletiva e pureza Nagô.). 267-276. 1989. MOTTA. Roberto. 1983. Gaúcha de Folclore. Refice: FUNDAJ: Ed.

1979. branqueamento. 71(7). Os Tambores estão Frios: herança cultural e sincretismo religioso no ritual do candomblé. vol. PEREIRA. NODAL. jan. (publicada em 1998) PRANDI. Paz e Terra. umbanda. SANCHIS. Du syncrétisme a la synthese. Juiz de Fora. In: CAROSO. Sincretismo e Pastoral: o caso dos Agentes de Pastoral Negros no seu meio. Referências sociais das religiões afrobrasileiras: sincretismo. Jeferson (orgs. 4. jun. 4(8):151-67. Roma. Valdina Oliveira./jul. p.MUNANGA. A formação do sincretismo religioso no Brasil. 63(12):149-69. Revista de Cultura Vozes. Radici etniche e sincretismo religioso. ORTIZ. maio de 1994. Do sincretismo à síntese. Studi e Materiali di Storia Delle Religioni. Renato. Fragmentos de uma história de vida e levantamento histórico das origens do terreiro Tanuri Junçara . Dissertação de Mestrado apresentada na Universidade Federal de Juiz de Fora. In: ORTIZ. 1975. reafricanização. Jeferson 132 . africanização. Porto Alegre. branqueamento. Carlos & BACELAR. Kabengele. Roberto. Petrópolis/RJ: Vozes. MG. Porto Alegre. Anais do IV Congresso Afro-Brasileiro realizado em Recife. 1988. africanização. Carlos & BACELAR. 1996 PINTO. 1989. p. El sincretismo afro-católico en Cuba y Brasil. Petrópolis.). Edimilson de A. p. 91-108. Salvador: CEAO. 1977. José Reginaldo. 1996. In: CAROSO. In: Horizontes Antropológicos. (27):99-128. Referências sociais das religiões afro-brasileiras: sincretismo. 148-154. In: Estudos Ibero-Americanos. Massangana. Paris. In: Dédalo.). José Reginaldo. Rio de Janeiro. Pierre. Faces da tradição afro-brasileira: religiosidade. In: Archive de Sciences Sociales des Religions. São Paulo: MAE/USP. Dílson. In: LIMA. 5(2):207-18. In: Brasile. Rio de Janeiro: Pallas. PRANDI. ORTIZ. Tânia (Org. PASSOS JUNIOR. une religion brésilienne. Art africain et syncrétisme religieux au Brésil. Renato. Sincretismo Religioso: o ritual afro. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Ed. de 1988. Renato. In: Revista de Cultura Vozes. etnobotânica e comida. 1997. (consagrada à questão do sincretismo religioso). 1980. 82(1):57-78. A consciência fragmentada. Reginaldo. (40):89-97. PRANDI. práticas terapêuticas. 1999. 93-111. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia da USP.

Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Ed. In: Cadernos do ISER. Guerra santa no país do sincretismo. Garimpo e religião na Chapada Diamantina: um estudo da variante regional do sincretismo candomblé de caboclo/umbanda. 1976. reafricanização. VALENTE. vol. Tânia (org. Nacional. In: LIMA. Jeferson (orgs. reafricanização. 1996. do Prof. SENNA. Salvador: CEAO. etnobotânica e comida. 1999. 1973. set. Salvador. SOARES. maio de 1994. SILVA. Carlos & BACELAR. Faces da tradição afro-brasileira: religiosidade. Massangana. Reavaliação e atualidade dos cultos afro-brasileiros na Bahia. 149-57.. p. Rio de Janeiro: Pallas. 71(7):23-34. Rio de Janeiro. 24-25. etnobotânica e comida. 1990. 64:41-45. Reafricanização e Sincretismo: interpretações acadêmicas e experiências religiosas. 4. SANTOS. Waldemar. diversidade religiosa no Brasil. 1955. práticas terapêuticas. 134-136. Juana Elbein dos. Sincretismo religioso Afro-brasileiro. Comp. Ed. (23):75-104.). VERGER. 1955. Waldemar.(orgs. In: Recherche. 280). 1999. Maria Stella de Azevedo. Vagner Gonçalves da. série. Il sincretismo religioso afro-cattolico in Brazile.). 1977. Bologna: Nicola Zanidrelli. Sincretismo religioso afro-brasileiro. 1983. Pierre. SANTOS. ( Brasiliana. A percepção ideológica dos fenômenos religiosos: sistemas nagô no Brasil. Salvador: CEAO. 5. Paris. p. Faces da tradição afrobrasileira: religiosidade. 171-210. 2ª ed. Amaro Quintas. Rio de Janeiro: Pallas. In: Revista de Cultura Vozes. Pédagogie et Culture. São Paulo: Companhia Nacional. negritude versus sincretismo. Pref. práticas terapêuticas. In: CAROSO. SEPPILLI. vol. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal da Bahia. Tulio. Mariza de Carvalho. Religions afro-brésiliennes: syncrétisme. Anais do IV Congresso Afro-Brasileiro realizado em Recife. p. Sinais dos tempos.). VALENTE. Ronaldo Salles. 133 . Petrópolis(RJ): Vozes. Sincretismo Religioso: o ritual afro. 173p. São Paulo. In: Studi e Materiali di Storia delle Religioni.

Salvador: Liv. São Luiz: Secretariado do CEBs para o 9º intereclesial. BASTIDE. Subsídios para uma pastoral de cultos afrobrasileiros.. mar. Salvador: Secretaria de Educação e Saúde. São Benedito. (8): 363-70. 1997. C ULTURAS NEGRAS NO BRASIL 4. A igreja e a abolição: uma posição conservadora. Axé Madona Achiropita : presença da cultura afrobrasileira nas celebrações da Igreja de Nossa Senhora Achiropita. Hector e TAVARES. BASTIDE. Odorico.l. BASTIDE. (Publicações do Museu da Bahia). s. O atabaque na Igreja : a caminho da inculturação litúrgica em meios afro-brasileiros. Color. 92(2):312-27. 1973.6. 2002. BINA. 1967. 1951 il. 2001. Festa do Bonfim. Vida de São Benedito narrada para o homem de hoje. João da Silva. In: Cahiers Universitaires Catholiques. Paris. em S. São Paulo: Paulus. racism and Christianity. CINTRA.1. 1941. In: Cahiers Universitaires Catholiques. juin. A igreja católica em face da escravidão. Dissertação (Mestrado) – Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Valeriano. 160p. Raimundo. Gabriel Gonzaga. R ELIGIÕES 4.4. 1967. Couleur. (9):421-28. racisme et Christianisme: la ségrégration des couleurs chez les protestants. Rosângela. 6ª edição. Jaime. Roger. racisme et Christianisme. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. Cleusa M. BERNABÓ. São Paulo: Pulsar. Paris.1. CAMPOS. Atabaque. 2002. 1988. Missionários Sociamentinos. 134 . Mogi das Cruzes/SP: Editora e Gráfica Brasil. BARROS. Turista. Matos de. 1987. (44). BORGES. São Paulo: Centro Brasileiro de Fomento Cultural. Roger. Paulo. o santo negro. 141p. Catolicismo ALTOÉ. BALMES. Couleur. In: Dedalus Journal of Arts and Sciences. CEBs e religiosidade afro-brasileira. 1967. Procissões tradicionais da Bahia. Roger. Rio de Janeiro.

Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Ed. 1982. In: Année Sociologique. vol. Petrópolis: Editora Vozes. FRISOTTI. A. maio de 1994. senhora e mãe. 4. Liverpool: Liverpool University Press. A Igreja e os Negros (editorial). ano 6(26). Rio de Janeiro. 2001. FRAZIER. Bahia: Biblioteca Camboniana Afrobrasileira.DAVID. 85-111. DUARTE. 1996. saravá. América Latina negra e Teologia da Libertação. Sérgio Figueiredo. 118p. Enrique. Rita e SOUZA. Três ensaios: do Republicanismo nas Alagoas. Anais IV Congresso Afro-Brasileiro realizado em Recife. Massangana. In: SACHS. set. 90 p. In: OLIVIERI-GODET. In: LIMA. The negro church. Identidades e representações na cultura brasileira. A igreja e o racismo. São Paulo: Paulus. O negro e catolicismo popular. 1966. Salvador: Universidade da Bahia. DUSSEL. Heitor. 1987. FREYRE. São Salvador da Bahia: imagens e canção popular. FERRETTI. V. Rio de Janeiro: GRAAL. 66-75. p. FERNANDES. & ELIZONDO. Gíglio D. 1996. Passos no diálogo: igreja católica e religiões afrobrasileiras. Heitor. Brasil & EUA: religião e identidade nacional. Maceió: Departamento Estadual de Cultura. 76(5):5-24. 175-198. 1982. FELÍCIO. FRISOTTI. Episódios do contrabando de africanos nas Alagoas. FOLLMANN. Viola et al. 94(5):3-7. José I. João Pessoa: Idéia. s/d. Edward Franklin. (15):331. p. E. 1988. In: Revista Concilium. Edward Franklin. 202p. Lícia Soares de (orgs.). Gilberto. 1964. FRAZIER. The negro church. In: Caderno de Pesquisa . In: Revista de Cultura Vozes. Paris. Aparecida: nossa rainha. Ano 94. O ‘Ser Católico’: diferentes identidades religiosas . Petrópolis/RJ: Vozes. Sincretismo Religioso: o ritual afro. In: Comunicações do ISER. Racismo. DAVIES. Abelardo. Em torno de alguns túmulos afro-cristãos de uma área africana contagiada pela cultura brasileira. Comunidade Negra: evangelização e ecumenismo. In: Revista de Cultura Vozes. 2000. Petrópolis/RJ: Vozes. Tânia (org. DUSSEL. Os jesuítas nas Alagoas. Maria Lenilde Carneiro. il.). 135 . 1959.. Rubem Cesar.

O Negro no Brasil: Trabalhos apresentados ao 2º Congresso Afro-Brasileiro (Bahia). 218p. Zeno. Passos no diálogo: igreja católica e religiões afrobrasileiras. 1971.e. 8:129-73. 51-68. Vendelino. A evangelização do negro no período colonial brasileiro. 1993. Salvador. Rio de Janeiro.). Pe. São Paulo: Paulus. Rio de Janeiro. O culto do Senhor do Bonfim. Goiânia. 47:860-90. Rio de Janeiro. MOTT. 1973. 1920. 302p. In: Trabalho Livre e Trabalho Escravo. 1929. Anais Simpósio Estadual A Cultura Gravataense. José da Paz. Anais Simpósio Nacional dos Professores Universitários de História. Introdução e transcrição de Bartolomeu Homem d’El Rei Pinto. Melville Jean. A igreja e a escravidão do negro no Brasil. Rosa Egipcíaca: uma santa africana no Brasil. Francisco Xavier. In: Gravataí: do êxodo à composição étnica. E. dez. 1988. 1990. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. (46):159-63.. 1704 a agosto de 1707. A. Fragmentos. São Paulo: ANPUH. p. 1996. (orgs. Guardiões religiosos da Bahia: o culto do Senhor do Bonfim. 1940. 2 de julho de 1988. Heitor.. São Paulo: Loyola. 2:325-28. Francisco Xavier..l. 1990 (s. O papel da igreja sul-rio-grandense no processo de abolição da escravatura. MIRA. Deuses africanos e santos católicos nas crenças do Negro no Novo Mundo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 6. François Marie de. s. In: Anais Biblioteca Nacional.. set. In: Revista do Instituto Histórico e Geográfico da Bahia. 500 anos de cultura e evangelização brancas do ponto de vista das religiões afro-brasileiras. In: CARNEIRO. Luiz Roberto de Barros. Igreja e religião africana do candomblé no Brasil. 1983. Anais. MARQUES. João Manoel Lima.) LOPES. LIVRO de batismo dos pretos pertencentes a paróquia de Irajá. Tóquio. 136 . In: Revista Eclesiástica Brasileira (REB). 1988. Helena Theodoro. Salvador. A presença de escravos negros em uma corporação religiosa mineira durante os séculos XVIII e XIX. (55):375-82. L’ESPINAY. Gravataí: Secretaria Municipal de Educação e Cultura. p. HERSKOVITS. LORSCHEITER. e FERRAZ. LOPES. MARQUES.FRIZOTTI. 177-81. 5 a 12 set. HASTENTEUFEL. In: Revista do Instituto Histórico e Geográfico da Bahia. 1987.

José Geraldo da. (326):311-26. jul/set. Rio de Janeiro. In: Cadernos de Pesquisa . 1988. 47(3):111-8. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos AfroAsiáticos. SANT’ANA. RIBEIRO. Cultura afro-brasileira.. Dissertação de Mestrado apresentada ao Departamento de Antropologia da UFMG. In: FLORES. 1952. Encontro Nacional Afro-Brasileiro . Santa Maria: Pallotti. René. São Paulo: Loyola. ROCHA. Antônio Aparecido. São Paulo. Marcos Rodrigues da. In: Cadernos Brasileiros. Negros Católicos ou Catolicisno Negro? – Um estudo sobre a construção da identidade negra no Congado Mineiro. (Orgs. São Paulo. A comunidade negra de Bom Jesus: um estudo. 1). 1978. In: Estudos Afro-Asiáticos. Africanos. 4(1):5-20. São Paulo. Igreja Cristã e consciência negra: confronto ou identificação. 2000. Edir. In: Folclore. Festa de São Benedito em Aparecida. 27(164):11-9. 1980. SILVA. (23):13-26. Encontro e solidariedade: Igreja Católica e Religiões Afro-Brasileiras no período de 1955 a 1995. Carlos Benedito Rodrigues da. SILVA./mar. Porto Alegre: Escola Superior de Teologia São Lourenço dos Brindes. 1999. Teologia e Negritude. In: O pensamento negro em educação no Brasil. Belo Horizonte. In: Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. seus descendentes e catolicismo no Brasil. mai/jun 1968. SOUSA. Igrejas e cultos no Brasil. (Coleção Porto dos Casais.). 1998. (8-9):130-2. Um grupo de moçambique de Aparecida do Norte. 1(4):5-31. Rubens Alves da.OLIVEIRA. A Igreja e o movimento abolicionista. 1980 REIS. jan. João Alfredo Corrêa de. RIBEIRO. 1997. 1959.. In: Revista do Arquivo Municipal.Rio de Janeiro. RIBEIRO. Maria de Lourdes Borges. 29/07 a 1º/08/82. René. Rio de Janeiro. 64p. São Carlos: UFSCar. 1998. 137 . O pensamento dos Agentes de Pastoral Negros no movimento social. In: Revista de Antropologia. Antônio Olímpio de. Maria de Lourdes Borges. Moacyr (org. Existe um pensar teológico negro? São Paulo: Paulinas. SILVA. 1983. SILVA. RIBEIRO.). Vilson Caetano de e SOARES. Rubem. O que fez a Igreja no Brasil pelo escravo africano. São Luís.

A igreja e a abolição. 1994. Marina de Mello e.Rio de Janeiro. In: Alma e Corpo da Bahia. 12(139). Reflexões sobre a consciência negra na Igreja católica. Ana Lúcia Eduardo Farah. VALENTE. 193. Encontro Nacional Afro-Brasileiro . 1933. (33):65-73. O Espaço Concedido. O Negro e a Igreja Católica: o espaço concedido. Revista do Departamento de História da UFF. O Negro e a Igreja Católica. TERRA. São Paulo: Loyola. Um Espaço Reivindicado. 160p. VALENTE. Mãe negra de um povo mestiço: devoção a Nossa Senhora Aparecida e identidade nacional. (8-9):119-26. In: Estudos Afro-Asiáticos. In: Revista Humanidades. TOURINHO. WERNET. João Evangelista Martins. São Paulo: SBPH. O negro e a Igreja . As devassas eclesiásticas da Arquidiocese de Mariana. 1989. 6(11). Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. In: Tempo. 292p. fonte primária para a história das mentalidades.. João José do Nascimento. 138 . SOUZA. SOUZA. 29/07 a 1º/08/82. Leitura. São Paulo. SOUZA. 1996. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos AfroAsiáticos. de.. p. São Paulo. p.SOUZA. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia. 47-51. 2001. São Paulo. In: Estudos Afro-Asiáticos. Campo Grande-MS. 1989. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Nossa Senhora Aparecida e identidade nacional do Brasil . 1953. Augustin. In: Anais do Museu Paulista . 1984. (29):85-102.O. Eduardo. Laura de Mello e. Ana Lúcia Eduardo Farah. 309-14. Ana Lúcia Eduardo Farah. Rio de Janeiro: José Olympio. Júlia Beatriz Almeida. Rio de Janeiro: Sette Letras. nº 17. 1984. Santo Antônio de Nó-de-pinho e o catolicismo afro-brasileiro. VALENTE. In: D. In: Anais VIII Reunião Anual da SBPH. jul. dez. Festa do Bonfim. Juliana Beatriz A. SOUZA. Brasília: UnB. Uma pastoral contra o racismo. um espaço reivindicado. 1988.

De segunda a domingo. Mundicarmo Maria Rocha. 2001. São Luís: SIOGE. FERRETTI. Bruxaria. Mundicarmo Maria Rocha. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Religião e Magia no Terecô de Codó (MA). Vodum FERREIRA. etnobotânica e comida. In: Cadernos de Pesquisa . 1993 FERRETTI. Sérgio Figueiredo.7. Jeferson (orgs. p. estudio sobre el sincretismo afro-indígena en cultos brasileños. magia e feitiçaria no Tambor de Mina do Maranhão. São Luís. São Luís. 7(30):44-51. 37-47. 1985. como resposta às aflições. FERRETTI. 1988. São Luís: SECMA. Mundicarmo Maria Rocha. In: MONTALBAN. Gráfica Editora Alcântara Ltda. São Luís: SIOGE. Rio de Janeiro. In: Comunicações do ISER. Caracas. R ELIGIÕES 4. FERRETTI. FERRETTI. (19):161-7. FERRETTI. Mundicarmo Maria Rocha. 1991. Mina. Mundicarmo Maria Rocha. Mundicarmo Maria Rocha. 64p. 1988. FERRETTI. Rio de Janeiro: Pallas. Faces da tradição afro-brasileira: religiosidade. Euclides Menezes. oráculos. São Luís.4. 1999. Orishas e Voduns em cânticos associados. O Caboclo no tambor de mina e na dinâmica de um terreiro de São Luís: a casa de fanti-ashanti. In: CAROSO. etnografia de um mercado coberto. Mundicarmo Maria Rocha. uma religião de origem africana. 62p. Mundicarmo. C ULTURAS NEGRAS NO BRASIL 4.. 340p. Carlos & BACELAR. Terra de caboblo. La integración del caboclo en el tambor de mina y el impacto del candomblé sobre la linea de la selva . 139 . FERRETTI. 1994. São Paulo. 4(1):3958.. Mundicarmo Maria Rocha. Desceu na guma.1. Encantaria de Barba Soeira : Codó. FERRETTI. SIOGE. Salvador: CEAO.). 1984. capital da magia negra? São Paulo: Siciliano.1. Mina. FERRETTI. Religião afro-brasileira. 1987. reafricanização. uma religião de origem africana. Tese de Doutorado apresentada ao Departamento de Antropologia da Faculdade de Filosofia. práticas terapêuticas. 1985.

Querebentan de Zomadonu: etnografia da Casa de Minas. Rigoberto González. (25):38-41. In: MOURA. Negro Brasileiro Negro. 155p. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional do Ministério da Cultura. 2000. In: Atlântico. 2000. Casa das Minas . FERRETTI. Sérgio Figueiredo. GARCÍA. 1917.). Sérgio Figueiredo. São Luís: VCR Produções e Publicidades. dez.. 1987. Paris: UNESCO. FERRETTI.l. FERRETTI. In: Comunicações do ISER. FERRETTI. p. Orixás e voduns nos terreiros de Mina. (33):110-116. LIMA. Voduns da Casa das Minas. 1979. (coord.d. In: Del Caribe. 176-200. 59p. (coord. FERRETTI. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Basile Goudabla. Edmundo Corrêa. (5):78-82. KLIGUEH. escritos sobre a religião dos orixás. 24-8 de junho de 1985. Joila. 31) FERRETTI. 1985. Lisboa. Querebentam de zomadonu: um estudo de antropologia da religião na casa das Minas. el rey de los espíritus . As sobrevivências das tradições religiosas africanas nas Caraíbas e na América Latina. s. 1989. Meu sinal está no teu corpo. 187p.FERRETTI. Rio de Janeiro. 4(17):59-72. In: Del Caribe. Santiago de Cuba. Nova Série. Tata Kueyre Nkisi. Rio de Janeiro: FUNARTE. s. 1983. LOPES.. 1995.). São Paulo: EDICON/EDUSP. Carlos Eugênio Marcondes de (org. Religiões de origens africanas no Maranhão. Santiago de Cuba. Roldão (coord. (33):10-18. 1997. Sérgio Figueredo. 156-72. Valdelino.Religião popular e mudança. Sérgio Figueiredo. 288p. MORAES.). São Luís: Editora Universidade Federal do Maranhão.). CECIO. Sergio Figueredo. Sérgio Figueiredo. Natal. OLIVEIRA. FERRETTI. Jorge Itaci. 1981. Tambor de crioula.). Sérgio Figueiredo. p. 140 . Anais do Encontro de São Luís do Maranhão. In: SANTOS. 1986. Tambor de crioula: ritual e espetáculo. Tambor de crioula: ritual e espetáculo. (Cadernos de Folclore. São Paulo: SECMA. Sérgio Figueredo. Casa das Minas jeje no Maranhão. Sérgio Figueiredo. In: UNESCO. São Paulo: SECMA. A propósito da Casa de Minas. Religión tradicional africana: el caso del vodú. Joel Rufino dos (org. FERRETTI.

1999. VERGER. Salvador: Centro de Estudos Afro-Orientais e do Programa de PósGraduação em História da UFBA. PEREIRA. 2ª ed.PEREIRA. 4(1):135-43. Luiz do Maranhão par la mère du roi Ghezo?. Pierre. 2001. São Paulo: EDUSP. Brasil. In: Cadernos de Pesquisa . In: Les AfroAméricains. no Brasil. Reginaldo. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Antropologia e Etnologia. Nunes. Encantaria brasileira – o livro dos mestres. Nunes. Dakar: IFAN. Maria do Rosário Carvalho. 1947. 2000. A Casa das Minas: contribuições ao estudo das sobrevivências do culto dos voduns. A Casa de Minas. Pierre Fatumbi.). 2ª edição. 1997(19/20):109-133. Pierre Fatumbi. e na Antiga Costa dos Escravos. terreiros de São Luís. Boboromina. Petrópolis: Vozes. na África. VERGER. José Reginaldo (org. Notas sobre o culto aos orixás e voduns. 245p. PRANDI. In: Afro-Ásia. Nas pegadas dos voduns. Rio de Janeiro: Pallas. São Luís: SECMA/SIOGE. SANTOS NETO. SANTOS NETO. 159p. 1952. Le culte des vodouns d’Aboumey aurait-il eté apporté à S. 141 . Apontamentos acerca da evolução da mina no Maranhão. Mémoires de L’Institut Français D’Afrique Noire. 1957]. do Panteão Daomeano. uma interpretação sóciocultural. Contribuição ao estudo das sobrevivências daomeianas no Brasil. 1989. São Paulo: EDUSP. caboclos e encantados. PRANDI. Notas sobre o culto dos Orixás e Voduns na Bahia de Todos os Santos. Manoel dos e SANTOS. [1ª ed. 1979. VERGER. (27):157-60. no Estado do Maranhão. 1988. Maria do Rosário Carvalho. São Luís. Manoel dos e SANTOS.

1997. São Paulo: Paulus. O ideal mediúnico no Recife: um estudo de sociologia do conhecimento. São Paulo: Livraria Martins. Ismael (Org. p. 37-47. 90p. Tradição e modernidade. jan/jun. AMARAL. 257p. In: CAVALCANTE. Edna. 15(1/2):63-79. USP. Como compreendo a religião negra. 1939. 1989. São ASSUNÇÃO. 1998.8. 295p. Rita. ANDRADE. Recife. In: Habitat. p. Wolmir (org. PORDEUS JÚNIOR. Mário de. In: SEIVA.4. 1988.13. AMADO. 1(5):42-5. AMADO. 1977. In: REVISTA DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA. Comunidades negras e evangelização no Brasil: Assimilação ou reinterpretação? In: Comunidade Negra: desafios atuais e perspectivas. A coleção etnográfica de cultura religiosa afro-brasileira do Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo . Alceu Maynard de. ACQUAVIVA. v. (10):. Teologia negra. Fortaleza: Edições UFC. promessas. Claudio.1. 80p. Outros ACEVEDO. Recife: Editora Produções Alternativas.1.). 1963. R ELIGIÕES 4. 1989. Antônio Mourão. Wolmir. 2ª. 1996. Goiânia(GO). Luiz Carvalho de. São Paulo: Edições Loyola. 55-63. 4(1). São Paulo: Aquarius. (Obras completas de Mário de Andrade. Ex-votos e Paulo. Negros do Trombetas: guardiães de matas e rios. C ULTURAS NEGRAS NO BRASIL 4.ed. ALBUQUERQUE. Ezequiel Luíz. Roberto Oliveira de. Vodu: religião e magia negra no Haiti e no Brasil. 1951. 98p. São Paulo: Atabaque. 2001 ANDRADE.). O culto de Jurema: cura e proteção no reinado dos mestres. Inaldete Pinheiro de. In: ESTUDOS. ARAÚJO. AGUIAR. A religião e o negro no Brasil. Música de feitiçaria no Brasil.). Américo. Atabaque. 1995. 1977. São Paulo. Pai Adão era nagô. Rosa e CASTRO. ANDRADE. Bahia. Belém: Cejup/UFBA-NAEA. 142 . Teologia afro-americana.

São Paulo: Paulus. BARRETO. Zé Pelintra. 214p. O conceito de comunidade em Juana Elbein dos Santos. BASCOM. Indianapolis: Indiana University. Paulo. 362p. Sinais dos tempos. São Luiz: Fundação Cultural do Maranhão. (25):43-49. jan/fev 1985. 1988. In: Revists Múltipla. AZEVEDO. Joel Rufino dos (org. As religiões no Rio. In: Perspectiva S. J. Brasília. Sulivan Charles. BARRETO. 1997. 1971 BARBOSA. 150p. Maria Amália Pereira. 24 jul. II Consulta ecumênica de teologia e culturas afro americanas e caribenhas. In: SANTOS. (7):41-48.Atabaque-ASETT.. José Flávio Pessoa de. 1991. 102p. São Paulo. BARROS. Université de Paris. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Ed. AUGRAS. Dissertação de Mestrado apresentada ao Departamento de História. O Estado de S. ICH-UnB.4.l. 6(9):39-80.. Maria Amália Pereira. Teologia afro-americana e caribenha.5-8. étude comparative entre deux courants religieux dans le nordeste brésilien. Seitas afro-brasileiras e depredação da natureza. ano V.d. Paris. BARRETO. João dos Santos. Negro Brasilerio Negro. dez. 1977 BARRETO. 1989. O medo do feitiço: relações entre magia e poder em Codó/MA. Cultos afro-brasileiros: o problema da clientela. s. 1997. Monique. José Carlos.. 241p. Roger. Paulo. BASTIDE. Carlos Alberto. Maria Amália Pereira.). p. tradições religiosas no Brasil. Pretos e brancos II: o contato religioso. c. São Paulo. 4(1): 40-2. 2000. 1938. Voyages entre corps et esprits. São Paulo. Simões. 143 . Protestantismo e escravidão no Brasil -império. Recife: UFPe/Instituto de Ciência Políticas e Sociais. AUBREE. Mitos e ritos nos grupos de culto afrobrasileiros. William. As religiões no Rio. 1951. (22):87-106. 1984. BARRETO. 154p. patrono da malandragem. Os voduns do Maranhão. Rio de Janeiro: Organizações BARROS. Ifa divination: communication between gods and men in West Africa. M. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional do Ministério da Cultura. In: PAU-BRASIL. s. In: Cadernos do ISER. 1951. Garnier..

1989. 6(36-37):32-41. p. Roger. 1945. Rio de Janeiro: Empresa Gráfica O Cruzeiro. p. In: Archives de Sciences Sociales des Religions. BASTIDE. Um esboço de uma sociologia do transe místico. 223-323. mar. São Paulo. BASTIDE. In: Casa de Las Américas. Roger. As religiões africanas no Brasil. Jacqueline. Roger. 2v. São Paulo: Instituto Hans Staden. As religiões africanas no Brasil. São Paulo: Ed. . La Habana. Roger. São Paulo: Difusão Européia do Livro/EDUSP. Roger.. São Paulo: Perspectiva. Anthropos. 1983. p. c. Introduction à l’étude de quelques complexes afrobrésiliens. In: ANHEMBI. 1967. In: Estudos Afro-Brasileiros. Roger. BASTIDE. In: Cahiers Universitaires Catholiques. São Paulo: EDUSP. 154(3):29-60. Die kulturelle anspassung des brasilianischen negers. Cavalos de Santo (esboço de uma sociologia do transe místico). 1971. Ambivalence et culte de possession. 24(77): 228-43. BASTIDE. In: Boletim da FFCL/USP. Roger. Haiti. 144 . Estruturas sociais e religiões afro-brasileiras.BASTIDE. In: MONFOUCA-NICOLAS. Contributions à une sociologie des religions en Amérique Latine. 1 jul. Couleur. Roger. BASTIDE. BASTIDE. 1966. 1953. In: Staden-Jahrbuch. 7 BASTIDE. A casa das minas. 1973. 1974. BASTIDE. BASTIDE. 1972. Cavalos dos santos. Cuba. 3ª ed.8-9. abr. In: O Estado de S. BASTIDE. As Religiões Africanas no Brasil: Contribuições a uma Sociologia das Interpretações de Civilizações. Imagens do nordeste místico em branco e preto . Roger. Roger. Roger. São Paulo. Roger. Paris. mai/jun 1948. BASTIDE. BASTIDE. (8):363-70. 1953. 1947. Bulletin du Bureau D’ethnologie. As Américas negras: as civilizações africanas no Novo Mundo. p. 9-19. Roger. Paris. BASTIDE. Roger. BASTIDE. 100-04. Contribuição a uma Sociologia das interpretações de civilizações. Pioneira/EDUSP. (35):139-50. mai/ago. África en Brasil. racisme et Christianisme. São Paulo. 1947. Sociologia I. 1972. São Paulo: Pioneira. Paulo. 2(5). Paris. Roger.

d. L’Islam noir au Brésil. 1027-50. BASTIDE. BASTIDE. Roger.. Roger. Le sacré Sauvage et autre essais.1950. Mythologies africaines. BASTIDE. Roger. BASTIDE. 9-29. Le rêve. In: Présence Africaine. Le messianisme chez les noirs du Brésil. In: Mélanges D‘Histoire des Religions. Roger. 1963. 17-30. In: ZAHAN (ed. Les cultes afro-américains. p.BASTIDE. nº 12.2-4. 263-67. La théorie de la réincarnation chez les afroaméricaines. p. 1975. 1976. In: BASTIDE. pp. Négritude et intégration nationale: la classe moyenne de couleur devant les religions afro-brésiliennes. Roger. 1944. c. p. 7-13. (17)19-23. 3º e 4º trim. In: São Paulo. Paris: Flammarion./sept. Roger. 578p. p. p. (Texto inédito). L’afrique Paienne Et Juive. Price-Mars et le Voudou Haitien. 1972. Paris. La rencontre des dieux africaines et des esprits indiens. (39):373-82. BASTIDE. Paris. Roger. BASTIDE. Roger. (26):154-64. O Brasil mágico. Paris: Payot.. In: Le Monde Non-Chrétien. Les Christ noirs (Prefácio). (40)32-42. nº 26. (15):301-08. Vendôme. Roger. In: Présence Africaine. la transe et la folie. France: Lezay. BASTIDE. p. dat. Histoire des Religions III. BASTIDE. BASTIDE. s. Roger. 263p. In: Le Monde Religieux. p. Réincarnation et vie mystique en Afrique noire. 145 . 1972. s. In: Afro-Ásia. Faragnad. Paris. Paris. BASTIDE. In: Mythologies Des Montagnes. Salvador. jan/mar. Paris. In: Mélsnges Offerts. In: Encyclopedie De La Pléiade. s. 1957. Paris. Note sur les religions africaines en Amérique du Sud. Roger. Roger. 4. Roger.c. 214-36. Paris: PUF. 5p. 45-50. 1976. L’Home africain à travers sa religion traditionelle. 1969..p. In: Hésperis. Diário de São Paulo. BASTIDE.). Note complémentaire sur le prophétisme en Côte d’Ivoire et Ghana. Secren. 1969. Les religions africaines au Brésil. BASTIDE. BASTIDE. 25 ago. Roger. des Forêts et des Iles. 1952. La burrinha africaine made in Brazil. Roger. 1962. jul. Paris: PUF. BASTIDE. Paris: PUF. Roger. Larousse: Paris.d. 1965. BASTIDE. Roger.

In: Mélanges d’histoire des Religions: offerte à Henri Charles Puech. mai. Salvador: Centro de Estudos Afro-Orientais da UFBa. BEYLIER. BERRAGUE. In: GRABENER. 14959.). BASTIDE. 42p. p. 585-589. In: LUZ. BASTIDE. Instituto de Estudos Brasileiros. Fazer estilo criando gêneros: estudo sobre a construção religiosa e da diferença de gêneros em terreiros da Baixada Fluminense. 1979. Jean C. 1944-5. Structures sociales et religions afro-brésiliennes. 20-30. 1989. Roger.. Bahia. 1974. New York. Wilson de Lima. II e III. 1945. p. 1947. Religion und marginalitat des negers in Lateinamerika. 1988. 14-27. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro. BASTOS. abr. Roger. vol 30. mai. Klassengesellschaft und rassismus. In: Boletim do Instituto de Sociologia. In: BASTIDE. Rio de Janeiro.. In: Renaissance. vol. Sandra Maria. In: Afro-Ásia.(4):436-46. G. pp. O sonho. Marco Aurélio (org. (Arquivos de Folclore. (12). p. Rio de Janeiro. Bertelsmann Universitatsverlag. BASTIDE. Formas religiosas mediúnicas como fator de integração. 1971. Roger. BEZERRA. 1977. 1976. Une secte dahoméenne à Porto Novo: Le Yehoviesme. São Paulo. São Paulo. p. In: Revista Brasileira do Folclore. Bielefeld. nº 2-3. In: Ciência e Cultura. 25-32. ontem e hoje. o transe e a loucura Trad. Paris: PUF. Réflexions sans titre autour d’une des formes de la spiritualité africaine. 13-29. Roger. Charles. Roger. Structures sociales et religions afro-brésiliennes. Correntes regionais e nacionais na música do Candomblé baiano. Lucia Coelho. 1978. Patrícia.1958. Paris. 146 . Rio de Janeiro: Embrafilme. Salvador/BA: Ianamá. Roger. Sonho dos negros. 1982. Felte. Vendôme. p. Jurgen. Mito e metamorfose das mães nagô: o negro no cinema brasileiro . 1972. In: Filme e Cultura. Algumas reflexões sobre a religião afrobrasileira. Edit.BASTIDE. 916. Figuras presentes em cultos afro-brasileiros. BASTIDE. fev. BIRMAN. Juiz de Fora: Centro de Estudos Sociológicso de Juiz de Fora. BISPO. 5) BERNADET. In: RENAISSANCE. p. BASTIDE. 1ª Parte: O sonho. 17-18./mai./ago. Roger Bastide. In: Présence Africaine. 12(33):101-13. Roger. Identidade negra e educação.

p. BRITO. Anthropos. CABRERA.). Ancestralidade Afro-Brasileira: o culto de Babá Egun. 13(3): 128-56. Rio de Janeiro. Antenor Bezerra Leite de. Salvador: EDUFBA/Anamá. Giovanni (frei). Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia. . Júlio Santana. Tese (Livre Docência) – Pontifícia Univesidade Católica do Rio Grande do Sul. Cosmovisão Africana: fundamentos filosóficosreligiosos para o homem do ano 2000. Júlio Santana (org. Salvador: Editora CEAO em co-edição com Anamá. 1908. 11-28. O dono de ewe (o luwa-ewe). O festim dos bruxos. Viene. 1982. 4. BRASIL. São Paulo: Ateliê Editorial. Campinas: UNICAMP. p. 82p. 1995. La secte musulmane des Malês du Brésil. Júlio Santana. 1987. 1909. 1911. In: Anthropos. São Paulo: Ícone. 2ª ed. Ancestralidade Afro-Brasileira. In: Religião e Sociedade. 170p. In: Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. 1985. BRAGA. In: BRAGA. 1992. um estudo sobre a religião popular. 1990. 1974. estudos sobre a religião no Brasil. 1979. Etienne Ignace. Le fetichisme des nègres du Brésil.). (3):881-904. BRANDÃO. Salvador: EGBA/UFBa. relações sociais e simbólicas na pratica do curandeirismo no Brasil. Religião e Cidadania. 1732. 74(2):195-260. 100p. Memória do sagrado.). 1986. O festim dos bruxos. BRANDÃO. nov. Os deuses de Itapira. et leur revolte en 1835. Recife: UFPe. In: MOURA. Viene. 1990. Salvador: BRAGA. Leopardo dos olhos de fogo: escritos sobre a religião dos orixás. Religião e Cidadania. Carlos Rodrigues. Escatologia nos cultos afro-brasileiros. BRANDÃO. Carlos Eugênio Marcondes de (org. Etienne Ignace. Porto Alegre. Júlio Santana. BRAGA. Carlos Rodrigues. BRAGA. Rio de Janeiro. VI. Ancestralidade afro abrasileira: o culto de Babá Egun. 1998 147 .BOZIC. Lydia. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. BRASIL. Etienne Ignace. BRASIL. O fetichismo dos negros do Brasil. Carlos Rodrigues. Júlio (org. São Paulo: Edições Paulinas. BRANDÃO. estudo de religião e ritual. 234p. Carlos Rodrigues. São Paulo. EGBA/UFBa.

In: Afro-Ásia.). Rio de Janeiro: Centro de Estudos AfroAsiáticos. (M. Antonio Joaquim de Souza. Carlos Eugênio Marcondes de (org. Andrea. Costumes e crenças dos afro-baianos. 1992. São Paulo. In: Revista do Instituto de Estudos Brasileiros.81-95. reafricanização. Juvenal Silva. Maria Thereza Lemos de Arruda. 64-72. p. In: MOURA. práticas terapêuticas. CÂMARA. Maria Tereza Lemos de Almeida. 1999. 2001. etnobotânica e comida. out/dez 1949. 1988. espíritos e outros bichos. Evandro Morais. jan. Carlos & BACELAR. 12(1):23-47. (31). São Paulo: Almed. Nacional. Bruxas. CAPONE. 1988. jul. Notas sobre os rituais de morte na sociedade escravista. Stefania. CAMPOS.) –Central Michigan University. Meu sinal está no teu corpo: escritos sobre a religião dos orixás. Belo Horizonte: Mazza. Uma religião para o futuro: a rede transnacional dos cultos afro-americanos. CAMARGO. Edson Lopes. 1999.CALAINHO. CARNEIRO. 11(4):433-49. In: CAROSO. 6:109-122. São Paulo: Cia Ed. Adalgisa Arantes./jun. 1990. Salvador: Centro de Estudos Afro-Orientais e do Programa de Pós-Graduação em História da UFBA. Evandro de Morais. 1989. 74p. 1984. CÂMARA. CAMPOS. Mirra. CARDOSO. Mitos africanos no Brasil: ciência do folklore. In: Sociologia. 127p. A. Maria Thereza Lemos de Arruda. In: Estudos Afro-Asiáticos. Daniela Buono. p. FAFICH/UFMG. Salvador: CEAO. In: Ciência & Trópico.). 1983. (36):57-72. 506 p. Religion and physical mobility : black acculturative differences in Brazil and the United States. Michigan University. incenso e estoraque nos cultos afro-brasileiros. Jambacousses e Gangazambes: feiticeiros negros em Portugal . Belo Horizonte. As plantas condimentícias nas comidas rituais de cultos afro-brasileiros. Faces da tradição afro-brasileira: religiosidade. Cadernos Cândido Mendes. Rio de Janeiro: Pallas. São Paulo: EDICON/EDUSP. 257-88. CAPRARA. 148 . Jeferson (orgs. Polissemia e multivacalidade da epilepsia na cultura afro-brasileira. 1937. In: Revista do Departamento de História. São Paulo. CAMARGO. (25-26):141-176. CAMARGO. Religions and social struture: a comparative analysis of African religious survivals in Brazil and United States. Plantas medicinais e de rituais afro-brasileiros I.

1937. Brazil. Vitória. Faces da tradição afrobrasileira: religiosidade. XXI reunião Brasileira de Antropologia. Alejandro. In: Atas II Congresso Afro-Brasileiro. 1999. Jeferson (orgs. Édison de Souza.. Bahia 1940. reafricanização. 96p. CARNEIRO. 1936. Odô Iya. In: Problemas.. RODRIGUES. New York. Negro bantus: notas de etnografia religiosa e de folklore. Carlos (e outros).). Religiões negras. 53(210):271-278. 61-8. 1965. Religiões negras: notas de etnografia religiosa. 1940. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. Édison de Souza. Uma revisão na ethnografia religiosa afrobrasileira. Carlos. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira. In: CURARE. CARNEIRO. 27/04/2001. CARNEIRO. 1997. Dinâmica do folclore. Coluna Opinião. p. 2ª ed. Édison de Souza. 1988. In: Journal of American Folklore. ELETA. ago 1937 / tb. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. Tornar-se outro: o processo de conversão às religiões afro-brasileiras em Buenos Aires. Édison de Souza. CAROSO. CAROSO. CAROSO. Surra de Caboclo. 2ªed. Édison de Souza.CARNEIRO. Paula e NESTI. Brasília: INL. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 239p. The Structure of African cults in Bahia. WWB. CARNEIRO. Édison de Souza. CARNEIRO. Berlim. Negros bantos: notas de etnografia religiosa e de folclore. CARNEIRO. 12. Salvador: UFBA/Centro de Estudos Afro-Orientais. Carlos e BACELAR. vol. possessão ou loucura? Terapia religiosa afrobrasileira e proteção da rotulação e estigmatização. São Paulo. out/dez 1940. Arnaldo 149 . Naomar. 346p. Édison de Sousa. Salvador: CEAO. CAROZZI. 1980. In: CIPRIANI. Édison de Souza. Roberto. CARNEIRO. Sueli. María Julia e FRIGERIO. Ursa Maior. Notas de Etnographia religiosa. 1981. 187p. O negro no Brasil. Jornal Correio Brasiliense. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. CARNEIRO. Núbia e ALMEIDA-FILHO. When healing is prevention: Afro-Brazilian religious practices related to mental disordes and associated stigma in Bahia. 190p. Rio de Janeiro: Pallas. práticas terapêuticas. etnobotânica e comida. 1981. 1(1):48-53. Religiões negras e negros Bantos.

Pelourinho: desenhos. Petrópolis. José Jorge de. Dissertação de Mestrado . Salvador: Progresso. Colaboração antropológica e lingüística nos estudos afro-brasileiros . José Jorge de. Yeda Pessoa de. Violência e caos na experiência religiosa . Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes -Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Rio de Janeiro: Pallas. 1988 (Série Antropologia. RJ: Vozes. 14 (2)36-61. In: Montalban. CARVALHO. Que crime é ser cismático? As transgressões de um pastor negro no Recife patriarcal. Damião em Portugal e no Brasil. CASTRO. Salvador: Progresso. Studies of Afro-Brazilian cults: a critical and historical review of the main trends of thought. (não paginada). 467p. CARVALHO. (36):97-122. 42p. 15(1):8-33. FFLCH. 1955. Caracas. Silvia M. 60 anos de iniciação. 2000. 1983. p. Brasília: UnB. (20):67-93. 163p. Cleo e LODY. S. 1978. O culto de S. XXVI:39-52. Luís da Câmara. Augusto da Silva. Identidade e mudança na religiosidade latino-americana. Rampa do Mercado: 20 desenhos de Carybé.). La fuerza de la nostalgía: el concepto del tiempo histórico en los cultos afro-brasileños tradicionales. Faraimará – O caçador traz alegria. de. 1928. José Jorge de. A força da nostalgia: a concepção de tempo dos cultos afro-brasileiros tradicionais. In: MARTINS. In: Religião e Sociedade. CARYBÉ. Mãe Stella. A força da nostalgia: a concepção de tempo dos cultos afro-brasileiros tradicionais. CASCUDO. Raul (orgs. apresentada na The Queen’s University of Belfast. 1987. Cosme e S. (Série Antropologia. Rio de Janeiro. Brasília: UnB. Belfast. mar. São Paulo: USP. José Jorge de. CARVALHO. CARVALHO. [Hector Barnabó]. 150 . M. 1987. Violência e caos na experiência religiosa.).Social Antrhpologie. Rio de Janeiro: José Olympio. Coimbra: Impr. José Jorge de. 1999. n. Geografia dos mitos brasileiros. [Hector Barnabó]. 1990. In: Estudos Afro-Asiáticos. 1947. 291-318. 59) CARVALHO. Marcos J.(Orgs. 1999. CARVALHO. 329p. nº 36. José Jorge de. 1955. CARVALHO. CARYBÉ. 1988. CARVALHO. Rio de Janeiro. da Universidade. 81-97. A cerâmica e os rituais antropofágicos I : n Revista de Antropologia.p. In: Religião e Sociedade. 74) CARVALHO.

Campus. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro. pp. 2000.CASTRO. 1934. O espiritismo. Repensando Bastide. T. 1985. 43-54. Sinais dos tempos: diversidade religiosa no Brasil. Josildeth Gomes & COSTA. 1971. CAVALCANTI.). Estudos afro-brasileiros. 1983. 1935. CAVALCANTI. Márcia Regina (orgs.. Rio de Janeiro: ISER. Rio de Janeiro: Ed. Religião. 1984. Perspectiva antropológica da religiosidade do povo. cultos novos e outros pouco conhecidos.p. 1990 CAVALCANTI. Petrópolis. sistema ritual e noção de pessoa no espiritismo. CONSORTE. algumas questões presentes em As religiões africanas no Brasil . Arnaldo (Orgs. As seitas africanas do Recife. CIPRIANI. RJ: Vozes. 143p. sistema ritual e noção de pessoa no espiritismo. As religiões de origem africana no Brasil. Projeto História dos Terreiros. In: Revista Religião e Sociedade. São Paulo: Cortez. 202p. A. CONSORTE. I. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Fedral da Bahia. São Luís. O mundo invisível: cosmologia. CAVALCANTI. Salvador. Rio de Janeiro. Maria Laura Viveiros de Castro. origens. CONSORTE... s. Identidade e mudança na religiosidade latino-americana. In: LANDIM. Centro da Referência Negromestiça. Rio de Janeiro: Zahar. In: Ciências Sociais Hoje . Recife. Josildeth Gomes. 151 . CONSTANTINO. (23):147-155. dez. São Paulo. Maria Laura Viveiros de Castro. Josildeth Gomes. pp. 1988. Terminologia religiosa e falar cotidiano de um grupo de culto afro-brasileiro. Pedro. 223-31. 24 a 28 de junho de 1985. documentos da reunião de peritos sobre As sobrevivências das tradições religiosas africanas nas Caraíbas e na América Latina . Roberto. À espera do Salvador. 1989. 173-96. São Paulo: Edições Paulinas. São Paulo: Editora da PUC-SP. In: Culturas africanas.d. Identidade. Paris: UNESCO.). 1984. ELETA. Maria Laura Viveiros de Castro. (12/3):20-33. In: A religiosidade do Povo. In: Congresso AfroBrasileiro. 1982. s. Ariel. Leilah (org. 245-58. dominação. Maria Laura Viveiros de Castro. Paula e NESTI. Política. Rio de Janeiro: ed.). O mundo invisível: cosmologia. Salvador: Centro da Referência Negromestiça. Anais. Yedda Pessoa de. CAVALCANTI.

Caetana Maria. (Memoire IFAN. s. set/dez 1988. Ídolos e deuses da mitologia afro-brasileira. Dakar: IFAN. (outubro de 1986) DELGADO SOBRINHO. Caetana Maria. Suely. Antonio Talora. In: Síntese. eschatologie et culte des ancêtres: encore le probléme des paradigmes africains. CUNHA. São Paulo. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro. Caetana. Simbologia. 75-96. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Massangana. tradição e mitos afro-brasileiros. Belo Horizonte. In: BASTIDE. 1990. DAMASCENO. Comunicações do ISER.p. 2:276-95. Rio de Janeiro: Conquista. 1991. Espace funéraire. PARIS: CNRS. Olívia Maria Gomes. CYSNEIROS. 1993. 152 . In: Actes du LIIéme Congrès International des Américanistes. COSTA. 227p. 1976 CUNHA. Paris: Anthropos. Lúcia Helena de Oliveira. 1953. p. 1970. 1996. 327p.COSSARD-BINON. Eduardo Octávio da. Imagens das águas: mitos. 1989. Hubert. 18). Maria Manuela Carneiro da. Ritual e conflito quando se canta para subir. 5(21). santo no peji. 1974. 1986. Valdeci Carvalho da. Identidade étnica e religiosa. Les religions de l’Africa Noire. Le rôle de la femme de couleur dans les religions afro-brésiliennes. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro. COSTA. 27). Israel.). vol.). 1974. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro/ECO/CIEC. São Paulo. 32p (Papéis Avulsos. CUNHA. Cantando para subir: orixá no altar. 15(44): 39-54. Dissertação (Mestrado) – Fundação Escola de Sociologia e Política. Roger (org. Gisele. 54p. DAMASCENO. Práticas Religiosas nos Terreiros de Araraquara. 3. saberes e fazeres. A cultura negra no Brasil: resistência ou afirmação . COUTINHO. Coraes rastafari: lazer. In: Les Af ro-Américans. política e religião em Salvador. Cardoso Lavínia e BISPO. DAMASCENO. Rio de Janeiro. La femme de couleur en Amérique Latine. 119-123. O tocador de atabaque nas casas de cultos afro-maranhenses. Paris: PUF. João Hélio (org. DESCHAMPS. In: MENDONÇA. Rio de Janeiro.il Tese (Doutorado) – Pontifícia Univesidade Católica de São Paulo. Rio de Janeiro: ISER. As religiões afro-brasileiras nos últimos vinte anos. 1977. p.

Possession à Recife. ESTATUTOS da Federação Bahiana do Culto Afro-Brasileiro. 1988 (Série Cadernos PUC. política. Novas investigações sobre as seitas afro-brasileiras. FERRETTI.d. Recife: Tip. 153 . 1940.). DUARTE. FERREIRA. Rio de Janeiro: Zahar. Bruxaria. (26):68-78. oráculos e magia entre os Azande. 23p. Recife. Aníbal Gonçalves. 1987. Bahia: Imprensa Oficial. Religiosidade popular. Religião. 5(1-2):87-135. Hubert. FIGUEIREDO. Eco. EVANS-PRITCHARD. Paris. Aníbal Gonçalves. Abelardo. ESTATUTOS da União das Seitas Afro-Brasileiras da Bahia. Revista do Nordeste. 127p. 33) FERREUX. Recife. Bahia. Maceió. nº 45. 53-8. 16p. 1927. Anaíza Vergolino. FERRETTI. 1983.. 6p. 1952. O manual de rezas e mandingas (a cura sem medicina). 1993. Pantheon afro-brasileiro. Rio de Janeiro. 1948/1950. Religião popular e mudança. Investigações sobre cultos negro fetichistas do Recife.DORNAS FILHO. FEITIÇARIA Afro-Brasileira. identidade. Recife: Centro de Estudos Folclóricos. São Paulo: Brasiliense. Marcia Regina (orgs. 1978. FÉLIX. Etnopoesia: antropologia poética das religiões afroamericanas. In: Comunicações do ISER. 26:68-79. In: Neurobiologia. Josildeth Gomes & COSTA. nov. 3(11):57-61. FERNANDES. São Paulo: EDUC. E. s. 3ª edição. FICHTE. 48p. Jean. Banho de cheiro. Sérgio Figueiredo. Festa de santo e encantados. João. In: Galaxie Anthropologique. tradição e mudança. Napoleão e HENRY. 61-73. Belém: Academia Paraense de Letras. 3(3):16. In: Arquivo da Assistência a Psicopatas de Pernambuco. Ascenso. FERNANDES. In: Revista do Instituto Histórico de Alagoas. (Possessions. 1938. 1984. 1972. 1948. E. Gravação Parlophon: 13254 / Gravação Odeon: 10679. p. Napoleão. Sérgio Figueiredo. 316p. Mytes et Ravissements). O panteão afro-brasileiro: divindades africanas nas Alagoas. Cândido Emanuel. 10690 / Gravação Victor: 33586. 1935. Maceió: RIE de Alagoas. FIGUEREDO. Catimbó. Rio de Janeiro: ed. p. In: CONSORTE.

1952. out. René (Prefácio). 1981. política. Los Angeles. Relações raciais no protestantismo brasileiro (introdução). FLORIANO. São Paulo: EDUC. Porto Alegre. Religião e relações raciais. O negro evangélico. FRIZOTTI. (Série Pesquisas. 1988. RIBEIRO. Napoleão. FONTENELLE. Maria da Graça e NOVAES. In: Comunicações do ISER. Journal of Latin American Lore. il. In: Ciência & Trópico. Exú. 5-31. 1998.). Alejandro. Josildeth Gomes e COSTA. (4):5-8.c. 9(1):51-66. Religião. O negro evangélico. São Paulo: Atabaque. Maria da Graça e NOVAES. Tito. 5p. A padroeira de muitas festas. FIGUEREDO. In: SOUSA JÚNIOR. Tese de Doutorado apresentada na University of California. 1985. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: s. Todas as divindades se encontram nas encantarias de Belém.FIGUEREDO. 272p. A presença do negro nas diferentes denominações presbiterianas. 1975. Rio de Janeiro (4):73-84. p. (4):932. Moacyr. FLORIANO. p. 154 . 1(2):173-84. Marcia Regina da (orgs. Regina Reys. Los Angeles. jan. 1984. 1979. Prejuicio. Alejandro. 33) FLORES. diversidad y cambio: un aporte antropológico a la compreensión de las religiones afro-brasileñas en Agentina. 15(64):171-179. O negro evangélico. (Série Cardenos Puc. 63-76. FIGUERÔA. Regina Reys. out 1985. pujanças. In: Comunicações do ISER. Napoleão. Vilson Caetano de. identidade. As religiões afro-brasileiras e o catolicismo. Heitor. Uma dívida. Buenos Aires: 1985. p. Religiões mediúnicas na Amazônia: o batuque. Aluizio. Rezadores. FRIGERIO. 1989. In: Comunicações do ISER. In: CONSORTE. 41-51.p. In: Teocomunicações. out 1985. Napoleão. Rio de Janeiro. Os batistas e a sociedade brasileira. FLORIANO.. 378p. FRIGERIO. Recife.. trab. FREYRE. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura. muitas dívidas: os afro-brasileiros querem receber. Belém: FIGUEREDO. A dívida com a fé e a religião do povo negro . pagés e IFPa/Boitempo. Gilberto. With the banner of oxal: social construction and maintenace of reality in afro-brazilian religions in Argentina. 8). Maria da Graça e NOVAES. 1956. Regina Reys./jun.

In: Revista de Ciências Sociais. Rio de Janeiro. Duas respostas à aflição: umbanda e pentecostalismo. Hermani de. São Paulo. The many rooms of spiritism in Brazil. Para inglês ver. alianças e conflitos no cenário da cultura negra no Brasil.. HESSE. HOORNAERT. 193p. 30(4): 477-92. Drums and drummers in afro-brazilian cult life. 1933. (3):25-52. 155 . Rio de Janeiro. A.). David. religiosidade popular. (1):105-23. HERSKOVITS. Judith. jul 1982. Carlos. Carlos. African Gods and catholic saint in New World negro belief. Peter & HOWE. 21-46. s.FRY. Peter. 24(2):15-34. identidade e política na cultura brasileira. As Religiões da África. 1987. Anaíza Vergolino. Manchester e São Paulo. 1977. (org.l. A devoção dos beatos negros. Madison. G. America Anthopologist. out. abr 1946.. 1999. Mediunidade e sexualidade. FRY. mai. e São Paulo. Eduardo. 1982. Menasha. Peter. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. In: Religião e Sociedade. (5). FRY. dois movimentos religiosos. Rio de Janeiro. p. Oya. Rio de Janeiro: Zahar. The Musical Quarterly. GROMIKO. Melville Jean. Belém. 1983. Academia Paraense de Letras. São Paulo: HUCITEC. A morte e os mortos na sociedade brasileira. século XX. Melville Jean. 18/19(1-2):15-36. Manchester. 1975. In: MARTINS. Tambores e tamborileiros no culto afrobrasileiro. Melville Jean. In: Religião e Sociedade. Peter. GLEASON. Winter 1987. p. VOGT. FRY. Peter. (8):45-52. HERSKOVITS.). 1972. A. 6(1):92-112. Boletim Latino-Americano de Música. 1944. Festa de santo e encantados. A descoberta do Cafundó. Rio de Janeiro. Peter. 173-87. José de Souza (org. Peter. Fortaleza . In: FRY. HENRY. século XIX. 1978. IRAJÁ. Feitiços e crendices. Moscou: Edições Progresso. In: Luso-Brazilian Review. Cuipar e cuendar pra conjenga carung: a morte e a morte no Cafundó.. um louvor à deusa africana. FRY. In: Debate e Crítica. Rio de Janeiro: Freitas Bastos. 1987-88. 1932. In: Religião e Sociedade. FRY. HERSKOVITS. VOGT. (39):635-43.

Florianópolis. Vera Teixeira. 1978. Porto Alegre: Instituto Gaúcho de Tradição e Folclore. 156 ./dez. LA PORTA.. 66(2):344-54. Ateneu. Gilson e FADAKÁ. O país dos invencíveis. LEITE. 1989. Georges. Agni. 1986. Seth e LEACOCK. Rio de Janeiro: FGV. Baptism and manumission in Brasil: Paraty. LEITE. 3(1):56-71. p. 1987. nov. apr.). s. Ruth. Los Angeles . 57-59. Doubleday NaturalHistory Pres. New York. discriminação racial. LEITE. Magia dos Invencíveis. Estudos de um grupo rural em Santa Catarina. 83(6): 704-11. In: SABOIA. Estudos de batuque. Petrópolis. 1964. 5(2):23353. Rio de Janeiro. 1976. Anais de Seminários Regionais Preparatórios para Conferência Mundial contra racismo. São Paulo. Estudo psicanalítico dos rituais afro-brasileiros. Oni. Ligia Maria Costa. Mary Catherine. Essai Universitaires. Gilberto Vergne e GUIMARÃES. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Santa Catarina. In: Publicações do ISER. Ancestrais e Instituições Ancestrais em Sociedades: Ioruba. ano 5. nº 21. Menasha. 1789-1822. 1990. 1982.Tese de Doutorado apresentada ao Departamento de Ciências Sociais da Faculdade de Filosofia. LEACOCK. 268p. 277294. Samuel Pinheiro (org. Spirits of the deep.ITEN. 77p. James Patrick. 224p. 183p. LEITE. xenofobia e intolerância correlata . 1988. Central African religious tradition in Rio de Janeiro. LAPASSADE. 1979. In: Revista de Cultura Vozes. 1979. In: Journal of Latin American Lore.l. L’ESPINAY. KARASCH. François Marie de. Minorias étnicas religiosas e lingüísticas. Seth. In: Social Science History. Brasília: Ministério da Justiça/Secretaria de Estado dos Direitos Humanos. Ernesto M. Fé e Cultura. Paris: Editions LEACOCK. Rio de Janeiro. Fábio. De negro a adventista em busca da salvação. A Questão Ancestral. 2001. fall. Lígia Maria Costa. sur la transe. 1972. Carlos Galvão. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. (Separata) KREBS. In: American Antrhopologist. Cerimonial drinking in the afro-brazilian cult. a study on anAfro-Brazilian cult. KIERNAN.

Rio de Janeiro: UERJ. 1:159-75. 1988. p. meizinhas.l. Raul Giovanni da Motta. Rio de Janeiro 1977. Algo de novo sobre a introdução dos nagôs no Brasil. Religião e etnicidade: a volta da caça às bruxas. LOPES. 157 . Rio de Janeiro.). LIMA. 1994. Rio de Janeiro. fev 1940. LITAIFF. 5(44):35-39. Raul Giovanni da Motta. LODY. 66p. Anais do IV Congresso Afro-Brasileiro realizado em Recife. A evangelização do negro no período colonial brasileiro. 1952. fev 1942. Elisa Larkin (Org).. (Série Cadernos de folclore). 235-43. In: IBAM. Religiões de Origem Africana no Brasil. Salvador: Mami. Tânia (Org. mandingas e mandingueiros da Bahia (contribuição ao estudo do folclore baiano). Tudo come e tudo se come: em torno do conceito de comer nas religiões afro-brasileiras. Rio de Janeiro. Seminário Cativeiro e Liberdade. 4. 29p. Rio de Janeiro: Seafro. 1982. 1983. Pencas de balangandãs da Bahia: um estudo etnográfico das jóias. LODY. Salvador: EGBA. 1980. p. 1989. vol. In: Revista do Brasil. amuletos. Brasília: MEC. 1977. LIMA. Edmundo Corrêa. Sete temas da mística afro-brasileira. João Manoel Mira. In: Instituto De Filosofia E Ciências Humanas/UERJ (org. s. LOPES. 167p. 220p. LODY. Rio de Janeiro: Altiva. LODY.LIMA. Sincretismo Religioso: o ritual afro. 1996. 16 a 20 de novembro de 1988. In: Boletim de Ciências Sociais. São Paulo: Loyola. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Ed. Raul Giovanni da Motta. LODY. Raul Giovanni da Motta. (47):66-80. Helena Theodoro. Raul Giovanni da Motta. Samba de Caboclo. uma leitura etno-sociológica.). Florianópolis. Massangana. 3(20):44-47. Campanha de Defesa do Folclore Brasileiro. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Folclore. Anais. 44-49. Edmundo Corrêa. 29p. Raul Giovanni da Motta. Artesanato religioso afro-brasileiro. Samba de Caboclo. Sankofa: Resgate da Cultura Afro-Brasileira. CadIernos de Folclore. 1975. O pessoal Gege. In: LIMA. Religiões negras no Brasil. A festa de Egum: rezas. LODY. LOPES. LOPES. O mundo místico dos negros. 1987. In: Revista do Brasil. maio de 1994. Estácio de. In: NASCIMENTO. José. Helena Theodoro. Aldo.

1988. Helena Theodoro. Vanda Machado e PETROVICH. Folclore religioso afro-brasileiro. A morte de nossos ancestrais. 1994. Carlos Roberto. LOPES. Actes de la Recherche en Sciences Sociales.).).Dossiê Povo Negro . Ilê Axé – vicências e invenção pedagógica. Pedrito vem aí. In: NASCIMENTO. Rio de Janeiro.300 anos. Angela. 171p Dissertação (Mestrado) – Escola de Comunicação e Arte da Universidade de São Paulo. Alguns aspectos iconográficos da produção plástica religiosa afro-brasileira. José de Souza (org. xenofobia e intolerância correlata . São Paulo. 2(19):155-159. (28):194-220. In: CULTURA POLÍTICA. 61-75. p. nº 17. 1995/6. Religiosidade. UnB: Brasília. Maria Andrea. Religiões negras no Rio de Janeiro. 3941. p. Thereza Regina de Camargo. LOYOLA. MACHADO. In: MARTINS. juin 1982. MARCÍLIO. Basílio de. MANZOCHI. 1988. 2000. Rio de Janeiro: IPEAFRO. Prosa de nagô. Intolerância religiosa: vigiando e punindo . LÜHNING. MAIA.. 2ª ed. Salvador: EDUFBA. set 1942. Crianças do Afonjá. nº 15. les rapports entre le médecines et les religions dans la banlieue de Rio. 1976. Rio de Janeiro: Arte e Cultura. (15):91-104. 2001. Helena Theodoro. p. O elemento religioso afro-brasileiro. A morte e os mortos na sociedade brasileira. discriminação racial. out 1942 MAGALHÃES. Brasília: Ministério da Justiça/Secretaria de Estado dos Direitos Humanos. Paris. MACHADO.LOPES. São Paulo: Coordenadoria de Comunicação Social da USP. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Vanda. 165p. (43):3-45. 2(20):136-140. In: Revista Humanidades. 1983. A força vital. Acabe com este Santo.. MAGALHÃES. Cure des corps et cure des âmes. Nei. 2000. Dunia Ossaim: Os AfroAmericanos e o Meio Ambiente. 158 . Basílio de. Samuel Pinheiro (org. 42-49. MACHADO. Helmy Mansur. São Paulo: HUCITEC. In: Revista USP . In: SABOIA. CULTURA POLÍTICA. Ìrokò. Rio de Janeiro. 1992. LOPES. dez-jan-fev. Elisa Larkin (Org). Anais de Seminários Regionais Preparatórios para Conferência Mundial contra racismo. Maria Luíza. Paraty : religião e cultura. In: Estudos Afro-Asiáticos. Gilberto Vergne e GUIMARÃES. Salvador: EDUFBA. Vanda Machado. 449-476.. o Deus-Árvore da Tradição Afro-Brasileira.

159 . 1966.). jul.). MONTELLO. Arte e educação no universo cultural nàgó: o ilé àse òpó àfonjá – um estudo de caso. J. Salvador: CEAO. Batuque Belém: Gráfica Falangola. Roger Bastide: religião e ideologia In: Religião & Sociedade. Estudos de Antropologia Social. 1977 a 1988. O Diário de Pernambuco população negra e cultos africanos. (6): 714. Carlos Eugênio Marcondes de (orgs. 94p. Vicente. São Paulo. Um governador colonial e as seitas africanas. Histórico e Geográfico Pernambucano. M. Lorand. José Antonio Gonçalves de. São Paulo: Pinacoteca do Estado. In: Revista do Instituto Arqueológico. 5ª ed. Lorand. MATORY. Roberto (coord. MELLO NETO. p. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Edit. Josué. MELLO NETO. homossexualidade e símbolo da possessão nas religiões afro-brasileiras. Roberto e LIMA. Religiões afro-recifenses. José Antonio Gonçalves de.1999. Maghi e Messia del Brasile. Recife. reafricanização. Maria Lúcia. Rio Grande do Sul: UFPEL. João José (org. Os tambores de São Luís. 17-35. estudos sobre o negro no Brasil. Tese (Doutorado) – Escola de Comunicação e Arte da Universidade de São Paulo. 215-31. (42): 41-5. 1985. In: CAROSO. práticas terapêuticas. Douglas Teixeira. Massangana. Rio de Janeiro: Pallas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. MELLO.MARINHO. 1992. Roberto da. 1993. 5(1):57-80. Os afro-brasileiros. Bruno. Catimbós. MAZZOLENI. (3): 11-24. xangôs e umbandas na região do Recife. Cosmologias e Altares.).. 1988. Marco Antônio L. São Paulo. 1989. In: ARRECIFES. J. Roma: Bulzoni Editore. out. In: MOTTA. ensaio de classificação. Anais do III Congresso Afro-Brasileiro. 1994. 1948-1949. Arte e religiosidade no Brasil: heranças africanas. p. MOTTA. MONTES. MONTEIRO. Rio de Janeiro. In: MANA. Emanoel e MOURA. Gilberto. MENEZES. Recife. Carlos & BACELAR. Escravidão e invenção da liberdade. Batuques e Carnavais: a cultura de resistência dos escravos de Pelotas. 1997. In: ARAUJO.). 1999. In: REIS. abril . Reviras./dez. 1985. etnobotânica e comida. Brasiliense. Jeje: repensando nações e transnacionalismo . Jeferson (orgs. MOTTA. Faces da tradição afro-brasileira: religiosidade. Homens montados. MATORY. 1978. Roberval José.

Centro de Estudos Folclóricos da Fundação Joaquim Nabuco. 179-186. 1985. MOTTA.. nutrição e religião. In: ÁFRICA. Hucitec. bibliografia prévia.. MOURA. Protesto e conformismo no xangô do Recife. Indo-Afro-European syncretic cults in Brazil: their economic and social roots. In: Boletim da Cidade do Recife. Jurema./dez. batuque. emprego. Roberto. Cadernos Cândido Mendes. Roberto. Renato (Org. Emprego e renda na economia informal da América Latina. In: MOURA. Roberto. Roberto. 5(2): 121-53. 1976 (volante 22). 5(1):143-58. 123-91. santos e sociedade: as crenças básicas no xangô de Pernambuco. Roberto. outros escritos sobre a religião dos orixás. Roberto. p. Quadro atual das religiões africanas e perspectivas de mudanças. (2): 97-114. Homens. (5):179-86. In: Revista Pernambucana de Desenvolvimento . MUNANGA. MUNANGA. 1979. In: DUARTE. In: Ciência & Trópico. xangô. jan. Cidade e devoção. Roberto. Kabengele. Gerald F. 1985. tambor de mina. Cultos populares e fontes alternativas de renda. MOTTA. dez. Recife. 1977. Roberto. Recife: Massangana./dez. São Paulo: Ed. Luis (Orgs. Recife. 1978. 1990. MOTTA. jul. São Paulo: Ágora. 1984. Roberto.). Recife. Algumas considerações sobre o obsceno nos rituais negro-africanos. 1985. 1980. jul. Paris. Brazil. Rio de Janeiro: Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Meat and feast: the Xango religion of Recife. 63-9. Renda. In: FERREIRA. 7(2):255-62. p.. Revista do Centro De Estudos Africanos da USP. Jerusa Pires e MILANESI. pará e babassuê. MOTTA. ‘Bon-Dieu’ e os ritos de passagem no Haiti rural: determinantes estruturais da teologia e dos rituais pós-coloniais. Carlos Eugênio Marcondes de. 1981. Cahiers du Brésil Contemporain. 1977. p. As variedades do espiritismo popular na área do Recife: ensaios de classificação. Recife. Obsceno . MURRAY. Recife. Recife: Edições Pirata. 1988. MOTTA. MOTTA. 8:60-64. In: Ciência & Trópico. 160 . (19):5-28. MOTTA./jun. São Paulo: CEA/USP.Jornadas impertinentes. Ann Arbor: UMI Dissertation Information Service. Carlos Eugênio Marcondes de Bandeira de Alairá.MOTTA. Candomblé. MOTTA. Kabengele. In: Estudos Afro-Asiáticos.).

Rio de Janeiro: Secretaria Extraordinária de Defesa e Promoção das Populações Afro-Brasileiras (SEAFRO). Visão Complexiva do Problema. 1991. Revista do Migrante. O Processo de Cura nos Cultos AfroBrasileiros. Refazendo antigos e urdindo novas tramas: trajetórias do sagrado. (20). 1983. Lísias Nogueira. Alienação ou Catarse. 108p. Vilson Caetano de. Dunia Ossaim: Os AfroAmericanos e o Meio Ambiente. Abdias do. Afro-brazilian religious cults. Kalervo. 47-62. O’GORMAN. Elisa Larkin (Org). Abdias do (Senador). NASCIMENTO. Elisa Larkin (org. 161 . p. In: Comunicações do ISER./ago. (org. Rio de Janeiro: ISER. In: TRAVESSIA. Rio de Janeiro. NEGRÃO.NASCIMENTO. José J. Rio de Janeiro: CER/ISER. Lísias Nogueira. NEGRÃO. NEGRÃO. Elisa Larkin (org. São Paulo: Atabaque. In: SOUSA JÚNIOR. 21(2):134-41. A look at Afro-Brazilian cults. Mito e Magia: Eficácia Política. São Paulo: Brasiliense. Rio de Janeiro: Francisco Alves. Lísias Nogueira.). NEGRÃO. Dunia Ossaim: os Afro-Descendentes e o Meio Ambiente. IPEAFRO. 1994. 44-46. Sociologia. mai. NGUMBA. Phambu (cicm). São Paulo. Dunia Ossaim: os Afro-Descendentes e o Meio Ambiente. Paulinas. 1959. CEM. Saudação à Sua Santidade o Dalai Lama . Frances. Aluanda. In: Religião e Sociedade.). NASCIMENTO. A Religiosidade do Povo. 1997. In: Ciências da Religião I. 4(10):12-18. A Religiosidade do Povo. Saudação à Sua Santidade o Dalai Lama. In: NASCIMENTO. 1984. Elza R. O que é benzeção. 1985. São Paulo: Ed. OLIVEIRA. 44-6. In: NASCIMENTO. Cultos Afro-brasileiros e Fluxos Migratórios. p. mai. A vida em meio à morte. 1977. 1994. Lísias Nogueira. Lísias Nogueira.). Uma dívida. São Paulo: EDUC/Ed. de. 1994. OBERG. 1998. 18(2). 1986. Paulinas. muitas dívidas: os afro-brasileiros querem receber. NEGRÃO. In: QUEIROZ. Comprometimento com a estrutura vigente e inautenticidade: a dívida das igrejas cristãs para com a comunidade negra . Rio de Janeiro: Secretaria Extraordinária de Defesa e Promoção das Populações AfroBrasileiras (SEAFRO).

). ORTIZ. 1988. In: SUPLEMENTO LITERÁRIO./mar. Ari Pedro. 1979. In: Arquivo Médico Legal de Identificação. Renato. PEREIRA.. In: DIOGENE. ORO. Porto Alegre: UFRGS.. Ari Pedro (org. 1988. PEREIRA DE QUEIROZ. 32p../jul. 1983. PEREIRA. As práticas de feitiçaria entre os negros e mestiços brasileiros. (105). 1993. Bahia. 1(2). Tese (Doutorado) – Pontifícia Univesidade Católica de São Paulo. As religiões afro-brasileiras no Cone Sul. 2000. Arthur Ramos de Araújo. 2(5):39-50. 1932. In: Comunicações do ISER. nº 10) ORO. In: CIPRIANI.ORO. Roberto. Rio de Janeiro. l. As religiões afro-brasileiras no Cone Sul. Imigrantes calabreses e religiões afro-brasileiras no Rio Grande do Sul. 1993. 1961. Porto Alegre: UFRGS. ELETA. ORO. Porto Alegre. In: Estudos Ibero-Americanos. 1932. RJ: Vozes. In: ORO. Maria Isaura. 277-290. Ari Pedro. As religiões afro-brasileiras no Rio Grande do Sul. Arnaldo (Orgs. 1989. São Paulo. Ari Pedro. Paris. Religiões brasileiras transnacionais . 14(1):73-86.345-53. O brancos nas religiões afro-brasileiras. 7(28)33-54. A possessão fetichista na Bahia. Ari Pedro (org. Líderes religiosos e as eleições de 1982. In: Veritas. Paula e NESTI. In: Comunicações do ISER. 5(11):31 162 . Arthur Ramos de Araújo. A possessão fetichista na Bahia. Madrid: Fernando Fé. PECHMAN. Los negros brujos (apuntos para un estudio de etnologia criminal). Petrópolis. Rio de Janeiro.). Afro-cubana. ORO. As religiões afro-brasileiras: religiões de exportação. ORTIZ. jan. La matrifocalité religieuse. Negros e brancos nas religiões afro-brasileiras no Rio Grande do Sul. set. Ari Pedro. Eugenia Coelho. PAREDES. PEREIRA. Fernando. Ari Pedro. 1994. ORO. 334p. (Cadernos de Antropologia. Arthur Ramos de Araújo. Tema. Porto Alegre: Editora da Universidade/UFRGS. jan.. Porto Alegre.). 7 jan. Científica. Ari Pedro. Rio de Janeiro. (Cadernos de Antropologia nº 10) ORO. In: Arquivo do Instituto Nina Rodrigues. 1906. Les religions africaines au Brésil. s. Identidade e mudança na religiosidade latino-americana. 43p. Laroiê Exu: um estudo sobre a Umbanda e a quimbanda em Cuiabá. 34(135). Bahia: Livr. 1989. set.

PEREIRA. Civilisations d’hier et d’aujourd ‘hui. s. PI HUGARTE. Arthur Ramos de Araújo. PEREIRA. Reginaldo. ago. 304p. 1997. São Paulo. s. Antônio Flávio e PRANDI. Nacional. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. v. Gilbert-Charles. Renzo. PEREIRA. Cláudio L.. Reginaldo. 163 . Las religiones afro-brasileñas en el Uruguay. 1993. sep. Religiões e voto no Brasil: a eleição presidencial de 1994. 293p. Arthur Ramos de Araújo. PIERUCCI.). jul/set 1969. São Paulo. Economies. Paris.. sociedade e política. 434p. In: Opinião Pública. 7. 1996. 1934. São Paulo: Cia.. 13(3): 209-29. (Cadernos de antropologia nº 10). Religiosidade popular e urbanização. s. Civilisations. Os santos em Cruz das Almas.d. PIERSON. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional do Ministério da Cultura. 1951. PEREIRA. PIMENTA..). Donald. Donald.l. 267. Carlos Alberto Messeder. 15(1):31-43. Ed. 1955. 1(1):47-95. São Paulo: Curso de Pós-Graduação em Sociologia da FFLCH-USP/Ed. O negro brasileiro: etnografia religiosa e psycanalyse. PIERSON. 1940. Plon. In: SANTOS. Washington DC. abr 1932. PEREIRA. 1931. PIERRUCCI. A realidade Social das Religiões no Brasil: Religião. Bahia. 10(3):422-4. Santuário da Penha e Bloco Cacique de Ramos. mar 1953. O problema psicológico do curandeirismo. In: Revista do Arquivo Municipal. As religiões afro-brasileiras no Cone Sul.l. 3(1):20-44. In: BOLETIM ARIEL. Porto Alegre: UFRGS. (25):279-285. Ari Pedro (org. Les religions de l’Afrique Antique. Arthur Ramos de Araújo.PEREIRA. In: Sociologia. Sociétés. Rio de Janeiro. cerimônia e crença em Cruz das Almas. Rio de Janeiro: mar 1936. Arthur Ramos de Araújo. Ritual. In: Sociologia. Questões de mística negra. Joel Rufino dos (org. Os horizontes mythicos do negro na Bahia. jul. Batuques de Belém. O negro brasileiro: etnografia religiosa. PICARD. In: ORO. 1995. São Paulo. Negro Brasilerio Negro. In: Arquivo do Instituto Nina Rodrigues. Antonio Flávio de Oliveira e Prandi. Arthur Ramos de Araújo. 32(178):101-36. In: Brasil Médico. XIX Internacional Congress of LASA. Malaquias. In: Annales. PEREIRA. HUCITEC. Coll. 1954.

121-66. Católicos. São Paulo: HUCITEC. Fragmentos de uma história de vida e levantamento histórico das origens do terreiro Tanuri Junçara . São Paulo. vol. PINTO. In: Revista de ICHL. 1995. PRANDI. Petrópolis: Vozes. Tânia (Org. José Reginaldo. São Paulo: Axis Mundi/EDUSP. Sidney Valadares. Vagner Gonçalves da. PINTO. (Tendências/Debates) PRANDI. Rio de Janeiro: Pallas. Encontro Nacional Afro-Brasileiro . 1983. Feitiço contra feiticeiro. (8-9):137-8. 2v. 148-154. Massangana. Carlos Eugênio Marcondes de (org. espíritas. In: MOURA. In: LIMA.PIMENTEL. Folha de S. In: Estudos Afro-Asiáticos. 1979. p. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes . In: ORO. p.Rio de Janeiro. PRANDI. 1997. José Reginaldo. 1996. Rio de Janeiro. (1988) Organizador do manuscrito do jogo de búzios de 1928 do Oluô Agenor Miranda Rocha. José Reginaldo. José Reginaldo e PIERUCCI. 1989. Antônio Flávio. 1996. 4. Paulo. As artes da adivinhação. José Reginaldo e SILVA. PRANDI. (57)34-44. set. PÓLVORA. Porto Alegre: UFRGS. Grenoble. Globalização e religião. PRANDI. Caminhos de Odu. Cândido Procópio et al. In: LEAN. O papel político das entidades religiosas afro-brasileiras. Ari Pedro e STEIL.). Deuses tribais de São Paulo. O corpo batuqueiro: uma espressão religiosa afro-brasileira. 29/07 a 1º/08/82. José Reginaldo.). Impact socio-culturel sur le regime des images: étude de la derivation de images dans quatre groups socioculturel du Bresil. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Ed.. A realidade social das religiões no Brasil: religião.). 1982. (Ensaios de Antropologia Social). 184p. Jacqueline Britto. Ondina Fachel (org. Petrópolis (RJ): Vozes. A religião do planeta global. PITTA. p. 66-70. Danielle da Rocha. Sincretismo Religioso: o ritual afro. Anais do IV Congresso Afro-Brasileiro realizado em Recife. 2(1): 241-51.Centro de Estudos Afro-Asiáticos. protestantes. 1986. In: Ciência Hoje . Goiânia. As artes da adivinhação. PRANDI. 1993. Carlos Alberto (orgs. pág. (publicado em 1999) 164 . 1973. 3. 6 de julho. PRANDI. Valdina Oliveira. Rafael. José Reginaldo e CAMARGO. 294 p. maio de 1994. O corpo e significado. sociedade e política. As senhoras do pássaro da noite.).

PRANDI. 1992. Reginaldo. 1991. São Paulo: Coordenadoria de Comunicação Social da USP. 1996. 1993. (18):80-91. 1991.. Caderno especial Busca pela fé . 1995. PRANDI. PRANDI. PRANDI.PRANDI. In: Revista USP.). PRANDI.. PRANDI. Construcciones de espacios públicos de expressión en religiones populares. out-dez. Os príncipes do destino: histórias da mitologia afro-brasileira. jun. PRANDI. Reginaldo. In: HORIZONTES ANTROPOLÓGICOS. (11):65-70. Turim: Utet Libreria. México. Cidade em transe: Religiões populares no Brasil no fim do século da razão. O Jogo dos Fragmentos Africanos. PAULO. In: Estudos Afro-Asiáticos. Trabalho apresentado no XX LASA. In: Revista USP. Porto Alegre.. jun. 4(8):151-67. p. 190-225. São Paulo. José Reginaldo. 1997. José Reginaldo.. Religione e magia. 26/12. Reginaldo. PRANDI. In: Revista USP. 4-5. p. PRANDI. 1988. 165 . Religião não é mais herança.300 anos. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes . Luisa Faldini (org. africanização. jul. PRANDI. 1999. As Religiões Negras do Brasil. Reginaldo. PRANDI. 2001. São Paulo: Coordenadoria de Comunicação Social da USP. 17 a 19/4/1997. São Paulo. jul. (28):64-83. 260p. In: Novos Estudos CEBRAP. jun. (21):157-66. A expansão da religião negra na sociedade branca: música popular brasileira e legitimação do candomblé. José Reginaldo. (9):4-14. Religião paga. José Reginaldo. São Paulo. Le arti della divinazatione. Dossiê Brasil/África. José Reginaldo. conversão e serviço. (42):113-29. In: Sociedad y Religion. Raça e religião. Buenos Aires. José Reginaldo.. São Paulo: Cosac & Naify. Dossiê Povo Negro . mas opção. (45):65-78. Referências sociais das religiões afrobrasileiras: sincretismo. 1993./ago. PRANDI. José Reginaldo. branqueamento. In: PIAZZORNO. Città in transe: Culti di possessioni nella metropoli brasiliana. José Reginaldo. 1995/6. José Reginaldo. dez-jan-fev.Centro de Estudos AfroAsiáticos. In: FOLHA DE S. Roma: Edizioni Acta. In: Novos Estudos CEBRAP. Adarrum e empanadas: uma visita às religiões afrobrasileiras em Buenos Aires.

1950. 2ª ed. mai. Franca. São Paulo: FFLCH/USP-CER. p. Manuel Raimundo. Trabalho apresentado na VI semana sobre Alternativas Religiosas na América Latina. São Paulo: Martins. (10/11):109-20. São Paulo. São Paulo: LTC/EDUSP. RAMOS. 1992. 1978. RANDI. In: Novos Estudos CEBRAP. QUEIROZ. Edison (org. Denominações para os muçulmanos no Sudão Ocidental e no Brasil. In: CARNEIRO. 1(1):1-17. Bruno. 1999. 314p. In: MARTINS. org. Reginaldo. Perto da Magia. O negro e o folclore cristão do Brasil. REICHERT. 1995 (Religião e Sociedade Brasileira). 256-258. 1938. Teófilo de. 314-315. In: CASCUDO. O bumba-meu-boi. QUEIROZ JÚNIOR. São Paulo. Le foglie sacre dell'AfroAmerica. 34. 1968. Maria Isaura Pereira de. 1970. p.. Reginaldo.. 47:47-78. Alberto Guerreiro. Porto Alegre: UFRGS. Genova: Erga Edizioni.103-23. 166 . A Bahia de outrora: vultos e factos populares. Incontri tra medicine. Maria Isaura Pereira de. 1922. Dos mortos e sua volta. Brasileiro. QUEIROZ. 301p. In: revista instituto est. QUERINO. São Paulo: CEBRAP. In: Afro-Ásia. 1983. Religião e globalização. José Reginaldo e BARBA. Presença de mouros e cristãos nas congadas brasileiras. (5). 1968. A festa da mãe d’água. São Paulo. Alberto Guerreiro. A morte e os mortos na sociedade brasileira. In: Antonio Guerci (org. Cultura. 345-57. QUEIROZ. Luís da Câmara. sociedade rural. Bahia: Livr. p. Manuel Raimundo. QUERINO. Salvador.. jun.).PRANDI.) Antologia do negro brasileiro. RAMOS. José de Souza. In: Revista FFCL de Franca. 1945. PRANDI. de 6 a 8/11/1996. In: Revista do Arquivo Municipal. Liturgia Malê. Antologia do folclore brasileiro. Econômica. Renato da Silva. Alfredo João. sociedade urbana no Brasil. Rolf. In: HUCITEC. Rio de Janeiro: Globo. longe da política: Derivações do encantamento no mundo desencantado. RABAÇAL. manifestação de teatro popular no Brasil. A caminho do Paraíso: o surto messiânicounilinarista do Catulé. 61-75.

Orixás africanos. Revista Arquivo Público Pernambucano. In: Word Black and African Festival of Arts and Culture. 1978. René. 21). NS. 167 . In: Afro-Ásia. O teste de Rorschach no estudo da aculturação e da possessão dos negros do Brasil. Lagos. 162p. 7).d. René.. (10):225-42. (1): 44-50. Recife. 1952. Nigéria. RIBEIRO. René. 1971. (29):147-54. José. 1982. René. 6(2):229-244. Salvador. 1956-8. il. In: Revista de Antropologia. 13(4): 325-40. 150p. RIBEIRO. Rio de Janeiro: Espiritualista. São Paulo. São Paulo. 1945. Cultos afro-brasileiros do Recife: um estudo de ajustamento social. Recife.. RIBEIRO./dez. influências africana e européia. (Estudos e Pesquisas. Recife. jul. 13(3): 195-208. FUNDAJ. 1951. No reino de Angola. Ed. Rio de Janeiro: Espiritualista Ltda. RIBEIRO. Recife: MEC/Instituto Joaquim Nabuco de Pesquisas Sociais. RIBEIRO. 140p. René. O negro na atualidade brasileira: religiões populares e etnias. RIBEIRO. René. out. René. Boletim do Instituto Joaquim Nabuco de Ciências Sociais. Antropologia da religião e outros estudos. In: Revista do Museu Paulista . René. Cultos afro-brasileiros do Recife: um estudo de ajustamento social. 1986. René. RIBEIRO. 1961. RIBEIRO. 2. O negro em Pernambuco: retrospectiva de suas práticas religiosas. 1983. Sociologia. José. 1951. RIBEIRO. RIBEIRO.. RIBEIRO. São Paulo. Religiosidade do índio brasileiro no candomblé da Bahia. 5-6(7-8): 571-592.RIBEIRO. René. In: Ciência & Trópico. Cultos afro-brasileiros do Recife. dez.ed. 310p ( Estudos e pesquisas. 1950/1951. Problemática pessoal e interpretação adivinatória nos cultos afro-brasileiros do Recife. (14):6-80. Recife: Instituto Joaquim Nabuco de Pesquisas Sociais. ago. RIBEIRO. 1977. Massangana. Carmen. O indivíduo e os cultos afro-brasileiros do Recife. Lagos: s. 1978. s. Churchs and religious observances in Brazil. Kaduna. liminaridade e communitas. Recife..

Dor. Jeferson (orgs. sofrimento e perturbação. ROCHA. (24):115-8 e :189-209. Salvador. Religião e ética. O animismo fetichista do negro na Bahia. RIBEIRO. 2ª quinz. EGBA. & LEAL. UFBa. In: Hésperis. 1900. 1935. F. Carlos. José Geraldo da.. F. RIBEIRO. In: Boletim do Instituto Joaquim Nabuco de Ciências Sociais.). A raça negra na América Portuguesa: sobrevivências totêmicas. 1998. Júlio Santana (org. In: CAROSO. 1948. Paris. jul 1922. O. RICARD. (17):17-35. Raimundo Nina. In: Para Todos. 20(79):201-20. Religião e Cidadania. Rio de Janeiro: Pallas. Recife. 158p. René. Rio de Janeiro: FIOCRUZ. 29-57. Larose. 22p. 1957. festas populares e folclore. ago. Bahia: Reis & Comp. 201p. etnobotânica e comida. Exú na tradição terapêutica religiosa afro-brasileira. 239-55. In: Revista Instituto Ethnopsycho Normale et Pathologique. René.). Carlos & BACELAR. Revista do Brasil.. A religião dos índios e dos negros de Pernambuco. Salvador: CEAO. M. 1990. Projective mechanisms and the structuralization of perception in Afro-brazilian divination. Rio de Janeiro: CEAP. Religiões negras no Nordeste. reafricanização. 1956. RODRIGUES. 1999. René. 244p. In: BRAGA.RIBEIRO. In: RIAHG Pernambucano. L’animisme fetichiste des nègres da Bahia. Religião e relações raciais. Robert– L’Islam noir à Bahia d’après les travaux de l’école ethnologique brésilienne. 1956. 1(2). RODRIGUES. Rio de Janeiro. 168 . (35):57-78. RODRIGUES. ROESER. Carlos. Núbia & CAROSO. L’Islam noir au Brésil. 1999. Significado sócio-cultural das cerimonias de Ibeji. RIBEIRO. 1948. 1922. RIBEIRO. RICARD. Raimundo Nina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 1º e 2º trim. práticas terapêuticas. Recife. In: DUARTE. René. Pedro. René. p. RODRIGUES. L. Rio de Janeiro: MEC/Serviço de Documentação. A idéia de sofrimento e a construção cultural da pessoa no culto afro-brasileiro. São Paulo. RODRIGUES. Raimundo Nina. Faces da tradição afro-brasileira: religiosidade. 1958. p. Paris. Religiões populares e etnias: o primado do eufemismo. Paris. Núbia & CAROSO. Hesipèris-Archives berbéres et Bulletin de l’Institut des Hautes Études Marocaines.

Abba. In: MOURA. 169 . SANTOS. 1998. p. jul. Gabriela dos Reis. In: Grupo de Trabalhos André Rebouças (org. SALUAR. Religiões Africanas no Brasil e o catolicismo. Niveo Ramos. (Série Pensamento Negro em Educação). África en América Latina. Jeruse e SILVEIRA. Semana de Estudos sobre a Contribuição do Negro na Formação Social Brasileira. Juana Elbein dos. Deoscoredes Maximiliano dos (MESTRE DIDI) & SANTOS. Os santos e suas festas. Jacques. Tese (Doutorado) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas. 8:53-60. (2). 1982. In: LIMA. (org. Juana Elbein dos. Transmissão de Axé: religião e negritude. Francisco Cartaxo. SANTOS. 103-28. Ancestralidade africana no Brasil: Mestre Didi 80 anos. Siglo Veintiuno Editores. 1977. Juana Elbein dos. São Paulo: Ágora. p.). México. A história do feiticeiro Juca Rosa – cultura e relações sociais no Rio de Janeiro imperial. SANTOS.153-88. 1997. 1(1):41-62. Paris. Religión y cultura negra. Deoscoredes M. Receitas de feitiços e encantos afro-brasileiros. Juana Elbein d os. um questionamento. Florianópolis: Núcleo de Estudos Negros (NEN). São Paulo. 1978. (3):27-35. 2000. Le sacrifice du Tambour-Assolo. nº 3. O culto dos ancestrais na Bahia. 1981. SALES.). SANTOS. Carlos Eugênio Marcondes de (coord. In: FRAGINALS. David Raimundo (Frei). SANTOS.). SANTOS. ROMÃO. escritos sobre a religião dos orixás. In: Archives de Sciences Sociales des Religions. SAMPAIO. África. Ivan Costa. p. 1977. 1944. Salvador: SECNEB. Os negros. Oloorisá .). os conteúdos escolares e a diversidade cultural.ROLIM. Sônia Maria (orgs. 97-119. Nossos ancestrais e o terreiro. In: Religião e Sociedade. 75p. dos & SANTOS. Niterói/UFF. Port au Prince: Publications du Bureau d’Ethnologie de la République d’Haiti. 1982. J. 47(1):123-34. Manuel Moreno. Os afrodescendentes e as religiões. 1978. ROUMAIN. Juana Elbein dos. SANTOS. Résistence et cohésion de groupe: percepcion idéologique de la religion négro-africaine au Brésil. Salvador: EGBa. Campinas/SP. il. 150p. 1979. Rio de Janeiro. o culto dos egun. Rio de Janeiro: Achiamé.

Religion e cultura negra. 1977. Black brotherhhods: integration or contradiction? In: Luso-Brazilian Review. In: Boletim da Associação Brasileira de Antropologia. São Paulo. O negro no Brasil. p. Boboromina: Terreiro de São Luís uma interpretação sócio-cultural. p. São Paulo. Juana Elbein dos. SANTOS. SENNA. Niterói/RJ. SANTOS. SCARANO. 58p. Mário (Org. 1830-1870. Notas e chronicas: páginas de história religiosa do Brasil. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. SANTOS. Maria do Rosário Carvalho. SCHWARCZ. Manuel Moreno. SEGATO. África en América Latina. nº 1. p. Contestação e defesa: a congregação beneditina brasileira no Rio de Janeiro. 1986. 1984. SANTOS. Cultos afro-brasileiros no Rio Grande do Sul . Rita Laura. 13(2):265-276. In: II Congresso Afro-Brasileiro. 118p. Rita Laura. Brasília: UNB. Pierre Verger um viajante moderno. Ronaldo Salles. Porto Alegre: Ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. Nós. summer.). Julita Maria Leonor. México: Siglo Veintiuno Editores. Bahia 1940. 1-17. 99). 342-47. 16. In: FRAGINALS. 1979. Aparecida da Glória. 1990. 1907. Jarê: manifestação religiosa na Chapada Diamantina. São Paulo: A. SENNA. 1986. 2º semestre de 1996. Descoredes M. SEGATO. Uma vocação de minoria: a expansão dos cultos afro-brasileiros na Argentina como processo de re-etnização. Campos. Madison. Jeanne Berrance de. 344p. s.d. O mundo religioso do negro na Bahia. Transe. In: ASSUMPÇÃO. 170p. 1995. (Série antropologia. In: Ciência & Trópico. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia. 170 . Universidade/UFRGS. Lilia Katri Moritz. vol. 108-110. SANTOS. transas e tramas num rito de iniciação afro-brasileiro. CASTRO. séculos XVI a XX. dos. os afro-gaúchos. 1996. Euzébio e MAESTRI. p. Santos e daimones. Brasília: Editora UnB. AISSAR. Nelson Coelho de. Racife. Maria Rachel Fróes da Fonseca. São Luís: SECMA/SIOGE. Dissertação (Mestrado) – Instituto de Ciências Humanas e Filosofia e da Universidade Federal Fluminense. Renato de Oliveira. Manuel Victorino dos. Micênio Carlos Lopes dos. 1940. 103-28.SANTOS. SANTOS.

In: Cultura e Ecumenismo. 1986. Edilson Marques da. SILVA. 8(28):110-6. (coleção memória afro-brasileira). Caminhos da alma. Belém./dez. G. 171 . SILVA.). Dilma de Mello. 47-60. SILVA. Ana Célia da. La Religiosita Degli Afro Brasiliani . Salvador. Negritude & Fé: o resgate da auto-estima. Vagner Gonçalves da. jan. 1993. (3):85-95. Os negros. 5(21):70-3. SILVA. Ivan Costa. da. 1988. São Paulo: Selo Negro Edições. out. SILVA. Revista do CEDI. In: Cadernos do CFCH. Vagner Gonçalves da. (Série Pensamento Negro em Educação). p. Dilma de Mello. Brasília. A morte de Mãe Menininha: cooptação ou resistência? In: Cadernos do ISER. nº 1. SP: Faculdade de Filosofia Ciências e Letras “Carlos Queiroz”. 1998. Religião e etnicidade na cultura popular: a Irmandade do Glorioso São Benedito de Bragança. p. ano 1. Dissertação (Monografia) – Faculdade de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Pernambuco. In: Cultura. Sônia Maria (orgs. M. ROMÃO. SILVA. Religo-religare: diversas formas de união ao mesmo Criador. Março de 2001 SILVA. 1989. Plantas utilizadas em festas e beberagens nos cultos afro-brasileiros em Recife e Olinda – Pernambuco. 1988. (Tempo e Presença) SILVA. (18):23-44. SILVA. Igreja de Santa Ifigênia de Ouro Preto. In: Cadernos de Campo. Revista dos alunos de Pós-Graduação em Antropologia Social. São Paulo: Departamento de Antropologia – FFLCH/USP. 1991. Denise Ferreira da. Florianópolis: Núcleo de Estudos Negros (NEN). São Paulo: CEDI. In: LIMA. Milano: Italia. Dedival Brandão da. Jeruse e SILVEIRA. No Rio de Janeiro todos os caminhos levam à divindade. Santa Cruz do Rio Pardo. 38-42.SERRA. Teologia e cultura negra. 15(271). A Força das Raízes.. Marcos Rodrigues da. Ordep José Trindade. os conteúdos escolares e a diversidade cultural. A crítica Antropológica Pós Moderna e a Construção textual da Etnografia Religiosa Afro-Brasileira. 1996. nº 2. 2002. SILVA. out. Ensino religioso escolar: enfoque a partir das práticas religiosas das populações afrodescendentes. M. In: Boletim Museu de Folclore. Rio de Janeiro. In: Rivista Popoli. Pará. Maria Augusta Machado da. 1997. In: Cadernos de Educação do Projeto de Extensão Cultural do Ilê AIYÊ. Recife: UFPe. SILVA. 1978./jun.

Petrópolis: Editora Vozes. Corporalidade e Liturgia Negra. O terreiro e a cidade nas etnografias afrobrasileiras. discriminação racial. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia. 172 . 325 p. 217p. Vagner Gonçalves da. 1995. Roteiro dos tan tãs. Petrópolis: Vozes. In: SABOIA. 1993. Doctorat Sciences Sociales. Jeferson (orgs.). p. structures et dynamisme afro-brésilien à Salvador de Bahia. s. Orixás da metrópole. Escravidão e invenção da liberdade. João José (org. A forma social Negro-Brasileira. 1999. SODRÉ. In: Revista de Antropologia. São Paulo: EDUSP. (36)33-79. Muniz. (25):2933. Faculdade de Filosofia. Vagner Gonçalves da.SILVA. Porto Alegre: Ed.). SILVA. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. In: CAROSO. Estudos sobre o negro no Brasil. 1981. Joel Rufino dos (org. Renato da. São Paulo. O terreiro e a cidade. Gilberto Vergne e GUIMARÃES. In: REIS.l. 419-447. Samuel Pinheiro (org. O antropólogo e sua magia: trabalho de campo e texto etnográfico nas pesquisas antropológicas sobre religiões afro-brasileiras. SILVEIRA. SILVA. Faces da Tradição Afro-Brasileira. apresentada na Ecole de Hautes Etudes en Sciences Sociales. 1997. Pragmatismo e milagres da fé no Extremo Ocidente. do autor. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Muniz. xenofobia e intolerância correlata. SILVA. Reafricanização e Sincretismo: Interpretações Acadêmicas e Experiências Religiosas. In: SANTOS. Carlos & BACELAR.). Rio de Janeiro: Pallas/CEAO/CNPq. La force et la douceur de la force. Oliveira. 167197. SILVA. 1998.. Anais de Seminários Regionais Preparatórios para Conferência Mundial contra racismo.). Vagner Gonçalves da. Vagner Gonçalves da. 1986. São Paulo: Brasiliense. 2000. 2001. SIQUEIRA. Maria de Lourdes. O Etnógrafo nas pesquisas Antropológicas sobre Religiões Afro. SILVEIRA. 1988. SODRÉ. Negro Brasilerio Negro. Brasília: Ministério da Justiça/Secretaria de Estado dos Direitos Humanos. Paris. O Antropólogo e sua magia: Trabalho de Campo. 1988. Gênero e racismo. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional do Ministério da Cultura. Renato. Vagner Gonçalves da. SILVEIRA.

7(40):30-6. Revista do Departamento de História da UFF. p. In: Revista de Cultura Vozes. A influência negra na religião do Brasil. SOUZA. 1970. José Ribeiro de. Claude. séculos XV-XVIII.SOMETTI. Rio de Janeiro: Sette Letras. In: Tempo. 6ª ed. In: PLANALTO. Jorge. In: Estudos Afro-Asiáticos. Vilson Caetano de e SOARES. SOUZA. São Paulo. 1988. 1990. Ronaldo. Petrópolis/RJ: Vozes. SOUSA. dez. STAMATO. 3(6):95-118. Rio de Janeiro: Agir. Laura de Mello e. SOUZA. Le roit et ses ancêtres. Ariano. José. Feitiço e contra feitiço. Rio de Janeiro. SUASSUNA. jul. O diabo e a Terra de Santa Cruz. 2000. 1984. s. Encontro e solidariedade: Igreja Católica e Religiões Afro-Brasileiras no período de 1955 a 1995. Marina de Mello e & VAINFAS. 1987. São Paulo: Companhia das Letras. jul/dez. Comunicação e Religião. Desafios e perspectivas de um processo. Auto da Compadecida. Culto malê. 203p. Viagens do Rosário entre a Velha Cristandade e o Além-Mar. em busca da salvação: estudo de um grupo rural de Santa Catarina. práticas mágicas e religiosidade popular no Brasil colonial. SOUZA. Ano 23(2):379395. Laura de Mello e. TEIXEIRA. In: CIÊNCIA HOJE. Ano 94.). 1990.d. 94(2):141148. Ana Cristina. 173 . 396p. Juliana Beatriz Almeida de. 93p. 107-27. 1941. Sabbats e Calundus: feitiçaria. São Paulo. (Orgs. 2000. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Santa Catarina. De negros a adventistas. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. 1986. Edir. SOUZA. Essai de la section de sciences Religieuses de l’École Pratique des Hautes Études. Petrópolis: Editora Vozes. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia. Florianópolis. TARDIS. Laura de Mello e. 2001. SUZINA. 373p. In: PEETERS LOUVAIN. mar. Rio de Janeiro: Espiritualista. SOUZA. Rio de Janeiro: UCAM/Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Catolização e poder do tráfico: o reino do Congo da conversão coroada ao movimento antoniano. 1998. feitiçaria e religiosidade popular no Brasil colonial. Vera Iten. 1(4):7-8. Feitiços e bruxarias no Brasil colonial. São Paulo: Loyola. 97p.

Liana Maria Salvia. Djalma. In: Grupo de Trabalhos André Rebouças. jul. VALENTE./dez. TRINDADE. TRINDADE. In: Revista Arquivo Público. São Paulo: Brasiliense. As sobrevivências das tradições religiosas africanas nas Caraíbas e na América Latina. 3. Rio de Janeiro. de 1990. p. Liana Maria Sálvia. Jacqueline. Vera & SILVA. In: Cultura e Ecumenismo. In: Revista do Instituto de Estudos Brasileiros. TRINDADE. TRINDADE. 1996. In: Montalban. UFF.THOMAS. TRIUNPHO. Jerry Michael. 1976. (27). 7-10(9-12): 81-8 1952/1956. O Imaginário. Liana Maria Sálvia. Representações míticas e históricas. Recife. TRINDADE. Paris: Ed. TURNER. out. fé e luta. 347p. O Conflito Social e o Jogo Sagrado dos Deuses. Caracas. 174 . UNESCO. 1996. s. Ritos e experiência. 1981. Agentes de Pastoral Negros: Conscientização. São Paulo.. In: Revista la Habana. Paris: UNESCO. Waldemar. TORRES. In: Comunicações do ISER. 24-8 de junho de 1985. 1983. 2(4):60-3. 336p. François. de l’Harmathan. 1993. Brasília. Colonisations et Religions en Afrique Noire. 1993. (org. TURNER. São Paulo: HUCITEC. A vinda do Islã para o Brasil no século XIX e o impacto da religião muçulmana na formação afro-brasileira. 6(23): 56-63. Liana Maria Sálvia & LAPLANTINE. 357p. 8-14. (Tempo e Presença) TRINCAZ. maio. 1975. 1990. (22):175-80. El Conflito Social y el Juego de los Dioses. Anais do Encontro de São Luís do Maranhão. Préf. São Paulo: CEDI. 15(271).d. Liana Maria Sálvia. Havana. Revista do CEDI. In: CULTURA. A função mágica dos tambores. Manipulação da religião: o exemplo afrobrasileiro. El conflicto social y el juego de los dioses. Niterói. organização. Evangélicos e candomblé em busca de um relacionamento respeitoso. São Paulo: Atabaque/ASETT/ Rumo Gráfica Editora Ltda. La Terre africaine et ses religions: traditions et changements.). Beatriz Petronilha Gonçalves. Jerry Michael. Paris: Larousse. 1978. TRINDADE. Louis Vincent. De Louis Vincent Thomaz. 1987. Semana de Estudos sobre a Contribuição do Negro na Formação Social Brasileira. dez. Liana Maria Sálvia.

1957. Islamismo em Pernambuco: aspectos da etnografia religiosa afro-brasileira no Nordeste. VELHO. Dakar: Université. Islamismo e negritude. 142p. New York. il. e LOPES. VELHO. VANDEZANDE. 21: 77-82. 1975. Niterói: UFF. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Pernambuco. João Pessoa. Catimbó: pesquisa exploratória sobre uma forma nordestina de religião mediúnica. Cultos afro-brasileiros: consenso e diversidade. Yvonne Maggie Alves. VARGENS. Influências islâmicas nos grupos de cultos afrobrasileiros de Pernambuco. VARELLA. In: Grupo de Trabalhos André Rebouças (org. VALENTE. 1955. VELHO. Semana de Estudos sobre a Contribuição do Negro na Formação Social Brasileira. Yvonne Maggie Alves. É crime trabalhar no Santo? Verdades e mentiras sobre a repressão às religiões mediúnicas. 1969. João Sebastião das Chagas. 3-7. In: Boletim do Instituto Joaquim Nabuco de Ciências Sociais. Waldemar. Medo do feitiço. Yvonne Maggie Alves. 1989.VALENTE. VANDEZANDE. 1988. Waldemar. (Cadernos do ISER. Cultura afro-brasileira: vida e morte de uma disciplina marginal. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro. Joaquim. Recife: Imprensa Universitária. Ren’s Philippus. fotos. do Collegio de S.. In: Sinais dos tempos: igrejas e seitas no Brasil. VELHO. 48p. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro/Setores Arabés. Yvonne Maggie Alves. VELHO. O medo do feitiço. Yvonne Maggie Alves. Rio de Janeiro. (4):7-32. 71p. Rio de Janeiro. In: Instituto de Filosofia e Ciências Sociais. Recife. Nei. p.). Macmillan. Sobrevivências dahomeanas nos grupos de cultu afro-nordestinos. Waldemar. In: Cadernos Paraibanos de Antropologia. Recife: Instituto Joaquim Nabuco de Pesquisas Sociais/Ministério da Educação e Cultura. 1986. Cosme e Damião: lenda. relações entre magia e poder no Brasil. 21). Recife. VALENTE. 1964. 1938. Bahia: Typ. René Philippus. 1987. 1978. VALENTE. 36p. Waldemar. Survivances dahomeennes dans les groups-deculte africains du Nord-Est du Brésil. 1982. João B. 175 . crenças e superstições. 296p. Análise crítica sobre os cultos afrobrasileiros. Afro-Brazilian cults. (2):163-9. In: Encyclopedia of Religion.

Procissões e carnaval ENSAIOS/PESQUISAS. 1982. VERGER. 4. Festas de santos e santos festejados. jul. de Estudos In: Afro VERGER. la Baie de Tous les Saints au Brésil et a l’ancienne Côte des Esclaves en Afrique. Patrícia.). Isolde Helena Brans.d. 13 (1):72-86. VERGER. Culte des Orishas et Vodouns à l’ancienne côte des esclaves en Afrique et à Bahia. Rio de Janeiro. MONTE-MOR. banto. 1988. exploração da credulidade pública. Religiões mediúnicas e a cor de seus participantes. 1980. março 1986. Pierre. s. Semana de Estudos sobre a Contribuição do Negro na Formação Social Brasileira. Notes sur le culte des orisa et vodun à Bahia. com os lugares de culto no Brasile.Universidade Federal do Rio de Janeiro. VENTURELLI. CONTINS. In: Grupo de Trabalho André Rebouças (org. Rio de Janeiro. 1954. Márcia. Yvonne Maggie Alves. 1985. verdades e metiras sobre a repressão às religiões mediúnicas. (2):25-32. VERGER. la baie de Tous les Saints du Brésil. Pierre. In: Cadernos do ISER. os nomes das divindades correspondentes em África e a sua localização. Progresso. 1974. 609p. Rio de Janeiro. 191p. Etnografia religiosa iorubá e probidade científica. (8): 3-10. 1954. em paralelo. Pierre. In: Religião e Sociedade. VELHO. Rio de Janeiro. 16(3-4)322-40. 21p. Dieux d’Afrique. In: Culturas Africanas: documentos da reunião de peritos sobre Sobrevivências das tradições religiosas africanas nas Caraíbas e na América Latina. Um estudo sobre as divindades iorubá. (5). O medo do feitiço. s. Yvonne Maggie Alves. (15): 48-7. Paris: Paul Hartmans Editeur. VERGER. Paris: UNESCO. In: Bulletin de L’instituto Français d’afrique Noire. In: Religião e Sociedade. VELHO. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes Rio de Janeiro – Centro de Estudos AfroAsiáticos. 176 . 291-308. no Brasil. 1957. fon. Dakar. In: Estudos Afro-Asiáticos. Pierre. Yvonne Maggie Alves. VIANA. p.p. Pierre. Salvador: Centro Orientais/UFBa. Hildegardes. Bahia: Livr. Niterói: UFF. VELHO. Pierre. Dakar: IFAN. 1979. Rôle joué par l’etat d’hébétude au cours de l’nitiation des novices aux cultes des orishas et vodun. Aspectos estéticos nos cultos afrobrasileiros. 1960. 71p. VERGER.

In: WENECK. 4.VIANNA. Jurema. Spiritualité et pensée africaines. 1979. Some recent developments in Afro-Brazilian religion. Paris: SEUIL. Le baton de l’aveugle: divination. 1996. 1990. ZIEGLER. Dominique. 438p. Os vivos e a morte. Paris: Payot. Zahar. A. Anais do IV Congresso Afro-Brasileiro realizado em Recife. São Paulo. 1980. In: Sociologia. (12):334-7. Amsterdan. Le Monde d’Outre-Mer. (48): 63-74. 1960. Andras. Sincretismo Religioso: o ritual afro. WILLIAM. YEMONJÁ. Carlos Francisco. p. In: Anthropos. ZAHAN. O ‘Castelo Interior’ do Homem Negro: O transe e seus aspectos estruturantes . Paris: Hermann. 1971. 223p. Maisa e WHITE. Paris. In: Année Sociologique. 1972. 1975. Brazil). Maria do Carmo. maio de 1994. Como evitar o olho grande: diversas maneiras de fortalecer o seu anjo de guarda. Allard Willemier. Tânia (Org. ZAHAN. Um elemento italo-afro-brasileiro na magia mogiana. Dominique.). 6(1): 1-14. the symbolic framework of Afro-Brazilian religion in Alagoinhas (Bahia. Massangana. Rio de Janeiro: Eco. Jean. 74(1-2): 45-54. VIEIRA. 46p. WESTRA. vol. ZIEGLER. Oswaldo Elias. Jean. 2000. 110p. Evelyn C. Religion. Sociétés d’initiation Bambara le N’Domo Le Koré. 320p. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Ed. Fribourg. Salvador: Centro de Estudos Baianos da UFBa. Street and home. maladie et pouvoir chez les mendang du Tchad. 6ª Section de L’Ecole Pratique des Hautes Études. In: European Review of Latin Americanand Caribbean Studies. (orgs. O livro da saúde das mulheres negras: nossos passos vêm de longe. 16-19. XAVIER. uma sociologia da morte no ocidente e na diáspora africana no Brasil e seus mecanismos culturais. Paul V. Antonio. jun. Beata de (Mãe). 1944. ZEMPLINI.). p. MENDONÇA. Les vivants et la mort. Quintal de nagô e outras crônicas. 314p. 177 . In: LIMA. 179-187. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Pallas: Criola. Tradição e religiosidade. (Collection Savoir). 1961. 1979. 1977. 2e éd. XIDIEH.

ALENCAR. In: Guanabara em Revista . 1968. O carnaval carioca através da música. il. Renato. Golden heritage: the dance and Trinidad and Tobago. Catimbó. ALMEIDA. 5(2):4-5. A influência da Música Negra no Brasil. 35p. 1998. Cat. O negro na música brasileira. Samba and social control. ALMEIDA. Edgar de. Danses africaines en Amérique Latine. Orikis canções de rebeldia. ALENCAR. 1967. 1969. do Ceará. Rio de Janeiro: MEC/CDFB. Edgar de. Sinhô do Samba. 6(16):257-276. Edgar de. In: Revista Brasileira do Folclore. ALENCAR. University Microfilms International. Edgar de. Rio de Janeiro. 1997. O nosso Sinhô do samba. 1949. C ULTURAS NEGRAS NO BRASIL 4. III) ALMEIDA. Florianópolis. Rio de Janeiro: Edição Civilização Brasileira. 217p. poemas de paixão. Univ. set. 24 a 30 de setembro de 1963. Rio de Janeiro: UNESCO/IBECC. ALENCAR. Renato. 2v. Petitt Valley: Heritage Cultures. 1969. 244p. Carlos. Fortaleza: Impr. set/dez 1966. Rio de Janeiro. 1965. O eterno verão do reggae. ALMEIDA. 263p. 179p.4. Renato. (Registros sonoros do folclore musical brasileiro. ALBUQUERQUE. Rafael. 1980. Colóquio: As Relações entre Países da América Latina e da África. Rio de Janeiro: Editora 34. ALISOM. Pequena história do macu-le-lê. Hermógenes. popular culture and racial democracy in Rio de Janeiro: An Arbor. A modinha cearense. Plínio de. 1950. Molly. In: Boletim Com. São Paulo: Departamento de Cultura. Renato. 176p. Rio de Janeiro: Livraria Freitas Bastos S/A. 1963 ALMEIDA. D ANÇA/MÚSICA/ESPORTE AHYE. 178 . Rio de Janeiro: Grafine Editora. Rio de Janeiro. ALMEIDA.2. Folclore. 1988. 18:31-33.

São Paulo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. A calunga dos maracatús. Alceu Maynard de. In: FREYRE.192-200. Mário de. Alceu Maynard de. São Paulo. Documentário folclórico paulista: jongo. ANDRADE. Alceu Maynard de. 1937. Rio de Janeiro. Oneyda. abr. 49p. 1935. Modinhas imperiais. ANDRADE. mai/ago 1965. Arivaldo de Lima. 174p. ARAÚJO. 35:40-41. Política e Estilo. 77-78.ALVARENGA. Rio de Janeiro. 1989. ALVES. Música. jul/ago 1950. O fandango em Fundamentos. 1935. In: FUNDAMENTOS. O jongo em São Luiz do Paraitinga. São Paulo: Casa Chiarato. 1950. Alceu Maynard de. ALVES. 1:44-55. ANDRADE. 39:40-41. ANDRADE. 210-224. In: II Semana Nacional de Folclore. 1995. 1976. ago 1948. ANDRADE. Cananéia. In: Paulistânia. Rio de Janeiro. Ariel. A influência negra na música brasileira. ARAÚJO. p. Novos estudos Afro-brasileiros. p. São Paulo. Marujada e Moçambique (comentário). 1946. In: ARAÚJO. In: O Espelho. São Paulo. Documentário folclórico paulista: o fandango. Gilberto et al. ARAÚJO. 5(12):119-130. ANDRADE. Mário de. mar/abr 1951. São Paulo 18 a 22 de agosto de 1949. Rio de Janeiro. jun. 179 . Recife 1934. 39-48. (6):357-408. o Samba. 1948. São Paulo: Edições Símbolo. Rio de Janeiro. Recife. In: Centro de Cultura Luiz Freire. In: Paulistânia. A congada nasceu em Roncesvales. Rio de Janeiro: Ed. Inaldete Pinheiro de. Sua excelência. A Estética da Pobreza. Mário de. Maracatú. In: Boletim Latino Americano de Música. São Paulo. In: Revista Arquivo Municipal. ARAÚJO. Musicalidade do escravo negro no Brasil. Cinco cantigas para você cantar. Música brasileira. In: Revista Brasileira de Folclore. Estudos Afro-Brasileiro. Nair de. Alceu Maynard de. ARAÚJO. jun.. Mário de. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Comunicação e Cultura da Universidade Federal do Rio de Janeiro. 1930. In: Atas – I Congresso Afro-Brasileiro. 27(63):159-203. IBECC/CNF1. abr/jun 1959. Alceu Maynard de. Henrique Losinskas.

21:32-33. AZEVEDO. 226p. In: Estudos AfroAsiáticos.48(4):183-6. Antonio Jorge e LIMA. 609-20. Os cocos: dança e poesia afro-brasileira na Paraíba. Jongo. In: DIAS. Humberto.l. A modinha e o lundo no século XVIII. José Teixeira D’. Maria Ignes Novais. Um fandango em Ubatuba. AYALA. Joel Rufino dos (org. São Paulo. Rio de Janeiro: Campanha de Defesa do Folclore Brasileiro. Entrevista com Agenor Miranda. Luís Heitor Correa de. São Paulo. mai/ago 1963.Centro de Estudos Afro-Asiáticos.). Mozart de. 1987. 1983. ARAÚJO. Negro Brasileiro Negro. ARAÚJO. p. In: SANTOS. 50p. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional do Ministério da Cultura. 1960. s. In: Revista Brasileira de Folclore. Estudos e ensaios folclóricos em homenagem a Renato de Almeida. 179-193. Dissertação de Mestrado apresentada ao Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia. 224p. ARAÚJO. jan 1945. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Luís Heitor Correa de. In: Cultura Política. 1949. Rio de Janeiro.45-54. 1978. Maracatu leão coroado. Rio de Janeiro: Minitério das Relações Exteriores/Serviço de Publicações.109p. 180 . Música negra no Nordeste. ASSUMPÇÃO. AZEVEDO. Fernando Corrêa de. Rio de Janeiro. 1967. Alceu Maynard. João Pessoa: Editora Universitária/UFBP. (Separata) ARAÚJO. (8-9):242-46. ARAÚJO.novembro de 1995. p. p. As modinhas de Joaquim Manoel. AZEVEDO. In: Paulistânia. Ari. Rio de Janeiro. 1989. 1997. nov/dez 1947. Curso de folclore musical brasileiro. O samba e o negro no Brasil. 1963. Rossini Tavares de. São Paulo: Ricordi. AZEVEDO.. São Paulo: Freitas Bastos. Alceu Maynard de. 3(6):113-124. Marcos. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife. Encontro Nacional AfroBrasileiro. In: Revista do CCHLA 300 Anos Sem Zumbi dos Palmares. O boi-de-mamão no litoral paranaense. Ari. In: Revista de Cultura.ARAÚJO. Fernando Corrêa de. O Samba-Lenço de Mauá: organização e praticas culturais de um grupo de dança religiosa. AYALA. 158p. 29/07 a 1º/08/82. São Paulo: Departamento de Cultura. Fandango do Paraná. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes . (25):211-15.

p. 1976.2-4. As congadas do sul do Brasil. Congos da Paraíba.49p. G. São Paulo: Tenenge. BASTIDE. 1988. Roger. Macu-lê-lê. A Congada da Lapa: tinha em todo o ano. Gustavo Dodt. Os congos. José Flávio Pessoa de. Petrópolis/RJ: Editora Vozes. Fortaleza: Ministério da Cultura/Faculdade Latino Americana de Ciências Sociais. 18) BERRAGUE. Oswaldo. Set/Dez 1947. Diário de São Paulo.. 9(2):181-4. 5(11):5-22. Waldemar de Almeida. p. 181 . Música Brasileira é coisa de negro – uma visão carioca . p. Reis de Congo. BASTIDE. Porto Alegre.. 322-3. Memória e História . 1946. In: Revista Globo. BASTIDE. A mão afro-brasileira. 20/11/1948. 12 jun. BRITO. Rio de Janeiro: FUNARTE. BENJAMIN. jan/abr 1965. 1996. 23p. Correntes regionais e nacionais na música do Candomblé baiano . BRANDÃO. BARROSO. 94(5):95-112. Roberto. 7(26):191-193. (Cadernos de Folclore.1. Porto Alegre. Roger. Luiz de Aguiar. In: Revista Brasileira de Folclore. Cláudia Regina de. (12). Diário de São Paulo. Emanoel (org. 1977. fev 1918. Nova Série. Dança dos reflexos e batuque das sombras. As congadas do sul do Brasil. In: Afro-Ásia. São Paulo. BARROSO. O banquete do Rei. José Flávio Pessoa de. A Província de São Pedro. Uma introdução à música sacra afro-brasileira. Rio de Janeiro. COSTA PINTO. Darwin. Olubajé. Salvador: Centro de Estudos Afro-Orientais da UFBa. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico. Roger. c. c.4. In: ARAÚJO. O negro no futebol brasileiro. 3 mar. 298p. 1989. Xangô no Brasil: a música sacra e suas relações com Mito. 2000. Ano 94. na Universidade do Paraná. São Paulo.BARBOSA. Monografia para Curso de Especialização em Antropologia. BARROS. 1943. BARROS. Sérgio. 1947.1-2. São Paulo.). O congado no oeste mineiro. Curitiba. (10):167-9. Significado da contribuição artística e histórica. In: Sociologia. CABRAL. In: Revista do Brasil. São Paulo. 2000. In: Revista de Cultura Vozes.

A África na vida e na cultura do Brasil. Maria Lenilde Carneiro. Silvia Susana. Rio de Janeiro. In: O Negro no Brasil: Trabalhos apresentados ao 2º Congresso Afro-Brasileiro (Bahia). FERREIRA. Peter. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. Salvador. 1983. DIÉGUES JUNIOR. 39p. Recife. Manuel. 1977. 2001.]. Paris: GALLIMARD. ENCICLOPÉDIA da música brasileira: erudita. DE CERTEAU. 111p DANTAS. Danças negras do nordeste. Noêmia.41-43. jul/set 1948. Olodum: de bloco afro a holding Cultural. Schulze. São Paulo. FERRETTI. nov. 175-198. Congada de S. La possession de Loudun. 1994. São Salvador da Bahia: imagens e canção popular. In: DIÉGUES JUNIOR. DIÉGUES JÚNIOR. FERRETTI. folclórica e popular.n. 1940. Salvador: Edições Grupo Cultural Olodum/Fundação Casa de Jorge Amado. 1934. Revista Arquivo Municipal. Lícia Soares de (orgs. Presencia de las religiones afro brasileña en la musica popular actual de Salvador-Bahia. p. p. Michel. Coimbra: Ed. A dança do lelê na cidade do Rosário no Maranhão. [s. Marcelo. 293-304. DIÉGUES JUNIOR. Centelha. DAVID. 1987. DAVIS.). DIAZ. Raggae: música e cultura da Jamaica. Stephen e SIMON. São Luís: SIOGE/FUNC. Rita e SOUZA. 1977. Rio de Janeiro: Campanha de Defesa do Folclore Brasileiro. Dança do Lelê. Música afro-brasileira. 182 . 111p. 24p. São Paulo: Art Editora. Manuel. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal da Bahia. Tomás de Aquino (Minas Gerais). Sérgio Figueredo. 16. 1970. Manuel. 15(119):42-45. Oludum: de bloco afro a holding cultural. Marcelo. João Pessoa: Idéia. Jolia. FERREIRA. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Educação Universidade Federal Fluminense. Diário de Pernambuco. Sérgio Figueiredo. Manuel. Buenos Aires. Coleção Rock on 7. Moraes. Maria Zita. CÉCIO. Niterói/RJ.DANTAS. 1978. Identidades e representações na cultura brasileira. Desportos . 1977. Valdelino. Do senso comum á linguagem corporal expressiva . 1993. In: OLIVIERI-GODET. 1992.

Petrópolis: Editora Vozes. Porto Alegre: Ed. 211-7. Recife. Secretaria de Estado da Cultura. FRANCO. In: Revista de Administração De Empresas. Euzébio e MAESTRI. 1981. GALLET. p. São Paulo. Newton. 33(2):90-99. Carolina Garcez de Martinho Lins de. São Paulo: Nobel. GARCIA. São Paulo. Summer 1979. Journal of Popular Culture. In: Revista de Cultura Vozes. Lea Vinocur. set/dez 1971. In: Revista Brasileira do Folclore. 13(1):98-105. Contribuições sobre a influência do negro na música sul-rio-grandense. Luciano. In: GALLET. Gravataí: Secretaria Municipal de Educação e Cultura. FREITAS. 51-58. Evolution and revolution of Afro-Brazilian dance. Ano 94. 47-64. Anais. Rio de Janeiro. Gilberto. In: ASSUMPÇÃO. FREITAG. Momentos de música brasileira. mar/abr. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. os afrogaúchos. 1993.FILHO. 116p. 295p. 2 de julho de 1988. A canção brasileira como expressão étnica . A influência do negro na música brasileira . Rose Marie Reis. 183 . Diário de Pernambuco. Luciano. Olodum: a arte e o negócio. FISCHER. Maria Amália Correa. GAFFNEY. Mário (Org. 2000. Ternos de congos Atibaia. 1964. 175p. Mário. Estudos de folclore. 11(31):263-88. Floyd. Léa Vinocur. FILHO. 402p. Rio de Janeiro: Carlos Wehrs. Nós. 1982. Mário.). A propósito de cantos de maracatu. 94(4):167-175. 1996. In: Gravataí: do êxodo à composição étnica. 1947. Música: a vida anunciada pelas letras de música rap . O negro no foot-ball brasileiro: Rio de Janeiro: Ponguetti. GIFFONI. Rio de Janeiro: MEC/SEC/FUNART/ Instituto Nacional do Folclore. 2ª ed. ano 1(4/5):96-120. Tânia et alli. 1934. 1985. p. Simpósio Estadual A Cultura Gravataense. In: SP Cultura. O negro na música brasileira. FREITAG. 76p. Universidade/UFRGS. O negro no futebol brasileiro. nov/dez. Maracatú . p. 1953. 28 mar. Buenos Aires: Ediciones Pigmalión. 1990. Manifestações coreograficas na religiosidade brasileira. GIBA GIBA. FREYRE. Bowling Green. 1943. Elsie da Costa. GIRARDELLI.

Ismael. Rio de Janeiro. JIMI HENDRIX por ele mesmo. In: Cadernos de Pesquisa . 29/07 a 1º/08/82. In: Revista de Estúdios Musicales. 1941. 1977. A. HERSKOVITS. Seiva . nov.. Melville Jean & WATERMAN. Raimundo. Olívia Maria dos Santos. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro/Museu Nacional. São Paulo: Martin Claret. Maracatus do Recife. Maria Eduarda Araújo. Boletim Latino-Americano de Música. Montevideo. In: Estudos Afro-Asiáticos. 1976. 1983. (16):171-187. GUIMARÃES. A influência africana na música do Brasil. A música negra na Brasil. Simone Lahud. 3. out. Do Samba ao Rap. out. 1989. Salvador. GUERRA-PEIXE. Impressões da festa: blocos afro sob o olhar da imprensa Baiana. São Paulo. Tonyan. Massangana. ILÊ-AYIÊ : Gana Ashanti. Bahia. Recife. KHALLYHABBY./dez. 1939. Melville Jean. 271p. (8-9):253-6. como modo de viver. 1983. Encontro Nacional Afro-Brasileiro. Reginaldo. GUIMARÃES. Recife. In: Estudos Afro-Asiáticos. et al. p. Oficina infantil de Dança Afro. Os afrobrasileiros. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes. El estudio de la musica negra en el hemisferio ocidental. GUEDES. 1980. 1985.Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Documentátio. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. 1998. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes . 1(4):10-1. A divinização da música negro-brasileira. R. Mendonza: Universidad Nacional de Cuyo. IVO. Música de culto afrobahiana. 175p. 89-108. In: Cultura. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia. Brasília. 1949. 184 . instituição zero. 1(2):65-127. 1982. Tese (Doutorado) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas. Invenção Rítmica no Meio Musical de Salvador-Bahia. GUERRA-PEIXE.GOMES. Campinas/SP. Centro de Estudos AfroAsiáticos. 6(23):44-50. 171p. 1987. A influência africana na música do Brasil. A Trama dos Tambores: Samba Reggae. 1993. Ed. 5(1):133-42. Futebol brasileiro. São Paulo: Irmãos Vitale. hoje. Almerinda de Sales. (63):119-20. GUERREIRO. A dança. In: Anais Congresso Afro-Brasileiro. mar. HERSKOVITS. GONÇALVES. São Paulo. 1999.

Da conceituação do lundú. 137p. Cadernos de Folclore. In: Revista de Música Popular. Nei. In: Instituto de Filosofia e Ciências Humanas/UERJ (org. 1945. (6):30-2. São Paulo: s.3 (6):25-7. A influência do étnico na nossa música popular. 31p. Rossini Tavares de. p. 1955. Lisboa: Atlântico. 1989.. (8-9):240-2. ago. 1983. Rio de Janeiro. LIMA.c. Malês: o Islão negro no Brasil. 1914. 1953. In: Revista de Música Popular. Nei. São Paulo. Maria Luiza Lira de Araújo. 2(1):10-26. In: Revista de Música Popular. In: Folclore. (10):8-11. 29/07 a 1º/08/82. Maria Luiza Lira de Araújo. da Associação Riograndense de Música. Rio de Janeiro: SEAFRO. 1975. 1945. LOPES. 1976. 250-61. In: Revista Fluminense de Folclore.). 1:123-41. Rio de Janeiro. 1953. Dante de. Maria Luiza Lira de Araújo. Música popular. Escolas de Samba: uma proposta alternativa. repressão e resistência. LIMA. LOPES. LOPES. Anais. São Paulo. set 1955. Raul Giovanni da Motta. São Paulo: Teixeira. out. mar/abr 1955. Edmundo Corrêa. 1903. Raul Giovanni da Motta. LYRA do trovador: coleção de modinhas brasileiras. Afoxé. LOPES. As congadas do município de Osório. Rio de Janeiro. Seminário Cativeiro e Liberdade. LIMA. In: Estudos Afro-Asiáticos. LIMA. p. (7):36. Rossini Tavares de. Jongo. UERJ. Niterói. uma cronologia. Itabuna: Agora Editora Gráfica Ltda. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos.. 81 Temas da Música Popular Brasileira. 185 . Luiz Américo.p. jul/set 1948 LIMA. nº 6. LIMA. Encontro Nacional Afro-Brasileiro. Brasília MEC. 16 a 20 de novembro de 1988. In: Revista Arquivo Municipal. (9):10-2. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. Sankofa: Resgate da Cultura Afro-Brasileira. A contribuição do negro: o ritmo. 1994. 2000.LAYTANO. Rio de Janeiro. Fanquelo: um poeta do cururú. Nei. Música negra. 132p. 15(119):27-30. LODY. Congada de Piracicaba. A música das senzalas. Porto Alegre: ed. LODY. In: NASCIMENTO. Elisa Larkin (Org). Rossini Tavares de. LISBOA JÚNIOR.

cultura. Ritmo e Ancestralidade na Força dos Tambores Negros: o currículo invisível da festa. MELLO. Rio de Janeiro. 6(23):20-9. jan/abr 1963. José Eduardo Homem de. 1988. jun. In: Revista Brasileira de Folclore. São Paulo: Obelisco. A contribuição africana para a música brasileira. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. 1976. modinhas. Rio de Janeiro. Clyde Wesley. Pedro. Rosângela. lundús. Maracatu de baque solto . Os Bailes black e a visibilidade da juventude negra. serenatas. il. In: Agenda Afro-Brasileira 96. J. ritmo. São Paulo. Lundú baiano. out. Centro de Estudos Afro-Asiáticos. B. MARCONI. Rosângela. (15):105-16. 1996. MOURA. Rio de Janeiro: Garnier. 1997. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. de. desafio coreográfico. Vasco. MORGAN. São Paulo. duetos. In: Cultura. barcarolas e outras produções brasileiras antigas e modernas. MATOS. Antropologia da música brasileira: natureza. In: Cultura Política. Maria da Glória da Veiga. 1997. Basílio de. Serenatas e saraus: coleção de autos populares. Marina de Andrade. Alexandre José de Melo. 4(43):238. 280p. 3(5):23-36. 1978. Origem do maracatú. 150p. 1976. São Paulo. Ação Transcultural: a visibilidade da Juventude Negra nos bailes black de São Paulo (Brasil) e Havana (Cuba). Dissertação de Mestrado apresentada ao PROLAM/USP. 186 . ago 1944 MAGALHÃES. MALACHIAS. MONTES./dez. Brasília. 3 vol. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes. São Paulo: Companhia das Letras. Recife: Secretaria Estadual da Cultura de Pernambuco.MAGALHÃES. out 1944 MALACHIAS. In: Cultura Política. Maria Lúcia e RIBEIRO. Basílio de. São Paulo: Melhoramentos. Danças e ritmos negros no Brasil. Maracatú e frevo. MORAIS FILHO. Rio de Janeiro. outubro de 1995. MARIZ. 1998.. Dolores Duran: experiências boêmias em Copacabana nos anos 50. recitativos. texto. 1901-1902. In: Estudos Afro-Asiáticos. com explicação dos assuntos de cada volume. 4(45):154-160. Maria Izilda S. MARTINS. Música popular brasileira.

MUTTI. São Paulo: Terceira Margem/Centro de Estudos Africanos da USP. O negro e o futebol brasileiro. Um velho lundu. Bandas de Congos. Ano 94. Ticumbi. MUKUNA. (Cadernos de Folclore. 12). 32p. nov 1957. Guilherme Santos. In: Folclore. 1976. Rio de Janeiro. In: Cadernos do CEAS. (Cadernos de Folclore. (15):105-15. 17(82):4-5. 124p. Contribuição Bantu na música popular brasileira. 30). A contribuição africana para a música brasileira. jun. As bandas de congo do folclore capixaba. Rio de Janeiro Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Milton. Petrópolis: Editora Vozes. Contribuição Bantu na música popular brasileira. 270p. Vitória. In: Folclore. MOURA. jan/dez 1966. In: Estudos Afro-Asiáticos. Salvador: Prefeitura Municipal. Ciclos de festas populares na Bahia . Nova Série. Maria. 1978. 232p.. 1977.5 nov/dez 1959. Guilherme Santos. In: Revista de Cultura Vozes. 1978. Vitória. Dança de negros. Guilherme Santos. nov/dez. O Contato Musical Transatlântico: Contribuição Bantu na Música Popular Brasileira. Guilherme Santos. 2ª quin. Kazadi Wa. 1980. Dissertação (Mestrado) – Escola de Comunicação e Arte da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Roberto Marchon Lemos de. 1988. s. 187 . MUKUNA. 27p. Vitória. In: Folclore. Kazadi Wa. Maculelê.MOURA. São Paulo: Global. NEVES. NEVES. 2000. Vasco. Rio de Janeiro: FUNARTE. Rio de Janeiro: FUNARTE. Guilherme Santos. Nova Série. Kazadi Wa. Bandos e congos do século XIX. São Paulo. MUNIZ. Faraó. vol. Rio de Janeiro. um poder musical. 1(3):3. Toadas de congo. 258p. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia. Vitória.d. jan/dez 1966. MUKUNA. NEVES. In: Folclore. In: Para Todos. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Guilherme Santos. (112):10-29. NEVES. Antonietta d’Aguiar. NEVES. 17(82):10-11. 16(81):6-8. 1987. NUNES. 11p. Salvador. Guilherme Santos. 94(5):125-137. 2000. jan/dez 1965 NEVES. NEVES.

Nestor. Faculdade de Filosofia. PACHECO. São Paulo. Amauri Mendes. In: LIMA. Salvador: UFBa. ORTIZ ODERICO. In: Espaces et societés. La presencia del negro en la musica del Brasil. Festival de música e arte Olodum. Publicaciones del Ministério de Educación. São Paulo: IEB/USP. os conteúdos escolares e a diversidade cultural II. Haba. Tese (Doutorado) – Escola de Comunicação e Arte da Universidade de São Paulo. César Guerra. 1992. Os negros. 17(82):6-9. Fernando– La africania de la música folklórica de Cuba. Nilza de. 1950. Jeruse e SILVEIRA. Renato José da Costa. 1970. Nestor. Vitória(ES).). Compositions. OLIVEIRA. Acarajé: o entusiasmo das escolas de samba e a educação estética dos brasileiros. Rio de Janeiro: Ed.. (Série Pensamento Negro em Educação). A questão racial e a aula de educação física. João Baptista Borges. Nadir Nóbrega. OSTROWETSKY. In: Folclore. Brasileira de Educação Física.OLIVEIRA. 1950. In: Folclore. Ivan Costa. Buenos Aires. PEREIRA. ROMÃO. Salvador: Edições Olodum. Jongos e caxambus de Guaçaí. O negro e a comercialização da música popular brasileira. 1972. Sônia Maria (orgs. PEIXE. Toulouse: Privat. 1998. 1969. In: Comunicação e Cultura Popular. 7-8(40-48):15-16. São Paulo: Ricordi. jan/dez 1966. O jongo no Cachoeiro. 1989. Alguns aspectos da música folclórica afroamericana. Vitória(ES). il. 477p. (3). O negro e a comercialização da Música Popular Brasileira. (4):107-13. jan 1956/jun 1957. PEREIRA. Maracatus do Recife. ORTIZ ODERICO. OLODUM. 1955 PEREIRA. PACHECO. Florianópolis: Núcleo de Estudos Negros (NEN). Silvia. 1954. Renato José da Costa. ORTIZ. João Baptista Borges. In: Revista do IEB. 24p. A contribuição africana para a dança folclórica do Brasil.p. para uso das escolas de Educação Física. 1996. São Paulo. 91p. 1987. PEREIRA. (48):19.c. (8):715. s. ECA/USP. Salvador: Arquivo da Universidade da Bahia. Dança afro: sincretismo de movimentos. Elza Maria de Oliveira. 188 .

Os congos. 287p. O baile dos congos. PRÍNCIPE. PRUDENTE. duetos. 1996. Rossini T. A dança: uma expressão litúrgica das religiões afro-brasileiras. São Paulo: Ricordi. José Vieira. 66p. Luís do Prado. Ivete G. 149p. Ilhéus: EDITUS. Rio de Janeiro: Ministério das Relações Exteriores/Serviço de Publicação. Teixeira. 1933. A lyra do capadócio: coletânia de modinhas. s. Bahia: s. RIBEIRO. São Paulo: Livr. In: Afro-Ásia. RIBEIRO. 14p. In: Revista Kawé.. Antonio (org. São Paulo. jan. QUINT. 26(105):88-89. recitativos. A dança de Moçambique. Antonio J.p.. Dança do Quilombo: os significados de uma tradição. Lyra popular brasileira completa e escolhida coleção de modinhas./jun. Celso. In: DIAS. Sambas e cateretês (folclore paulista): modas de viola. 1960. In: Revista do Arquivo Municipal. Maria de Lourdes Borges. lundus. RICARDO JÚNIOR. 639-692. set 1924. Antonio Carlos Brochado.PIRES. PONTES. abecê. 187p. 189 . 173:165-238. Festejos do Bonfim. Contribuição ao estudo do ciclo de festa s tradicionais da Bahia. 1954. Maria de Lourdes Borges. ed. 1915. Salvador: Centro de Estudos Bahianos. São Paulo: Gráf. São Paulo: Livr. 4p. s. serenatas.c. PÓVOAS. O gongo. recortados. Salvador: Corrupio. Ruy do Carmo.. São Paulo. canções. etc. Demian Moreira. Universidade Estadual de Santa Cruz do Sul.. 1995. Maria de Lourdes Borges. RISÉRIO. 1982. Salvador: Centro de Estudos AfroOrientais da Universidade Federal da Bahia.d. Barravento: O Negro como possível referencial estético do cinema novo de Glaube Rocha. Estudos e ensaios folclóricos em homenagem à Renato de Almeida. (Baianada. Antonio Carlos Brochado. al. RIBEIRO. (17):159-72. 352p. Cornélio. REIS. In: Revista do Brasil. Unitas. Editora Nacional. l. 3). RIBEIRO. canções e poesias. e LIMA. 368p. PRÍNCIPE. 1954. Florianópolis: UFSC/Secretaria do Estado da Cultura e do Esporte. lundús. 1968. et. 1990. de. Danças folclóricas da Ilha de Santa Catarina. (1):47-49.. recitativos. 2000. quadrinhas. Magalhães. Gilberto Gil: Expresso 2222.). 1959.

In: Estudos Afro-Asiáticos. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. Massangana.Rio de Janeiro. out 1969. SANTOS. Recife: Fundação Joaquim Nabuco. O berimbau-de-barriga e seus toques. Maria da Conceição Castro. 7(13):103-24. João Jorge Santos (org. In: GOMES. 6(4):295-304. Hugo. Anais do III Congresso Afro-Brasileiro. Carlos Benedito Rodrigues da. São Paulo. s. Da tradição africana brasileira a uma proposta pluricultural de dança-arte-educação. 1996. SALVADORI. São EDUSP/Perspectiva.d. Tese (Doutorado) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. 2) SILVA. São Paulo. (89):247-51. Black Soul: aglutinação espontânea ou identidade étnica. Os afrobrasileiros.ROCHA. RODRIGUES. João Jorge Santos. Curricularidade em ritmo de samba-reggae. Moisés de Melo. Olodum: carnavalizando a educação. In: MOTTA. ROSENFELD. Roberto (coord. 67p.). Vicente. out 1944. Campinas: UNICAMP. 220p. 1996. 1983. ROSA. In: Revista Brasileira de História. Rio de Janeiro. Edit. Olodum e o Pelourinho. Centro de Estudos Afro-Asiáticos. set. SHAFFER. cultura e cidade. mai 1948. il. Salvador: Edições Olodum. 19(51):878-88. Negro. do samba da Guiné e das danças espanholas levadas para a América do Sul. Encontro Nacional Afro-Brasileiro . Kay. Inaicyra Falcão dos. 1987. Uma contribuição ao estudo das 190 . 1985. Mário Miranda. Malandras canções brasileiras. 2000. Olodum estrada da paixão. SANTANA. de Filgueiras. 106p. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes. Macumba e Fute bol. RODRIGUES. Maria Angela Borges. São Paulo. Marco Aurélio A. In: Sociologia. RODRIGUES. Anatol. 29/07 a 1º/08/82. Do folclore e da influência africana. A dança afro-brasileira e as técnicas do corpo. In: Brasil Cultura. Lisboa. 2(3):49-54. 1993. (Monografias Folclóricos.). O samba e sua origem: onde se escreve acerca da macumba e do candomblé. A presença do negro na música do Pará. In: Leitura. Pelo Pelô: história. São Paulo. O papel da magia no futebol. ROCHA. João Jorge Santos. Salvador: EDFBa. Paulo: SALLES. 1995. A música do Ilê Aiyê e a Educação Consciente. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Folclore. 1986/fev.

Grupo Cultural Olodum. 35-37. 1995. 20p. Universidade/UFRGS. São Paulo: Editora Fundação Peirópolis. Kátia de Melo e. In: ANDRADE. Olodum: a vitória. p. 1992. 1987. São Luís do Maranhão: EDUFMA. SILVA. SILVA. Elaine Nunes (org. lazer e identidade cultural. ABONG. 2002. De banzo . 1986. 1999. SILVEIRA.). lazer e identidade em São Luís do Maranhão.). SILVA. SILVA. In: ANDRADE. nov. In: Ciências Sociais Hoje 2.). Da Terra das Primaveras à Ilha do Amor: reggar. 1995. Valter Roberto. Marília T. il. SILVA. Minorias Étnicas e outros estudos. SILVA. Márcia. 191 . SILVA. SILVA. O RAP das meninas. Campinas/SP. 137-151. Dissertação de Mestrado apresentada ao Departamento de Antropologia Social do IFCH da UNICAMP. Rio de Janeiro: José Olympio. São Paulo: Summus. SILVÉRIO. Maria Aparecida. Mangueira. In: Racismo no Brasil. (63):117-8. Da Terra das Primaveras à Ilha do Amor: reggae. 387p. Clarindo (org. 93-101. 1983. São Paulo: Summus. de. p. Barbosa da. Rap e educação. 1990. Rap e educação. 1980. Carlos Benedito Rodrigues da.manifestações culturais no meio negro. 1999. In: Revista Estudos Feministas. 3(2). sons negros com ruídos brancos . 1996. Euzébio e MAESTRI. Projeto Rappers: uma iniciativa pioneira e vitoriosa de interlocução entre uma Organização de Mulheres Negras e a juventude no Brasil. Os tambores da esperança: um estudo antropológico sobre a construção da identidade na Irmandade do Glorioso São Benedito de Bragança (Pará). Porto Alegre: Ed.). In: ASSUMPÇÃO. rap é educação. Porto Alegre. Nós. Maria Helena Vargas da. p. Maria Aparecida (Cidinha) da. SILVA. rap é educação. Carlos e OLIVEIRA FILHO. In: Caderno de Pesquisa . Dissertação (Mestrado) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Rio de Janeiro: IFCS/UERJ. Movimentos Sociais Urbanos. os afro-gaúchos. CACHAÇA. O Hip Hop como registro do sentir e do desejar. Brasília: ANPOCS. 89-103. 165p. Carlos Benedito Rodrigues da. p. Arthur L. Salvador: Projeto Cultural Cantina da Lua/FUNARTE. Dedival Brandão da. São Paulo. Fala. Elaine Nunes (org. Mário (Org.

Negros e Mestiços. engenhos. nº 7). Vozes. TINHORÃO. Os sons dos negros no Brasil: cantos. História. TINHORÃO. In: Textos e Debates. 192 . D. Cultura e sociabilidade na América portuguesa . 51p. São Paulo: HUCITEC. 112p. Vozes. SOUZA. Thesaurus. In: JANCSÓ. Maria de Lourdes. In: LIMA. Influência negra na música brasileira. 2000. Angela Maria de. folguedos: origens. Fricote : swing. SOUZA. Maracatu. 1921. TINHORÃO. São Paulo: Art Editora. TINHORÃO. SIQUEIRA. 1969. José Ramos. Modinhas do passado: investigações folclóricas e artísticas. 1988. revisada e aumentada. Modinhas brasileiras. 1956.SINZIG. Petrópolis/RJ: Ed. São Paulo: Art Editora. José Ramos. Sônia Maria (orgs. 74(2):4-11. 2001. p. 1996. Yvonildo de. SOUTO MAIOR. 197p. 2(3):822. ago. In: Ilka B. Nordeste. (Série Pensamento Negro em Educação. TEODORO. Rio de Janeiro: Jornal do Brasil. RAP em Florianópolis: uma experiência estética. 6ª ed. Petrópolis/RJ: Ed. ensaio sócio-antropológico em ritmo de jazz. Pequena história da música popular. Negros no Sul do Brasil: Invisibilidade e territorialidade.Ritmo. mito e identidade nas festas de reis negros no Brasil – séculos XVIII e XIX. danças. Paris: UNESCO. Negros.). Pedro. Música Popular de Índios. SOUZA. José Ramos. SOUZA Ângela e NUNES. Recife: Ed.). Marina de Mello e. TIENER.). 2ª ed. Poesia e negritude. Festa. T. O movimento do RAP em Florianópolis: a Ilha da Magia é só da ponte pra lá . Ivan Costa e SILVEIRA. 1975. 1953. Petrópolis/RJ: Ed. SOUZA. 1996. Florianópolis: Núcleo de Estudos Negros. 185p.. In: Brasil Açucareiro. Leite (org. Iris (orgs. territórios e educação. 49-75. Rio de Janeiro. Vozes. 1972. História Geral da África IV – A África do século XII ao século XVI. Florianópolis: NUER (Núcleo de estudos sobre identidade e relações interétnicas) / UFSC. Música popular de índios. negros e mestiços. 1988. Florianópolis: Letras Contemporâneas. João Baptista. (Coord. São Paulo: Ática. Angela Maria de. RAP . Mário. negros . 1986. José Ramos. Margarete F. Brasília. István e KANTOR. 1988. da modinha à lambada.).

In: Luso-Brazilian Review. cançonetes. TROVADOR: coleção de modinhas. evolução. In: Atlântico. Mulher negra na MPB. Rio de Janeiro: ed. VIANNA JUNIOR. mai 1938. Rio de Janeiro: Rio Fundo Ed. VILELA. 324p. lundús. Adhemar. Popular. 150 p. 13(1):35-54. festas e estilos de vida metropolitanos. 1991. (Antropologia Social). fev 1939. Summer 1976. Rio de Janeiro: Riex. VIDOSSICH. 101p. African influences on the music of Brazil. 1904. O coco de Alagoas: origem. VIEIRA. UFRJ. 1988. s. 1980. A Tarde. 6 de junho de 1993. 2(8):5362. Dança. Quaresma. dança.. modalidades. Raízes da música popular brasileira..TROVADOR brasileiro ou novíssimo cantos de modinhas: contendo explêndida e escolhida coleção de modinhas.. Ary. il. 1987. 1961. Um velho lundu.d. 93p. Rio de Janeiro. VIANA. 19(85):5-6. VASCONCELOS.c. 115p. VIEIRA. Maceió: Departamento Edtadual de Cultura. Rio de Janeiro: Livr. Hamilton. 2(2):665-8.p. jul/dez 1968.l. Vitória. VIEIRA. In: Mensário do Jornal do Comercio. Congos. recitativos. Salvador. Edoardo. Baile funk carioca. 192p. In: Revista do Brasil. 1876. 1944. Cantares d’África. David E. 5v. VIANNA JUNIOR. José Geraldo. 74p. VIDAL. Hermano Paes. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. In: Folclore. s.p.. Adhemar. VIDAL. lundús. s. José Aloisio. 193 . O negro e a música. Hermano Paes. música e poesia negra no Brasil. Antonio. VASSBERG.. Rio de Janeiro. Madison. Rio de Janeiro. 5:41-48. Hildegardes. recitativos. árias. O mundo funk carioca. Lisboa. A tradição do maracatú.

1996. Erika Franziska. Eugênio. ARAÚJO. BASTIDE. Festa e Resistência Negra: O Carnaval no Contexto dos Blocos Afro Ilê Aiyê e Oludum em Salvador-Ba. ASSOCIAÇÃO Cultural Bloco Carnavalesco Ilê Aiyê. O negro e a construção do carnaval no Nordeste . ARAÚJO. Jaime de. 4). 1978. um episódio antropofágico. 3) BAHIATURSA. Salvador: SECNEB/Secretaria da Educação/CES.1. ARAÚJO. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. ARAUJO. Maria do Carmo. 1996. ALMEIDA. Foliões. As escolas de samba. Roger. ZUMBI 300 anos. 2v.. In: ARAÚJO. dat. Pluralidade Cultural e Educação. 1-101. Salvador. O negro e a cultura popular em Pernambuco. ARAÚJO. Rita de Cássia Barbosa de.). C ULTURAS NEGRAS NO BRASIL 4. (Série didática v. Petrópolis/RJ: Vozes. ALMEIDA. Jaime. 1996. 1987. CARNAVAL ALMEIDA. 1996. 1984.. 4). Maceió: Edifel. 50p. Narcimária Correia do Patrocínio (Org. p. Não deixa o samba morrer: um estudo histórico e etnográfico sobre o carnaval de São Luís e a escola Favela do Samba Eugênio Araújo. 150-69.4. São Luís: UFMA. O negro e a construção do carnaval no Nordeste . (Série didática v.). Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia. Maria do Carmo. 1996. 160p. São Paulo. Ari. s. Maceió: EDUFAL. Relatório do Carnaval 84. Entretien avec C.2. 194 . In: ALMEIDA. 2001. Uma teoria da festa do carnaval brasileiro. Expressões da cultura popular. Luiz Sávio de (org. 3p. 1996. Ari & HERD. Luís Sávio et alli. Mettra à propos du Carnaval. In: LUZ. Salvador. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal da Paraíba. Os negros refazem o Carnaval: Comunicação e cultura no processo de afirmação da etnia. João Pessoa. jul 1972. l. Maceió: EDUFAL. O negro e a construção do carnaval no Nordeste . D ANÇA/MÚSICA/ESPORTE 4. il (Caderno de Educação do Ilê Aiyê. p. In: ALMEIDA.2. Luís Sávio et alli.

1946. abr 1944 BEVILACQUA. (Papéis Avulsos. DA MATTA. (15):134-44. A dimensão intercultural da identidade brasileira. A temática racial no carnaval carioca. Roberto. Paris.. Rio de Janeiro: Editora URFJ/MinC/Funarte. In: Ensaios de Antropologia Estrutural. O carnaval de Recife. In: Revista do Brasil. 139-41. O carnaval como rito de passagem. 4ª fase. 1990. Thais Luiza. A temática racial no carnaval carioca: algumas reflexões.. (150):69-71. 1994. Anais. Carnaval Carioca: dos bastidores ao desfile. Maria Laura Viveiros de Castro. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Santa Catarina. In: Estudos Afro-Asiáticos. O rito e o tempo: ensaios sobre o carnaval. Jaques. 1:49-52. Maria Laura Viveiros de Castro. O escravo no carnaval da cidade de Nossa Senhora do Desterro no século XIX. Maria Laura Viveiros de Castro. 16) CAVALCANTI. O Carnaval do Desterro: século XIX.. 1989. IN Recherche Pédagogie et Culture. Otávio. Riode Janeiro. Você sabe quem está falando?. DA MATTA. 1990. Thais Luiza. Rio de Janeiro: Zahar. In: Estudos Afro-Asiáticos. In: Revue Française de L’élite Europénne. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. Paris. Carnavais.Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Rio de Janeiro: Guanabara. Rio de Janeiro. Maria Laura Viveiros de Castro. 8. D’ADESKY. Florianópolis. 1981. p. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes . jun. 195 . O samba carnavalesco carioca. COLAÇO. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes . (18):27-44. 1999. Le nouveau carnaval nègre au Brésil. DA MATTA. COLAÇO. 64:38-9. CAVALCANTI. In: _____________. In: Boletim Latino Americano de Música. algumas reflexões. 129p. BASTIDE. CAVALCANTI. Roger. Jacques. D’ADESKY. Les carnavals du Brésil. Roger. CAVALCANTI. oct/déc. mai. 1963. 6(2). Petrópolis/RJ: Vozes. 1983. Roberto. 1988. São Paulo: SBPH.Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Carnavais. Roberto. Rio de Janeiro: UFRJ/ECO/CIEC. malandros e heróis. malandros e heróis. 1989. 39p. 3ª ed. In: Reunião Anual da SBPH.BASTIDE. mar. 1973. 1988.

Carnaval: texto. Rio de Janeiro: Livraria Kosmos. Salvador: Centro de Estatística e Informação. 2v. São Paulo. 2. Carnaval. 13 mar. imagem. Moacir. GARDEL. Jornal Folha de São Paulo. Escola de samba. A História de um Afoxé. l995. p. 1994. 1984. Florestan. História do Carnaval da Bahia. l995. FUNARTE. A Essência do Carnaval. Os Carnavais Brasileiros. Dissertação (Mestrado) – Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Brasília: CNPq. O mito da democracia racial. Ana Luiza. 1975. Rio de Janeiro. ritual e sociedade. Salvador: Associação Cultural Bloco Carnavalesco do Ilê Ayiê. Anísio e NERY. 232-63. mar. l995. 33(2):90-99. 1993. 1982. O País do Carnaval Elétrico. 1993. Rio de Janeiro: s.e. 1982. João José (org. 212p. FERNANDES. 1967.. FISCHER. Rio de Janeiro. Bahia. A. 20 mar. O Grêmio Recreativo Escola de Samba Beija -Flôr de Nilópolis sob a direção artística do carnavalesco João Jorge Trinta. MARTINS-COSTA. Escolas de samba: a descriptive account. Negros e brancos no carnaval da Velha República. São Paulo. Peter. Maria Lúcia Pazo. LEOPOLDI. CARRARA. (Série Bibliográfica. 1966. 27 mar. In: Revista de Administração de Empresas. São Paulo. Salvador: Edição do Autor. 5). Salvador: Edição do Autor. Florestan. p. FERNANDES. 51p. FERREIRA.. In: REIS. Luís D. Florestan. Goli. 25p. 196 .FÉLIX. FORÇA das raízes. 1988. São Paulo. 200p. Escravidão e invenção da liberdade. FRY. 3(4):100-5. Tânia et al. p. Olodum: a arte e o negócio. In: Revista Análise e Dados. Anísio. Escolas de Samba e Carnaval. GÓES. Salvador: Corrupio. FÉLIX. mar/abr. GUERREIRO. Filhos de Gandhi.. São Paulo: Brasiliense. Fred de. som. FERNANDES. Jornal Folha de São Paulo. Jornal Folha de São Paulo.). Sérgio. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro. José Sávio.. 1988.2. estudos sobre o negro no Brasil.

estudos sobre o negro no Brasil. Petrópolis/RJ: Ed. O carnaval dos folguedos populares brasileiros . Marlyse. MARTINS-COSTA. Rio de Janeiro: [s. Samba e ascensão social: uma utopia. O samba. 1996. Belo Horizonte: Formato editorial. Vozes. Nei. José Savio. Sérgio. Negros e brancos no carnaval da Velha República. 5:6-8. Francisco. CARRARA. 8p. O negro no Rio de Janeiro e sua tradição musical: partido alto. Roberto da.n. 232-63. 1993. 1941 LIMA. Maria Luiza Lira de Araújo. In: REIS. São Paulo: EDUSP. Codecri. 4p.). ritual e sociedade. 1979. FRY. fev 1955. O carnaval africano do Recife. MATTA. Salvador: Centro de Estatística e Informações. chula e outras cantorias. 197 . p. Raul Giovanni da Motta. Raul Giovanni da Motta. Ana Luiza. João José (org. MEYER. Rio de Janeiro: Editora Guanabara. Rio de Janeiro: PALLAS. Ritmos carnavalescos. calanfo. São Paulo: Brasiliense. LOPES. Escola de samba: Petrópolis(RJ): Vozes. malandros e heróis. LODY. 8p. 1990. Maria Luiza Lira de Araújo e POUSADA. Rio de Janeiro: Livraria Jacintho. 1992. a utopia da ascensão social do sambista. In: Revista de Música Popular. LOPES. Raul Giovanni da Motta. In: Revista de Cultura. MARQUES. In: __________. 1994. Rio de Janeiro: [s. 1994. Ilê Aiye: um diário imaginário. LODY. 146 p. Carnavais. Com o carnaval no sangue: sobre vivências e contribuições à memória das tradições carnavalescas afro-brasileiras. O fazer da folia: em torno da arte dos carnavais. Peter Henry. Rio de Janeiro: s. Uma. mar. Leonor.]. 24. LIMA. duas angolinhas. Rio de Janeiro. Nei. 1981. 1988. Caminhos do imaginário no Brasil. abr. Rio de Janeiro. Elizabete e MIGUEL. 5(4):4556. LOPES. Nei. Paulo. Escravidão e invenção da liberdade.LEOPOLDI. Lúdicos Mistérios da economia do carnaval da Bahia: trama de redes e inovações. LODY.. In: Revista Análise e Dados. 73(3):43-50.] 1993. na realidade. 175-225. 1978. 1992.n. (Comunicado Aberto. p.ed. 19) LOIOLA.

Waldir Freitas. MORALES. 2002. out/dez. In: Revista USP Dossiê Cultura de massa e globalização. In: Filosofia. PÉROLAS negras do saber. Maria Lúcia. FFLCH/USP. uma tradição negra. PUC Rio Grande do Sul. 1991. A retórica do samba-enredo. Ana Maria. In: Suplemento Caderno CRH. Escravidão e invenção da liberdade. p. 1979. set 1941. Alcides Barbosa. São Paulo: Brasiliense. 1991. Brasília: MEC. p. A cor da festa . Carnavalização e multidentidade cultural. Celso. Rio de Janeiro.). (Cadernos de Educação do Ilê Ayiê. In: REIS. Blocos Negros em Salvador: reelaboração cultural e símbolos da baianidade. MORALES. PEDRA. São Paulo. São Paulo: Editora Panorama. OLIVEIRA. Sorocaba: Fundação Ubaldino do Amaral. 72 93. 13(42):7-21. Considerações sobre o carnaval. 15(42):37-42. In: Leopoldianum. 9(2). out/1989. Salvador: Associação Cultural Bloco Carnavalesco do Ilê Ayiê. estudos sobre o negro no Brasil. Dilmar. XXV(1):161-70. São Paulo: MAC-USP. NICÉIAS. Síntese histórica de duas agremiações carnavalescas. Baiana. 5-6(13):20-24. Verbetes para um dicionário do Carnaval brasileiro. Mário. O Carnaval da Bahia. 51p. Revista de Sociologia da USP. Santos. 9(33). 1988. jul/set 1970. dezembro 1993. Paulo. O afoxé Filhos de Gandhi pede paz. Ciências e Letras. 1968/1969 PEREIRA. Salvador: UFBa. MONTES. 264-74. In: Revista Cultura. 198 . Ana Maria. MIRANDA.MIGUEZ. EDUSP. In: Estudos Ibero-Americanos. 5) PRUDENTE. In: Tempo Social. In: Catálogo Para a Exposição Oficinas do Sonho: a Beija-Flor vista do barracão. In: Revista do Livro. José. Rio de Janeiro. ou Carnaval: a estética negra de um espetáculo de massa. 1997. In: Encontro Com Folclore. 8:123-126. São Paulo: Coordenadoria de Comunicação Social. 1997. Uma etnografia selvagem. Mãos negras: antropologia da ate negra.cooptação e resistência: espaços de construção da cidadania negra no carnaval baiano. il. O erudito e o que é popular. João José (org. José Severo de S. Beatriz Barata de Alencar et allí. OSÓRIO. Maria Lúcia. MUNIZ JUNIOR. 1988. abr. antropofagia e tropicalismo. MONTES. São Paulo.

São Paulo. RANGEL. sessenta anos de evolução do carnaval na cidade de São Paulo (1855-1915). Graciliano. SIMSON. 1976. Josiane Abrunhosa da. dez. 246p. São Paulo: CERU/USP. RISÉRIO. 283p. Porto Alegre. SILVA. Escravos e mobilidade social vertical em dois romances brasileiros do século XIX. notas sobre afoxés e blocos do novo carnaval afrobaiano. Université Paris Sorbone (Paris IV). 29(12):1. In: Caderno de Pesquisa . Rio de Janeiro. Rio e Recife: últimos redutos do carnaval.. SIMSON. São Paulo. Carnaval brasileiro: da origem européia ao símbolo nacional. RAMOS. Carnaval Ijexá. 1993. 1 mar. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Kátia de Melo e. Carnaval 1910. São Paulo. QUEIROZ. 1997. 1990. Olga Rodrigues de Moraes von. RIBARD. (15). In: Cadernos do CERU. 1981. Espaço urbano e folguedo carnavalesco no Brasil: uma visão ao longo do tempo. Le carnaval noir de Bahia: ethnicité. Olga Rodrigues de Moraes von. Brancos e negros no carnaval popular paulistano. identité et fête afro à Salvador. São Paulo. QUEIROZ. Olga Rodrigues de Moraes von. O negro paulistano enquanto folião carnavalesco e sua longa trajetória em busca de sua 199 . Olga Rodrigues de Moraes von. 2ª quinz fev 1957/1 quinz mar 1957. Visão.. 39(8):717-29. Franck. 1984. Maria Isaura Pereira. 1977. Bambas da Orgia: um estudo sobre o carnaval de rua de Porto Alegre. A burguesia se diverte no reinado de Momo. Thèse (Doctorat) – Nouveau Régime. 1914-1988. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia. São Paulo.253-61. Lúcio e OLIVEIRA. Grupo Cultural Olodum. ago. (63):117-8. In: Ciência e Cultura. Antonio. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul.QUEIROZ. 1987. In: Cadernos CERU. A sociologia brasileira da década de 40 e a contribuição de Roger Bastide. 1987. nov. out. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia. Maria Isaura Pereira de. SIMSON. seus carnavalescos e os territórios negros. Paris. São Paulo: SBPC. SILVA. (9):39-58. São Paulo: Corrupio. Maria Isaura Pereira de. São Paulo. SIMSOM. 1981. Valdemar. 1957. In: Revista Ciência e Cultura. 63-71. In: Para Todos.

TATI. jan/abr 1970. 1991. Rio de Janeiro. Raphael Rodrigues. il. 1987. Celso. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. 132p.cidadania. 2) VERGER. Francisco de.13. p. 5(13):83-298. Do entrudo ao carnaval na Bahia. 1985. Dissertação (Mestrado) – Faculade de História da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Rio de Janeiro. Pierre. ASB Arte Gráfica. In: Atlântida.6178. mar 1916. 200 . Procissões e carnaval no Brasil. VIEIRA.. São Paulo. Ba: a re-criação do espaço carnavalesco (1876-1930). VIANA. Rio de Janeiro: s. O carnaval no Rio. Carnavais de guerra. (Ensaios de Carnaval. n. Salvador: Centro de Estudos Afro Orientais/UFBa. 10(26):85-92. VASCONCELLOS.ed. In: Revista Brasileira do Folclore. Elementos de uma escola de samba. Miecio. 1(5):414-419. In: Revista Brasileira do Folclore. In: ENSAIOS/PESQUISAS nº 5. o nacionalismo no samba. Império Serrano: primeiro decênio. 1980. In: Estudos Afro-Asiáticos. TUPY. A africanização do carnaval de Salvador. set/dez 1965 VIEIRA FILHO. Dulce. 1995. 314p. mar. 1947/1956. Hildegardes. Lisboa.

mar 1963. CABRAL. nov 1937. CARNEIRO. Rio de Janeiro. Voz macia: o samba como padrão da música popular brasileira. Samba de umbigada. Mário de. 81p. Édison de Souza. CAMPANHA de Defesa do Folclore Brasileiro. Samba sua história. C ULTURAS NEGRAS NO BRASIL 4. Jorge S.2. Samba na cidade de São Paulo.2. 1996. In: Boletim Latino Americano de Música. Édison de Souza. quando e por que? Rio de Janeiro: Ed. São Paulo: FFLCH / USP. MEC/CDFB. seus músicos e seus cantadores. 1962. 212p. 1986. Fontana. 1989. Rio de Janeiro: Livraria Educadora. 1962. Ieda Marques. quem. In: Revista do Arquivo Municipal.1930: um exercício de resistência cultural. S AMBA ANDRADE. D ANÇA/MÚSICA/ESPORTE 4. 1961. Não deixa o samba morrer: um estudo histórico e etnográfico sobre o carnaval de São Luís e a escola Favela do Samba Eugênio Araújo. Rio de Janeiro. Sérgio. Partido Alto: Portela. mai/ago 1969. O Samba Rural Paulista. O samba carnavalesco carioca. 35(22):60-63. 1917-1939. Eugênio. 2001. BARROS. 1933. São Paulo. São Paulo: FFLCH/USP. Adilson de. Rio de Janeiro: LUMINAS. In: O Cruzeiro. Orestes. como. CARNEIRO. 1946. Otávio. CALDEIRA NETO. Sérgio. Aprovada pelo I Congresso Nacional do Samba. IBECC/CDFB. Rio de Janeiro. As Escolas de samba: o que. 1974. BEVILACQUA. 114p. Rio de Janeiro.4. BRITO. 16p. 1900. São Luís: UFMA. In: Revista Brasileira de Folclore. Rio de Janeiro. O samba veio da Bahia e também de Portugal.2. Carta do Samba. As Escolas de samba do Rio de Janeiro. BARBOSA. 201 . ARAÚJO. 6(2). CABRAL. 9(24):209-213. seus poetas. 4(41):37-116. O terno de Reis.

GOLDSWASSER. 1975. 1900. In: Para Todos. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Neide. mar 1957. fev 1957 e 1ª quinz. 1981.CASTRO. Panorama do Samba Santista . Acertei no milhar: Samba e malandragem no tempo de Getúlio./jun. Do batuque à escola de samba: Subsídios para a história do samba. IANNI. José. Lithographia Ypiranga. São Paulo. Rio de Janeiro: Record. (Cadernos CEDES) COMENDA. Salgueiro: Academia de Samba. Lauro e GUIMARÃES. CHINELLI. CAVALCANTI. Black-breque. Bras. estudo de um grupo soul em relação a adeptos do samba. 1976. de Impressão e Propaganda/Cia. 200p. José. Luís D. 1956. São Paulo. Carta do Samba. Claudia Neiva de. 7(26):403-26. Gildeta Mattos da. São Paulo. 1962. 1962. Rio de Janeiro. 158p. COSTA. São Paulo: Editora Cortez. O palácio do samba: estudo antropológico da escola de samba Estação Primeira da Mangueira. O samba no terreiro de Itu. Maria Júlia. Muniz Jr. São Paulo: ed. In: Comunicações do ISER. Símbolo. 1984. 2ª quinz. Samba. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 202 . Octavi o. Rio de Janeiro: Livraria Kosmos. abr. 177:121-63. 1993. A escola de samba no carnaval carioca. Haroldo. Samba na cidade de São Paulo./Cia. Grupo de samba-lenço em São Paulo.o caso da Mangueira. marginalidade e ascenção. GARDEL. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia. In: Revista do Arquivo Municipal. favelados e meninos de rua. (33):43-74. 311p. J. In: Revista de História. O projeto pedagógico das Escolas de Samba e o acesso à cidadania . MATOS. UFRJ. 1969. 1976. 1988. Rio de Janeiro: MEC. Zaíde Maciel de. 1967. Rio de Janeiro. In: Educação e Multiculturalismo. Ieda Marques Brito. Rio de Janeiro: 7(28):21-32. MATTA. abr./jun. I. 143p. 1981. Dinah. Escolas de samba: a descriptive account.1930: contribuição ao estudo da resistência e da repressão cultural. 16p. MUNIZ JUNIOR. HORI. Rio de Janeiro. Filippina. CONGRESSO NACIONAL DO SAMBA. MUNIZ JÚNIOR. Rio de Janeiro: Zahar. São Paulo: Ed. 1982.

Negro Brasileiro Negro. Ana Maria Rodrigues. 153p. Muniz Jr. de Impressão e Propaganda/Cia. Manchete . RIBEIRO. jun. In: Cadernos CERU. Francisco Alves. (19):231-41... 1981. Samba negro. espoliação branca. Science-History. In: Revista de Cultura Vozes. A dança do samba. Ana Maria Rodrigues. PARANHOS. Bras. RAPHAEL. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. D. José Carlos. Rio de Janeiro. Ana Maria Rodrigues. Ano 95. São Paulo.d. São Paulo: ed. Thése (Ph.) .. 4:22-24. 23 fev. Samba Negro. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. REGO. São Paulo. RIBEIRO. Lúcio.). Joel Rufino dos (org. RIBEIRO. 216p.l.Fac. Hugo. 1962. Petrópolis: Editora Vozes. In: São Paulo: HUCITEC: 1984. Lúcio. O samba e sua origem: onde se escreve acerca da macumba e do candomblé. Samba and social control : popular culture and racial democracy in Rio de Janeiro./Cia. Lithographia Ypiranga. Maria Helena Gisela F. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia. Entre o lúdico e a luta : Leandro de Itaquera. PEREIRA. 1957. do 203 . O samba na contramão: música popular no ‘Estado Novo’. do lazer?. A questão da profissionalização nas escolas de samba do Rio de Janeiro. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. MURILO. s. Pol. s. 2001. Do folclore e da influência africana. Ministério da Cultura. Rio de Janeiro. OLIVEIRA. 95(1):69-80. Espoliação Branca: Um Estudo das Escolas de Samba do Rio de Janeiro. jan 1955. 1980. Samba. Sambistas e chorões: aspectos e figuras da música popular brasileira. Dança do samba: exercício do prazer. RANGEL. In: SANTOS. 1997. Livr. Rio de Janeiro: Aldeia/Imprensa Oficial. 180p. Cláudio. 2002. uma escola de samba na cidade de São Paulo. Adalberto. In: Revista da Música Popular. Columbia. 149p. 99p. José. Rio de Janeiro. Alison. Sambistas imortais. 1979. ROCHA. 1984. 244p. 1994. José Carlos. 25:101-105. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia. Onde mora o samba: a escola de samba da Portela. Quando o samba era samba. Columbia University. Gomes. São Paulo. Rio de Janeiro: UFRJ. Kelly Adriano. RANGEL. J. REGO.MUNIZ JÚNIOR.

SCHMIDT. Rio de Janeiro: José Olympio. 33927. vol. SANTOS. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina. 1979. SILVA. de. São Paulo. Marília T. 1997 ( Série Pensamento Negro em Educação). São Paulo: IBRASA: 1978. Origem do termo samba. Clóvis. 1983. Rio de Janeiro. 1995. SIQUEIRA. In: Revista Brasileira de Música. In: Paulistânia. ROMÃO. 1(1):121-6. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. (35):43-66. (Caderno Mais!) SILVA. In: Brasil Cultura. 1939. Arthur L. A lógica simbólica do carnaval. il. Rio de Janeiro: Centro de Estudos Afro-Asiáticos. 1968. Samba não se aprende na escola. 15 out. CACHAÇA. jun. Myrian Sepúlveda dos. SODRÉ. 6:45-50. 165p. Carlos e OLIVEIRA FILHO. São Paulo. Lisboa. Fala.. 2(3): 49-54. Negro em roda de samba. SCARPINO. NUP/CED/UFSC/Diálogo. Cristiana. Cadernos Cândido Mendes. (Biblioteca Sociologia e Patologia Social. 1980. Barbosa da. 1981. 33413. Rio de Janeiro. In: Guanabara em Revista . SODRÉ. 33808. Jotá. jan/fev 1949. 29/07 a 1º/08/82./jul.samba da Guiné e das danças espanholas levadas para a América do Sul. In: Guanabara em Revista . In: Negros e Currículo. 17:42. O território do Samba. Lilia Moritz. 204 . O samba carioca: notas de uma visita à Escola do Morro da Mangueira. SAMBA. RUI. TRAMONTE. O batuque negro das escolas de samba. p. Florianópolis/SC: NEN. Rio de Janeiro. 27:10-12. 2. Egidio de Castro e. Eu sou o samba. (8-9):239-40. Muniz. 1986. Jeruse. SILVA.. Rio de Janeiro: Codecri. Mangueira. O samba conquista passagem: as estratégias e a ação educativa das escolas de samba de Florianópolis. 33211. 8. Afonso. Muniz. Batista. In: Estudos AfroAsiáticos. 1948. Gravação Victor: 33404. Maria Trindade Barboza da. 6). 189p. In: Tempo Brasileiro. In: Estudos Afro-Asiáticos. il. Jornal Folha de São Paulo. Notas sobre o carnaval paulista. Samba: o dono do corpo. 1(1):105-18. Rio de Janeiro. Samba pede passagem. mai.Rio de Janeiro. SCHWARCZ. Encontro Nacional AfroBrasileiro . 1999.

VIANA. 1969. Hermano. Pagode: a festa do samba no Rio de Janeiro e nas Américas. jan/dez 1965. In: Encontro com o Folclore. In: Folclore. José”. Samba de roda vem dos tempos da colonização. VASCONCELOS. Hildegardes. Tradução de Nelson Araújo. 1970. Nininha Chôchôba: sambista. 1980. 205 . VASCONCELOS. Salvador: CEAO-UFBa. 1968/69. 1998. 1995. 16(81):1-2. Rio de Janeiro: MultiMais Editorial. Rio de Janeiro: 7(14):22-24. 16p. Samba de viola e viola de samba no Recôncavo Baiano. Francisco de. VADDEY. Alejandro. 15p. Ralph Cole. Francisco de. O mistério do samba. O samba em Recife ou de como vive e desfila a Escola de Samba “Estudantes de S. Francisco de. Petrópolis: Impr. Rio de Janeiro: Jorge Zahar/EDUFRJ. Rio de Janeiro: 5-6(13)13-20. VIANNA. Vespertino. No mundo do samba: da conservação das escolas de samba no futuro. Vitória. In: Encontro com o Folclore. il. Parte I: viola de samba.ULLOA. VASCONCELOS.

253p. Rio de Janeiro. In: Estudos Universitários. 8(8). Luís Alípio de. ALMEIDA. 1967. luz e pajelanças. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. p. Bumba Meu Boi maranhense em São Paulo: dimensões semióticas. Universitária. BUENO. Tb: MÓDULO. Rio de Janeiro: Funarte. jul/dez 1970. 1999. 206 . BORBA FILHO. Bumba meu boi. In: Leitura. 3(1): 19-20. 8:32-41. In: Ilustração Brasileira. andanças. abr 1921. Bumba-meu-boi. 175p. Presença do boi no folclore brasileiro. Rio de Janeiro. Jan.3.. Apresentação do bumba-meu-boi. 1906. 64-8. ALMEIDA. B UMBA-MEU-BOI ALMEIDA. Bumba-meu-boi no Maranhão. Boi-bumbá: festas. Adelino. Wilson de Lima. 31p. Bumba-boi maranhense em São Paulo. São Paulo. AZEVEDO. Rio de Janeiro. Renato. 13/12/1947. In: Kosmos. Luís Rodrigo de. fev. Recife: Impr. Recife. Gustavo Dodt. 1979. ASSAYAG. Arthur. João. BARROSO. Américo. set. 1942. BUENO. O Bumba-meu-boi de Camassarí. Atualidade do bumba-meu-boi. Rio de Janeiro. BARROS. BORBA FILHO. 1983. André. São Paulo: Nankin Editorial. Juiz de Fora: Centro de Estudos Sociológicos. Boi-bumbá. 1995. O Bumba-meu-boi pelo S. Rio de Janeiro. AZEVEDO. abr 1959. 2(19):193-197. C ULTURAS NEGRAS NO BRASIL 4. Bumba-meu-boi. In: Cultura Política. 2(9):7-13. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. André Paula. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia. D ANÇA/MÚSICA/ESPORTE 4. In: O Cruzeiro. 2001. BASTOS.4. 10(3-4):89-105. 1958. Hermilo. Rio de Janeiro. O bumba-meu-boi. 17(22):27. Renato. São Luís: s. Hermilo.2. nº 163 de 11/01/1950. In: Revista Brasileira de Música. BRANDÃO. 1942.ed.2. IBECC/CNF1/doc. Simão.

Com. Maria Michol Pinho de. Sonia. Niterói. Um folgueto do povo: o bumba-meu-boi (ensaio de história e folclore). set/dez 1968. Rio de Janeiro. Carlos. 6(2). Boi-bumba: um auto popular. Belém(PA): H. In: Bol. Boi-bumba e pássaros. Carlos. FERREIRA. In: Revista Brasileira de Folclore.CARVALHO. 2000. Maceió: ed. CNFCP: SESC Rio de Janeiro.ed. 1(1):9-10. In: LAMAS. São Luís: s. Stella Campofiorito e ALT. GALVÃO. MENEZES. 8(20):93-99. mai/ago 1968. Flum. Recife. Bibliografia crítica do folclore brasileiro: bumba-meu-boi. Paris: jan/mar 1963 SALLES. 1972. 79p. Ascenso. Rio de Janeiro. 10(27):177-193. Barra. de Turismo do Estado do Maranhão. Ascenso. 8(20):33-42. jan/abr 1968. Arquivos. 8(22):325-340. Belém: Impr. Festa na Floresta: o boibumbá de Paratins. Bruno. Rio de Janeiro. Folcl. Vicente e SAMPAIO. 207 . Boi-bumbá: auto popular. mai/ago 1970. FERREIRA. Caeté. dez 1944. MENEZES. Carmem Rezende. In: Revista Brasileira do Folclore. Notas acerca do bumba-meu-boi. São Paulo. 1968. jul 1969 CAVALCANTI. Maria Laura Viveiros de Castro. Le merveilleux dans une forme de théatre populaire brésilien: le bumba-meu-boi. 79p. 1958. DUARTE. Rio de Janeiro: FUNART. In: Revista Brasil Folclore. MEYER. 1958. Bruno de. 3(5-6):12157. Boi-bumba: versão do baixo Anhembi. Dulce Martins. Belém: Imprensa Oficial. 8(21):209-226. Barra. Boletim Latino Americano de Música. Abelardo. Matracas que desafiam o tempo: é o bumba-meu-boi do Maranhão: um estudo da tradição – modernidade na cultura popular. 14p. Bumba-meu-boi. Boi bumbá: auto popular paraense. São Luís: Dep. LIMA. jan/abr 1968. COSTA BENTO. 1946. O bumba-meu-boi. 51p. 1995. Bruno de Menezes. 1957.. Documentário: bumba-meu-boi. CARVALHO. LIMA. Rio de Janeiro. In: Revue d’histoire du Théatre. Marlyse. jul 1951 amazonas.. 3(8):276-291. Bumba-meuboi. Eduardo.

Uma festa de boi-de-mamão em Santa Catarina. nº 6. 1(9):378-381. nov 1941. 208 . 75(6):27-33. jun 1970. VASCONCELOS. Boi-bumbá de Belém. Garantido e Caprichoso: os deslumbrantes bois-bumbás de Parintins. Francisco de. Folcl. São Paulo. fev 1959. José Cláudio de. ago 1970. Vicente. O boi no folclore fluminense. In: Boletim Com. 2:14-15. In: Brasil Açucareiro. SALLES. Rio de Janeiro. Crato (CE). In: Boletim Da Associação Brasileira de Antropologia. 9:35-42. Vicente.SALLES. Flum. Rio de Janeiro. SANTOS. O boi-bumbá no ciclo junino. Rio de Janeiro. SOUZA.. Sérgio Alves. 27(20):33. 1994. In: Leitura. José Baptista dos. 1963-1964. O bumba-meu-boi em São Luiz do Maranhão. In: Cultura Política. Niterói. TEIXEIRA. In: Itaytera.

2. 1991. César Câmara de Lima. ilus. José Luiz Oliveira. Rio d e Janeiro. In: Estudos Afro-Asiáticos. Lamartine Pereira da. Rosângela Costa. Renato. Raimundo Cesar Alves de. São Paulo: Brasiliense. Centro de Estatística e Informações. Almir das. COSTA.. Capoeira sem mestre. Marcos Luiz. (20):239-56. Rio de Janeiro: Tecnoprint Gráf. Navalhas e capoeira: uma outra queda. Profissões Étnicas: A profissionalização da capoeira em Salvador. 113p.4. In: Revista Análise e Dados. mar. mar 1906. 23p. 1982. 1951. Salvador: EDUFBA. BRETAS. 1975. do autor. CAMPOS. 96) BERNABÓ. MEC. Hector. Salvador: BDA. 116p. CRUZ. ALMEIDA. In: Ciência Hoje . AREIAS.142p. 1994. Salvador: Livr. 3(3). 1962. 6(23):52-5. 10(59):64. Bimba: perfil do mestre. In: KOSMOS. A queda do império da navalha e da rasteira (a República e os capoeiras). São Paulo. Capoeira na escola. jul/ago 1942.Centro de Estudos AfroAsiáticos. DANÇA/MÚSICA/ESPORTE 4. Édison de Souza.. 102p. 7(84):155-162. Marcos Luiz. nov 1989. A capoeira. Turista. Salvador: Centro Editorial e Didático da UFBa. jun. In: Revista Arquivo Municipal. COSTA. out/dez. Histórias e estórias da capoeiragem. Brasília. O brinquedo da capoeira. 63p. 1976. Rio de Janeiro: ed.2. Rio de Janeiro. 1983. 1996. O jogo da capoeira. 209 . CARNEIRO. C ULTURAS NEGRAS NO BRASIL 4. Capoeira. Lamartine Pereira da. CAMPOS.4. 1961. (Primeiros Passos. ARAÚJO. CAPOEIRA ALMEIDA. a arte da defesa pessoal brasileira. Rio de Janeiro: Caderno Cândido Mendes . Hélio. Salvador: 3(4):30-2. O que é capoeira. CAPOEIRA. In: Cultura. BRETAS. 2001. Rio de Janeiro. Capoeiragem.

FREITAS. São Paulo: Marco Zero. 247-9. Ilhéus: EDITUS. Rio de Janeiro. Agenor Lopes de. São Paulo. 2001. José. Nov 1989. Ubiratan. A healty terror. HOLLOWAY. In: Revista Kawé. (1):59-61. Luiz Sérgio. Entre Áfricas e Brasis. Dissertação (Mestrado) – Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: s. Inezil Penna. Capoeira.DIAS. Capoeira. Capoeira. 2000. 8(24):2-9. O saudável terror: repressão policial aos capoeiras e resistência dos escravos no Rio de Janeiro no século XIX. Rio de Janeiro: UERJ. mar. ágil como um felino. DIAS. Rio de Janeiro.. mar 1957. In: Revista do Brasil. MARINHO. FRANÇA. 1956.1987. In: Brasil Policial. Brasília: Paralelo 15. 2(4):106-15. Rio de Janeiro. MACHADO. Anais.. MATSUMOTO. A capoeira na região cacaueira . 5/10/1951.). jul. punha a multidão em polvorosa. 2ª quin. 1ª quin. p. Selma (Org. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Luiz Sérgio. Rio de Janeiro. Os capoeiras. de arte negra a esporte branco. 4(10):85-98. 227p. Roberta K. 1985. Thomas H. Capoeira. Rio de Janeiro. In: PANTOJA. In: Instituto de Filosofia e Ciências Humanas/UERJ (org. jun 1989. Thomas H. OLIVEIRA. DIAS. 16 a 20 de novembro de 1988. Durham. Alejandro. 1989.. Rio de Janeiro.p. 135-150.. Vida e morte na capoeira do Rio de Janeiro. fev 1957. Universidade Estadual de Santa Cruz do Sul. 69(4):637-76. 210 . Roberto Moreira. (16):129-40. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais.). Quem tem medo da capoeira? 1890-1904. 1993. FRIGERIO.c. Luiz Sérgio. morte e vida no Rio de Janeiro. Seminário Cativeiro e Liberdade. Capoeiras angola e regional: duas formas de entendimento e da integração à sociedade brasileira . 1989. Subsídios para a história da capoeiragem. In: Para Todos. In: Hiapanic American Historical Review. In: Revista IBM. In: Estudos Afro-Asiáticos. HOLLOWAY. police repression of capoeiras in nineteenth-century Rio de Janeiro.

211 . de Loreto. Vicente Ferreira (Mestre). Dissertação (Mestrado) – Escola de Comunicação e Arte da Universidade de São Paulo. REGO. PAIANO. Letícia Vidor de Souza. 1997. 1958. 416p. Antônio Liberac Cardoso Simões. Rio de Janeiro. o arco musical da capoeira. 1956. Bahia: Editora Itapoã. Capoeira Angola. PASTINHA. (6):6-8. Letícia Vidor de Souza.OLIVEIRA. 229p. Albano Marinho de. In: Estudos Afro-Asiáticos. 1964. Movimentos da cultura afrobrasileira – a formação histórica da capoeira contemporânea 1890-1950. Valdeloir. Nestor. Campinas/SP. REIS. 1993. Capoeira. O berimbau e o som universal: Lutas culturais e indústria fonográfica nos anos 60. In: CASCUDO. PIRES. Waldeloir. Berimbau. São Paulo: Departamento de Geografia e História da USP. A roda de capoeira: ‘o mundo de pernas para o ar’. OLIVEIRA. (25):125-140. Luís da Câmara. 2001. 258-61. (129/131): 221-35. Oficial da Bahia. ORTIZ ODERICO. In: Revista Música Popular. REGO. S. In: Revista de História. Coleção Baiana. Enor. il. In: Revista do Instituto Histórico e Geográfico da Bahia. Salvador: Secretaria da Educação e Cultura do Estado da Bahia. 1969. 1994. 1993/1994. São Paulo: Ed. 1993. QUERINO. A capoeira. p. s. A Capoeira: de “doença moral” à “gymnastica” nacional.p. Negros e brancos no jogo da capoeira: a reinvenção da tradição. O mundo de cabeça pro ar: a capoeira do Brasil. Salvador: Impr. REIS. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia. o arco musical da capoeira da Bahia. Letícia Vidor de Souza. Tese (Doutorado) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas. Rio de Janeiro: Centro de Estudos Afro-Asiáticos. REIS. Do folklore afro-bahiano: a capoeira.. Publsher/Fapesp. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. 1968. Salvador: Escola Gráfica N. dez. Cadernos Cândido Mendes. Manuel Raimundo. Albano Marinho de. São Paulo: Martins. 80:225-264. 66p. Letícia Vidor de Souza. Salvador. São Paulo. REIS. Antologia do folclore brasileiro. São Paulo. 1945. Berimbau. Capoeira Angola: ensaio socio-etnográfico. mar/abr 1955.

Dissertação (Mestrado) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas. Sônia.. In: Semenstes: Caderno de pesquisa. 2000. Capoeira: percurso. SENNA. 1(1/2):20-39. Capoeira e Malandros: Pedaços de uma tradição popular (1890-1950).. (35):67-79. 53p. luta de resistência./abr. 2ª ed.l. Capoeira. Banco Auxiliar. In: Estudos Afro-Asiáticos. SANTOS. 1996. Salvador: UFBa. 212 . 1984 (Suplemento). SANTOS. Carlos. Campinas/SP. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos AfroAsiáticos. 1999. Carlos Moreira Henriques. Departamento de Educação. 171p. il. Aristeu Oliveira dos. Mandinga. Capoeira: Arte-luta brasileira. (jan/dez). origem: antes de tudo. TRAVASSOS. Maria Angela Borges. 1990. mar. 1990. Salvador: s.ed. Léa Austrelina Ferreira. Jornal Auxiliar. Notas etnográficas sobre a utilização de símbolos etnicos na capoeiragem. SERRANO. s. Cascael-PR: Scala. Ancestralidade e Educação: a perspectiva pedagógica do Odemode Egbé Asipá. 68.SALVADORI.

eBooksBrasil / Os Urbanitas. Alceu Maynard de. Michel. 1993. ANDRADE. 1a. Cantos e Toques: etnografia do espaço negro na Bahia (Introdução). IBECC/CNF1. de Administração. 1998. 37:40-1. 1950:35-59. Edição Suplementar ALMEIDA. Elaine Nunes (org.5. Cururu. Rita. set/out 1950. mar. nov/dez 1950. mai/jun 1951. A jeropiga e o folclore.). Marcos (orgs. D ANÇA/MÚSICA/ESPORTE 4. ARAÚJO. ARAÚJO. no país que não é sério.1. Documentário folclórico paulista: o cururu.2. Os cocos: uma manifestação cultural em três momentos do século XX. AMARAL. Folcl.4. O tempo de festa é sempre. 36:42-43. Documentário folclórico paulista: coroação do Rei Congo. Rita.). Maria Ignez Novais e AYALA. Cocos: alegria e devoção. Cururú Rural. ed. 1948. Documentário folclórico paulista: o caiapó. Internet: Ed. Rap e educação. Festa a Brasileira: Significado do Festejar. 15(8-10). Rita de Cássia Mello Peixoto. 2(7):56-57. In: AYALA. Natal: EDUFRN. AYALA.2.sentidos do festejar no país que ‘não é sério’. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia. OUTROS AGIER. São Paulo. In: bol. AMARAL. C ULTURAS NEGRAS NO BRASIL 4. Festa à Brasileira . Alceu Maynard de. In: Paulistânia. São Paulo. In: Paulistânia. Maria Ignez Novais. ARAÚJO. Salvador: Fator Editor. In: II Semana Nacional do Folclore. Alceu Maynard de. set. AYALA. Maria Ignez Novais e 213 . São Paulo. In: Paulistânia. Caderno CRH. Rio de Janeiro. 16 a 22 de agosto de 1049. São Paulo. 40:42-3. 1999. v. Luís Rodrigio de. rap é educação. 14p. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. 2000. 2001. Alceu Maynard de. Cat. Florianópolis. Com. AMARAL. 1951. São Paulo: Summus. São Paulo. 1991. São Paulo. Folclore baiano. ARAÚJO. Alceu Maynard de. São Paulo: Publicação do Inst. ARAÚJO. In: Travessia Revista do Migrante .

1999. 2000. (Cadernos de Folclore. In: Província de São Pedro. AZEVÊDO. Marcos (orgs. BURNS. 2000. set 1945. Rio de Janeiro: FUNARTE. Darcy. Marcos (orgs. In: Journal of Negro History. Cavalhadas de Pirenópolis. p. 1983. Zózimo. 5: 94-97. Natal: EDUFRN. p. BUTCHER. 1977. Salvador. BOB MARLEY por ele mesmo. BRANDÃO. São Paulo: Summus. BURNS. 8p. Théo. A folia de Reis de Mossâmedes. In: AYALA.). In: Revista de Cultura da Bahia. BRANDÃO. Amailton Magno Grillu e SILVA. 2:107-9. Rap e educação. Os sons que vêm das ruas . A poesia dos cocos. Carlos Rodrigues. p. Roberto e TRIGUEIRO. 21-40. p. Maria Ignez Novais e AYALA. Oswaldo Meira. Cocos: alegria e devoção. Natal: EDUFRN. 1978. In: AYALA. Maria Ignez Novais e AYALA. Boi carreteiro. BRANDÃO. 73-82. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura. Elaine Nunes (org. 59(1):78-86. 65-81.). Folguedos natalinos. Darcy. Rio de Janeiro: MEC/FUNART.). taieiras. Le noir dans le cinéma brésilien. Cocos: alegria e devoção. Washington. E. Manuel Querino’s interpretation of the African contribution to Brazil. Marcos (orgs. 214 . Carlos Rodrigues. 1974. oct/déc. In: Província de São Pedro. Goiânia: Oriente. In: ANDRADE. 64:37-8. Porto Alegre. AZEVEDO. São Paulo: Martin Claret. 83-104. 45p. AZAMBUJA. 1974. 26). Salloma Salomão Jovino da. Maceió: EFAL.). BENJAMIN. Paris. (Coleção Folclórica da UFAL. 36p. AZAMBUJA. rap é educação. In: RECHERCHE: Pédagogie et Culture. Nova Série. (9):61-72. Bradford. AZEVÊDO. jan/dez. O pandeiro e o folheto: a embolada enquanto manifestação oral e escrita . Jimmy Vasconcelos de. Margaret Just. 1960. Bradford. Natal: EDUFRN. Negrinho do Pastoreiro. 1974. 1976. 28) BULBUL. 1991. Jimmy Vasconcelos de. Cocos: alegria e devoção. A interpretação de Manuel Querino à contribuição africana no Brasil. jun 1946. Cambindas da Paraíba. Porto Alegre. O negro na cultura americana. 2000.AYALA. E.

1962. In: BOLETIM DE ARIEL. (doc. 1937. Notas sobre o catimbó. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.CAMARGO. pp. CASCUDO. CASTRO. 2(1):28-37. 1953.94-95. a. 1(3):9. Silvio. Novos estudos afro-brasileiros. São Paulo: IEB/USP. Donald. 1995. Luís da Câmara. p. Édison de Souza. CONCEIÇÃO. Brasília. Salvador: Fator Editor. CRESPO. Rio de Janeiro: Bertrand. São Paulo: Cia das Letras. Luís da Câmara. 1991. 1990. mar 1929. Wishing on the moon: The life and times of Billie Holiday. 29/07 a 1º/08/82. 1990. O negro no futebol brasileiro. 77-131. Rio de Janeiro: José Olímpio . 215 . CASTRO. CARRAZONI. 1996. In: Cantos e Toques: etnografia do espaço negro na Bahia. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes Centro de Estudos Afro-Asiáticos. 1988. A história do corpo. Édison de Souza. 5(4)104-6. In: Revista Do Instituto de Estudos Brasileiros. Rio de Janeiro. CLARRE.Rio de Janeiro. CAVALCANTI. Folguedos Tradicionais. 1983. Instrumentos musicais dos negros no Brasil. In: Cadernos Brasileiros. As plantas condimentícias nas comidas rituais de cultos afro-brasileiros. São Paulo. Estrela Solitária: um brasileiro chamado Garrincha. Maria Thereza Lemos de Arruda. Jorge. pp. 1988. Espaços negros: "cantos" e "lojas" em Salvador no século XIX. Rio de Janeiro. O jongo e a macumba. Ana de Lourdes Ribeiro da. Rio de Janeiro: Pró-Memória. Rio de Janeiro: Funart/INF. CARNEIRO. 1982. Moa do. In: Movimento Brasileiro.16. A mulata no folclore sul-riograndense. O folclore negro do Brasil. 1936. Encontro Nacional AfroBrasileiro . In: Humanidades. nº 43). 27/07/1948. In: MARCHIORI. Adão. Rio de Janeiro.5. Rio de Janeiro. p. In: Estudos AfroAsiáticos. Maria Emília Prado et alli. In: I Congresso Afro-Brasileiro. A política afoxesista. Maria Laura Viveiros de Castro. Folklore do negro. Rui. Recife. COSTA. CARNEIRO. Quissamã. 2ª ed. p. IBECC/CNF1. CARNEIRO. In: Folclore.14 CATENDÊ. CASCUDO. Édison de Souza. Fernando Costa da. nº especial. 129-144. África. Caderno CRH. (31):81-95. nº 8-9. n. 1934. Quem nasce Pelé nunca chega a Lincoln. set. 251-253.

). Folha da Cidade. LOPES NETO. Mário. Rio de Janeiro. 2000. nov 1927. Mônica Martins. Isidoro. MAGALHÃES. os afro-gaúchos. out 1950.. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes . O coco em Forte Velho: uma poética entre o rio e o canavial. Afrografia da memória: o Reinado do Rosário no Jatobá.CRUZ NETO. João Simões. MARTINS. Maria Ignez Novais e AYALA. Basílio de.Rio de Janeiro. São Paulo: Martins ed. set. 2000. 1(2):11-13. Natal: EDUFRN. Marcos (orgs. In: AYALA. GUERRA. LÚCIO. Euzébio e MAESTRI. Cocos: alegria e devoção.). O negrinho do pastoreiro.). O mito do Saci: transformações e sobrevivência.Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia. Maria Eduarda Araujo. Porto Alegre. Nós. 29/07 a 1º/08/82.. Diógenes André Vieira. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo: Perspectiva. Michael. Antologia do Folclore Brasileiro. 1945. 2000. Lendas do sul: o negrinho do pastoreiro. Andrea de Mesquita e PEREIRA. Universidade/UFRGS. p. Encontro Nacional Afro-Brasileiro . São Paulo. 216 . In: Revista da Academia Brasileira de Letras. Chic Show e construção de identidades nos bailes black paulistanos.. MATTOS. 1997. Rap: transpondo as fronteiras da periferia. O violeiro Narciso Borges de Lima e seu grupo de São Gonçalo. Adoniram de Melo. Marcos (orgs. MARTINS. In: CASCUDO. São Paulo: Summus. In: AYALA. 95-97. 1996. FERREIRA. Porto Alegre: Ed. 2000. 25(71):345-56. (8-9):152-8.). ano IX(99):2. 1983. 2000. 362-9. Locutor. Mário (Org. In: Estudos Afro-Asiáticos. Rap e educação. p. rap é educação. HERSCHAMANN. desenhista. In: O 35. 57-61. O funk e o hip-hop invadem a cena. Luís da Câmara. p. 105-116. In: ANDRADE. Maria Ignez Novais e AYALA. 1ª quinz. As interferências na realização do coco. Leda Maria. Natal: EDUFRN. In: ASSUMPÇÃO. Ana Cristina Marinho e MACIEL. Elaine Nunes (org. Ascensão social do negro através dos desportes. FÉLIX. José de Souza. Rio de Janeiro: UFRJ. Belo Horizonte: Mazza Edições. Pinhalzinho/SP. p. 1999. 39-54. cartazista e carnavalesco. Cocos: alegria e devoção. João Baptista de J. GUIMARÃES.

OLIVEIRA. Nós. In: ANDRADE. MÜLLER. PACHECO. MULLER. 1967. R. MULLER.). Demopsycologia e Psycanálise. Enor.). Identidade e cidadania: O Teatro Experimental do Negro. Euzébio e MAESTRI. In: Folclore. Arthur Ramos de Araújo.MORENO. Sônia Maria (orgs. Ivan Costa. Universidade/UFRGS. Lair Aparecida Delphino. Judith Gleason e o folclore negro no Brasil. In: Brasil Açucareiro. 1996. 125-135. PASSARELLI. Josane Cristina Santos. ROMÃO. ago. Porto Alegre: Ed. política e educação: a experiência histórica do Teatro Experimental do Negro (TEN). (Série Pensamento Negro em Educação). 1952. 1994. p. Rap e educação. 1935. São Paulo: Summus. Renato José da Costa. Elaine Nunes (org. rap é educação. A invasão do Rap na escolarização da classe média. PASSOS. 70(2):12-3. Marcos (orgs. José L. Ricardo Gaspar. Rap na sala de aula. Festa dos moçambiques. Rap e educação. Maria Ignez Novais e AYALA. São Paulo. Jeruse e SILVEIRA. 297p. 1988. In: ANDRADE. p. Afrânio.). 217 . In: ASSUMPÇÃO. 22/23(4):5. Belo Horizonte. Teatro. p. A poesia da linguagem do cururu. PAIANO. Cocos: alegria e devoção. 1(3):84-93. 22-23. jan/abr 1953. In: Folclore. O perfil dos coquistas. PEIXOTO. 153-160. G. 1999. São Paulo: Cia. Rio de Janeiro. São Paulo: Summus. O folk-lore negro no brasil. Uma crioula folclórica. rap é educação. 41-46. Ricardo G. Elaine Nunes (org. Ed. Rio de Janeiro: Dionyzios. O berimbau e o som universal: Lutas culturais e indústria fonográfica nos anos 60. de Melo. 282p. 2000. os afrogaúchos. 1999. Mário (Org. Educação popular afro-brasileira. 1988. Sandra. Dissertação (Mestrado) – Escola de Comunicação e Arte da Universidade de apresentada na ECA/USP. São Paulo. 1999. PEREIRA. In: LIMA. In: AYALA. PAWI. (5):13-31.). Vitória(ES). Missangas: poesia e folclore. Jairton Barbosa de. Claribalte. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Minas Gerais. Natal: EDUFRN. 1931. Identidade e cidadania: O Teatro Experimental do Negro. Florianópolis: Núcleo de Estudos Negros (NEN). NEVES.). Nacional. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 1945/1968.

1981. Niterói. PIAZZA. UFF. Contribuição ao folclore de boi no Brasil: boide-vara. In: Boletim Comercial Cat. 4. Spensy. Boletim Comercial Cat. 4(17-19):17-36. The Folkloric Process Of The Black Culture In Brazil. In: Eurípedes Simões De Paula.). 4(8-10):127-144. IBECC. PIMENTEL. Um Mito bem Brasileiro: estudo antropológico sobre o Saci. l987. A folclorização da cultura negra no Brasil. 6(20-21):30-31. QUEIROZ. 1950. João Baptista Borges. Arthur Ramos de Araújo. In: Atas III Semana Nacional de Folclore. Hip Hop como utopia. 4(47):47-78. set/dez 1954. A folclorização da cultura negra no Brasil. Rap e educação. Walter Fernando. Donald. Walter Fernando. São Paulo. PEREIRA. In: ANDRADE. contos folclóricos. jun 1951. apenas um texto para debates. 103-112. Catarina: história da gente. PIAZZA. Folcl.). PEREIRA. 1979. Elaine Nunes (org. In: International Organisation For The Elemination Of All Forms Of Racial Descrimination (EAFORD) Paper 30: 31-35.PEREIRA. 1999. São Paulo: Editora Polis. PIAZZA. 1938. s. PIAZZA. In: Grupo de Trabalhos André Rebouças (org. Amadeu. 79-80. Kleide Ferreira do Amaral. QUEIROZ. Semana de Estudos sobre a Contribuição do Negro na Formação Social Brasileira. Rio de Janeiro. Porto Alegre. out/dez 1950. mai. 257-65. Walter Fernando.. Rio de Janeiro: ed. p. PEREIRA. João Baptista Borges. dez 1953/jun 1954. 2(8):71-74.p. Folclore. Renato da Silva. O boi-de-mamão do litoral de Santa Cararina. 1989. Cacumbi de branco. In: Boletim Comercial Cat.(in memorian). 1953. Santa Florianópolis: Lunardelli. Florianópolis. p. Florianópolis. Contribuição ao folclore do boi no Brasil. 218 . São Paulo: FFLCH/USP. In: Revista Arquivo Municipal. Florianópolis. In: Revista Brasileira de Folclore. Walter Fernando. O negro e o folclore cristão do Brasil. 174p. Walter Fernando. O Quicumbi (estudo da contribuição africana ao folclore do litoral catarinense). PIAZZA. 137 p. jan/dez 1964. São Paulo: Summus. PIERSON. João Batista Borges. Rio de Janeiro. Folcl.. Festas religiosas em Cruz das Almas. “A Noite”. p. rap é educação. 17(137):23-38. PEREIRA. 1939. São Paulo. Os casos carimbamba. 1983. Revista Arquivo Municipal.

1983. São Paulo: Summus. Salvador: Ed. In: ANDRADE. Cocos: alegria e devoção. 1968. SABARÁ. Marina de Mello. Crato (CE).QUERINO. p. o 13 de maio e a Princesa Isabel no congado mineiro. SILVA. Marcos (orgs. Rio de Janeiro. O reisado de S. RABAÇAL. Franca. Maria Ignez Novais e AYALA. São Paulo: Martins. Manuel. Sandra. Henrique J. 113-124.). Da brincadeira do coco à jurema sagrada: os cocos de roda e de gira. 2000.). SANTOS. Rap e educação. Marcos (orgs. p. Mário. Progresso. Marco Aurélio Paz. Peter (org. José do Pau-Sêco. 1964. Belo Horizonte: Editora da UFMG. burocracia colonial e a formação de Moçambique (notas de uma pesquisa em andamento). p. 356-61. 1(1):1-17. 1999. rap é educação. Cocos: alegria e devoção. Pierre. SOUZA. Alfredo João. Contextos cosmopolitas: missões católicas. O sací.). Maria Ignez Novais e AYALA. 402p. 1955. São Paulo.). Lisboa: Publicações Dom Quixote. 135-153. Elaine Nunes (org. Elaine Nunes (org. SAMPAIO. In: ANDRADE. SANCHIS. 9(35):64-70. In: Revista Arquivo Municipal. Arraial: Festa de um povo – as romarias portuguesas. 2002. São Paulo: Summus. TELLA. p. In: Itaytera. Presença de mouros e cristãos nas congadas brasileiras. RODRIGUES. Alunos. 2ª ed. 1990. estes desconhecidos. 219 . VIEIRA. A raça africana e os seus costumes. Rio de Janeiro. Raimundo Nina. P. In: FRY. José da. Tradição e experiência: o coco em duas comunidades. Dorival Teixeira. Moçambique: ensaios. 12:121-137. 63-72. Antologia do folclore brasileiro. O negro no futebol brasileiro. Francisco de. 1999. rap é educação. THOMAZ. In: AYALA. 55-63. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. Libertação e celebração. Conto popular africano no Brasil (Bahia). 1945. Natal: EDUFRN. In: Comunicações do ISER. In: CASCUDO. Editora UFRJ. Rap e educação. memória e identidade . 2001. In: AYALA. jun 1968. RODRIGUES FILHO. 73-82. Omar Ribeiro. 9(94):163-168. In: Revista FFCL de Franca.). 2000. VASCONCELOS. Romeu. Rap. Natal: EDUFRN. Reis negros no Brasil escravista – história da festa de coroação de rei congo. Luís da Câmara. jan/mar 1944.

. VILA. s. 24p. WERNECK. Negrinho do Pastoreiro: lenda gaúcha.c. Hamilton. 1992. Kizombas.VIEIRA. andanças e festanças. Rio de Janeiro: Léo Christiano Editorial Ltda..p. 220 . Mulher negra na MPB. Rio de Janeiro: s. Paulo. 1993. A Tarde. 6 jun. Martinho da. Salvador..d.

Nelson (Org. 1949. poemas de paixão. ALENCAR. Obra completa . AGUILAR. O negro na ficção brasileira. O Quilombo dos Palmares. 1962. Benjamim. 1960.4. 15-35. Antonio de Castro. Rio de Janeiro: Aguiar. In: CARAVELE. Luango. In: Cadernos Brasileiros. Melhoramentos. C ULTURAS NEGRAS NO BRASIL 4. Melhoramentos. Fronteiras múltiplas e hibridismo cultural: novas perspectivas ibero-afro-americanas. 2000. ALBUQUERQUE. ALMEIDA. 6(23):39-43. 221 . Cahiers du Monde Hispanique et LusoBrésilien. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Pernambuco. 30:23-38. romance histórico. Rio de Janeiro.). Jorge de Lima: quelques poèmes afrobrésiliens. São Paulo: Associação Brasil 500 Anos de Artes Visuais. Brasília. Hermógenes. 1993. nº especial. Eduardo de Assis.3. ALVES. o negrinho dos Palmares. 1958 ALMEIDA.6. p. Aspectos taxonômicos e etnobotânicos de plantas empregadas para fins litúrgicos e medicinais nos cultos afro-brasileiros em Recife/Pe. Marli Fantini e DUARTE. In: Cultura. Obra completa . U. A RTE/L ITERATURA/MEDICINA ABDALA JÚNIOR. In: SCARPELLI. 2002. de. Jayme de. ALTAVILLA.. Poéticas da diversidade.África. São Paulo). José de. P. Lílian Pestre. Recife/Pe. novela histórica. Belo Horizonte: UFMG/FALE: Pós-Lit. p. (Livro da Exposição realizada de 23 de abril a 7 de setembro de 2000 no Parque do Ibirapuera. 1978. Rio de Janeiro: Grafine Editora. Mostra do Redescobrimento : imagens do inconsciente. O negro na ficção brasileira. Rio de Janeiro: Aguilar. Orikis canções de rebeldia.. Toulouse. 1988. Jayme de. ADONIAS FILHO. São Paulo: Ed. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo. ALTAVILLA. ADONIAS FILHO. São Paulo: Ed. 1933. 256p: il. 1976.

222 . Uellinton Faria. ALVES. ALVES. História das artes na cidade de Salvador. 1998. ARAÚJO. s. São Paulo: EDUSP/Estação Ciência. FFLCH-USP. In: PÁTIO. Emanuel. Cruz e Sousa: Poemas inéditos. ARAÚJO. ago/out. perspectivas otimistas para a literatura guineense. Francisco (textos). Moema Parente. In: Via Atlântica. Emanoel (curadoria). (45):128-31. ALVES. ARAÚJO. Lília Moritz e QUEIRÓZ. Maria Rosilene Barbosa. jan/fev. Emanoel. Henrique Losinskas. São Paulo: Técnica Nacional de Engenharia S. 1950. (3):24-47. Renato da Silva (orgs). ANDRADE. Mariete. In: Revista Brasiliense. Arivaldo de Lima. In: SCHWARCZ. 1967. Rio de Janeiro: Globo. Rio de Janeiro: Museu Histórico Nacional. Ensaio para uma Literatura Infanto juvenil Libertadora. 1986. Salvador: s. In: Aspectos das artes plásticas no Brasil. Erinaldo. (26):3-37. 1965. Rio de Janeiro. Antologia do negro brasileiro. 1971. 1963 ALVES. Porto Algre: ARTMED. In: BIB.d. São Paulo: Departamento de Letras clássicas e Vernáculos. A mão afro-brasileira. O Negro na obra de Monteiro Lobato. ALVIM. Inaldete Pinheiro de.A. ALVES. 1988. Florianópolis: Papa-Livros. significado da contribuição artística histórica. São Paulo: Martins.. 2(6). Música. 1995. Esculturas relevos e monoprints. Política e Estilo. Raça e Diversidade. 2002. Sol na tarde. WEFFORT. Henrique Losinkas. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. ALVES. 1996. São Paulo: Associação Cultural do Negro. As diferentes concepções de multiculturalismo: uma experiência no ensino de arte. Para nunca esquecer: Negras Memórias – Memórias de Negros. 231-53.ed. Mário de. A Estética da Pobreza. Infância e sociedade no Brasil: uma análise da literatura. 94p. VALLADARES. 1999. ANGEL. 1988.. São Paulo.. Henrique Losinskas. (mimeo) ANDRADE. O aleijadinho (1928). p. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro. O negro e as artes no Brasil.ALVES. Cruz e Sousa e o Dante negro.1996. Emanoel. Rio de Janeiro. Lícia do Prado. ARAÚJO. Recife. 432p.

São Paulo. Rio de Janeiro: UFRJ. 1980. Sânzio de. 1993. São Paulo: Coordenadoria de Comunicação Social da USP. Peter Luigi Cabra. In: Revista da Academia Brasileira Cearense de Letras. ARGAN. In: Estudos Afro-Asiáticos.Rio de Janeiro. Salvador: Faculdade de Filosofia da UFBa. A possibilidade de uma literatura afro-brasileira. BACCEGA. nº 8-9. Jorge de Souza. Poesia dos negros. Aluísio. fragmentos de história. O Mulato . O negro no barroco mineiro . 26p.). AZEVEDO. (18):134-143. In: Revista do Departamento de História. Número especial comemorativo do centenário da Abolição da Escravatura no Ceará: 1884-1984. 1988. AZEVEDO.ARAUJO. mimeo. Jorge de Lima e o idioma poético afronordestino. AYALA. São Paulo: Martins. Jimmy Vasconcelos de. Natal: EDUFRN. Marcos (orgs. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes Centro de Estudos Afro-Asiáticos. ASSUNÇÃO. 1983. FAFICH / UFMG. Trad. Maria Aparecida. Cristina. AZEVEDO. Aluísio. p. Maria do Carmo Andrade. In: Revista Brasileira de História. Uma nova literatura emergente. 1988. Maurício (orgs. Maceió: Edufal. (8-9):227-31. Fortaleza. 1992. 1954. 1925. ARAÚJO. AZEVEDO. Jorge de Souza.). AZEVÊDO. Cocos: alegria e devoção. 2000. Maria Aparecida. 256p. 1973. Marcos. 6:6976. São Paulo. & LISSOVSKY. Tese (Doutorado) – Faculdade de 223 . 1983. Paulo César de. A poesia dos cocos. GOMES. Martins Fontes.Dossiê Brasil/África. História e arte: reflexão sobre a literatura Angolana. ÁVILA. In: Revista USP . 89(45):1-163. 8(15):163-67. São Paulo. BACCEGA./ago. Escravos brasileiros do século XIX na fotografia de Christiano Jr. jun. jul. 1987/fev 1988. História da arte como história da cidade. Thales de. AZEVEDO. Os poetas cearenses e a abolição. 73-82. Carlos.o caso da Igreja do Rosário de Ouro Preto. 77p. In: AYALA. Mayombe: ficção e história (uma leitura em movimento). Encontro Nacional Afro-Brasileiro . set. Rio de Janeiro: Tecnoprint. Belo Horizonte. 1984. São Paulo: Ex Libris. Maria Ignez Novais e AYALA. Idioma poético afro-nordestino de Jorge de Lima. O Cortiço. Giulio Carlo. 1985. 29/07 a 1º/08/82.

1978. de Lima.(9):51-8.Centro de Estudos Afro-Asiáticos. São Paulo: Ática. de 1 a 6 de março de 1988. 1966. (15):7-13. Rio de Janeiro: Agir. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. 1987. Rio de Janeiro: Ed. ano 1(4/5):74-76. Mário. BARATA. 1981. A. Rio de Janeiro: s. BARBOSA. Paixões crioulas: narrativa. BARRETO. 1983. BARBOSA. São Paulo: Ática. 1988. 1957.Filosofia. Sociologia do teatro negro brasileiro. São Paulo: Brasiliense. Poesia. BARRETO. BARRETO. 1987. 10(36):57-61. BARRETO. 1986. São Paulo: Brasiliense. BARBOSA. Francisco de Assis. Contos. Mário. 1958. Lima. In: The African Contribution to Brazil. H. In: Arquitetura Contemporânea. BARBOSA. Lima. The negro in the plastic arts of Brazil. nov/dez. A prática da literatura negra. A missão de Lima Barreto. Lima Barreto e o romance moderno. BAHIA. Márcio. Márcio. Os Bruzundangas. Francisco de Assis. Clara do Anjos. Lima. de Luís da Câmara Cascudo. Domingos Caldas. Departamento de Bibliotecas. Recordações do escrivão Isaías Caminha. São Paulo: Ática. 80p. Jean Monstapha. Montpellier. 224 . Université de Montpellier III. BARATA. BANGOURA. Secretaria da Cultura.. In: SP Cultura. São Paulo: Global. Agir. 1987. 1976. In: In: Estudos Afro-Asiáticos. BARBOSA. A escultura de origem negra no Brasil. Bibliografia sobre o negro: livros do acervo das Bibliotecas do DEPAB. In: CULTURA. Lima. 1969. 6ª ed. Clara dos Anjos. Seminário: O negro no Rio de Janeiro. Os Melhores contos. Le noir dans la société brésilienne et les romans de Jorge Amado. Lima. BARBOSA. Rio de Janeiro: Ministério das Relações Exteriores. São Paulo: Quilombhoje. Secretaria de Estado da Cultura. Roger. 1982. Salvador: DEPAB.ed.. 1987. Org. BARRETO. Thése (Doctorat) – Littérature. Brasília. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes . jun. São Paulo. 1972. BARRETO.

A poesia afro-brasileira. 22 dez. In: Mercure de France. Paulo. BASTIDE. Ensaio de uma estética afro-brasileira III. Esteriótipos de negros através da literatura brasileira. Ensaio de uma estética afro-brasileira I. A bipolaridade mística. Pontos riscados e vévé. 4 jan. 225 . Ensaio de uma estética afro-brasileira V. 1948. BASTIDE. In: MILLIET. 1949. São Paulo: Ática. In: Mercure de France. Roger. Ensaio de uma estética afro-brasileira IV. c. Paris. La poésie africaine du Brésil. Paris. Poetas do Brasil. Paulo. 1949.1956. BASTIDE. (org. O Estado de S.6. BASTIDE. 1948 p.3-7. São Paulo. Roger.7-38. p. (1111):598:602. p. Martins. Roger.6. 1973. Triste fim de Policarpo Quaresma. 27 nov. mar. São Paulo: Guaíra. São Paulo. BASTIDE. In: Boletim da FFCL/USP. De l’Anthologie de la poésie brésiliènne contemporaine au théâtre expérimental nègre. 1950. BASTIDE. BASTIDE. São Paulo. (104l):146-9. Esteriótipos de negros através da literatura brasileira. 1948. Roger. Roger. Balzac au Brésil. A incorporação da poesia africana à poesia brasileira. São Paulo: Estudos Afro-Brasileiros. São Paulo. 4-6. jul. Lima. 1948. São Paulo. 10 dez. p. 1987. 1946.6. c. BASTIDE.). BASTIDE. Para um estudo sobre os ‘pontos riscados’. In: Perspectiva . Paulo. O moço e o velho. São Paulo: Ed. Roger.6.6. c. mai. (1031):475-85. Roger. Roger. Os pontos riscados. 1953. O Estado de São Paulo. BASTIDE. 151p. Roger. São Paulo. p. 4 dez. Ensaio de uma estética afro-brasileira VI. Roger. 1945. 1948. O Estado de S. Paris. Roger. BASTIDE. Roger. BASTIDE. p.BARRETO. 154(3):11-27. In: Mercure de France. Pauloo. 29 dez. Ensaio de uma estética afro-brasileira II. O Estado de S. Paulo. O Estado de S. São Paulo. Sergio.1-8.1-3. O Estado de S. Introdução: mitos e símbolos. c. Roger. BASTIDE. La mort d’Arthur Ramos. Sociologia.

BENEDITO. 15(45):524-5. Vera Lúcia. São Paulo. In: Anhembi: São Paulo. 1982. SBPC. In: O Estado de São Paulo. Jean C. 1954. c. 1-8 avr. 1982. Roger.4. O negro na imprensa e na literatura.4. 16 set. Maria Thereza Caiuby Crescenti. BASTIDE. Libertação dos escravos em romances brasileiros do século XIX. Sur le destin de la sculpture et des arts plastiques africains au Brésil. BASTIDE. In: Ciência e Cultura.992-4. Suplemento especial. In: Colloque sur l’art nègre. São Paulo. Roger. ed. BATISTA. 1967./dez. As literaturas afro-brasileiras: a procura da identidade nacional ou racial? In: Cultura. 15 nov. Livro de resumos V Congresso Brasileiro de Epidemiologia. 4ª. In: SP Cultura. São Paulo. Roger. p. São Paulo. São Paulo. BENEDITO.BASTIDE. 1974. Rio de Janeiro. São Paulo. 1951/1953. Societé Africaine Culture. A mortalidade da população negra. In: Filme e Cultura. feita sobre a 2ª ed. Vera Lúcia. c. Sociologie du thèâtre nègre brésilien. nov. 2002. 1982. Brasília: INL. de 1863. 1(4/5):7783. ago. São Paulo: ABRASCO. 1975. BASTOS. 1962. nº 2/3. 26(6):551-61. de 1966.7-8. 1986. p. Roger. Poesia afro-americana: Solano Trindade In: O Estado de São Paulo. Poetas Afro-americanos: Louis Duplessis Louverture. Poesia negra de expressão portuguesa.. 115). São Paulo: Comp. ECA/USP. In: Ciência e Cultura. 301p. Ulle.7-9. jun. Roger. 1:409-26. In: Boletim de Sociologia. 38(12):1. 226 . Luís Eduardo. 1944. As literaturas afro-brasileiras: a procura da identidade nacional ou racial?. p. Paris. In: Revista Brasileira de Epidemiologia. Mito e metamorfose das mães nagô: o negro no cinema brasileiro. c. p.91. A moderna poesia africana. BASTIDE. p. Cartas ao solitário. Ed. Aureliano Candido Tavares. BERNARDES. Roger. ano 1(4/5):77-83.7-8. Secretaria de Estado da Cultura. BEIER. 20-30.5. dez. BERNADET. 1944. São Paulo. In: Cadernos Brasileiros nº especial-África. Nacional. (Brasiliana. Série Jornalismo BASTIDE. BASTIDE. Rio de Janeiro: Embrafilme.

BERTOLLI FILHO. Porto Alegre. José Américo M. 142-69. São Paulo. Leão. São Paulo: Brasiliense. Zilá. Zilá.. BERND. BONNET. 1988. abr. In: Cadernos do IL. Poesia versus racismo. 1987. José Carlos Sebe Bom. dez. (92/93):187-94. Alfredo. 1987. IEL. 152p. Introdução à literatura negra.). Alfredo. Negro: de personagem a autor. Márcia C. 1988. São Paulo: Hucitec. 1987. O Negrinho Ganga Zumba.um estudo de caso. da Universidade/UFRGS. et al. A morte e os mortos na sociedade brasileira.). Nicolas 227 . 1992. 1986. Zilá. BORGES. BORNHEIM. Literatura negra: territória reencontrado. 101p. BERND. Porto Alegre: Mercado Aberto. São Paulo. The concept of black esthetics as seen in selected works of three Latin American writers: Machado de Assis. 1992. São Paulo: Instituto de Estudos Avançados da USP. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes . (27):167-85. Zilá (org. (4):2508. 29:175-83. BERND. 1990.Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Rogério. Vozes Negras na Poesia Brasileira: contraponto com a poesia francesa no Caribe. 2002. p. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. José de Souza (org. Cultura brasileira: tradição/contradição. BIBLIOGRAFIA específica sobre literatura negra no Brasil.BERND. Antonio Alliz. Rio de Janeiro. Antologia. IGEL./abr. BERND. Cláudio & MEIHY. Zilá. In: Estudos Avançados. PESSANHA. In: Revista de Antropologia. Produção artística e trabalho escravo no Rio de Janeiro da primeira metade do século XIX . jan/jun. In: Tempo Brasileiro. BOSI. 1995. 16(44):235-253. Zilá. Gerd. BOSI. In: Estudos Afro-Asiáticos. BERND. Rio de Janeiro: Zahar/FUNART. 1988. Porto Alegre: Ed. BERND. São Paulo: Editora do Brasil. Porto Alegre: AGE. Morte e sociedade em Lima Barreto. BOYD. In: MARTINS. Negritude e literatura na América Latina. Poesia negra brasileira. 1983. Literatura e identidade nacional. jan. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia. Zilá.

Porto Alegre: Mercado Aberto. In: SOARES. Espirito Santo. São Paulo. CADERNOS Negros 12: Contos. Cruz e Sousa: no centenário de broquéis e missal. CADERNOS Negros 6: Contos. 1979. São Paulo: Edição dos Autores. In: Estudos Afro-Asiáticos. CADERNOS Negros 4: Prosa . CADERNO DE POESIA CECUN. São Paulo: Edição dos Autores. afro-brasileiros. 1994. São Paulo: CALAÇA. BROOKSHAW. 1982. (orgs. 68p.). 1939. Cruz e Sousa expressionista. 1983. CABRAL. Júlio Santana. 1989. BRAYNER. 1983. 1989. David.Language and Literature. 104p. 68p. (2):30-43. 359p. Osvaldo R. . Contos afro-brasileiros. Zahidé L. CADERNOS Negros 5: Poesia. São Paulo: Edição dos Autores. 1984.Centro de Estudos Afro-Asiáticos. BROOKSHAW. 128p. CADERNOS Negros 19: Poemas Quilombhoje. 190p. Florianópolis: Imprensa Oficial de Santa Catarina (IOSC). London: University of London. Thése Ph. 1981. CADERNOS Negros 8: Contos. 266p. Race and colour in Brazilian literature.. Raça e cor na literatura brasileira. Florianópolis: UFSC/FCC. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual de São Paulo. 1984. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes . David. 248p. Stanford University. BROOKSHAW. 110p. 1985. São Paulo: Edição dos Autores.D. (1850 present day). 96p. Laguna e outros ensaios. Sonia. 1975. Iaponam e MUZART. David. Maria Cecília Felix. São Paulo: Edição dos Autores.Guillen and Adalberto Ortiz. Quatro poetas negros brasileiros. mai/ago. O fenômeno da arte afrodescendente : um estudo das obras de Ronaldo Rego e Jorge Dos Anjos. 1999. 1966. BRAGA. 1978. Stanford. CADERNOS Negros 7: Poemas. 228 . São Paulo: Edição dos Autores. Salvador: Fundação Cultural do Estado da Bahia/EGBA.

A razão da chama: Antologia de poetas negros brasileiros. São Paulo: Editora Perspectiva da Universidade de São Paulo. CAMARGO. Carlos Eugênio Marcondes de (org.CAMARGO. Zumbi. Édison de Souza. CANDIDO. São Paulo: Secretaria de Estado de Cultura/Imprensa Oficial do Estado de São Paulo. Tiradentes. São Paulo: EDICON/EDUSP. Antologia do negro brasileiro. Meu sinal está no teu corpo: escritos sobre a religião dos orixás. (20):151-65. Maria Tereza A. 1999. 214p. Mirra. CAROSO. Mostra Internacional de São Paulo. Rio de Janeiro: MEC. 40p. Os condenados da Terra. 1988. 1985. 1988. 1987. Carlos & BACELAR. Fizeram os negros theatro no Brasil? In: FREYRE. 1950.). 1988 (Teatro). p. s/d. 229 . CAMARGO. Maria Tereza Lemos de Almeida. Salvador: CEAO. Rio de Janeiro: Pallas. Lima Barreto . incenso e estoraque nos cultos afro-brasileiros. etnobotânica e comida. 1937. São Paulo: Série Ponto por Ponto. 1979. 1986.). In: MOURA. CAMPELLO. 346p. Jeferson (orgs. CAMPOS.). p. São Paulo: Almed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. Cláudia de Arruda. reafricanização. 1988. São Paulo. 64-72. 2ª edição. In: MONTALBAN. Globo. CAMPOS. CAMARGO. A arte negra na cultura brasileira: máscaras africanas. CAMARGO. Novos Estudos Afro-Brasileiros. CARNEIRO. 1989. CAMARGO. práticas terapêuticas. Gilberto et al. Antonio. CAMARGO. O negro escrito . Maria Thereza Lemos de Arruda. Samuel. 1976. 432p. Literatura como forma de resistência. Oswaldo. Oswaldo de. Contribuciones a los estudios etno-farmacobotánicos de especies vegetales usadas en los rios afro-brasileiros. Porto Alegre: Ed. Caracas. São Paulo: GRD. Rio de Janeiro. Maria Thereza Lemos de Arruda. Maria Thereza Lemos de Arruda. Comunicação apresentada no perfil de literatura negra. Oswaldo de (org. Plantas medicinais e de rituais afro-brasileiros I. Rio de Janeiro: Arte Nova. Medicina popular. Iracy. Faces da tradição afrobrasileira: religiosidade.222-42. CARISE.

Maria Alice Rezende de. 2ª ed. do mundo. Axé: antologia contemporânea da poesia negra brasileira. CASTRO. jul 1986. 33) CONCONE. 12. 1988. CHAVES. Yêda Pessoa de. FFLCH-USP. A formação do romance angolano. Uma forma teatral popular brasileira em África. 1997. 2000. Recife: Centro de Estudos Folclóricos. Núbia & ALMEIDA-FILHO. possessão ou loucura? Terapia religiosa afrobrasileira e proteção da rotulação e estigmatização. 1998. Cultura e Valores: tradição. vol. Maria Helena Villas Boas. (3):140-68. O ator e seu personagem. 1993. FFLCH-USP. Josildeth Gomes & COSTA. Terapias alternativas. (Série Cadernos PUC. (33):85-107. Cultura & Imaginário. Paulo. 5(20):48-57. In: Via Atlântica. CAROSO. In: ROCHA. Marília. Yedda Pessoa de. CASTRO. Dissertação 230 . Everardo (org. CHAVES. CARVALHO. In: CONSORTE. Religião. WWB. Naomar. as visões possíveis. Yedda Pessoa de. XXI Reunião Brasileira de Antropologia.). CONCEIÇÃO. Berlim. São Paulo: Departamento de Letras clássicas e Vernáculas. Quilombo de palavras: a literatura dos afro-descendentes. BARBOSA. Carlos & RODRIGUES. 1982. Surra de Caboclo. In: Comunicações do ISER. Marcia Regina da (orgs. 1988. In: Revista de Antropologia. Carlos (e outros). O escravo de papel: o cotidiano da escravidão na literatura do século XIX. Lindinalva Amaro (orgs. modernidade e imaginação. São Paulo: Departamento de Letras clássicas e Vernáculas. Porto Alegre. 1999. 50p.d. Rita de Cássia Natal. Maria Helena Villas Boas. 21:175-80. In: Via Atlântica. Salvador: CEAO/UFBA. 8p. s. 108p. de Moçambique. Rio de Janeiro. CONFORTO.). COLINA. 83-95.CAROSO. Brazil. José Craveirinha. CONCONE. Contos populares da Bahia. Vitória. When healing is prevention: Afro-Brazilian religious practices related to mental disordes and associated stigma in Bahia. In: CURARE. política. Interpretação de Filmes e Pesquisa de Idéias.). São Paulo. 1999. Rita de Cássia Natal. CASTRO. Jônatas. identidade. (1). ampl. Salvador: Prefeitura da cidade. São Paulo: Global. 1978. Aspectos da obra de Silva Campos. p. 1978. São Paulo: EDUC. Rio de Janeiro: Mauad/Finep. aspectos da obra de João da Silva Campos. da Matalala.

81(1):53-69. Mariano Carneiro da. 192p.d. Luís Santa. Intimidade. CUTI & ASSUNÇÃO. O negro no teatro e na TV. 1978. Centro de Estudos Afro-Asiáticos. CUTI. In: Cadernos Brasileiros. CUNHA. Contribuição dos museus para o desenvolvimento social. CORRÊA.. Petrópolis. Mariano Carneiro da. variações em torno de um mito. Abílio da. Centro de Estudos Afro-Asiáticos.. A poesia negra no Brasil.(Mestrado) Faculdade de História da Pontifícia Universiade Católica do Rio Grande do Sul. Heloisa Helena F. Mariza.ed. Belo Horizonte: Mazza Edições. São Paulo: Brasiliense.E disse o velho militante José Correia Leite. In: Revista de Cultura Vozes. 1996. COSTA. Rio de Janeiro. São Paulo: Instituto Walter Moreira Salles. In: Estudos Afro-Asiáticos. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes. 185p. 1988. Haroldo.033. Luís Silva. In: Estudos Afro-Asiáticos. CUTI. s. 46. COSTA. CUNHA. nº especial. Da senzala ao sobrado. Literatura negro-brasileira: notas a respeito de condicionamentos. estudo de caso. Luis Silva (org. 1962. São Paulo: EDUSP/NOBEL. CRUZ. Antropologia e medicina legal. memória e história em Lima Barreto. (15):76-83. COSTA-ROSA. documentos referentes a fazenda de Saubara. Sanga (Poemas). São Paulo. p. São Paulo: Secretaria Municipal de Cultura. 5363. In: Caminhos Cruzados. p. Quilombos de palavras.África. CUTI. Gonçalves da. 1983. CUTI. CUTI. 1982. Walter (coord. Negros em Contos. 231 . 111p. In: ZANINI. Práticas de cura nas religiões e tratamento psíquico em saúde coletiva . p. 2v. Salvador: UFBa. 1983. 2002. São Paulo: s. Maurício. jun.). Luis Silva. 1992. Carlos. Arte afro-brasileira. Luis Silva..Santo Amaro Bahia. 1985.). . 975-1. São Paulo. Tese (Doutorado) – Instituto de Psicologia da Universidade e São Paulo. Belo Horizonte: Mazza Edições.. 1995. (89):215-9. (Gravação em CD). 1987. CUNHA. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes. arquitetura brasileira na Nigéria e na República Popular do Benin. Poemas de carapinha. História geral da arte no Brasil. 1983.

47-61.]. In: Afro-Ásia.. Rap e educação. p. Christopher. David C. Ano 1(1):109-116. In: Universitas. rap é educação. São Paulo: NUPE – Núcleo Negro da UNESP para pesquisa e extensão.Language and Literature. p. necessidade de seu estudo interpretativo. jan/abr 1973. Brasília. 142p. O negro na literatura erudita e na literatura popular. 1987.DAMASCENO. março de 2002.. In: Tempo Brasileiro. DIEGUEZ. (14):53-64. vivências. DUARTE. In: Cultura.n. DIAZ. Notas sobre a literatura brasileira afrodescendente. Poéticas da diversidade. 2(7):68-71. Belo Horizonte: UFMG/FALE: Pós-Lit. Marli Fantini e DUARTE.D. In: ANDRADE. Henry John.n. Eduardo de Assis. The Afro-Brazilian: an expression of popular culture in selected examples of Bahian literature.). Buenos Aires: [s. 1999. In: SCARPELLI. University of Illinois at Urbana/Champaign. Benedita Gouveia. El negro en la literatura de cordel de SalvadorBahia. 1974. Geni Rosa. Gerard. DIÉGUES JÚNIOR. São Paulo: Summus. Salvador. Buenos Aires: [s. 232 . Eduardo de Assis. DRISKELL. O negro na literatura brasileira.. jan/mar 1985. Gilda Korff. La literatura afro-brasileña de Mestre Didi. (80):42-62. mimeo. no modernismo DANTAS. Thése Ph. 1987. mimeo. 100p. 1989. ESCRITORES do Nordeste: Gonçalves Fernandes. . DUNN. 18p. Campinas: Pontes. In: Ethnos Brasil. Salvador: Centro de Estudos Afro-Orientais e do Programa de Pós-Graduação em História da UFBA. Christine. 165p. Manuel. Silvia Susana. (25-26):313363. DOUXAMI. 4 mar. 1956. Luso-Tropicália: notas em torno de Gilberto Freyre e o Grupo Baiano. Sentido e alcance da arte negroafricana. DUARTE. 1988. DRELLER. Introspectives: contemporary art by Americans and Brasilians of african descent. 14p. Raymundo de Souza. 13-22. 2002. DIAZ. In: DIARIO DE PERNAMBUCO. Poesia negra brasileiro. A arte na (da) periferia: sobre. Teatro negro: a realidade de um sonho sem sono . Elaine Nunes (org. Rio de Janeiro. 1972. Los Angeles: California Afro-Amaerican Museum Foundation. 2001. Silvia Susana. Recife. DREWAL.].

Jean M. FREYRE. Rio de Janeiro: MEC. FREYRE. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. Quando Kidogo dorme. FRANKLIN. 1(1): jan/jun. Gilberto. Napoleão. 1996. 1 de maio 1943. In: Revista de Cultura Vozes. In: DIARIO DE PERNAMBUCO. 1970 FREITAS. Aydano do Couto. Gilberto. Recife. FEUSER. O Negro no romance urbano oitocentista. Petrópolis. Diario de Pernambuco. Castro Alves e a poesia negra da América. FIGUEREDO.p4. Na Bahia em 1943. 233 . Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes . Gilberto. 210p. 4(2):239-48. Salvador: Fundação das Artes. São Paulo: Martins. 126p. Gilberto. In: CIÊNCIAS EM MUSEUS. Moacyr. Carvalho. 27 set. FREYRE. A presença do negro nas esculturas de Franklin Cascaes. 1989. 34p.ESPINHEIRA FILHO. FRANÇA. 1937. 1969. 1940. O negro nos museus da Amazônia. 1962. 1989. 1959. 1990. São Paulo: Ática. ciência e trópico: em torno de alguns problemas de sociologia da arte. FRANÇOIS. Jeová. Rio de Janeiro: Companhia brasileira de artes plásticas. In: Estudos Ibero-Americanos. O teatro abolicionista de Apolinário Porto Alegre. 1981. Recife. Belém. Lima Barreto: a propósito do seu centenário. FREYRE. Gilberto. FLORES. In: Estudos Afro-Asiáticos. Salvador: Centro de Estudos Afro-Orientais. O preconceito racial na literatura de cordel. Recife. dez. In: Ciência & Trópico. A propósito de um livro de um verdadeiro mestre. FREYRE. Florianópolis: Fundação Franklin Cascaes. 9(1):5-19. Mucambos do nordeste: algumas notas sobre os typos de casa popular mais primitiva do nordeste do Brasil. 1996. 1944. out. Aspectos da literatura do mundo negro.Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Ruy Alberto d’Assis. MInC/IPHAC/SC. Gilberto. Paul. (30):97-112. Porto Alegre. O nordeste e o negro nas poesias de Jorge de Lima. FERRAZ. UFBA. 64(8):623-6. Willfred. Arte. O livro do professor Pierson. 1978. FREYRE. Patrícia de. In: O Negro no Brasil: Trabalhos apresentados ao 2º Congresso Afro-Brasileiro (Bahia).

São Paulo: Ática. GOMES. Nilma Lino.]. Semana de Estudos 234 . Valdelice Carneiro. 1988.no prelo). 1993. Leonie. (Tradução .FREYRE. FUNARI. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia. In: Revista de Ciências Sociais. O Negro e o romantismo brasileiro.n. GUIMARÃES. Cao. São Paulo. O ensino de arte no Brasil em busca das raízes culturais africanas. O negro na ficção de Machado de Assis. Almeida (Raimundo Nonato de). In: Caminhos Cruzados. Virgínia Maria. s/d. (Série Lendo). Medicina Tradicional Africana: o poder e a terapia da auto cura. Recife. GONÇALVES. 2(1):7-26. 1974. 1971. Fortaleza. religião e medicina: aspectos da medicina popular. Amaro e Aleixo. 2(1):95-113. São Paulo. São Paulo. Naninha e HAMBURGER. 1982. GALDINO. dez.Centro de Estudos Afro-Asiáticos. pp. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo: Brasiliense. GOUVEIA. 31-51. Alejandro. Pombinha. 1986. Folclore. FRIGERIO. Bongô: a primeira vez que ele foi ao Castelo. São Paulo: FTD.143p. GITAHY. A coleção Arthur Ramos. Kimbwandende Kiiakiabunseki. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.). 1976. Bernardo. FU-KIAU. 1996 (Coleção Castelo Rá-Tim-Bum). 6ª ed. GOMES. p. FRY. Luiz. In: Estudos Afro-Asiáticos. Dissertação (Mestrado) – Escola de Comunicação e Arte da Universidade de São Paulo. Corpo e cabelo como ícones de construção da beleza e da identidade negra nos salões étnicos de Belo Horizonte . Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes . A escrava Isaura. Os arquétipos e rupturas dos esteriótipos na produção literária de Luandino Vieira. Cia das Letrinhas/Rede Cultura.. GIRÃO. Artes negras: uma perspectiva afrocêntrica. 2002. Salvador: [s. 1985. Curitiba: CENTHRU/Faculdade Espírita. São Paulo: Atual. prostituição. 1992. Tipos sócio-antropológicos no romance brasileiro: nota prévia a um livro em preparo. Gilberto. Regina Maria Lintz. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia. In: Grupo de Trabalho André Rebouças (org. Reginaldo. In: Ciência & Trópico. Saruê Zambi!. 1977. Peter. homossexualidade e raça em dois romances naturalistas. (23):175-190. São Paulo. Heloisa Tolber. GUIMARÃES.

Recife. 3(5):21-3./jun. A exposição de pinturas no 1º Congresso Afro-Brasileiro. Arte popular afro: alguns equívocos.sobre a Contribuição do Negro na Formação Social Brasileira. Nelson. FFLCH-USP. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia. JATOBÁ. Rio de Janeiro. (2):44-7. jun. JARDIM Juiz. 2(2):30-4. In: São Paulo em Perspectiva . p. In: Raça e Ciência II. In: Estudos Afro-Asiáticos. São Paulo. 1978. José Luís Pires. mai-ago. 1988. IANNI. INFLUÊNCIA do negro na pintura brasileira. In: Participação. In: Via Atlântica.. IANNI. Russel G. 1988. 1984/5. (3):12-22. JAHODA. Diario de Pernambuco. Niterói: UFF. Diário de Pernambuco. 1972. HAMILTON JUNIOR. 1999. 14(4):327-45. São Paulo. Octavio. 15 nov. 173p. São Paulo: IEB/USP. In: A Current Bibliography African Affairs. Octavio. (28):91-9. nov. s. Literatura e consciência. In: Tempo Brasileiro. KENNEDY. 20 nov. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. 1934. Literatura e consciência. In: Revista do Instituto de Estudos Brasileiros. A inovação na literatura angolana. HATTNHER. 1983. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo: Editorial Livramento. Rio de Janeiro. brasileiros e norte-americanos em uma perspectiva comparativa triangular. 1999.. 1977./mar. IANNI. jan. 1978. Octavio. abr. Recife. Francisco. p. 1998. São Paulo: Departamento de Letras clássicas e Vernáculos. 1934. Álvaro Luiz. 1979. Uma ponte sobre o atlântico: poesia de autores negros angolanos. 3. (48):2638. 15-26. Kazukuta : crônicas do terceiro mundo. Tania. Relações raciais e saúde mental. A poesia: instauração de sentido (flash sobre “A canção do africano”). In: Estudos Afro-Asiáticos. Literatura e consciência.l. (15):208-17. Recent afro-brazilian literature: a tentative bibliography. LARANJEIRA. Marie. São Paulo: Perspectiva. Revista do Decanato de Extensão da Universidade de Brasília. Brasília: UnB. 235 . 233-278. HARDY. INOCÊNCIO. A literatura dos Palop e a teoria póscolonial. James.

1995/6. In: SANTOS. Raul Giovanni da Motta & DIAS. p. (25):112-57. Jorge de. il. Significado da contribuição artística e histórica. Coleção maracatu elefante e de objetos afro-brasileiros. Raul Giovanni da Motta & BATISTA. 1983. LIMA. Rio de Janeiro: Lacerda Editora. Recife: Fundação Joaquim Nabuco. São Paulo: Tenenge. São Paulo: Coordenadoria de Comunicação Social da USP. dezjan-fev. Negro Brasileiro Negro. (Série Encontro Radical. A mão afro-brasileira. 16p. 1991. Dossiê Povo Negro . 246p. Senufo: um estudo étnográfico de 16 peças integrantes da Coleção Arte Africana no Museu 236 . Kabengele (org. LODY.). Heloisa Pires. Geraldo. LIMA. Luiza. Obra completa . A imaginária dos escravos de São Paulo. Raul Giovanni da Motta (coord). Presença negra na poesia brasileira moderna. 1958. Literatura negra brasileira contemporânea. In: Estudos Afro-Asiáticos. 192-197. Personagens Negros: um breve perfil na literatura infanto-juvenil. Nº 24) LEMOS. s. v. Paulo. C. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional do Ministério da Cultura. (14):109-40. Cruz e Sousa . In: Revista do Instituto de Estudos Brasileiros. In: Revista USP. 163p. set. p. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. LIMA. 1997. A Janela e o morto . Rio de Janeiro: Aguilar. 1987. (Coleção de Arte Africana do Museu Nacional de Belas Artes) LODY.. Sebastião Uchoa. LIMA. Carlos A.). 1999. Superando o racismo na escola. LODY. Brasília: Ministério da Educação/Secretaria da Educação Fundamental. A presença do negro na coleção de Artes Visuais Mário de Andrade.1. Joel Rufino dos (org. LIMA. In: MUNANGA.). LOBO. 1997. 1988. Maria Regina Martins. il. (28):117-37. 1989.. Rio de Janeiro: UERJ. Rio de Janeiro: FUNARTE. (28):257-60. São Paulo: Brasiliense. O homem e suas representações na arte Yorubá. Jorge de Lima. 1987. Rio de Janeiro: José Olympio.LEITE. Mariângela Alves de.l.300 anos. São Paulo: IEB/USP. Novos Poemas: Poemas negros. Emanoel (org. LEMINSK. In: ARAÚJO. Mariza Guimarães. Yone Soares de. 95-110. 1988. LIMA. O teatro do negro no Brasil e nos Estados Unidos.

MAROTTI. Ano 94.. In: SANTOS.l. Dissertação de Mestrado apresentada ao Departamento de Ciências Sociais da FFLCH/USP. 1999. São Paulo: Ática. Cure des corps et cure des âmes. MÁRCIO RM. 1943.. Giorgio. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional do Ministério da Cultura.. 24f. (17):87-98. les rapports entre le médecines et les religions dans la banlieue de Rio. MARCONDES FILHO. Hugo. Rio de Janeiro: Museu Nacional de Belas Artes. MACHADO. Tânia Celestino de. In: Revista de Cultura Vozes. 1982. 502p. 28 dez. Petrópolis/RJ: Editora Vozes. São Paulo: Ática. 1999. Menina bonita do laço de fita . LOPES. Luis. Ciro. Tese de Doutorado apresentada na FFLCH/USP. Roma: Bulzoni.). LOETSCHER. 1997. Luís Gama e a consciência negra na literatura brasileira. . Da fronteira do asfalto aos caminhos da liberdade: imagens do musseque na literatura angolana contemporânea. In: Afro-Ásia. Maria Andrea. (25): 63-9. (3):48-57. 1987. s. São Paulo. A poesia afro-brasileira. Rio de Janeiro. Joel Rufino dos (org.Nacional de Belas Artes. Os flagelados do vento leste . juin 1982. Paris. FFLCH-USP. Ana M. Heitor. Il negro nel romanzo brasilino. Tania Celestino de. São Paulo: Departamento de Letras clássicas e Vernáculos. Elementos pra uma Estética Sociológica: um estudo de Lima Barreto. A arte como patrimônio: sobre Emanoel Araújo. São Paulo. 6(2). Manuel. 1975. 94(6):209-216. Visões do mar na literatura angolana contemporânea. MACÊDO. MALACHIAS. Actes de la Recherche en Sciences Sociales. Focus: abalou seu povo – (ensaio fotográfico). In: Arte e Cultura da América Latina – Revista da Sociedade Científica de Estudos da Arte. Prolam e a Interdisciplinaridade. (43):3-45. Salvador: Centro de Estudos AfroOrientais da Universidade Federal da Bahia. LOYOLA. 1979. 1996. 1990. MARTINS. nov. In: Via Atlântica. MARTINS. In: DIÁRIO DE NOTÍCIAS. Negro Brasileiro Negro. 2000. MACEDO. 237 . 1997. Rosangela.

Pedro Rosa. O elemento negro na poesia brasileira.142-69. Rio de Janeiro:8-9. O negro na literatura brasileira. Míriam Garcia. MONTELLO. MAYA-MAYA. Renato. Salvador: Empresa Gráfica da Bahia.151-66. 29/07 a 1º/08/82. 1935. São Paulo: HUCITEC. Mírian G. 1983. São Paulo: Ática. Renato. p. Sérgio. Rio de Janeiro: J. Tese de Doutorado apresentado ao Departamento de Artes Cênicas da ECA/USP. 1982. São Paulo. A morte e os mortos na sociedade brasileira. Nacional. Ed. In: O Estado de São Paulo. De Anchieta a Euclides. MENDONÇA. In: MENDONÇA. Maria Lúcia. Estevão. I Congresso Afro-Brasileiro. Encontro Nacional Afro-Brasileiro . 1996.. 1998 238 . entre 1838 e 1888. MENDEZ. 2001. In: ANTROPOLOGIA DA FOTOGRAFIA AFRICANA. Morte e sociedade em Lima Barreto. São Paulo. 18 dez. Paris/São Paulo: Ed. São Paulo. MONTES. MENDES. 1983. Gramiro de. Olympio. In: Estudos Afro-Asiáticos. José Carlos Sebe Bom e BERTOLLI FILHO. A escravidão na literatura brasileira. 1976-80. Comp. São Paulo: Sá Editora. São Paulo. Claudio. Mírian Garcia. A personagem negra no teatro brasileiro entre 1838-1888. p. Sérgio. MERQUIOR. José de Souza (org. Rio de Janeiro. In: Estudos afro-brasileiros. MILLIET. p. A poesia afro-brasileira. MENDONÇA. Rio de Janeiro: Ariel. O negro no folklore e na literatura do Brasil. MENDEZ. Petrópolis. 208p. 37/41:105-19. Baía dos Tigres. Dissertação de Mestrado apresentada na ECA/USP. Breve história da literatura brasileira. 1983.. Negras Imagens. José. 1977. 2ªed.). Recife 1934. 1973. A personagem negra no teatro brasileiro. In: MARTINS. 1946. 1-16. In: ANUÁRIO DO MUSEU IMPERIAL. (89):233-5.Rio de Janeiro. 1943 MILLIET. Revue Noire. 1935.MATOS. Renato. Cadernos Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos. Um caminho para a literatura afro-brasileira. (Ensaios). In: DIÁRIO DE NOTÍCIAS. MENDES. MEIHY. O Negro e o Teatro Brasileiro-(1889-1962). 14 abr. A influência africana no português do Brasil. Influências da literatura brasileira nas literaturas africanas de língua portuguesa . José Guilherme. 603p.

1976. A criança escrava na literatura de viagens. Belo Horizonte. Rio de Janeiro.MONTES. 1979. out/dez.. Carlos Eugênio Marcondes de. Ana Angélica Vergne de. MOURA. 1995. Exposição: Arte e religiosidade afrobrasileira. 1988. 1994. 35-88. MOTT. Emanoel (org. O Jeca e a Cozinheira: raça e racismo em Monteiro Lobato. MORAES. Pedro R./jun.). B. Literatura baiana: resgate da memória cultural-literária. MORAIS. 1988. 371-395. MORAIS. Lima Barreto . MOURA. Maria Lúcia de Barros. Rio de Janeiro: Fundação Carlos Chagas. São Paulo. Emanoel (curador). 1705-1736. Frankfurt/Alemanha: Frankfurt Kunstverein. São Paulo: Ed. In: REVISTA DE Sociologia E POLÍTICA. p. Identidades e representações na cultura brasileira. 2000. In: Tempo Brasileiro. In: CADERNO DE PESQUISA. A propósito de três livros sobre o negro brasileiro. 239 . MOTT. 87p. MOURA. João Pessoa: Idéia. Lícia Soares de (orgs. In: ARAUJO. O preconceito de cor na literatura de cordel. In: ARAÚJO. Luiz Roberto de Barros. (31):57-68. A vida mística e erótica do escravo José Francisco Pereira. Os herdeiros da noite. O negro na formação cultural do Brasil – tentativa de nominata e iconografia . 1973. Série Encanto Radical. 211-226. MOURA. In: Revista de História. cordão de bichos. dez. São Paulo: Brasiliense. MOURA. São Paulo: EDUSP. 2001. 46(96):563-78.. 1997. pássaros juninos do Pará (da dramaturgia ao espetáculo). Maria Lúcia. O teatro que o povo cria: cordão de pássaros. Resenha Universitária. 1 (1):85-104. Carlos Eugênio Marcondes de. A mão afro-brasileira. Identidade regional e nascentes poéticas feirenses. São Paulo: Tenenge. Rita e SOUZA. Brasília. Carlos Eugênio Marcondes de. Tese de Doutorado apresentada ao Departamento de Sociologia da FFLCH/USP. Religiosidade africana no Brasil. São Paulo: Melhoramentos. 1988. Fragmentos do Imaginário Negro. In: OLIVIERI-GODET. A Travessia de Calunga Grade: três séculos de imagens sobre o negro no Brasil (1637-1899). MOTT. São Paulo. In: CATÁLOGO. Significado da contribuição artística e histórica. Zumbi dos Palmares. Identidade Nacional e Democracia. Régis. Luiz Roberto de Barros.). 1995. MinC/ Pinacoteca do Estado. Curitiba: GEES/UFPR. Clóvis. São Paulo. jan. Carlos Eugênio Marcondes de. p.

(org. Fundação Bienal de São Paulo. Centro de Estudos AfroAsiáticos. Rio de Janeiro: J. Cartas de Cruz e Sousa. São Paulo: MAE/USP. In: DÉDALO. Olympio. Cruz e Sousa e o trabalho da arte. Mostra do Descobrimento : arte afrobrasileira.MOURÃO. MUSSA. (58):28-40. p. São Paulo: Associação Brasil 500 Anos de Artes Visuais. Arte afro-brasileira: o que é. NABUCO. Kabengele. São Paulo: Museu Lasar Segall. In: Estudos Afro-Asiáticos.. Kabengele. 1990. p. A vida de Joaquim Nabuco. MUNANGA.. Florianópolis: UFSC/FCC. Rio de Janeiro: Cadernos Cândido Mendes. MUNANGA. Arlete (ed. 94p. Kabengele. 1988. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo. Zahidé L. In: SOARES. Zahidé L. MUZART. 1994. In: ZAIRE-AFRIQUE. O Artista Negro. 2000 (Livro da exposição realizada de 23/04 a 7/09/2000 no Parque do Ibirapuera São Paulo) MUSEU LASAR SEGALL. Florianópolis: Letras Contemporâneas. Corrupio. Mostra do Redescobrimento: arte popular. 98-111. 240 . Nelson (org. O negro no cinema. (19):29-60. FORMAÇÃO DO MÉDICO. In: MODULO. MUNANGA. 1980. 1993. A criação artística negro-africana: uma arte na fronteira entre a contemplação e a utilidade prática.). A propos de la fonction de l'art plastique en Afrique noire. 1989. In: AGUILAR. Rio de Janeiro. Arte afro-brasileira: o que é afinal?. Alberto Baeta Neves.). Liane. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia da USP.. 1988. p. MUZART. Fernando Augusto Albuquerque. Origens da poesia afro-brasileira: condicionamentos lingüísticos. IAPONAM e MUZART. afinal? In: AGUILAR. A Sociedade angolana através da literatura. São Paulo: Associação Brasil 500 Anos Artes Visuais. 2000. abr/maio. Kabengele. MUHLENBERG. 1986. Nelson (Org.). São Paulo. 1978. Carolina. dez. MUNANGA. In: SOARES. 7(1-2):11-16. In: CARISMA.). Kabengele. Zahidé L. São Paulo: Ed. Art africain et syncrétisme religieux au Brésil. A doença e a cura nas sociedades negroafricanas tradicionais. Cruz e Sousa: no centenário de broquéis e missal. São Paulo: Ática. Kabengele. 98-100. África negra. 7-9. 27:99-128. MUNANGA. 1958. MUNANGA. 184:223-34. 1974.

241 . 263p. p. 1934. Rio de Janeiro: Edições Quilombo. NASCIMENTO. 9(2):46-54. Paris. NEYT. João Alves das. 28) NDZGORSKI Darkowska Olenka. 1997. In: Cadernos Brasileiros. 141p. Théatre populaire de marionettes en Afrique Noire. 34-97. A representação do negro na literatura brasileira. nº especial – África. Sankofa: Resgate da Cultura Afro-Brasileira. desenhos.l. Rio de Janeiro. In: Cadernos Brasileiros. (Papéis Avulsos.NABUCO. Abdias do. Minha formação. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. Rio de Janeiro: Edições Quilombo. Abdias do. 11p. Machado de Assis: três momentos negros. 1950. 5) NASCIMENTO.80 Anos de Abolição. Negro Brasileiro Negro. Teatro Experimental do Negro. p. NEVES. Mostra do Redescobrimento: arte popular. nº Especial. Sortilégio II: mistério negro Zumbi redivivo.1962. Joaquim. Rio de Janeiro: Paz e Terra. Elisa Larkin (Org).. In: NASCIMENTO. Espírito e fisionomia do Teatro Experimental do Negro. Relações de raça no Brasil.17. 318p. de duas escolas públicas paulistanas. Rio de Janeiro: UFRJ/ECO/CIEC. Rio de Janeiro. In: NASCIMENTO. A arte das cortes da África negra no Brasil. O Teatro Negro e seu instituto de pesquisa sociológica.). p. Nelson (Org. In: NASCIMENTO. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo. 1999. poesias e escritos de alunos negros.75. São Paulo: Associação Brasil 500 Anos de Artes Visuais. Catherine. Abdias do. 1:151-63. François & VANDERHAEGHE. NASCIMENTO. In: SANTOS. Rio de Janeiro: SEAFRO. mai/jun. Gizêlda Melo do. Crônicas. Abdias do. NIEMEYER. 1979. In: Negritude e Saúde – Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano da Faculdade de Saúde Pública da USP. jul. David A. Ana Maria. (25):71-81. 1950. (Doctorat de 3è cycle). (Coleção Teatro. Abdias do (e outros). In: AGUILAR. 1994. 1990. NASCIMENTO. Relações de raça no Brasil. NASCIMENTO. O cinema de assunto e autor negro no Brasil. Literatura de expressão portuguesa. NASCIMENTO. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional do Ministério da Cultura. Joel Rufino dos (org. Gizelda Melo do. NEVES. 1976. EHESS. 2000../dez. 1968. s.). Abdias do (e outros).

1972. Vera Lucia de. Eduardo de Oliveira e. il. 1999. Maisa e WHITE. A expressão estética afro-bahiana: modo de conhecer-aprender. (89):205-15. As síndromes falciformes e o PAF/MS.). Por uma literatura Encontro Nacional Afro-Brasileiro 1º/08/82. Salvador: Fundação Cultural do Estado da Bahia/EGBA. MENDONÇA. 158-166. 1989. Ed./dez.NUNES. 29/07 a Rio de Janeiro: Cadernos Afro-Asiáticos. Rio de Janeiro: Pallas: Criola. O livro da saúde das mulheres negras: nossos passos vêm de longe. 1988. João Alfredo Corrêa de. Brasília. 242 . In: WENECK. out. 2(5):117-23. Fotografia e o negro na cidade deSalvador. In: Estudos Afro-Asiáticos. 1983. 6(23):94-100. de Manuel Correia de Andrade. In: Revista Kawé. Salvador UFBa. A poesia negra no modernismo brasileiro. Brasília. 1840-1914. Babaloa Yai. Laura Cavalcante. FFLCH-USP. OLIVEIRA. Aspectos particulares da influência das culturas nigerianas no Brasil em literatura. 1985. Sofia. Encontro Nacional Afro-Brasileiro . 2000. Evelyn C. Sofia. 98p. A presença do negro na literatura brasileira. A fotografia e o negro na cidade de Salvador 1840-1914. Fernando Costa Andrade: poeta angolano em luta. Fátima. Recife: FUNDAJ. In: Via Atlântica. OLSZEWSKI FILHA. massangana. 2000. (1):41-45. PADILHA. Bandeira e a poesia africana de língua portuguesa: trajetória de um encontro . OGUIAM. Pref. (8-9):232-3. Cassiano. 1989. dinâmica e participante. Sofia. OLIVEIRA. Cândido Mendes. In: Estudos Afro-Asiáticos. Centro de Estudos 1983. OLIVEIRA. OLSZEWSKI FILHA. Minha meninice & outros ensaios. Consuelo. 149





ШОКИРУЮЩИЕ НОВОСТИ



Related news


Editor de fotos para facebook gratis
Fotos da ilha do pico
Fotos divertidas de los simpson
Paginas donde editar fotos gratis
Fotos de bacalao al pil pil
Fotos de sorrisos para facebook
Back to Top