Fotos do ponto de equilibrio

Date: 28.10.2018, 10:41 / Views: 33482

Закрыть ... [X]

Outro dia escrevi sobre um desafio para o futebol europeu: encontrar mais equilíbrio e imprevisibilidade nas ligas domésticas. Na era dos supertimes, os campeonatos estão chatos. O desnível é gigante.

No Brasil, já há muito tempo, é o oposto. Apesar do desequilíbrio orçamentário gerado pelas cotas de TV, não há supertimes, não há clube dominante, o nível técnico é baixo, a previsibilidade é nenhuma. E isso é legal. Não saber quem vai ganhar é pré-requisito para qualquer competição esportiva ser interessante.

Não é absurdo, mas é estranho vermos São Paulo e Internacional tão fortes na briga pelo título brasileiro. Um quase caiu no ano passado. O outro jogou a Série B pela primeira vez em sua história. Como assim estão lá em cima?

Oras, alguns clubes privilegiados do Brasil continuam recebendo suas altas cotas de TV mesmo quando caem. É o caso do Inter. O São Paulo é dos que mais dinheiro recebem. A ''sorte'' de ambos em 2018 foi serem eliminados precocemente da Copa do Brasil. Resultado: calendário tranquilo e aberto no segundo semestre.

O mesmo que aconteceu com o Corinthians no ano passado. Qualquer semelhança não é mera coincidência.

Enquanto isso, no outro lado da moeda estão os clubes de elenco mais recheado, considerados os favoritos a tudo antes de começar o ano: Palmeiras, Flamengo e Cruzeiro. Estes três, junto com o Grêmio e o Corinthians, estão envolvidos em tudo.

Palmeiras, Cruzeiro, Corinthians e Grêmio estão abertamente escalando reservas no Brasileiro. O Grêmio se mantém na disputa pelas duas boas vitórias conseguidas pelo time reserva – que no ano passado só apanhou.

A exceção é o Flamengo, que está poupando alguns aqui e ali, mas não está indo com time reserva em campeonato algum. O tempo dirá se esta é a melhor estratégia.

Mas o fato é que os insanos meses julho/agosto pós-Copa estão quebrando a turma dos grandes elencos e abrindo o caminho para São Paulo e Inter, que não apareciam na lista de favoritos de ninguém três meses atrás.

Podemos olhar isso o que está acontecendo por vários ângulos. O suposto melhor elenco do Brasil, o do Palmeiras, só tem um jogador de Copa do Mundo (Borja, que mal chegou a entrar em campo na Rússia). O outro suposto elencaço, o do Flamengo, tem um sistema defensivo zero confiável. Então precisamos, nós, jornalistas, termos um pouco mais de cautela antes de decretar essa coisa de ''melhor time''. Não é porque contrata muito que contrata bem.

Outro ângulo. Se esses clubes formam elencos mais recheados, não é justamente para poder disputar tantas competições? Por que não conseguem?

Mas o grande ângulo é mesmo o do calendário. A coisa é tão insana no Brasil que a competência é punida. Quem consegue estar vivo em várias competições se dá tão mal que tudo se nivela – até com times que vêm da Série B. Especialmente em um país tão grande, com longos deslocamentos e tanta variação climática. O fato é que a parada da Copa não foi uma boa oportunidade para técnicos arrumarem seus times – ela foi a única oportunidade.

Em um campeonato tão fraco tecnicamente e sem qualquer inovação tática, os problemas geram a solução. O calendário bizarro é o maior gerador de equilíbrio. A temida ''espanholização'', devido ao abismo financeiro entre, por exemplo, Flamengo e Corinthians e clubes do Nordeste, nunca vai acontecer. Porque não se dá margem para quem tem mais dinheiro dominar.

O Brasil, como já dito, não é mesmo para principiantes.

 





ШОКИРУЮЩИЕ НОВОСТИ



Related news


Accidente lara zulia fotos
Acabadas en la cara fotos
Casas de campo en argentina fotos
Fotos de jugadores de uruguay
Fotos de ninel conde en h 2019
Fotos de cortinas para dormitorios modernos
Pablo escobar gaviria fotos
Fotos de santos catolicos
Back to Top